Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Evolução da História da Cultura e das Artes

Biografias, acontecimentos e casos práticos dos módulos do 10º e 11º anos da História da Cultura e das Artes
by

Luísa la Féria

on 1 March 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Evolução da História da Cultura e das Artes

Cultura da Ágora Séc. V a.C., o século de Péricles Cria as mistoforias (subsídios aos cidadãos mais pobres para poderem exercer cargos públicos) Leva à prática as medidas democráticas anteriormente criadas Reconstrói a sua cidade Sustenta as obras com o tesouro da Liga de Delos (Democracia) Liga militar organizada por Atenas durante as Guerras Greco-Persas, que tinha como objectivo defender as cidades gregas de um ataque persa. A Batalha de Salamina (480 a.C.) "Os Persas", de Ésquilo Num longo monólogo, o Corifeu (o prólogo) inquieta-se pela ausência de notícias do grande exército persa que partira para invadir a Grécia. No párodo, o coro descreve a passagem do exército da Ásia para a Grécia e o desejo de Xerxes em conquistar o mundo por terra e mar. Aos poucos, pressente-se a desgraça reforçada pelo mau augúrio da rainha. Chega o mensageiro que informa das muitas baixas que o exército persa já sofrera. Entretanto, a rainha ora e consegue que a alma de Dario lhe apareça e revele o termo dessas desventuras: o rei critica o filho pela sua insensatez de mortal ao julgar poder vencer todos os deuses e em especial Poséido; e prevê uma série de calamidades. Por fim, Xerxes, abatido, entra em cena - êxodo - e, dirigindo-se ao coro, num melodrama pesado, culpabiliza-se. Tema: o castigo dos deuses pela soberba e arrogância humanas, aqui personificadas por Xerxes, rei dos Persas. Assunto: a Batalha de Salamina ganha pelos Gregos devido ao apoio dos deuses. Estádios Construções destinadas à prática de jogos. A formação escolar grega incluía aprender a ler, escrever, contar, tocar um instrumento, cantar, recitar, dançar e praticar exercício físico nos ginásios, a fim de se prepararem para a Guerra e também para os jogos. Nos jogos só podiam participar os cidadãos gregos que fossem membros da boa sociedade e tivessem boa consciência para com os homens e para com os Deuses; por isso os atletas não eram profissionais. Os melhores recebiam coroas de oliveira ou de loureiro e a admiração e estima dos seus compatriotas, pois conseguiram ultrapassar os seus próprios limites na procura da excelência, atingindo o supremo valor do pensamento grego. Além disso, eram também imortalizados pelos poetas nos seus cantos de vitória e pelos escultores nas suas estátuas. O Discóbolo,
Míron, 450 a.C. No séc. IV a.C, por várias razões, as competições desportivas decaíram e os participantes passaram a ser profissionais. Em 393 a.C., o imperador Teodósio proibiu estes jogos, considerando-os pagãos. Teatro O teatro tinha uma função cultural e de formação cívica e religiosa dos espectadores, levando-os a pensar e a reflectirem sobre o sentido da existência humana, o destino do Homem, o poder dos Deuses e a vingança destes sobre quem os desafiasse. Era também através do teatro que se ensinavam as virtudes aos cidadãos (ética, moderação, humanismo, pacifismo, sabedoria, coragem, entre outras), levando-os também a reflectir sobre os vícios dos homens (adultério, ambição, maldade, desrespeito pelas leis e pela religião, entre outros). Os actores ou hipócritas eram sempre homens e interpretavam na mesma peça vários papéis, inclusivé papéis femininos, por isso usavam uma grende variedade de trajes e também máscaras que os ajudavam a caracterizar a personagem. Existia também o coro, que dançava e cantava ao som do oboé, pois poesia, dança e música estão sempre interligados. As representações duravam quatro dias seguidos, sem entreactos ou intervalos; tinham sempre uma assistência muito concorrida, atenta, divertida e participativa. A tragédia é o género mais antigo e atingiu o seu apogeu no tempo de Péricles pois este considerava o teatro uma verdadeira instituição pública com fins cívicos e religiosos, para além de promover também a cultura dos cidadãos atenienses. A tragédia era escrita em verso e o seu conteúdo estava quase sempre ligado ás antigas histórias religiosas, representando a vida dos deuses e a loucura e insensatez do Homem, numa luta constante entre as forças humanas e as forças divinas e do destino que, devido ao fatalismo e à maldição, se impõe. O enredo, descrito em tensão crescente, prende o espectador que vai pressentindo a iminência da catástrofe. Outro género do teatro foi a comédia, mais tardia e menos duradoura que a tragédia. O seu conteúdo estava principalmente ligado aos assuntos do quotidiano e da vida terrena, ridicularizando com um grande espírito crítico e liberdade os vícios, hábitos, modas e atitudes dos políticos, filósofos, escritores e até dos deuses. Parténon O Templo do Pártenon foi reconstruído sobre estruturas já existentes, no tempo de Péricles, para celebrar a vitória contra os Bárbaros. Pretendia ainda simbolizar a hegemonia de Atenas sobre as restantes cidades gregas no que se refere à cultura, à capacidade naval, ao comércio e à política em que se destacava a sua organização democrática.O seu nome significa "casa da virgem" e foi dedicado a Athena Pallas, deusa dos atributos guerreiros e da sabedoria, guardiã e protectora da cidade-estado Atenas. Esta construção assinala o apogeu da arquitectura grega, sendo o edifício mais carismático e esbelto e o maior templo da Grécia Antiga, e demorou 11 anos (447-436 a.C.).
Os artistas que se destacaram na sua construção e decoração foram o escultor Fídias e os arquitectos Íctino e Calícrates. É um templo dórico, cujas colunas têm um capitel geométrico e muito simples, em forma de almofada. É ainda períptero, por ter colunas a toda a volta, e octástilo pois possui oito colunas na fachada anterior, de entrada, e posterior, e dezassete - o dobro mais uma - nas fachadas laterais; assenta sobre uma plataforma com três degraus e possuia uma rampa de acesso. O edíficio é rodeado por uma colunata que ladeia o peristilo, suporta a arquitrave, o friso e a cornija e que lhe confere um carácter particular, onde se une força, robustez e elegância. O seu corpo central é dividido em 3 espaços: Continha a estátua de 12 metros de altura da deusa Atena Parteno, executada por Fídias Aqui encontrava-se guardado o tesoura da "Liga de Delos", que estava a cargo de Atenas A cobertura do templo era feita por um telhado de duas águas, que formava os frontões triangulares que eram preenchidos por relevos. Era decorado com cores vivas tais como o vermelho, o azul e o dourado e foi construído em mármore branco que com o tempo adquiriu um suave tom dourado. A decoração esculpida encontra-se nos frisos e nos frontões: no friso exterior estão representadas quatro lendas bélicas - na fachada meridional, a luta dos Centauros contra os Lápitas, na fachada ocidental a luta dos gregos contra as Amazonas, na fachada setentrional a tomada de Tróia e na fachada oriental a luta dos Deuses contra Gigantes; no friso interior, ao longo longo da parte superior das paredes exteriores da cella, situa-se o friso jónico contínuo da Procissão das Grandes Panateneias (personagens e animais, organizados em desfile transportando o novo manto em ouro que as jovens atenienses ofereciam à deusa Atena, de quatro em quatro anos); no frontão este está representado o nascimento de Atena, saindo da cabeça de seu pai, Zeus, e no frontão oeste, a disputa da Ática por Atena e Poseídon. Toda a estrutura do templo do Pártenon pode ser lida de uma maneira significativa: o povo eram as colunas; o conjunto dos pórticos de entrada, encimados pelo frontão e colocados paralelamente, funcionavam como orgãos do tear, que era o símbolo de todos os lares gregos; e, por último, o engrossamento das colunas, provocado pela entasis, sugerem visualmente as velas de um barco insufladas pelo vento, que simbolizam o poder bélico e económico de Atenas. http://athens.arounder.com/en/city-tour/acropolis-parthenon.html Atena Niké O templo de Atena Niké ou Niké Áptera (que significa vitória sem asas) é um hino á deusa Niké e à feminilidade que a ordem jónica representa. Construído entre 432 e 420 a.C., o templo ergue-se no muro oriental da muralha da acrópole de Atenas e seguiu o plano do arquitecto Calícrates. O templo era rodeado por uma balaustrada (espécie de varanda), mais tardia que o templo, que tinha como objectivo proteger os peregrinos do precipício a que se elevava o templo. É um templo de dimensões reduzidas, localizado á direita da entrada da acrópole e enquadrado obliquamente em relação ao Propileus (entrada monumental para a acrópole). Construído em mármore pantélico, é um templo jónico anfipróstilo, pois possui quatro colunas nas fachadas principal e posterior, que se destaca pela extrema simplicidade. Devido ao reduzido espaço para a sua construção, o templo continha apenas uma pequena cella, sem opistódomos. A sua requintada decoração, concentrada no friso, é uma obra do escultor Agorácrito. O friso é uma faixa contínua onde aparecem representados os deuses do Olimpo, sentados ou de pé, seguindo atentamente as batalhas entre Gregos e Persas. A balaustrada do templo era decorada com uma série de vitórias aladas (nikái), cujas personagens possuiam atitudes graciosas e grande harmonia de proporções, erguendo troféus e celebrando sacríficios. Nos frontões a decoração possuia uma temática diferente: a este, a dos gigantes, e a oeste, a das amazonas. A decoração esculpida deste templo é um verdadeiro hino à beleza e à harmonia.Um dos seus mais famosos relevos é a "Niké desapertando a Sandália". Estas figurações não são apenas corpos estruturais envolvidos em vestuário, mas sim formas moldadas por drapeados flutuantes e transparentes, que fazem sobressair uma sensualidade subtil, que anuncia a arte do séc. IV a.C. Cultura do Senado Octávio César Augusto Primeiro Imperador Enquanto imperador de Roma, César Augusto, aumentou o império, consolidou as fronteiras, pacificou as províncias (imposição da pax romana), reformou o aparelho administrativo, reestruturou a sociedade em classes censitárias (que pagavam impostos), restabeleceu a religião tradicional, deu um grande desenvolvimento ás artes ao atrair á sua corte poetas, escritores e artistas, e iniciou uma época de paz e prosperidade. O Senado homenageia-o declarando o seu período de vida como Saeculum Augustum (Século de Augusto) e dando início ao seu culto divino. (63 a.C. - 14 d.C) Alargou o império que levou ao auge Introduziu a pax romana "Encontrei [em Roma] uma cidade de tijolo e deixa-a em mármore." O Incêndio de Roma (18 de Julho de 64 d.C.)
Nesse tempo governava o imperador Nero. No núcleo comercial da antiga cidade de Roma, à volta do Circo Máximo, um enorme e violento incêndio que lavrou durante cerca de sete dias, devastou grande parte da cidade, principalmente os locais onde se encontravam localizados santuários, basílicas e templos que continham obras de arte, tesouros e documentos. As perdas humanas foram também elevadas. No meio de toda esta grande confusão, muitos dizem ter visto escravos imperiais a atear o fogo e outros ainda afirmam ter visto o imperador, no alto da Torre de Mecenas, a assistir, vitorioso, ao incêndio. A indignação popular cresceu e o povo manifestou-se nas ruas contra Nero. Devido a isto, o imperador apressou-se a encontrar “responsáveis”, acusando os cristãos e iniciando um ciclo de perseguições e martírios, a que foram sujeitos até ao século IV a.C. Nelas morreram centenas de fiéis da nova religião, atirados ás feras nos circos; foi ele também que ordenou a execução dos Apóstolos São Pedro e São Paulo. Logo a seguir ao incêndio, o imperador Nero mandou reconstruir o império segundo regras bem definidas e regulamentadas, construindo novas ruas, amplas e com traçados ordenados e abriu novos fóruns. Coluna de Trajano Tipologia: arquitectura / escultura comemorativa Finalidade: propaganda dos feitos do imperador Trajano; documenta os feitos do imperador Localização: Fórum de Trajano em Roma, sobre o sepulcro do imperador. Tema: campanhas de Trajano da Dácia (actual Roménia) Os Frescos de Pompeia No dia 24 de Agosto de 79, as cidades de Pompeia, Herculano e Nápoles foram arrasadas pela erupção vulcânica do Vesúvio.
No século XVIII foram encontrados vestígios dessas mesmas três cidades romanas, em bastante bom estado de preservação devido às cinzas vulcânicas, que as cobriram por completo.
Entre as entusiasmantes descobertas pictóricas encontram-se os fabulosos frescos que cobriam as paredes interiores da maior parte das habitações privadas e até de alguns edifícios públicos. Estilo de incrustação ou primeiro estilo (séc. II a.C.) – Estilo importado da Grécia e do Mediterrâneo Oriental. As paredes eram divididas em três sectores horizontais onde eram pintados, com cores vivas, falsos envasamentos de mármore, plintos imitando madeira e até elementos arquitectónicos fingidos Estilo arquitectónico ou segundo estilo (por volta de 80 a.C. até ao início da Era Cristã) – Possui influências helenísticas e está na sequência do estilo de incrustação, mantendo as três faixas horizontais de ordenação da parede. É caracterizado pela presença de elementos arquitectónicos pintados a partir do chão, que emolduram painéis com cenas mitológicas ou religiosas ou simulam janelas que se abrem sobre paisagens naturais. No nível superior, simulam-se frisos que deixam entrever o céu. Introduz ainda um efeito ilusório (aparente recuo ou desfundamento da parede por meio da perspectiva arquitectónica das cenas) Estilo ornamental ou terceiro estilo (pouco antes do início da Era Cristã) – Evolução do estilo anterior. Representação de elementos arquitectónicos, decorados com grinaldas e outros ornamentos vegetalistas e/ou naturalistas que se encontram pintados sobre fundos lisos e monocromáticos. Os painéis com cenas descritivas adoptam um menor tamanho e mostram cenas de inspiração oriental e africana. O efeito ilusório tende a suprimir a parede, através das cenas pintadas que parecem quadros pendurados no mesmo Estilo cenográfico ou quarto estilo (por volta de 60 a.C.) – Combina os dois estilos anteriores e reforça o aspecto teatral da decoração. Enquadram cenas figurativas e descritivas, de temática mitológica e irreal, em estruturas arquitectónicas, complexas e fantasistas, organizadas em perspectiva. A decoração quase luxuriante envolve espirais, rosáceas e ornamentos metálicos e também cores vivas e contrastantes Cultura do Mosteiro S. Bernardo Vida Obra / Ideias (c. 1090 - 1153) Nasce numa família nobre
Torna-se monge de Cister
Funda o Mosteiro de Claraval Deixou vasta obra teológica
Critica abertamente o luxo dos Clunicenses
Defende a austeridade no trabalho, o silêncio e a pobreza
Propõe a criação de uma igreja simples com naves desguarnecidas, capiteis decorados apenas com elementos geométricos e claustros sóbrios que levam à meditação A Coroação de Carlos Magno Carlos Magno é o legítimo herdeiro dos imperadores romanos. Há uma aliança entre o poder político e o poder religioso. O poder político volta a estar unido sob o comando de Carlos Magno. O poder espiritual fica uno sob o poder do Papa. Canto Gregoriano O canto gregoriano é um género de música vocal monofónica, monódica (só uma melodia), não acompanhada, ou acompanhada apenas pela repetição da voz principal com organum, com o ritmo livre e não medido, utilizada pelo ritual da liturgia católica romana, a ideia central do cantochão ocidental. As características foram herdadas dos salmos judaicos, assim como dos modos gregos, que no século VII foram selecionados e adaptados por Gregório Magno para serem utilizados nas celebrações religiosas da Igreja Católica.Somente este tipo de prática musical podia ser utilizado na liturgia ou outros ofícios católicos. O canto Gregoriano jamais poderá ser entendido sem o texto, o qual tem primazia sobre a melodia, e é quem dá sentido a esta. Por isso, ao interpretá-lo, os cantores devem haver compreendido bem o sentido dele. Em consequência, deve-se evitar qualquer impostação de voz de tipo operístico, em que se busca o destaque do intérprete. Igreja de São Pedro de Rates A Igreja de São Pedro de Rates, localiza-se em São Pedro de Rates, concelho da Póvoa de Varzim, distrito do Porto, em Portugal. Constitui um dos mais importantes monumentos românicos medievais no então emergente reino de Portugal, dada a relevância das formas arquitetónicas e escultóricas.
Situada junto à bacia do rio Ave, é um dos mais importantes mosteiros beneditinos-cluniacenses e está ligado à lenda de São Pedro de Rates, mítico primeiro bispo de Braga, "primaz das Espanhas" (reinos da Península Ibérica), hipótese que remonta essencialmente ao século XVI. Cultura da Catedral (1265-1321) A obra descreve a viagem de Dante através do Inferno, Purgatório e Paraíso, O poeta romano Virgílio, autor da Eneida, passeia com Dante pelo Purgatório e o Inferno. Ao Paraíso Dante vai com a sua amada Beatriz. A obra chama-se Comédia em oposição à Tragédia, pois nesta tudo termina bem - no Paraíso. Dante escreveu a obra "A Divina Comédia" em italiano para provar que nem só o latim servia para tratar de assuntos importantes. Aqui são ressuscitados os autores dos poemas épicos clássicos da Antiguidade assim como toda a sua cultura. Nasce em Florença em 1265.
Dedica-se desde cedo ao estudo.
Apaixona-se platonicamente por Beatriz.
Interessa-se pela política da cidade de Florença.
Foi condenado ao exílio.
Morre em Ravena em 1321. O livro Inferno é o mais cinematográfico dos três, todo ele cheio de paixões agitadas. Os livros Purgatório e Paraíso exigem do leitor imensa pesquisa pois estão repletos de visões míticas difíceis de entender à luz da nossa modernidade. O Letrado Dante Alighieri Biografia A sua obra inaugurou uma nova era: Renascimento Peste negra é a designação pela qual ficou conhecida, durante a Baixa Idade Média, a pandemia de peste bubónica que assolou a Europa durante o século XIV e dizimou entre 25 e 75 milhões de pessoas, sendo que alguns pesquisadores acreditam que o número mais próximo da realidade é de 75 milhões , um terço da população da época. O rato preto não trouxe a peste para a Europa, mas os seus hábitos mais domesticados e mais próximos das pessoas criaram condições para a rápida transmissão da doença. A peste responsável pela epidemia do século XIV surge durante o cerco à colónia de Génova, Caffa, na Crimeia (Ucrânia), em Outubro de 1347 pelos tártaros (um povo mongol ou turquesco) auxiliados pelos venezianos. “Apareciam, no começo, tanto em homens como nas mulheres, ou na virilha ou nas axilas, algumas inchações. Algumas destas cresciam como maçãs, outras como um ovo; cresciam umas mais, outras menos; chamava-as o povo de bubões. Em seguida o aspecto da doença começou a alterar-se; começou a colocar manchas de cor negra ou lívidas nos enfermos. Tais manchas estavam nos braços, nas coxas e em outros lugares do corpo. Em algumas pessoas as manchas apareciam grandes e esparsas; em outras eram pequenas e abundantes. E, do mesmo modo como, a princípio, o bubão fora e ainda era indício inevitável de morte, também as manchas passaram a ser mortais". -Bocaccio A Peste Negra No meio de tanto desespero e irracionalidade, houve alguns episódios edificantes. Muitos médicos se dispuseram a atender os pestosos com risco da própria vida. Adotavam para isso roupas e máscaras especiais.
Alguns dentre eles evitavam aproximar-se dos enfermos. Prescreviam à distância e lancetavam os bubões com facas de até 1,80 m de comprimento. Catedral de Notre Dame A Catedral de Notre-Dame de Paris é uma das mais antigas catedrais francesas. Iniciada a sua construção no ano de 1163, é dedicada a Maria, Mãe de Jesus Cristo (daí o nome Notre-Dame – Nossa Senhora), situa-se na praça Parvis, na pequena ilha Île de la Cité em Paris, França, rodeada pelas águas do Rio Sena. A catedral surge intimamente ligada à ideia de gótico no seu esplendor, ao efeito claro das necessidades e aspirações da alta sociedade, a uma nova abordagem da catedral como edifício de contacto e ascensão espiritual. Existe ainda nesta catedral uma dualidade de influências estilísticas: por uma lado, reminiscências do românico normando, com a sua forte e compacta unidade, por outro lado, o já inovador aproveitamento das evoluções arquitetónicas do gótico, que incutem ao edifício uma leveza e aparente facilidade na ascensão vertical e no suporte do peso da sua estrutura (sendo o esqueleto de suporte estrutural visível só do exterior). A planta é demarcada pela formação em cruz romana orientada a ocidente, de eixo longitudinal acentuado, e não é percetível do exterior do edifício visto os braços do transepto não excederem a largura da fachada. A cruz está “embebida” no edifício, envolta por um duplo deambulatório, ou charola, que circula o coro na cabeceira (a este) e se prolonga paralelamente à nave, dando lugar, assim, a quatro colaterais (ou naves laterais). Casamento de Frederico III com D.Leonor de Portugal Entre os dias 13 e 25 de Outubro de 1451 a cidade de lisboa foi palco e cenário de um conjunto variada de festejos para comemorar o casamento da infanta Leonor de Portugal, irmã de então rei Afonso V, com o imperador de Alemanha, Frederico III. Aqui estiveram presentes embaixadores que representavam os reis de toda a Europa. -O significado da festa estas festa foram uma ocasião privilegiada para a encenação e exibição propagandística do poder de rei de Portugal, perante os embaixadores europeus e os seus súbditos. Mostram também o grau de desenvolvimento que as cidades alcançaram no seculo XV, que se havia iniciado no seculo XII, e a sua centralidade politica, administrativa e cultural. Cultura do Palácio Lourenço de Médicis Lourenço de Médicis nasceu em 1449 em Florença, no seio da família Médicis, uma das famílias mais poderosas da Itália nos séculos XIV a XVI, e portadores de de uma grande fortuna. Faziam gestão dos negócios como o artesanato, comércio, transporte de mercadorias a longa distância, actividades cambistas, bancárias e outras operações financeiras por grande parte da Europa. Conviveu desde pequeno com outros artistas e intelectuais da época,
que despertaram o seu interesse pela Filosofia e pelas Belas Artes.
Deste modo, tornou-se um homem culto, ecléctico, sensível e
sofisticado, amante das letras e das artes. Governou Florença com grande sabedoria e tacto políticos, impondo
respeito aos outros governantes, pela contínua prosperidade, fama e
bem-estar que se vivia nesta cidade. Reuniu também apoio dos mais
pobres e instituiu um poder quase absoluto. Desenvolveu intensamente a
cultura ao atrair para a sua corte poetas, pensadores e artistas,
financiando as suas obras. Era um mecenas. Fundou escolas e bibliotecas, estimulou os estudos clássicos, foi um
grande coleccionador de livros, obras de arte e objectos raros e
renovou a sua cidade no âmbito da arquitectura. Criou ainda um ambiente de permanente animação e esplendor ao fazer
festas privadas e públicas para as quais contratava muitos artistas.
Foi também autor de obras literárias em verso e prosa de peças de
teatro e de cânticos religiosos. Apesar da sua grande popularidade e da prosperidade que ofereceu à
cidade, o seu governo foi bastante criticado no final do século XV.
Criticavam sobretudo a sua política de ostentação, luxo e alienação.
Acabou por falecer em 1492. De Revolutionibus Orbium Coelestium Nicolau Copérnico em 1543 era um cónego polaco de saberes ecléticos. Foi advogado, juiz, matemático, médico, cobrador de impostos, chefe militar, ...) Foi uma obra importante na evolução científica da Humanidade pois pela
primeira vez, de uma forma matemática e científica se expôs e defendeu
a teoria heliocêntrica que contraria os que acreditavam que a Terra
era fixa e ocupava o centro do Universo. Esta teoria comprova que:
-o Sol é uma estrela fixa e ocupa o centro do Universo
-os outros outros, incluindo a Terra, são planetas e giram em torno de
si próprios (rotação)
-os planetas giram em torno do Sol (translação), em órbitas circulares. Esta teoria causou, no século XVII, enorme polémica pois:
negava afirmações da Biblia, pondo em causa alguns dogmas religiosos
as conclusões de Copérnico eram contrárias aos ensinamentos e às teorias dos Antigos
houve forte reprovação da Igreja (primeira da Luterana e depois da Católica que manteve a teoria no Índex até 1835) A Anunciação de Leonardo da Vinci 1472-1475 As asas do arcanjo foram pintadas com precisão naturalista, um exemplo
da curiosidade científica típica de da Vinci. Representa o Arcanjo Gabriel no momento em que anuncia a Maria que
estava grávida de Jesus Cristo apesar da sua virgindade.
Existe alguma controvérsia acerca da autoria deste óleo sobre tela. Usou o seu conhecimento sobre as asas de pássaros para fazer as asas do anjo. No primeiro plano, o pintor representa um tipo de tapete em flor no
qual todas as flores foram pintadas com precisão.
O mar e as montanhas, espreitando da névoa azul clara com técnicas de
sfumatto e claro-escuro. Cultura do Palco O seu reinado marcou o apogeu da França e dominou política e
economicamente os seus pares europeus, tendo convivido, nas artes e nas
letras, com um dos momentos mais brilhantes que fizeram da cultura e
civilização francesas modelos copiados em toda a Europa. Daí que o
século de Luis XIV tenha sido apelidado de o Grande Século. Na sua corte (o Palácio de Versalhes), viveu rodeado de luxo e de
cortesãos subservientes, num cerimonial rigoroso, onde os deveres
do Estado e da religião coexistiam com os prazeres mundanos e do
espírito. Centro de todas as atenções, a figura do rei, imposta pela admiração e
pelo medo, foi objecto de culto e adoração, como se fosse a imagem viva
da divindade - o Sol.

No campo religioso, pretendeu cumprir a máxima: um Estado, uma
religião. Luís XIV, rei de França, é considerado por
muitos autores o inventor do luxo, pois
deixou-nos um legado de símbolos de status e
sofisticação, durante o seu reinado. Para Luís XIV ostentar o luxo era uma forma de poder. A França
soube utilizar muito bem esse poder de sedução para influenciar
outros países. As criações da corte francesa eram desejadas e
disseminadas por toda corte Europeia. Luis XIV, O Rei-Sol http://www.panoramicearth.com/map/mafra.html?vt=5813 Real Convento de Mafra O maior empreendimento económico e artístico levado a cabo por João V, uma autêntica obra de regime.
O palácio tem intrevenções Barrocas e Rocócós, formando uma autêntica escola de escultura. Mafra concretiza o conceito de "obra de arte total" convergindo todas as artes num mesmo discurso estético, plástico e conceptual. E contribuindo para a mais extraórdinária manifestação de glória e absolutismo do soberano. O edificio é feito em dois rectângulos: no primeiro, virado para a vila, integra-se a igreja, o palácio, dois claustros, o refeitório, a Sala de Actos, as enfermas, a Capela do Campo Santo e a Sala do Capítulo. No segundo estão celas dos frades, as oficinas e a biblioteca. Cultura do Salão Jean-Jacques Rousseau Foi um importante filósofo, teórico político, escritor e compositor autodidacta suíço.
É considerado um dos principais filósofos do iluminismo e um precurso do romantismo. Após isso, Rousseau, então famoso na elite parisiense, é convidado para participar de discussões e jantares para expôr suas ideias.
Politicamente, expõe as suas ideias no Contrato Social. Procura um Estado social legítimo, próximo da vontade geral e distante da corrupção. A soberania do poder, para ele, deve estar nas mãos do povo, através do corpo político dos cidadãos. Segundo as suas ideias, a população tem de ter cuidado ao transformar os seus direitos naturais em direitos civis, afinal "o homem nasce bom e a sociedade corrompe-o".
As suas filosofias inspiraram a revolução francesa. Urbanismo da Baixa Pombalina A cidade foi reconstruida apos o terramoto em Lisboa de 1755. A cidade era formada em relação a duas
praças de cada lado. Foi
construida com os ideais iluministas em mente e nasceu um novo estilo,
o pombalino. As edificações eram feitas
em prédios para habitação. Formados em dois andares e estruturados
conforme importância social. As ruas eram mais largas e amplas, formadas em paralelas
e em perpendiculares onde o ar circulava. Tratado de Utreque Pôs fim ao primeiro conflito à escala do globo.
Cria espaço para as novas potências: Inglaterra e Estados Alemães. Le Nozze de Figaro Wolfgang A. Mozart, 1785 e 1786 Declaração Universal dos Direitos do Homem e do Cidadão Princípios que defende:
Liberdade individual;
Igualdade de todos os homens;
Povo passa a ter a soberania do Estado;
Divisão tripartida dos poderes;
Liberdade de expressão. Tornou-se no documento base dos direitos para toda a Humanidade. Cultura da Gare O engenheiro Gustave Eiffel (1832-1923) Personificou a fusão entre a funcionalidade e a estética e trabalhou com sucesso o novo conceito de "espaço" Obras que o imortalizaram: Torre Eiffel (Exposição Universal de Paris de 1884)
Estrutura metálica da Estátua da Liberdade
Projecto das comportas do Canal do Panamá A 1ª Exposição Universal, Londres (1851) Nasce como meio de divulgação dos novos produtos e tecnologias.
Estiveram presentes países e culturas distintas.
Nasce a tradição das exposições com grandes novidades tecnológicas.
Deixou um novo modelo de arquitectura. Palácio de Cristal de Joseph Paxton:
Edifício efémero e funcional
Edifício que nasceu para ser reutilizável
Lançou a moda da arquitectura do ferro ao alterar o gosto estético Palácio da Pena Situado no Monte da Pena, o Palácio foi edificado no sítio de um antigo convento de frades da Ordem de São Jerónimo. Foi fruto da imaginação de D. Fernando de Saxe Coburgo-Gotha, que casou com a rainha D. Maria II em 1836. Apaixonado por Sintra, resolveu adquirir o convento e as terras envolventes para construir o palácio de verão da família real. O rei consorte adoptou para o palácio formas arquitectónicas e decorativas portuguesas, ao gosto revivalista (neo-gótico, neo-manuelino, neo-islâmico, neo-renascentista) e na envolvência decidiu fazer um magnífico parque à inglesa, com as mais variadas espécies arbóreas exóticas. Cultura do Cinema O Charlot (1914-1934) Chapéu de coco Casaco curto Calças muito largas Colete de fantasia Gravata e colarinho postiço Sapatos e bengala ridículos Aventureiro
Triste mas não conformado
Procura a felicidade
Ridiculariza a sociedade A descoberta da penicilina por Alexandre Fleming A sua descoberta fez recuar as doenças até então mortais. Milhões devem a vida a esta descoberta. "O futuro da Humanidade depende em grande parte da liberdade que os investigadores tenham de explorar as suas próprias ideias." - Fleming Numa época de grandes desastres humanos surge uma esperança... Guernica de Pablo Picasso A pintura foi feita com o uso das cores preto e branco - algo que demonstrava o sentimento de repúdio do artista ao bombardeio da pequena cidade espanhola. Claramente em estilo cubista, Picasso retrata pessoas, animais e edifícios nascidos pelo intenso bombardeio da força aérea alemã (Luftwaffe), já sob o controle de Hitler, aliado de Francisco Franco. Esse quadro foi feito também com o objetivo de passar para os que vissem, o que ele estava sentindo, um vazio por dentro de si, um conflito, uma guerra consigo mesmo buscando resposta para sua vida amorosa , e toda vez que ele via o quadro, pensava consigo mesmo, será que o meu problema é maior que essa guerra, ou tem mais importância para os outros, e naquele momento ele conseguia esquecer. O que para nós demonstra uma grande preocupação por parte do autor do mesmo. Cultura do
Espaço Virtual Pina Bausch - Café Müller Cafe Müller é apenas uma obra sobre a mortalidade do amor. É também – e sobretudo – a confissão extrema de um estado de crise criativa: Cafe Müller consagra uma passagem, dramatizando uma tensão de pesquisa que se coloca no plano da interrogação. ‘Com Cafe Müller, Pina Bausch também criou o seu Oito e Meio’, foi o comentário de Federico Fellini, após ter visto o espectáculo. A Chegada do Homem à Lua A partir dos séculos XV-XVII, a ciência moderna veio a confirmar algumas destas teorias, descobrindo muitas outras influências.
Sábios como Galileu, Newton, D'Alembert, Laplace, Hansen e muitos outros contribuíram com os seus trabalhos para desvendar para a Humanidade os "segredos" da Lua. Contudo ,foi só na segunda metade do século XX que o Homem atingiu o conhecimento e a técnica necessários para construir um veículo habilitado (com força,velocidade e orientação) para ir à Lua e voltar, suportando as difíceis condições (de pressão, atrito/erosão, aquecimento e arrefecimento, etc.) a que esta viagem obrigava , e permitindo o transporte de seres humanos com todos os seus sistemas vitais em funcionamento. Apesar dos Russos terem iniciado mais cedo as suas viagem extraplanetárias, foram astronautas americanos os primeiros a pisarem o solo lunar. Um deles, Neil Armstrong, pronunciou, nesse momento uma frase lapidar: "É um pequeno passo para o homem, mas um grande salto para a Humanidade". A descoberta do Espaço extraplanetário é hoje encarada como um dos maiores desafios colocados à Humanidade. Andy Warhol (1928-1987)
Filho de emigrantes checos, afirmou-se, desde os seus tempos de estudante, e apesar da sua timidez, como um aluno controverso e avesso a regras preestabelecidas. Após a sua chegada a Nova Iorque para trabalhar nas áreas da publicidade e conceção/design de sapatos, o seu objetivo passou também a ser o de se "tornar famoso". O seu aspecto bizarro - apresentava-se em público com uma cabeleira branca sobre os cabelos negros - fazia parte do seu culto da imagem. As suas garrafas da Coca-Cola, mais do que qualquer outra das suas obras seriadas, transformaram-se rapidamente num ícone da cultura pop, até porque, quer pela bebida, quer pela conceção da garrafa, a Coca-Cola já era um símbolo do consumismo e da própria América. Para isso trabalhou essa imagem de diversas formas, em seriações diferentes entre sim construindo uma obra de consagração de um determinado tipo de cultura (uma cultura de massas à escala global), mas ao mesmo tempo democratizando o próprio sentido de arte. Essa democratização teve na base a técnica utilizada: a serigrafia, que permitia a desmultiplicação da imagem, tornando-a acessível a diversos públicos e "consumidores" de arte, e um produto tão comercial como qualquer outro. Usando a Arte como a vida,tão fugaz quanto os "quinze minutos de fama" que considerava ao alcance de cada um de nós o futuro, Andy Warhol construiu, da forma que sonhou , a obra mais pop de todo este movimento. Evolução da História da Cultura e das Artes Por Luísa la Féria, Mafalda Fresco, Raquel Ferreira e Rita Ferreira
Com a colaboração de Dulce Silva e Nadine Gonçalves
11ºD
Full transcript