Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

HISTÓRIA DA PSICOLOGIA

No description
by

Lívia Félix

on 28 June 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of HISTÓRIA DA PSICOLOGIA

HISTÓRIA DA PSICOLOGIA


Sobre os primórdios da Psicologia
Quais condições são necessárias para a emergência do interesse sobre o conhecimento psicológico?
A Psicologia científica
Antiguidade
Filósofos gregos se propunham ao "estudo da alma", concebida como a parte imaterial do ser humano, abarcando o pensamento, os sentimentos, a irracionalidade, o desejo, a sensação e a percepção.
Sócrates: homem x animal = razão => consciência
Platão: lugar para a razão = a cabeça/ alma x corpo
Aristóteles: psyqué como princípio ativo da vida/ alma e corpo não se dissociam
Idade Média
Cristianismo como força religiosa e política dominante.
Santo Agostinho: cisão entre corpo e alma, a qual era a prova da manifestação divina no homem.
São Tomás de Aquino: homem na sua essência busca a perfeição através de sua existência = busca de Deus.
A experiência medieval fazia com que o homem se sentisse parte de uma ordem superior que o amparava e constragia ao mesmo tempo.
Renascimento
Subjetividade privatizada
"Plano de interioridade reflexiva, em que cada vivência se encontra centrada em uma experiência de primeira pessoa, de um "eu".
A distinção entre os domínios público e privado reforça a constituição de um plano interno de subjetividade.

(FIGUEIREDO, 2002; FERREIRA, 2007)
Em suma...
A Psicologia emerge como ciência quando a instância individual do homem é reconhecida socialmente, e que por motivos sociais, políticos e econômicos necessita ser normatizada e padronizada.
Ciência psicológica como prática social: fundamentos históricos e filosóficos são intimamente relacionados à própria forma do homem viver e se expressar na sociedade.
(CAMBAUVA; SILVA; FERREIRA, 1998)
Ciência psicológica como prática social: fundamentos históricos e filosóficos são intimamente relacionados à própria forma do homem viver e se expressar na sociedade.
"É uma criação humana e bem concreta: inicialmente enquanto ideias psicológicas imersas na filosofia, e depois como disciplina científica. Ponto comum: objetivo de compreender as ações, as atitudes, os comportamentos e tantos outros estados subjetivos humanos que se revelam dinamicamente nas relações dos homens entre si no mundo que vivem."
(CAMBAUVA; SILVA; FERREIRA, 1998)
Funcionalismo
Estruturalismo
Titchener (EUA): A tarefa fundamental da psicologia é descobrir a natureza das experiências consciências elementares - i.e., analisar a consciência em suas partes separadas e, assim determinar sua estrutura.
Método: introspeccionismo (auto-observação da experiência consciente)
Associacionismo
Origina-se da concepção de que a aprendizagem se dá por um processo de associação de ideias - das mais simples às mais complexas.
Lei do efeito: todo comportamento de um organismo vivo tende a se repetir se for recompensado.
Disciplina: Psicologia I 2016.1
Professora: Lívia Botelho


"Seriam as transformações do objeto estudado produto da evolução gradual e contínua de uma experiência original, ou seriam o resultado de múltiplas combinações causais e inesperadas?"

Como esta questão se configura na história da psicologia?

(FERREIRA, 2007)

a) Definição do objeto de estudo
b) Delimitação do campo de estudo
c) Formulação dos métodos de estudo
d) Formulação de teorias
Questões econômicas e políticas
"Surge para o Estado a necessidade de recorrer a práticas de previsão e controle: como lidar melhor com os sujeitos individuais? como educá-los de forma mais eficaz, treiná-los, selecioná-los para os diversos trabalhos?
Em todas essas questões se expressa o reconhecimento de que existe um sujeito individual e a esperança de que é possível padronizá-lo segundo uma disciplina, normatizá-lo, colocá-lo, enfim, a serviço de uma ordem social".
(FIGUEIREDO, 2002, p. 49)


Interessa-se pelo estudo da mente tal como ela funciona ou é usada na adaptação do organismo ao seu ambiente.
Estudavam a mente não do ponto de vista da sua composição, mas como um conjunto de funções ou processos que levam a consequências práticas no mundo real.
REFERÊNCIAS
BOCK, A. M. B.; FURTADO, O.; TEIXEIRA, M. L. T.
Psicologias: uma introdução ao estudo de Psicologia.
São Paulo: Saraiva, 2002

CAMBAUVA, L. G.; SILVA, L. C. FERREIRA, W. Reflexões sobre o estudo da História da Psicologia.
Estud. psicol.
(Natal), v. 3, n. 2, 1998 .

FERREIRA, A. A. L. O múltiplo surgimento da Psicologia. In: JACÓ-VILELA; A. M.; FERREIRA, A. A. L.; PORTUGAL, F. T. (ORGS.).
História da Psicologia
, Rio de Janeiro: Nau, 2007, p. 13–46.

FIGUEIREDO; L. C. M.; SANTI, P. L. R. Psicologia: uma (nova) introdução. São Paulo: Educ, 2002.
Nova forma de organização econômica e social --> destaque para o papel da ciência
Conhecimento torna-se independente da fé.
Conhecimento como fruto da razão; a possibilidade de desvendar a natureza e suas leis pela observação rigorosa e objetiva.
Valorização do "homem", pensado como centro do mundo.
A maior parte dos estudiosos sobre a modernidade costuma identificar como seu marco de início o pensamento de Descartes, o fundador do racionalismo moderno.
"Parece que tudo o que tomo como objeto de meu julgamento se mostra incerto, mas, no momento mesmo em que duvido, algo se mostra como uma ideia indubitável; enquanto duvido, existe ao menos a ação de duvidar, e essa ação requer um sujeito. "Penso, logo existo". A evidência primeira é de um "eu" e ele será a partir de agora o fundamento de todo o conhecimento".

(FIGUEIREDO, 2002, p. 30)
Objetivo: Problematizar os principais acontecimentos e tensões que marcaram a trajetória da psicologia para tornar-se ciência. Respondendo à questão: quais foram as condições necessárias para a emergência da psicologia científica?
Meados do séc. XIX: problemas e temas da Psicologia, até então estudados exclusivamente pelos filósofos, passam a ser também investigados pela Fisiologia e pela Neurofisiologia.
Pensamento, percepções e sentimentos humanos como produtos do sistema nervoso central
Compreensão dos mecanismos e funcionamento da "máquina" de pensar do homem - o cérebro.
Psicofísica: percepção das cores.
Lei Fechner-Weber: estabelece a relação entre estímulo e resposta, permitindo a sua mensuração.
W. Wundt cria o 1º laboratório para realizar experimentos na área da Psicofisiologia, em Leipzig, Alemanha (paralelismo psicofísico).
"Para compreender a diversidade com que a Psicologia se apresenta hoje, é indispensável recuperar sua história. A história de sua construção está ligada, em cada momento histórico, às exigências de conhecimento da humanidade, às demais áreas do conhecimento humano e aos novos desafios colocados pela realidade econômica e social e pela insaciável necessidade do homem de compreender a si mesmo".
(BOCK; FURTADO; TEIXEIRA, 2002, p. 31)
ESTUDO DIRIGIDO
Full transcript