Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Untitled Prezi

No description
by

Hayeska Barroso

on 4 December 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Untitled Prezi

Pela mediação da cultura profissional o assistente social pode negar a ação puramente instrumental, imediata, espontânea e reelaborá-la em nível de respostas sócio-profissionais. Na elaboração de respostas mais qualificadas, na construção de novas legitimidades inspiradas na razão dialética Enfim... Reconhecer a instrumentalidade como mediação significa tomar o Serviço Social como totalidade constituída de múltiplas dimensões: técnico-instrumental, teórico-intelectual, ético-política e formativa (Guerra, 1997);
Na definição das finalidades e na escolha dos meios e instrumentos mais adequados ao alcance das mesmas, os homens estão exercendo sua liberdade Serviço Social e Instrumentalidade Instrumentalidade como campo de mediação e instância de passagem;

Instrumentalidade como uma mediação que permite a passagem das ações meramente instrumentais para o exercício profissional critico e competente;

Instrumentalidade sendo uma particularidade e como tal, campo de mediação, é o espaço no qual a cultura profissional se movimenta Serviço Social e Instrumentalidade As demandas sociais e profissionais ações que estejam conectadas a projetos profissionais aos quais subjazem referenciais teórico-metodológicos e princípios ético-políticos;
Necessária interlocução com conhecimentos oriundos de disciplinas especializadas (ciências humanas e sociais como referenciais teóricos e metodológicos) Serviço Social e Instrumentalidade Reconhecer e atender às requisições técnico-instrumentais da profissão não significa ser funcional à manutenção da ordem ou ao projeto burguês. Isto pode vir a ocorrer quando se reduz a intervenção profissional à sua dimensão instrumental.
Reduzir o fazer profissional à sua dimensão técnico-instrumental significa tornar o Serviço Social meio para o alcance de qualquer finalidade. Significa também limitar as demandas profissionais às exigências do mercado de trabalho. Serviço Social e Instrumentalidade São respostas manipulatórias, fragmentadas, imediatistas, isoladas, individuais, tratadas nas suas expressões/aparências (e não nas determinações fundantes), cujo critério é a promoção de uma alteração no contexto empírico, nos processos segmentados e superficiais da realidade social, cujo parâmetro de competência é a eficácia segundo a racionalidade burguesa.

São operações realizadas por ações Instrumentais, respostas operativo-instrumentais, nas quais impera uma relação direta entre pensamento e ação e onde os meios (valores) se subsumem aos fins. (GUERRA, 2000) Serviço Social e Instrumentalidade Instrumentalidade das respostas profissionais:
Modalidades de intervenção que lhe são exigidas pelas demandas das classes sociais

COTIDIANO –
Ineliminável e insuprimível, lugar onde a reprodução social se realiza através da reprodução dos indivíduos; lócus das demandas e respostas imediatas; caracterizado pelos imediatismos, singularidades, repetição e padronizações Serviço Social e Instrumentalidade Instrumentalidade das respostas profissionais:

Funções requisitadas: executar, operacionalizar, implementar políticas sociais no âmbito da reprodução da força de trabalho

Horizonte do exercício profissional: no cotidiano das classes vulnerabilizadas, em termos de modificar empiricamente as variáveis do contexto social e de intervir nas condições objetivas e subjetivas de vida dos sujeitos (visando a mudança de valores, hábitos, atitudes, comportamento de indivíduos e grupos). Serviço Social e Instrumentalidade Instrumentalidade do Serviço Social face ao projeto burguês:
Capacidade da profissão em ser convertida em instrumento para a manutenção da ordem, a serviço do projeto reformista da burguesia;
Uma das funções que a ordem burguesa atribui à profissão: reproduzir as relações capitalistas de produção.

O assistente social não faz instrumentalidade; ele exercita-a. Serviço Social e Instrumentalidade A instrumentalidade do Serviço Social pode ser pensada como uma condição sócio-histórica da profissão em três níveis:

SERVIÇO SOCIAL FACE AO PROJETO BURGUÊS

RESPOSTAS PROFISSIONAIS

MEDIAÇÃO Serviço Social e Instrumentalidade INTENCIONALIDADE DO ASSISTENTE SOCIAL –
INSTITUCIONALIZAÇÃO

A natureza (compensatória e residual) e o modo de se expressar das políticas sociais (tecnificada, fragmentada, focalista, residual) submetem o exercício profissional a dois movimentos:
Impedem aos profissionais uma concreta apreensão das políticas sociais como totalidade, síntese da articulação de diversas esferas e determinações;
Exigem dos profissionais a adoção de procedimentos instrumentais, de manipulação de variáveis, de resolução pontual e imediata. Serviço Social e Instrumentalidade Assistente social na divisão social e técnica do trabalho;
Atuação na esfera da implementação das políticas sociais (a fase terminal da ação executiva - instância em que a população vulnerabilizada recebe e requisita direta e imediatamente respostas fragmentadas através das políticas sociais setoriais);
Questões sociais institucionalizadas Serviço Social e Instrumentalidade Políticas Sociais – Espaço de ocupação profissional sui generis para os assistentes sociais; enfrentamento às refrações da questão social:

Mecanismo de reprodução material e ideológica da força de trabalho e de forma ampliada do capital;
Resultado das lutas sociais, ;
Conjunto de procedimentos técnico-operativos. Serviço Social e Instrumentalidade O status que confere utilidade social a uma profissão é a legitimidade expressa na sua própria necessidade social;

Atendimento de demandas das classes sociais vertidas em demandas profissionais (através das mediações);

RESPOSTAS INSTITUCIONAIS E QUALIFICADAS Serviço Social e Instrumentalidade QUESTÃO SOCIAL
Expressão do processo de formação e desenvolvimento da classe operária e do seu ingresso no cenário da sociedade, exigindo seu reconhecimento enquanto classe por parte do empresariado e do Estado

Capitalismo monopolista – Questão social como objeto de intervenção sistemática e contínua do Estado;
Respostas em serviços sociais;
Exigências sócio-ocupacionais específicas - Instituições Serviço Social e Instrumentalidade A instrumentalização das pessoas é própria da ordem burguesa;


Na sociedade do capital, “o trabalhador deixa de lado
suas necessidades enquanto pessoa humana e se
converte em instrumentos para a execução
das necessidades de outrem”
(LESSA, 1999). Postura teleológica e instrumentalidade As capacidades desenvolvidas pelo homem no trabalho mediam sua relação com os outros homens;

Mediações em nível da reprodução do ser social como ser histórico – Luckács chama de segunda ordem (a ideologia, a teoria, a filosofia, a política, a arte, o direito, o Estado, a racionalidade, a ciência e a técnica);

Proporcionar uma dada organização das relações entre os homens e localizá-la no âmbito da reprodução social. Postura teleológica e instrumentalidade TELEOLOGIA

Conversão dos objetos naturais em coisas úteis, torná-los instrumentos é um processo teleológico, o qual necessita de um conhecimento correto das propriedades dos objetos.

O conhecimento seria insuficiente se não fosse dotado de operatividade Postura teleológica e instrumentalidade O processo de transformação da realidade, dos meios e das condições de realização do trabalho implica, pois, em manipulação, domínio e controle de uma matéria natural que resulte na sua transformação.


Ao transformar a natureza, os homens transformam-se a si próprios


TELEOLOGIA Postura teleológica e instrumentalidade Todo trabalho social (e seus ramos de especialização) possui instrumentalidade;

PELO PROCESSO DE TRABALHO OS HOMENS TRANSFORMAM A REALIDADE, TRANSFORMAM-SE A SI MESMO E AOS OUTROS HOMENS, reproduzindo material e socialmente a própria sociedade A instrumentalidade do trabalho e o Serviço Social A instrumentalidade é, desse modo, tanto condição necessária de todo trabalho social quanto categoria constitutiva, um modo de ser, de todo trabalho; uma condição de reconhecimento social da profissão A instrumentalidade do trabalho e o Serviço Social Capacidade de converter as condições, os meios e os instrumentos existentes, em condições, meios e instrumentos para o alcance dos objetivos profissionais –

AÇÃO PORTADORA DE INSTRUMENTALIDADE A instrumentalidade do trabalho e o Serviço Social Possibilidade do atendimento às demandas profissionais e sociais;

Condição concreta de reconhecimento social da profissão;

Intencionalidade objetivada em respostas profissionais; A instrumentalidade do trabalho e o Serviço Social Refletir sobre instrumentalidade no exercício profissional do assistente social implica considerá-la como uma PROPRIEDADE ou um determinado MODO DE SER que a profissão adquire no interior das relações sociais estabelecidas HISTORICAMENTE, no confronto entre as condições objetivas e subjetivas no alcance de seus objetivos no nível do COTIDIANO A instrumentalidade do trabalho e o Serviço Social Uso vulgar do sentido de instrumentalidade:
Uso dos instrumentos necessários ao agir profissional;
Instrumentação técnica.

InstrumentalIDADE: capacidade, qualidade ou propriedade de algo;
Determinada capacidade ou propriedade constitutiva da profissão, construída e reconstruída no processo sócio-histórico A instrumentalidade do trabalho e o Serviço Social BARROCO, Maria Lúcia. Os fundamentos sócio-históricos da ética. Programa de Capacitação Continuada para Assistentes Sociais, Módulo II: Reprodução Social, Trabalho e Serviço Social. Brasília: CFESS/ABEPSS-UNB/CEAD, 1999.
GUERRA, Yolanda. A Instrumentalidade do Serviço Social. São Paulo, Cortez, 1995.
______. Instrumentalidade do processo de trabalho e Serviço Social. In: Revista Serviço Social e Sociedade nº 62. São Paulo: Cortez, 2000.
IAMAMOTO, Marilda Villela. e CARVALHO, Raul de. Relações sociais e Serviço Social no Brasil: esboço de uma interpretação histórico-metodológica. 2ª Ed. São Paulo: Cortez, 1982.
IAMAMOTO, Marilda Villela. O Serviço Social na contemporaneidade: Os Fundamentos Teórico-Metodológicos e Técnico-Operativos do Trabalho Profissional. In: Cadernos Técnicos nº 23, 1996. 
NETTO, José Paulo. Capitalismo monopolista e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1992.
______. Para a crítica da vida cotidiana. In: NETTO, José Paulo. e FALCÃO. Cotidiano: conhecimento
e crítica. São Paulo: Cortez, 1987.
______. A Construção do Projeto Ético-Político do Serviço Social. Programa de Capacitação Continuada para Assistentes Sociais. Módulo 1: Crise Contemporânea, Questão Social e Serviço Social. Brasília: UnB, Cead, 2000. p.93-110.
______. Cinco notas a propósito da "questão social". Temporalis, nª 3, Brasília: ABEPSS, 2001.
PONTES, Reinaldo. Mediação e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1995. REFERÊNCIAS A avaliação será baseada na frequência do(a) aluno(a), assiduidade, participação em sala de aula, estabelecidas entre professor(a) e alunos(as), tendo em vista o caráter amplo e contínuo do processo avaliativo. AVALIAÇÃO Estratégias de Ensino: Considerando que o processo de ensino-aprendizagem supõe um pensar crítico e participativo-reflexivo dos sujeitos envolvidos (docente e discentes), o conteúdo programático será exposto, teórica e metodologicamente, e discutido através dos seguintes recursos didáticos: aulas expositivas-dialogadas, estudo e produção de textos em trabalhos individuais e/ou em grupo, vídeos, fichamentos, resenhas e/ou resumos críticos, dinâmicas de grupo e seminários.

Recursos Técnicos: Datashow (projetor), slides, quadro, pincel e apagador. PROCEDIMENTOS
(Metodologia, Estratégias de Ensino-Aprendizagem) Unidade I - A instrumentalidade do trabalho
e o Serviço Social
Unidade II – Postura teleológica e
instrumentalidade
Unidade III – Serviço Social e
Instrumentalidade CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Geral
Compreender teórica e metodologicamente os principais elementos da instrumentalidade do Serviço Social

Específicos
Desvendar a instrumentalidade do Serviço Social em suas dimensões ético-políticas, teórico-metodológicas e técnico-operacionais;
Conhecer os principais instrumentos e técnicas utilizados historicamente no exercício profissional;
Analisar a abordagem da instrumentalidade nos campos de atuação do Serviço Social. OBJETIVOS A perspectiva da instrumentalidade em suas dimensões ético-político, teórico- metodológico e técnico-operacional.
Metodologia do Serviço Social em sua abordagem individual e grupal.
O instrumental técnico-operativo utilizado na atividade profissional. EMENTA
Faculdade Ratio Trabalho e Instrumentalidade do Serviço Social Um conjunto de inversões que transforma os homens de sujeitos em objetos, meios e instrumentos a serviço da valorização do capital Transposição da instrumentalidade com a qual os homens controlam a natureza e convertem os objetos naturais em meios para o alcance de suas finalidades para a relação dos homens entre si;

INSTRUMENTALIZAÇÃO DAS PESSOAS Postura teleológica e instrumentalidade TRABALHO PRÁXIS INSTRUMENTALIDADE PRÁXIS – Ação transformadora que envolve o conjunto das formas de objetivação dos homens
TRABALHO – Modelo privilegiado de práxis que implica a transformação da natureza A instrumentalidade do trabalho e o Serviço Social
Full transcript