Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Os Modelos de adaptação : Callista Roy

No description
by

Ana a

on 8 December 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Os Modelos de adaptação : Callista Roy

Thank You!
O Modelo de Adaptação Roy
A Pessoa
Os 4 Modos Adaptativos
Modo Fisiológico
Os 5 Passos Adaptativos
1. Investigação de Comportamentos
Conclusão
Callista Roy
Modelo Teórico da Adaptação
INTRODUÇÃO
Para Callista Roy, a pessoa está sujeita a uma série de condições que afetam o seu desenvolvimento, sendo que o ambiente em redor estimula a resposta adaptativa para estas condições.
O modelo de adaptação de Callista Roy é um modelo que vê o Homem como um meio de adaptação.
A Enfermagem, enquanto profissão, tem vindo a desempenhar um papel extremamente importante ao nível da promoção, da prevenção e da reabilitação em saúde.
Callista Roy
Irmã Callista Roy nasceu a
14 de Outubro de 1939
em Los Angeles, Califórnia;
Mount Saint Mary’s College;
Bacharelato em Enfermagem;
1963
1966
Mestre em Enfermagem Pediátrica, Universidade da Califórnia
Pós-doutoramento como Enfermeira Clínica, área da Neurociência, Universidade da Califórnia
1985
“The Roy Adaptation Model”
1999
Sumário
Introdução;
Biografia;
O Modelo de Adaptação de Roy;
Os 4 Modos Adaptativos;
Modelo de Roy aplicado à Enfermagem;
Os 5 Passos Adaptativos;
Conclusão;
Bibliografia.
Ambiente
Saúde
Objetivo da Enfermagem
Modo do Autoconceito
Modo da Função do Papel / Desempenho de Funções
Modo de Interdependência
2. Diagnóstico
3. Metas
4. Planos de Intervenção
5. Avaliação
O Modelo de Roy Aplicado à Enfermagem
“O humanismo reconhece a pessoa e as dimensões subjetivas da experiência humana como parte central para o conhecimento e para a valorização.”
Callista Roy
1988
Ao longo dos anos, têm sido várias as teorias e modelos propostos por diversos autores.
Sistema adaptável e holístico em interação contínua com o ambiente interno e externo.
Recebe
estímulos

Recebe cuidados de Enfermagem
Mundo interior e exterior da Pessoa
Roy
:
“O ambiente em mudança estimula a pessoa para criar respostas adaptáveis.”

Capacidade de preencher as metas de sobrevivência, crescimento, reprodução e proficiência.
Ser Saudável:
Promover o cuidado que passa a recair sobre o controlo dos estímulos focais, contextuais ou residuais, nos quatro modos adaptativos.
Papel da Enfermagem:
A importância do Estímulo
Estímulo Focal
Estímulo Contextual
Estímulo Residual
Focal:
de forma imediata e que desencadeia resposta adaptativa.
Contextual:
possibilita aparecimento do estímulo focal.
Residual:
experimentados no passado (crenças, atitudes, fatores...).
Trata as necessidades corporais básicas.
Necessidades Fisiológicas:
Integridade Psíquica
Opiniões e sentimentos sobre si mesmo
Subjetivo
Auto-perceção
Autoavaliação
Auto-comunicação
Auto-motivação
Auto-controlo
Padrões de interação social
Refletidos pelos papéis:
Primário
Secundário
Terciário
Necessidades afetivas;
Relacionamentos interpessoais.
Investigação + Intervenções de Enfermagem
A Aplicação dos 4 Modos adaptativos tanto nos Cuidados de Saúde Primários como nos Cuidados de Saúde Diferenciados.
Recolha e análise de dados referentes aos comportamentos e respostas do utente, nos diferentes modos de adaptação.
Observação
Entrevista
Avaliação
Estímulos
*Identificar o problema de saúde;
*Facilitar a intervenção do enfermeiro.
Como determinar um diagnóstico? (Roy e Andrews)
1. Utilizar tipologia nos diagnósticos;
2. Diagnóstico + estímulos mais influentes;
3. Comportamentos em um ou mais modos adaptativos.
Comportamentos finais que o enfermeiro pretende.
De longo ou curto prazo;
A META FINAL é que o utente seja capaz de um comportamento considerado adaptativo.
Para alterar ou manipular os estímulos residuais, focais e contextuais;
Deve abranger Diagnóstico, Metas e Ações a desenvolver.
Comparação de respostas com as metas;
Reajustamentos feitos a partir da avaliação.
Bibliografia
Ensino Clínico I
1º semestre
1º ano de licenciatura do curso de Enfermagem.
Full transcript