Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Untitled Prezi

No description
by

Flavio Flavio

on 20 March 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Untitled Prezi

Trabalho de Artes Paul Strand-Edward Weston Paul Strand nasceu no dia
16 de Outubro de 1890 em
Nova York. Estudou na Ethical Culture School e em 1907 juntou-se a um clube de fotografia, onde frequentou aulas de Lewis Hine, um dos melhores fotógrafos de documentário que, na altura, se dedicava a fotografar as condições de vida dos bairros degradados e que fez parte da campanha de apelo à criação de leis de trabalho infantil, através de fotografias de crianças a trabalhar nas ruas, nas fábricas e nas minas. Paul
Strand Paul Strand tornou-se uma referência na história da fotografia do século 20. Suas fotos apresentavam uma abordagem direta da vida nas ruas da metrópole industrial, o que era incomum naquele contexto. Naturezas-mortas, closes de utensílios domésticos e máquinas revelavam um novo ponto de vista sobre o cotidiano. Paul Strand começou a envolver-se com o cinema. Em 1921, comprou uma câmara de filmar e começou a ganhar a vida como operador de câmara.
Depois da ascensão de Hitler na Alemanha, fundou com outros realizadores, a Frontier Films para produzir filmes antifascistas. Quando a Segunda Guerra Mundial obrigou a uma interrupção nas filmagens, regressou de novo à fotografia a tempo inteiro. Os seus trabalhos foram vistos entusiasticamente por Alfred Stieglitz, que os expôs várias vezes na sua galeria. A sua principal preocupação era, tal como a dos pintores modernistas, produzir imagens de uma nova maneira. Depois do início da Guerra Fria, o clima político
dos EUA mudou drasticamente.
Paul Strand passou a fazer parte da lista de
artistas perseguidos pelo governo devido
à sua posição política e ao seu passado.
Resolveu então partir para França Os seus melhores trabalhos foram provavelmente produzidos nos 10 anos seguintes, entre os anos 50 e os 60, quando viajou pela França, Itália, Egito e Gana. Algumas das imagens que registou nestas viagens encontram-se hoje entre os "clássicos" da fotografia. Viveu os seus últimos anos a trabalhar em colaboração com a sua terceira mulher, Hazel Kingsbury, e morreu vítima de doença prolongada, em 1976, em Orgeval, França. Paul Strand recebeu inúmeros prémios e homenagens nos últimos 20 anos da sua vida, entre os quais se destacam a homenagem da American Society of Magazine Photographers (1963), a medalha David Octavius Hill (1967), o prémio da Swedish Photographers Association and Swedish Film Archives (1970) e as retrospetivas do Metropolitan Museum of Art de Nova Iorque e do Los Angeles Country Museum (1973). Algumas fotográfias tiradas por Paul Strand: Enquanto que os pintores, como Paul Klee, desenvolviam no seu trabalho cada vez mais uma visão abstrata, a natureza da fotografia exigia um caminho diferente. Surge assim uma fotografia "pura", tal como foi apelidado este novo realismo. Paul Strand
A família
Luzarra, Itália
1953 Paul Strand
Mulher cega
Nova York, EUA
1916 Paul Strand
Rapaz
Gondeville, Charente, França
1945 Paul Strand
Homem-sanduíche
Nova York, EUA
1916 Revolução do Viaduto - 1937 - Óleo sobre fundo de óleo sobre algodão sobre moldura de cunha, Paul Klee Hazel Kingsbury (Mrs. Paul Strand) Outro fotógrafo importante Norte americano: Edward Weston Edward Weston nasceu em 1886, no Illinois, mas foi criado em Chicago, onde frequentou a Oakland Grammar School. Foi o pai que lhe ofereceu a sua primeira máquina fotográfica, uma Bull's-Eye,demonstrando um grande talento em sua infante prática no campo da fotografia artística. Com 20 anos já havia publicado seus trabalhos. Começou por fotografar nos seus tempos livres nos parques de Chicago. Em 1906, Weston decidiu partir para a Califórnia, onde trabalhou como fotógrafo de retratos, porta a porta. Em 1911, montou o seu estúdio na Califórnia, que viria a manter até 1922. Graças à sua técnica de foco suave e ao seu estilo pictural foi conquistando reconhecimento internacional Depois de assistir a uma exposição de arte moderna na Feira Internacional de S. Francisco, começou a sentir-se cada vez mais insatisfeito com o seu trabalho. Em 1922 conhece Alfred Stieglitz, Paul Strand e Charles Sheeler, contactos que viriam a influenciar a mudança na sua carreira. Em 1923 mudou-se para a cidade do México, onde abriu um estúdio com a sua aprendiz e amante Tina Modotti, de quem fez retratos durante vários anos. Através de Modotti, contactou com vários artistas do renascimento mexicano, incluindo Rivera, Siqueiros e Orozco, que acabariam por influenciá-lo numa nova direção. Acabaria entretanto por abandonar a técnica do foco suave e iniciar-se no estudo de formas naturais. Foi quando regressou definitivamente à Califórnia que começou a trabalhar no que iria torná-lo realmente famoso: os close-ups(planos de pormenor) de formas naturais, nus e paisagens. Mais tarde, em 1932, foi um dos membros fundadores do grupo F/64, um grupo de fotógrafos puristas que reunia nomes como Ansel Adams, Willard Van Dyke, Imogen Cunnigham e Sonya Noskowiak. O grupo F/64 foi organizado em 1932 por vários fotógrafos. Tinha como objetivo alcançar aquilo que entendiam ser a "fotografia pura" - um tipo de fotografia sem artifícios técnicos, composição ou ideia derivada de qualquer outra forma de arte, contrapondo-se assim à produção do pictorialismo, que se submetia a princípios artísticos diretamente ligados à pintura e às artes gráficas. Os fotógrafos puristas do F/64 colocaram a ênfase na procura de imagens nítidas, com máxima profundidade de campo, utilizando papel de impressão acetinado e brilhante para realçar as qualidades únicas do processo fotográfico.
Weston ainda trabalhou até ao fim dos anos 40, mas a doença de Parkinson acabaria por impedi-lo de prosseguir a carreira. As suas últimas fotografias foram tiradas em 1948, em Point Lobos. Morreu em Carmel no ano de 1958 Nesse mesmo ano é publicado o livro "The Art of Edward Weston", com aproximadamente 40 fotografias deste fotógrafo. Fotografou detalhadamente o oeste e o sudoeste dos Estados Unidos da América. A maior retrospetiva do seu trabalho, com cerca de 300 impressões, foi apresentada em 1946 no Museu de Arte Moderna, em Nova Iorque. A sua vida foi retratada no filme The Photographer, de Willard Van Dyke. Voltando ao Edward Weston Algumas fotográfias tiradas
por Edward Weston. CRÉDITOS

PAUL STRAND = http://www.museusegall.org.br/mlsItem.asp?sSume=21&sItem=238

EDWARD WESTON=http://pt.wikipedia.org/wiki/Edward_Weston.

POR: FLÁVIO AUGUSTO BERNAVA BRANDÃO-8ºF-Nº10
PROFESSORA=VALÉRIA IMAGENS EXTRÍDAS

http://www.museusegall.org.br/mlsItem.asp?sSume=21&sItem=238

http://66.84.15.77/art_20th_century/surreal2/weston/1.jpg

http://schwitters57.files.wordpress.com/2012/03/edward-weston-shell-2.jpeg

http://66.84.15.77/art_20th_century/weston3.html Nahui Olin
1924 Pepper No. 30
1930 Shells
1927
Full transcript