Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

A religião e o sentido da existência

No description
by

Patricia Costa

on 7 May 2018

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of A religião e o sentido da existência

A religião e o sentido da existência
O que é a religião?
Responder à questão "O que é a religião?" parece ser, só por si, um problema filosófico complexo. Mas insistamos.
Terão as religiões algo em comum, algo a partir do qual seja possível estabelecer uma definição universal de religião?
Qual o critério para determinar o que é realmente a religião?
Onde quer que nos confrontemos com seres humanos, provavelmente encontraremos expressões de religiosidade e a presença de factos e fenómenos religiosos complexos. Mas definir religião e procurar caracterizar o fenómeno religioso estão longe de ser tarefas fáceis. Encontrar uma definição consensual de religião, que possa ser universalmente aceite, é uma tarefa árdua, porventura impossível, porque existem grandes diferenças entre as tradições comummente classificas como religiosas.

Uma opção possível para definirmos religião seria recorrer aos muitos exemplos, fazendo referência ao cristianismo, ao islamismo ou ao hinduísmo, mas tal definição resultaria não só entediante como também bastante incompleta, já que não nos esclareceria sobre o que faz com que cada um dos exemplos citados seja uma religião. Outra opção passaria por procurar definir religião a partir da sua raiz latina—religio--, que significa ligar, relacionar, unir. Acontece que esta definição não é menos imprecisa e insatisfatória do que a anterior. Assim, alguns pensadores optaram por seguir um caminho distinto definindo religião em termos de crença ou veneração de um Deus ou deuses No entanto, esta definição tem uma consequência indesejável: exclui, por exemplo, algumas versões do budismo


Religião:
Dada a dificuldade em definir o conceito da religião, e deixando de parte a raiz etimológica do termo, pode dizer-se que o conceito da religião respeita um conjunto de crenças e de ritos que compreendem um aspeto objetivo (a presença de uma realidade superior) e um aspeto subjetivo (o reconhecimento dessa realidade). De todo o modo, a religião será sempre uma relação que o ser humano estabelece com uma entidade superior que o transcende.
Sagrado:
Profano:
Conjunto de realidades (seres, coisas, lugares ou momentos) separados do mundo comum, o mundo profano, e nos quais se manifesta um poder considerado superior e transcendente.
Por oposição ao sagrado, é a realidade comum, insignificante, que só se define pela relação com o sagrado.
Em que consiste a visão teísta de Deus?

O teísta entende que Deus como criador do universo e de tudo quanto existe. Deus é fundamento da moral, do conhecimento e das leis. É a pessoa que embora transcendente, pode entrar em relação com o ser humano.

O que distingue o ateísmo do agnosticismo?
O ateísmo é uma doutrina que afirma não haver Deus (ou deuses). Os argumentos que alguns ateístas utilizam para justificar a não existência de Deus são sobretudo dirigidos ao conceito judaico-cristão de Deus, sendo irrelevantes para outros Deuses possíveis. Consideram que toda a crença em Deus é um atentado à liberdade Humana e, como tal, deve ser combatida.
Por outro lado, o agosticismo é uma teoria que racionalmente não coloca a existência de Deus pois considera-O incognoscível, isto é, que escapa ao nosso conhecimento. Embora possa existir, é um misterio e é inacessível. O agnosticismo pode ser estritamente pessoal ou confessional. Dizer "Não tenho nenhuma crença firme em Deus" pertence ao primeiro caso; ter a pretensão de que nada deveria alimentar uma crença positiva a favor ou contra a existencia divina pertence ao segundo caso.
Trabalho realizado por:
Beatriz Nº3
Leonor Nº7
Patrícia Nº10
Vanessa Nº12
Full transcript