Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

As Representações Sociais da profissão de Serviço Social

No description
by

caroline camargo

on 2 December 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of As Representações Sociais da profissão de Serviço Social

Justificativa

Relevância para pesquisa em Serviço Social, sobretudo no nível da graduação -> parca produção sobre tema
Contribuição para o entendimento a respeito da identidade da profissão e a imagem da mesma.






As Representações Sociais da profissão de Serviço Social
Caroline de Oliveira Camargo
Orientadora: Profª Drª Maria Virgínia Righetti Fernandes Camilo

um estudo sobre ingressantes e concluintes
Objeto
Objetivo


Identificar e compreender como ser formam as representações sociais acerca do Serviço Social na perspectiva dos discentes.
As representações sociais da profissão de Serviço Social apresentadas pelos alunos ingressantes e concluintes da Faculdade de Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC Campinas).

Metodologia



O Serviço Social brasileiro - história e desenvolvimento: Iamamoto (2014), Mota (2013), Iamamoto & Carvalho (2012), Martinelli (2011), Yazbek (2009), Yazbek, Martinelli e Raichelis (2008), Netto (2005), Netto (2006) e Iamamoto (2004);

Representações sociais - Conceito e estrutura:
Minayo (2010), Moscovici (1978), Bourdieu (1989), Teixeira (1989) e Jodelet (1989).

Método quanti-qualitativo - abordagem complexa (MINAYO, 2010)

Campo da pesquisa: Faculdade de Serviço Social da PUC Campinas.

Sujeitos: discentes ingressantes e concluintes da FSS de 2015

Resultados: Perfil dos alunos
Análise das entrevistas

- 95% mulheres - Profissão Feminina (CHIES, 2010; CAMILO, 2005; CISNE, 2004)
- Perfil etário: Ingressantes 91% na faixa até 25 anos e Concluintes: perfil etário heterogêneo: 26% -> 21 a 25 anos 26% -> 31 a 35 anos

Renda familiar: oscila entre um salário mínimo e meio e três salário mínimos ou superior a três salários mínimos.

Escolaridade da mãe: em menor parte, analfabetas ou com ensino fundamental; maior parte cursou o ensino médio.

Ocupação do pai: predomínio de profissionais liberais e empregados formais.

A escolha da profissão

Contato direto com o Assistente Social e/ou com o trabalho deste na condição de:
usuário
colega de trabalho formal ou voluntário

A vontade de ajudar (FALEIROS, 2001b apud FALEIROS, 2013, p.84). - duplo sentido: ajuda X defesa de direitos

“Bom, eu escolhi o Serviço Social, foi numa... assim pensando em ajudar as pessoas, a minha visão... eu sei que o Serviço Social hoje não é isso, né, é defender os direitos, mas foi por esse lado que eu escolhi essa profissão. Por estar mais próximas das pessoas, poder fazer alguma coisa por elas” (Aluna 16 - concluinte).

"Eu fui ver Serviço Social e coisas assim e dai eu gostei do Serviço Social, porque eu acho que, assim, é a parte da sociedade que precisa de atenção, que precisa de saber de seus direitos, porque todos tem direito, né? E nem todos sabem ou nem todos procuram seus direitos. Então, eu escolhi mais pelo fato de ajudar, de... é... questão de igualdade, de direitos e coisas do tipo” (Aluna 05 - ingressante).

Ajuda atrelado ao aspecto religioso - Simões, 2007 e Teixeira, 1998

"[...} foi quando eu creio que meu chamado ministerial é servir as pessoas, é lutar pelos direitos delas, é lutar pelos direitos dos oprimidos, eu creio que é isso, então foi isso que me levou a escolher o curso em relação a igreja. Com o passar do tempo eu percebi que não é tão simples assim, mas isso foi o que me levou a escolha do curso (aluna 10 - ingressante).
Contato com o Serviço Social
Convívio com parentes ou colegas formados em Serviço Social, seja de modo informal ou através de alguma experiência de trabalho ou de voluntariado

“Foi num jantar que teve na minha casa, a namorada de um amigo do meu pai ela é Assistente Social e ai conversando com ela me falou da profissão e automaticamente eu já me apaixonei” (Aluna 02 - ingressante).

Situação de atendimento próprio ou de familiar

“O contato com Assistente Social foi quando eu ganhei minha filha, quando eu tinha 15 anos, e ai eu precisei procurar uma Assistente Social pra fazer o registro dela por não ter condições de fazer o registro, naquela época pagava [...]” (Aluna 18 - concluinte).

Sem contato direto - associa com ações caritativas de cunho religioso.

“[...] e por eu fazer parte de um ministério chamado assistência social da igreja, que no caso a minha parte é em relação aos moradores de rua, foi onde eu tive o entendimento, ai eu fui buscar sobre a profissão e tal (Aluna 10 - ingressante)”.


Conhecimento sobre o Serviço Social

Visão sobre a profissão antes da graduação:


Ideia de ajuda/caridade
"Então é naquele
senso comum
de como todos da população que não tem conhecimento do Serviço Social, que a acha que é só pra dar cesta básica e ajudar pobre, só e não como cidadão de direito” (Aluna 15 - concluinte)".

Visão sobre o trabalho do Assistente Social:

Relevância da função para o conjunto das relações sociais
Ingressante -> "desconsidera as condições do exercício profissional, os espaços em que se efetiva” (TEIXEIRA, 1998, p. 116
Concluinte -> compreende as limitações da prática profissional.

Profissão como “missão”

"[...] meu chamado ministerial é servir as pessoas, é lutar pelos direitos delas, é lutar pelos direitos dos oprimidos [...] (Aluna 10 - ingressante)

“[...] é uma profissão que defende os direitos das pessoas, que trabalha, batalha pelas pessoas, né. E assim, eu acho que a gente não trabalha pra enriquecer, porque não dá dinheiro. E eu penso assim, que é uma coisa que tem que gostar mesmo" (Aluna 16 - concluinte)

Considerações Finais
O Serviço Social: diferentes representações sociais; algumas bem distantes da imagem considerada como ideal = Projeto Ético-Político (NETTO, 2006)

Representações identificadas: Ajuda, caridade; defesa de direitos; profissional do campo prático







Referências Bibliográficas
ANTUNES, Ricardo. ALVES, Giovanni. As mutações do trabalho na era de mundialização do capital. Educ. Soc. Campinas, vol. 25, n 87, p. 335 - 351. 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v25n87/21460.pdf Acesso em 10 set. 2015.
BARDAGI, MarúciaPatta; PARADISO, Ângela Carina. Trajetória Acadêmica e Satisfação com a Escolha Profissional de Universitários em Meio de Curso. Rev. bras. orientac. prof,  São Paulo ,  v. 4, n. 1-2, dez.  2003 .   Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-33902003000100013&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em  18set.  2015.
BOURDIEU, Pierre.O Poder Simbólico. Trad. Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Ed. Difel, 1989.
_________. Homo academicus. Trad. Ione Ribeiro Valle; Nilton Valle, Rev. Téc.Maria Tereza de Queiroz Piacentini. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2011.
BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988
BRASIL. Lei nº 8662, de 07 de junho de 1993. Dispõe sobre a profissão de Assistente Social e dá outras providências. Lei. Brasília, DF, 07 jun. 1993. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8662.htm>. Acesso em: 28 set. 2015.
BRAZ, Marcelo. Notas Sobre o Projeto Ético-Político do Serviço Social. In: CRESS 7a Região. (Org.). Assistente Social: Ética e Direitos - Coletânea de Leis e Resoluções..5ed.Rio de Janeiro: Daugraf Gráfica e Editora, 2008, v. I, p. 78-85.
CAMILO, Maria Virginia Righetti Fernandes. Programa de aprimoramento profissional para saúde: qualificação de assistentes sociais. Tese (Doutorado) - Faculdade de Educação, UNICAMP, Campinas-SP, 2005.
CHAUÍ, Marilena. Convite a filosofia. São Paulo: Ed. Ática, 2000.
CHIES, Paula Viviane. Identidade de gênero e identidade profissional no campo de trabalho. Estudos Feministas, Florianópolis, 18(2): 352, maio-agosto/2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2010000200013> Acesso em 31 ago. 2015.
CISNE, Mirla. Serviço Social: uma profissão de mulheres para mulheres?:uma análise crítica da categoria gênero na histórica “feminização” da profissão. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) – Universidade Federal de Pernambuco. Centro de Ciências Sociais Aplicadas. Recife (PE), 2004.Disponível em: <http://www.repositorio.ufpe.br/bitstream/handle/123456789/9916/arquivo9102_1.pdf?sequence=1&isAllowed=y> Acesso em 31 ago. 2015.
CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL - CFESS. Assistente Social: Um guia básico para conhecer um pouco mais sobre esta categoria profissional. Brasília, 2012.Disponível em: http://www.cfess.org.br/visualizar/noticia/cod/895Acesso em 29 mai. 2015.
__________________________________________. Assistentes Sociais no Brasil: elementos para o estudo do perfil profissional. Organizado pelo Conselho Federal deServiço Social; colaboradores Rosa Prédes... [et al.].--Brasília: CFESS, 2005. Disponível em: http://www.cfess.org.br/pdf/perfilas_edicaovirtual2006.pdf Acesso em 22 ago. 2015.
__________________________________________. Código de Ética Profissional do Assistente Social. Brasília: CFES, 1993. Disponível em: http://www.cfess.org.br/arquivos/CEP_CFESS-SITE.pdf Acesso em 04 out. 2015
DURKHEIM, Émile. As regras do método sociológicos. 9 ed. Lisboa: Presença, 2004. Tradução de Eduardo Lúcio Nogueira.
FALEIROS, Vicente de Paula. Desafios de cuidar em Serviço Social: uma perspectiva crítica. Katálysis, Florianópolis, v. 16, n. esp., p. 83-91, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rk/v16nspe/06.pdf Acesso em 27 set. 2015.
FALEIROS, Vicente de Paula. O Serviço Social no cotidiano: fios e desafios. Serv. Soc. Soc.,  São Paulo,  n. 120, p. 706-722, dez.  2014.   Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-66282014000400007&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em  20  out.  2015.  

IAMAMOTO, Marilda Villela. CARVALHO, Raul de. Relações sociais e serviço social no Brasil: esboço de uma interpretação histórica-metodológica. 32 ed.SãoPaulo:Cortez,2012.
IAMAMOTO, Marilda Villela. A formação acadêmico-profissional no Serviço Social brasileiro.Rev. Serviço Social &Sociedade,n. 120, p. 609-639, out./dez. São Paulo: Cortez, 2014.
_________. Renovação e conservadorismo no serviço social. São Paulo: Cortez, 2004.
_________. Os espaços sócio-ocupacionaisdo assistente social. In CFESS/ABEPSS. (Org.) Serviço Social: Direitos Sociais e Competências Profissionais. Brasília: CFESS/ABEPSS, 2009, p. 314 - 375
IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.Síntese de Indicadores Sociais: Uma análise das condições de vida da população brasileira 2014.Estudos e Pesquisas Informação Demográfica e Socioeconômica número 34. Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv91983.pdf Acesso em 27 ago. 2015.
JODELET, Denise. Représentationssociales: undomaineenexpansion. In D. Jodelet (Ed.) Lesrepresentationssociales.Paris: PUF, 1989, pp. 31-61. Tradução: Tarso Bonilha Mazzotti. Revisão Técnica: Alda Judith AlvesMazzotti. UFRJ- Faculdade de Educação, dez. 1993.
LOCH,Jussara de Azambuja. Princípios da bioética. In: Kipper DJ. (editor) Uma Introdução à Bioética. Temas de Pediatria Nestlé,n.73, 2002. p. 12-19. Disponível em: http://www.pucrs.br/bioetica/cont/joao/principiosdebioetica.pdf Acesso em 03 out 2015.
LUCE, Mathias Seibel. Brasil: nova classe média ou novas formas de superexploração da classe trabalhadora?. Trab. educ. saúde,  Rio de Janeiro ,  v. 11, n. 1, p. 169-190, Apr.  2013 .   Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-77462013000100010&lng=en&nrm=iso. Acesso 07 set. 2015.
MACIEL, Karen de Fátima. O pensamento de Paulo Freire na trajetória da educação popular. Rev. Educação em Perspectiva, Viçosa, v. 2, n. 2, p. 326-344, jul./dez. 2011. Disponível em: http://www.seer.ufv.br/seer/educacaoemperspectiva/index.php/ppgeufv/article/viewFile/196/70. Acesso 22 set. 2015.
MARTINELLI, Maria Lucia. Serviço Social: Identidade e alienação. 16 ed. São Paulo: Cortez, 2011.
__________. O exercício profissional do Assistente Social na área da saúde: algumas reflexões éticas. Serviço Social & Saúde, Campinas; UNICAMP, 2007, Ano VoI, n. 6, p. 21−33. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-66282011000300007&script=sci_arttext Acesso em 10 set. 2015.
MELLO, Luiz; BRITO,Walderes; MAROJA, Daniela. Políticas públicas para a população LGBT no Brasil: notas sobre alcances e possibilidades. Cad. Pagu,  Campinas,  n. 39, p. 403-429, Dec.  2012.   Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332012000200014&lng=en&nrm=iso>. Acesso em  04  out.  2015.
MINAYO, Maria Cecilia de Souza. SANCHES, Odécio. Quantitativo-Qualitativo: Oposição ou Complementaridade? Caderno Saúde Pública, Rio de Janeiro, 9 (3): 239-262, jul/set, 1993 Disponível em: http://unisc.br/portal/upload/com_arquivo/quantitavivo_qualitativo_oposicao_ou_complementariedade.pdf Acesso em 20 mai. 2015.
MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2010.p. 204 – 238.
MOSCOVICI, Serge. A Representação Social da Psicanálise. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1978. p. 41 - 67.
MOTA, Ana Elizabete. Serviço Social brasileiro: profissão e área do conhecimento. Katálysis, Florianópolis, v. 16, p.17-27, 2013. Semestral. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_issuetoc&pid=1414-498020130003&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 04 maio 2015.
NETTO, José Paulo. A construção do projeto ético-político do Serviço Social. In: MOTA, A. E. et al. (Org.). Serviço Social e saúde: formação e trabalho profissional. São Paulo: Cortez, 2006, p. 141-160.  
_________. Ditadura e Serviço Social: uma análise do Serviço Social no Brasil pós-1964. 8ª Ed. São Paulo: Cortez, 2005.
PEREIRA, Potyara.A.P. A utilidade da pesquisa para o Serviço Social. Serviço Social & Saúde, Ano 4, n. 4. p. 17-28. 2005. Disponível em: <http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document> Acesso em 10 set. 2015.
PUC CAMPINAS. Projeto pedagógico da Faculdade de Serviço Social. Campinas, documento interno. 2014.
SCALON, Celi; SALATA, André. Uma nova classe média no Brasil da última década?:o debate a partir da perspectiva sociológica. Soc. estado.,  Brasília ,  v. 27, n. 2, p. 387-407, Aug.  2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69922012000200009&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 5 set. 2015.
SIMÕES, Pedro. Religião e Política entre alunos de Serviço Social (UFRJ).Rev.Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, n. 27, p. 175-192, 2007.
TEIXEIRA, Maria Solange. Representações sociais da profissão de serviço social: um estudo de caso junto ao alunado do curso na UFPI. 1998. 1 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Serviço Social, Faculdade de Serviço Social, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1998.
TRINDADE, Rosa Lúcio Prédes. Ações profissionais, procedimento e instrumentos no trabalho dos assistentes sociais nas políticas sociais in: BACKX, Sheila; GUERRA, Yolanda. A Dimensão Técnico-operativa no Serviço Social:desafios contemporâneos. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2012
VÁZQUEZ, Adolfo Sánches. Ética. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 1975.
YAZBEK, Maria Carmelita; MARTINELLI, Maria Lucia; RAICHELIS, Raquel. O Serviço Social brasileiro em movimento: fortalecendo a profissão na defesa de direitos. Serviço Social e Sociedade, São Paulo SP, n. 95, p.05-31, set. 2008.
YAZBEK, Maria Carmelita. “O significado sócio-histórico da profissão”. In CFESS/ABEPSS. (Org.) Serviço Social: Direitos Sociais e Competências Profissionais. Brasília: CFESS/ABEPSS, 2009, p. 125-141.


Conhecimento sobre as atividades do Serviço Social:

Conhecem o fazer profissional, porém têm dúvidas para definir as atividades do Assistente Social.
Ingressantes: Orientação à população
Concluintes: Apresentaram algumas atividades de modo fragmentado e junto a elementos que na verdade constituem o instrumental técnico operativo da profissão
Palavras associadas a profissão e/ou Serviço Social:

Direito, Cidadania
Profissão vivenciou seu período de transformação no mesmo lapso histórico da reconstrução da democracia brasileira e a concretização de Políticas Sociais, em especial a de Assistência Social; de modo que ambas receberam e exerceram influência sobre a outra.

Ética, Igualdade, dedicação, amor, servir e perseverança.
Conhecimento sobre o Serviço Social

Autonomia, emancipação e liberdade foram pouco citadas

Como tais princípios, tidos como essenciais à prática do Assistente Social, vêm sendo apresentados aos alunos?

Será que a graduação tem sido capaz de demonstrar quais os caminhos a percorrer para efetivação da liberdade, da autonomia, da emancipação e da plena expansão dos indivíduos sociais?
Opção se deu diante da possibilidade de, através da profissão, poder realizar alguma transformação concreta na sociedade.


Questões motivacionais para escolha do curso:
- “Anseio por mudança da realidade social” e a “Sensibilidade social” possuem grande impacto entre os alunos dos grupos A e B.


Escolha pela profissão
Contato com o Serviço Social
Conhecimento sobre o Serviço Social.
Chauí (2000) fala a respeito do senso comum associando-o a concepção de ideologia, colocando que:

é o resultado de uma elaboração intelectual sobre a realidade, feita pelos pensadores ou intelectuais da sociedade – sacerdotes, filósofos, cientistas, professores, escritores, jornalistas, artistas -, que descrevem e explicam o mundo a partir do ponto de vista da classe a que pertencem e que é a classe dominante de uma sociedade. Essa elaboração intelectual incorporada pelo senso comum social é a ideologia (CHAUÍ, 2000, p. 221).

Escolha profissional decorrente da representação social que tem da profissão, que por sua vez decorre da situação de classe do indivíduo - classe que vive do trabalho (ANTUNES & ALVES, 2004)
“Bom, é... Eu escolhi Serviço Social porque eu sempre busquei tudo... é... não ter nenhuma desigualdade, nunca gostei dessas coisas, sempre... Antes de fazer Serviço Social, eu queria fazer direito por causa de justiça [...]" (Aluna 05 - ingressante)

Desta forma, a representação social do Serviço Social como ajuda/caridade colabora para manutenção da ordem dominante, uma vez que os indivíduos atendidos não se reconhecem como sujeitos de direitos, mas como recebedores de benesses.
Essa conquista: colaborará para o real reconhecimento dos indivíduos atendidos como sujeitos de direitos, como trabalhadores munidos de liberdade e autonomia para transformar a realidade.
A construção das representações sociais não se dá ao acaso, ela é sócio-histórica, condicionada pelas classes, como nos lembra Bourdieu (1989)

O tema carece de pesquisas que contribuam para formulação de seu arcabouço teórico que ainda é ínfimo no tocante a profissão. Sugerimos que trabalhos futuros investiguem se há impactos das representações sociais sobre o trabalho do Assistente Social e, havendo, identificar quais são eles.

Profissão ainda necessita de maior difusão entre a população e determinados estereótipos precisam ser combatidos.
Aos Assistentes Sociais cabe: mobilizarem-se pelo reconhecimento
técnico
e
político
da profissão.
“a
emancipação
dos trabalhadores será obra dos próprios
trabalhadores
"
Marx e Engels - Manifesto Comunista (1848)
Pesquisa bibliográfica sobre o tema para revisão e análise sobre o estado da Arte:
Amostra entrevista: intensional e por saturação
Full transcript