Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Alimentos e Alimentação Animal: princípios para a nutrição a

No description
by

Alexandre Olival

on 17 June 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Alimentos e Alimentação Animal: princípios para a nutrição a

Alimentos e Alimentação Animal: princípios para a nutrição animal
Aula 05.
Conteúdos
Conceitos

Composição dos alimentos

Principais alimentos

Aspectos básicos sobre a formulação de ração

1. Conceitos fundamentais para a nutrição animal
Antes de mais nada, é importante relembrar os principais fatores relacionados a eficiência dos sistemas de produção
GENÉTICA
Procurar ter animais adaptados a condição da propriedade e que possuam alto potencial produtivo. Atenção especial deve ser dada as características realmente relacionadas ao objetivo da atividade
NUTRIÇÃO
MANEJO
O objetivo é conseguir o melhor aproveitamento do alimento possível, garantindo suprir as exigências de mantença e produção dos animais. Podemos ter 02 estratégias para isso: utilizar os alimentos que podem ser produzidos na propriedade ou adquirir de fora.
Envolve o conjunto de procedimentos que serão realizados com os animais, em suas diferentes fases de vida, com a intenção de otimizar seu crescimento e produção. Inclui desde cuidados nas áreas de reprodução e sanidade, adequação de instalações quanto na área de gerenciamento (controle de informações).
Conceitos principais em nutrição animal (01):
Nutrição:
Nutrientes:
Alimento
É a utilização adequada dos principais nutrientes, por parte do organismo, para satisfação das necessidades nutricionais dos animais, considerando sempre exigência de Mantença + Produção.
Qualquer constituinte ou grupo de constituintes alimentar que entra no metabolismo celular e contribui para promover a vida do organismo. Os seis grandes grupos químicos são proteína, carboidratos, lipídios, vitaminas, minerais e água
Mistura complexa de nutrientes. Os constituintes do alimento podem ser expressos na base seca (Matéria Seca - MS) ou na base úmida (considerando
também a umidade, ou seja, o teor de água).
Alimento
Água
Matéria Seca
Matéria Orgânica
Matéria Inorgânica
Carboidratos
Lipídeos
Proteínas
Vimaninas
Minerais (macro e micronutrientes)
Conceitos principais em nutrição animal (02):
Dieta e Ração:
Ração Balanceada:
Aditivos:
É uma mistura de alimentos convenientemente equilibrada para fornecer todos os nutrientes exigidos pelos animais.
Entende-se por dieta ou RAÇÃO a mistura de alimentos que é fornecida aos animais. RAÇÃO é todo o alimento que o animal ingere num período de 24horas. DIETA indica os componentes de uma ração, ou seja, é o ingrediente alimentar ou mistura de ingredientes, incluindo a água, a qual é ingerida pelos animais.
São substâncias não nutritivas, adicionadas aos alimentos para melhorar suas propriedades ou seu aproveitamento.
Deficiência nutritiva
Inexistência ou insuficiência de um nutriente essencial tendo como base a sua exigência, ou seja, a quantidade requerida por determinada espécie e categoria de animal, para sua boa manutenção, sua produção e reprodução eficientes
IMPORTANTE
Digestibilidade
Conversão alimentar
Eficiência alimentar
Normalmente expressa em percentual, representa a porcentagem de alimento consumido, que não foi eliminado pelas fezes e, conseqüentemente, foi utilizado pelo animal para suprir as funções de manutenção, produção e reprodução. E se refere a capacidade que o alimento tem de ser digerido pelo animal.
Capacidade do animal em converter o alimento em uma unidade de produto animal (ganho de peso, litros de leite, etc).
C
onsumo do Alimento (Kg de Alimento)
Ganho de Pesom (Kg de Carne, p. ex.)
Quantidade de produto animal obtido por uma quantidade unitária de alimento.
Ganho de peso
Consumo de Alimento
x 100
2. Composição dos alimentos
Bromatologia
Bromato
Alimento
Logos
Estudo
"Estudo dos alimentos"
Análise Bromatológica:
obtenção da composição química dos alimentos, ou seja, a determinação das frações nutritivas de um alimento
Importante
Muitas vezes a diferença na composição de um alimento é dada pleo seu teor de água. Por isso foi estabelecido apresentar os nutrientes sempre na forma de % na MS.
Exercício: que alimento tem o maior teor de Fibra Bruta na MS...
Componentes que vamos estudar
Proteína
Carboidratos
Lipídeos
Nutrientes orgânicos nitrogenados presentes em todas as células vivas.

Forma o principal constituinte do organismo animal, sendo, pois, indispensável para o crescimento, reprodução e produção.
Utilizada para construção da estrutura orgânica e produtos de secreção. Ao contrários das fontes energéticas, que muitas vezes geram produtos "não palpáveis", a metabolização de proteínas gera produtos concretos.
Unidade Básica das Proteínas:
aminoácidos
NH2
C
C
O
H
OH
R
Toda proteína tem 16% de Nitrogênio. Logo, a determinação da PB de um alimento se dá por meio indireto, determinando quantidade de N e então multiplicando por 6,25
Nutrientes orgânicos nitrogenados presentes em todas as células vivas. Formam o principal constituinte do organismo animal, sendo, pois, indispensável para o crescimento, reprodução e produção
Diferenciam-se dos demais nutrientes pois são elementos estruturais, ou seja, a proteína é usada na construção de estruturas orgânicas e produtos de secreção, ao contrário, opr exemplo, dos Carboidratos, que são usados primariamente como fonte de energia.
Unidade Principal:
aminoácido
Quando fazemos a determinação do teor de proteína de um alimento, fazemos na verdade a determinação do Nitrogênio. Depois multiplicamos por 6,25.
Grande parte das proteínas possui 16% de Nitrogênio
Problemas com esta forma de determinação:
Nem toda a proteína tem 16% de Nitrogênio

Nem todo o Nitrogênio de um alimento está na composição de uma proteína (NNP)
Uréia como fonte de NNP para ruminantes
Uréia
Abomaso e ID
CO2
Amônia
Proteína Microbiana
Carbono
Fígado
(absorção ruminal)
Transformação em Uréia
Saliva e Urina
Volta para o rúmen
Equivalente Protéico da Uréia = 260%
(100 g de Uréia gera 260 g de proteína microbiana em condições perfeitas de funcionamento ruminal
Cuidados no fornecimento de uréia para ruminantes:
Fornecimento gradativo, de maneira a estimular o crescimento de bactérias que utilizam a Amônia.

No mínimo 02 semanas de adaptação.

Quanto maior a quantidade de uréia, mais parceladdo seu fornecimento deve ser, para evitar altas concentrações de amônia no rúmen.

Referência básica: 40 g de uréia para cada 100 Kg de PV - o importante é a quantidade de energia disponível na dieta.

Em caso de intoxicação: 3 a 5 litros de ácido acético a 5% ou mesmo vinagre, repetindo 3 horas depois caso haja necessidade (estabilização do pH no rúmen pois a NH3 deixa o pH mais alcalino).

Algumas pessoas usam 20 a 30 litros de água gelada no animal (estimular a passagem ruminal e inibir enzimas).

Sintomas: inquietação, surdez, salivação, tremores, perda de coordenação, micção e defecação constante, enrijecimento de pernas, morte.
Fornecem energia e calor para os organismos. Podem ser prontamente utilizáveis ou armazenados.

Carboidratos "Fibrosos"
(componentes da parede celular)
Carboidratos "não Fibrosos"
(componentes do interior celular)
Celulose
Hemicelulose
Lignina
Amido
Açúcares diversos
Porção que pode ser metabolizada por microrganismos (apenas herbívoros)
Porção que não pode ser metabolizada
Porção de alta digestibilidade
FDN
FDA
Efeito sobre o consumo e a digestibilidade
Substâncias insolúveis em água mas solúveis em éter, clorofôrmio, benzeno e outros solventes orgânicos chamados extratores.

Constitui boa fonte de calor e energia (Fornecem 2,25 vezes + energia do que os carboidratos e proteínas)
Também são responsáveis por:
Isolamento térmico(toucinho)
Fonte de AG essenciais (lonolênico, linoleico, aracdônio)
Precursor da vitaminas D2 e D3
Auxilia na absorção de certas vitaminas
São necessárias para o crescimento e fazem parte da cobertura protetora do corpo(Lã).
Tornam a carne + macia e + apetecível
Energia Bruta
É a energia desprendida da queima total dos alimentos. É assim denominada porque não há qualquer indicação de quanto o animal pode aproveitar
Energia Digestível
Energia perdida nas fezes (alimentos não absorvíveis e/ou não digeríveis)
Energia Metabolizável
ED e energia perdida na urina e nos gases. Nas aves só se utiliza EM.
Energia Líquida
Energia efetivamente utilizada pelo organismo, seja para
se manter, seja para produção. É a energia metabolizável menos o Incremento
Calórico (IC).
Energia
Capacidade de Realizar Trabalho
Medir o quanto de energia cada alimento pode oferecer ao animal - estratégia de formulação de rações.
Energia Líquida
Nutrientes Digestíveis Totais (NDT)
NDT
Capacidade do animal em converter um alimento em uma unidade de produto animal
Representa a porcentagem de alimento consumido que não foi eliminado pelas fezes e, conseqüentemente, foi utilizado pelo animal para suprir as funções de manutenção, produção e reprodução.
Quantidade de produto animal obtido por uma quantidade unitária de
alimento (dada em %)
Cálculo da quantidade de energia disponível ao animal a partir da energia contida em cada fração do alimento...
NDT= PB+FB+ENN+(2,25xEE)
NDT=PB+CNF+FDN+(2,25xEE)
Em virtude das diferennças entre as frações de fibra, mudou-se esta equação para...
Trabalhar sempre com o nutriente "digestível"
Em 2001 o NRC propôs uma nova mudança na fórmula, incluindo novos fatores de correção, a saber:
Calcular a diferença da PB entre alimentos concentrados e volumosos, considerando as perdas de Proteína devido a ligação do N com liginina.

Uso de fatores de correção que mudam a digestibilidade dos carboidratos a partir do seu processamento.

Uso de uma estimativa do NDT fecal para corrigir a equação (subtrai-se um a valçor que seria o NDT fecal).
3. Classificação de alimentos
Volumosos
Concentrado
Alimentos com mais de 18% de FB
Alimentos com menos de 18% de FB
Forragens verde
Forragens conservadas

Energéticos
(Menos de 20% de PB)
Protéicos
(Mais de 20% de PB)
Origem vegetal (20 a 50% OB)
Origem animal (34 a 82% de PB)
Algumas diferenças importantes
Funções
Volumoso
Concentrado
Em animais herbívoros, importante função de geração de energia, além de ser fundamental para o funcionamento do rúmen. Em outros animais, papel da motilidade gástrica principalmente.
Fonte direta de nutrientes para a geração de energia e todas as funções metabólicas,
Teor de MS
Mais baixo
Alto (85 a 95%)
Teor de NDT
Mais baixo
Mais Alto (60% ou mais)
Alguns alimentos utilizados na alimentação animal
Milho
O principal componente dos concentrados comerciais
Alta energia (85-88% NDT na matéria seca);
Baixo teor de proteína (7-10%) e vitamina D;
Baixo teor em Cálcio e moderado em fósforo;
Deve ser moído p/ aumentar a eficiência de uso;
Pode ser ensilado com alto teor de umidade(70-80% de MS);
Pode ser fornecido até 70% na ração, em vacas leiteiras recomenda-se
manter a FDN em até 28%.

Sorgo
Possui cerca de 85-90% do valor do milho;
Necessita ser moído para se obter máxima digestibilidade;
Maior teor de PB, mais variável em comparação com o milho(8-12%);
Baixo teor de Ca e moderado P.
Fator antinutricional: produção de ácido cianídrico(HCn), no rúmen, é tóxica ao animal principalmente plantas jovens.
Farelo de Trigo
Seu teor de PB varia de 13-18%, 13-17% de FB e 71% de NDT na MS;
É uma boa fonte de P, Se e F. Pobre em caroteno;
O teor de extrato etéreo (EE) é de 4,5% podendo rancificar-se e FDN 11%;
Para altos níveis de produção deve ser limitado devido o seu relativo elevado teor de FB (20-25% do concentrado).
Farelo de Arroz
Apresenta 70% de NDT, 13-15% de PB na MS;
Rica em Ca e P, contém mais de 13% de EE, pode rancificar causando efeito negativo sobre o consumo e a destruição da vitamina E, vitamina A;
Usado p/ ruminantes até 20% ou 5% de EE na ração
Mandioca
Pode ser usada in natura ou desidratada e moída para produção de concentrado
Raiz fresca rica em amido e NDT (70%), pobre em PB (2-3%)
Recomendada de 2-3% do peso do animal/dia
Fator antinutricional: linamarina, convertida em HCn no rúmen
Raspa recomendada até 100% de substituição do milho
1 kg de milho equivale a 1kg de RMCA + farelo de algodão.
Algumas outras fontes de energia
Melaço
Cevada
Polpa cítrica
Torta de dendê

Farelo de soja
Suplemento protéico padrão e com o qual são comparadas outras fontes de proteínas (qualidade e custo) e é mais usado em virtude de sua composição de aminoácidos.
Teor de proteína varia de 40 a 50%;
Possui de 70 a 80% de NDT e não contêm mais de 7% de FB;
É baixo em Ca e moderado em P, e rica e caroteno e vitamina D;
Fator anti-nutricional anti-tripisina e urease (monogástricos e bovino de corte);
Semente integral - 38 a 40%PB, 17 a 18% de óleo, 85 a 94% NDT e deve ser limitada a 20% do concentrado ou 2,5kg/animal/dia, por possuir 20% de EE e apresentar uréase (contribui p/ ↑ da hidrolise da uréia ruminal causando intoxicação.
Farelo de Algodão
Possui 33 a 40% PB;
60 a 70% NDT;
10 a14% de FB;
Baixo em Ca e alto em Fósforo, assim como o farelo de soja não há limitações quanto o seu uso;
Energéticos
MILHO
ARROZ ( ou QUIRERA).
ALGODÃO (CAROÇO).
AVEIA (BRANCA ou PRETA).
CEVADA.
SOJA INTEGRAL CRUA OU TOSTADA.
TRIGO.
TRIGUILHO.
TRITICALE.
MELAÇO DE CANA.
MELAÇO DE CANA EM PÓ.
FARINHA OU REMOÍDOS DE TRIGO.
FARELO DE ARROZ DESENGORDURADO.
CALDO DE CANA.
AÇÚCAR.
GORDURA DE AVES.
GORDURA SUÍNA.
SEBO BOVINO.
ÓLEOS VEGETAIS (ARROZ,COCO,PALMA).
ÓLEODE SOJA (BRUTO, DEGOMADO, REFINADO)
LECITINA DE SOJA.
Protéicos
FARELO DE SOJA
LEVEDURA DE CANA.
LEVEDURA DE CERVEJA.
RESÍDUOS DE CERVEJARIA (ÚMIDOS ou SECOS).
CEVADA + QUIRERA
MALTE
RESÍDUOS DA INDUSTRIA DE SUCOS
FARELO E FENO DE ALFAFA.
FARELO DE BABAÇÚ.
FARELO DE COCO.
FARELO DE CASTANHA DE CAJÚ.
FARELO DE CACAU.
FARELO DE COLZA (CANOLA).
FARELO DE GIRASSOL COM OU SEM CASCA.
CAMA DE AVIÁRIO (FRANGO ou POEDEIRAS).
DEJETOS DE SUÍNOS.
FARELO DE MAMONA.
FARELO DE BOLACHA (ou RESÍDUO ).
PÃO ou FARINHA DE PÃO.
FARINHA DE PENAS.
FARINHA DE PENA E VÍSCERAS DE AVES.
FARINHA DE VÍSCERAS.
FARINHA DE CRISÁLIDAS.
FARINHA DE OSSOS CALCINADOS.
FARINHA DE OSSOS AUTOCLAVADOS.
FARINHA DE OSTRAS.
FARINHA DE SANGUE.
FARINHA DE PEIXE.
4. Uma rápida visão sobre a formulação de rações
O primeiro passo para a formulação de rações é a identificação precisa do animal. Algumas perguntas são fundamentais:
Principais características que determinam os requerimentos nutricionais dos animais (consultar referências - NRC, por exemplo)
Seleção dos ingredientes
O que tenho disponível ou posso produzir...
O que pode ser comprado a baixo custo na região
O que tenho que comprar de outras regiões
Consultar a composição destes produtos
Balanceamento
Exemplo 01:
Novilhos
360 Kg de PV
Ganho de Peso: 0,91 Kg/ dia
Necessita de
8,4 Kg de MS
0,78 Kg de PB (9,2% MS)
5,67 Kg de NDT (67,5% MS)
Alimento Disponível:

silagem de milho (quantidade equivalente a 70% do total da MS). Esta silagem tem 7,8% de PB e 63% de NDT)
Gado de corte geralmente utiiza-se o NDT como referência para a formulação
70% da MS = 5,88 Kg de MS
5,88 Kg x 7,8% PB = 0,46 Kg
Exigência é de 0,78 Kg de PB
Faltam 0,32 Kg de PB
70% da MS = 5,88 Kg de MS
5,88 Kg x 63% NDT = 3,70 Kg
Exigência é de 5,67 Kg de NDT
Faltam 1,97 Kg de NDT
PB
NDT
Está faltando...
2,5 Kg de MS
0,32 Kg de PB
1,97 Kg de NDT
2,5 Kg de MS deve ter 0,32 Kg de PB, ou seja, 12,8% na MS
2,5 Kg de MS deve ter 1,97Kg de NDT, ou seja, 78,8% na MS
E agora?
Vai faltar nutriente!
Tem que suplementar com o concentrado!
Exemplo: temos disponível Farelo de Trigo e Grãos de Milho
Ingredientes
Farelo de trigo
Desejado
Milho
PB
12,8%
16%
9%
16% - 12,9% = 3,2
12,8% - 9% = 3,8
3,8 + 3,2 = 7,0
54,3% de Farelo de Trigo
45,7% de Grãos de Milho
Proporção
Normalmente ajustando-se para a PB, dependendo dos ingredientes, faz-se - ajuste do NDT.
Outras formas de balancear a ração
Tentativa e erro: a partir dos nutrientes centrais, estima-se uma primeira dieta, calcula-se o déficit destes nutrientes, mudando a dieta até adequar as exigências.
Método algébrico: a partir de equações que relacionam a composição dos ingredientes e as exigências - atualização das tabelas do NRC.
Estes métodos permitem ajustar as dietas com base em 1 ou 2 componentes. Em rebanhos especializados esta forma não basta. Torna-se necessário fazer o procedimento utilizando o conjunto de nutrientes. Para isso, torna-se fundamental a utilização de programas de computador.
Cuidado com os programas: há necessidade de atualizar os dados bramatológicos dos alimentos, custos bem como das próprias exigências dos animais! Lembrar que tais programas trabalham com uma lógica matemática e não biológica!
Full transcript