The Internet belongs to everyone. Let’s keep it that way.

Protect Net Neutrality
Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Genética, performance física humana e doping genético: o sen

No description
by

Ana Vitória Vilaça

on 20 November 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Genética, performance física humana e doping genético: o sen

CONCLUSÃO

INTRODUÇÃO
"O uso de determinados recursos ergogênicos ilícitos (ex. esteroides anabólicos androgênicos, GH, IGF) reverte a genética desfavorável de um indivíduo; atletas têm genes que nós pessoas comuns não temos; mutações genéticas alteram de forma semelhante todas as funções fisiológicas do organismo; olhando para aquele atleta é possível ver que sua genética é favorável; um atleta imbatível nascerá se previamente seus pais forem submetidos ao doping genético; o doping genético não destrói o organismo, como o uso de drogas o faz; o doping genético altera os genes dos atletas."
GÉNETICA
"Pessoas "comuns" e atletas de elite têm absolutamente os mesmos genes. O que o genoma de atletas pode apresentar de diferente, em comparação ao genoma das pessoas "comuns", são variantes no código dos genes específicos envolvidos na modulação dos fenótipos de performance física (...) Os fenótipos de capacidade cardiorrespiratória, resistência, força e potência muscular e intolerância ao exercício físico são multigênicos, ou seja, controlados por vários genes. As adaptações fisiológicas em resposta ao treinamento físico acontecem como consequência das alterações de expressão gênica. Cada gene com expressão alterada contribui com uma parcela da modulação total que ocorre em um fenótipo."


"O máximo rendimento de atletas de elite é determinado pela máxima exploração do seu potencial genético, através de estímulos externos, somado à máxima expressão da performance mental. No entanto, o quanto cada fator irá contribuir para a edificação de um "fenômeno" esportivo está em parte na dependência da modalidade esportiva."
DOPING E TERAPIA GÊNICA
Doping -> uso ilícito de substâncias e métodos visando a amplificação artificial da performance física e/ou mental.
SISTEMAS FISIOLÓGICOS E GENES CANDIDATOS AO DOPING

"A musculatura esquelética parece ser o principal alvo para a terapia gênica e, consequentemente, o doping genético. Além do estado pós-mitótico das células, o que garante maior período de expressão do gene exógeno, o tecido muscular é de fácil acessibilidade e bastante vascularizado."
Genética, performance física humana e doping genético: o senso comum versus a realidade científica -Rodrigo Gonçaves Dias
CARACTERÍSTICAS INATAS E ADQUIRIDAS

Doping genético -> uso não terapêutico de células, genes, elementos genéticos ou a modulação da expressão gênica com potencial em aumentar a performance atlética.
Terapia gênica-> introdução de um material genético em células no sentido de graduar a funcionalidade de um gene ou substituir um gene não funcional. Consiste na introdução de um gene exógeno em células específicas no sentido de obter adequada expressão do mesmo.
AS ENTRELINHAS DA GENÉTICA, PERFORMANCE FÍSICA HUMANA E DOPING GENÉTICO
Há uma complexa interação entre gene e ambiente, em que o potencial de resposta dos genes na fase adulta está em parte na dependência do grau da intensidade com que estes foram estimulados desde a infância através da prática de esportes.
O doping com a transfecção do gene da EPO é pensado no sentido de aumentar a concentração das hemácias e, consequentemente, a capacidade de transporte de oxigênio no sangue. O que sugere uma sobrecarga de trabalho para o sistema cardiovascular, podendo causar um aumento do risco de morte. .
'' A transfecção com o gene da eNOS para a musculatura esquelética de membros inferiores de atletas de resistência poderia aumentar ainda mais a síntese do NO durante a prova, resultando em, quem sabe, duplicação da vasodilatação. No entanto, queda na pressão de perfusão tecidual e na pressão arterial seriam os possíveis efeitos colaterais causados pelo excesso de resposta vasodilatadora.''
"Os avanços da genômica funcional vêm comprovar o que há tempos eram apenas suspeitas. A excelência no esporte de alto rendimento, dependente em parte da máxima performance física, está sob o controle de genes."
Além da ciência confirmandar o fato de que atletas de elite são o resultado de raras combinações genotípicas, o uso ilícito de substâncias e métodos com potencial em amplificar de forma artificial a performance física ainda vem sendo muito ultilizados nessa área. Em se tratando de doping genético, o superficial raciocínio (em que as pessoas não enxergam os malefícios), de que dois genes produzem um ótimo resultado, justificaria a desenfreada busca pelo método
Full transcript