Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Reconquista Cristã e Formação do Reino

No description
by

ana sarmento

on 9 January 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Reconquista Cristã e Formação do Reino

Reconquista Cristã e Formação do Reino
Invasão Muçulmana
Síntese
A Reconquista representava para a nobreza uma obrigação e para o povo uma esperança
As frequentes variações de fronteira são uma prova da dificuldade em consolidar territórios
O reforço dos povos berberes traduziu-se em tentativas de reorganização e renascimento da guerra

Em 711, um exército muçulmano chefiado por Tarique invade a Península Ibérica
Invadiram o Sul do Mondego
Grandes revoltas no Norte do Douro
Existência de duas culturas - cristã e muçulmana

Inicío da Reconquista
Movimento cristão com início no século VIII
Visava a recuperação das terras perdidas para os invasores árabes durante a invasão muçulmana da península Ibérica.
Refugiados nas Astúrias, Bispos, mercenários
Batalha de Convadonga em 722
Cruzadas
Movimentos militares cristãos que pretendiam acabar com a invasão islâmica
Vindos principalmente de França e Inglaterra
Grandes senhores feudais
Filhos segundos, destituídos de terras ou possuidores de património pouco rendosos
Ordem Cluny
Ordem Cluny
A Península Ibérica contou com a intervenção desta Ordem
Fundou uma densa rede de mosteiros e igrejas
A influência cluniacense manifestou-se na arte românica de muitas igrejas do Norte, especialmente na Sé de Braga
A humildade das igrejas monásticas impedia a adopção de estruturas grandiosas
Ajuda das Cruzadas Francesas
Uma das principais acções militares teve lugar entre 1090 e 1094
Raimundo e Henrique avançaram até ao Vale do Tejo a convite dos antialmorávidas do reino de Badajoz
No entanto os muçulmanos atingiram novamente o Vale do Tejo
Raimundo e Henrique
Estes foram recompensados pelo rei D.Afonso VI, rei de Leão e Castela
Raimundo casou com D.Urraca, filha legítima do rei, e foi-lhe doado um feudo
D.Henrique foi-lhe doado o condado portucalense - Porto e Coimbra - e a mão de D.Teresa
Condado Portucalense
Politica Eclesiástica
O arcebispo de Toledo tinha o primado sobre toda a Espanha
Resistência por parte de Braga
Bispo D.Pedro colocou a diocese sob a autoridade do Papa Clemente III
Velha tradição dos Suevos
Muçulmanos VS Cristãos
Em 1090, ocorre a derrota de Afonso VI de Leão e Castela na batalha de Zallaga contra os Almorávidas
Pedido de auxílio às cruzadas
Cruzadas passaram os pirinéus sob o comando do duque de Borgonha
Condado Portucalense
Com a morte de Raimundo em 1107 e de D.Sancho em 1108, a herança cabia a D.Urraca
D.Urraca casou com Afonso I, rei de Aragão, com o objectivo de ter protecção e garantir uma aliança forte
D.Henrique deixou de comparecer na corte leonesa
Condado Portucalense
D.Teresa, teve um importante papel nos negócios no condado portucalense
A viuvez desta suscitou pressões que levaram a reunificação com a galiza
A morte de D.Urraca resultou na paz e na expansão de três estados da Espanha à cristandade
Oposição D.Teresa e D.Afonso Henriques
D.Teresa governa o condado após a morte de D.Henrique em 1112
Clima de oposição no governo de D.Teresa, esta apoia os galegos
Em 1122, D.Afonso Henriques arma-se cavaleiro e apodera-se do governo do condado
Batalha de S.Mamede
Batalha de S.Mamede
Travada a 24 de Junho de 1128 no campo de S.Mamede perto de Guimarães
Confronto entre barões portucalenses e tropas do Conde galego Fernão Peres de Trava
Com a derrota, D. Teresa e Fernão Peres abandonaram o governo condal
Reconquista
D.Afonso Henriques constrói o Castelo de Leiria para servir de base defensiva e ofensiva
Em Ourique combateu os muçulmanos em 1139, no entanto não conseguiu explorar a cidade
Tratado de Zamora
Tratado de Zamora
Em 1143, D.Afonso VII concede o título de Rei a D.Afonso Henriques
Não significava independencia, pois mantinha os laços de caracter feudal.
Cerco de Lisboa
Teve inicio a 1 de Julho de 1147 e durou até 21 de Outubro do mesmo ano
Conquista da cidade de Lisboa aos Muçulmanos
Conquista da linha do Tejo, com Santarém, Lisboa, Sintra, Torres Vedras e Óbidos
Economia Rural
Reinado de D.Sancho I
herdeiro de D. Afonso Henriques
chefiou exército português vitorioso até Sevilha (1178)
massacre dos monges de Alcobaça
perda das fortalezas de Torres Vedras, Alcácer, Pelmela e Silves
Évora mantinha-se cristã
novo recuo muçulmano até à linha do Tejo
conquista de Setúbal
Reinado de D.Afonso II
após morte de D. Sancho I (1211)
pouco tempo no reino pois não dominava armas
convenção das primeiras cortes e aplicação de novas leis
Curto Reinado de D.Sancho II
filho de D. Afonso II sobe ao trono após a sua morte
menor de idade
expansão para sul com vitória sobre os muçulmanos
retirado do trono pelo Papa Inocêncio IV
Chegada de D.Afonso III - o Bolonhês
Tratado de Badajoz
16 de Fevereiro de 1267

definida a fronteira entre Portugal e Castela

Algarve pertencente a Portugal e territórios na margem esquerda do Guadiana pertencentes a Castela
Conquista do Algarve
Apenas faltava conquistar Faro, Silves e alguns territórios adjacentes
fronteira muçulmana passou para Silves, Tavira e Faro
reconquista de Silves
1249 todo o Algarve pertence à coroa portuguesa
Concepção Militar
Aparelhos militares da altura
Uso de Espada e Lança
Deslocamento a pé ou de cavalo
Desenvolvimento do fogo - uso do arco e dardo
Unidade fixa - Castelo
Feudos e Comércio
Comércio praticado em Feiras em vilas ou perto do Castelo
A cidade atraía artesãos, servos camponeses e comerciantes estrangeiros
Nos feudos, predomínio da agricultura de subsistência - uso de técnicas simples
Arado puxado por boi e insturmentos de madeira
Resistência Muçulmana
primeiros anos de dominação árabe na península - Califas do Oriente
conflitos – Omíada e Abassíada
desmembramento do império islão - forma-se o califado Omíada (756-1031)
dividido em kwars - Badajoz, Silves e Mértola
guerra civil leva ao seu colapso
chefes das kwars formam pequenos Reinos Taifas
Reinos Taifas
1º período:
27 pequenos reinos independentes
Afonso VI de Leão e Castela conquista Toledo
pedem auxílio ao Emir Almorávida (1061-1104), que conseguiu conter a ofensiva cristã
aproveitando-se, anexou os reinos Taifas - Emirado Almorávida (1095-1144)
declínio do Emirado Almorávida
"independência" de Mértola, Silves e Beja
Reinos Taifas
2º período:
Beja dominava castelos a norte e a sul do Tejo
rivalidades e guerras entre os reinos de Taifas
tiraram partido o reino de Portugal (ao norte) e o califado Almoada (ao sul).
Conquista do Alentejo
movimento expansionista e repovoador
atenções viradas para interior, nomeadamente Badajoz
Alentejo no domínio cristão com a tomada de Elvas, Juromenha, Moura, Serpa, Mértola, Aljustrel e Mértola
Full transcript