Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

A Revolução e a Implantação da República e 1ª República

No description
by

Miguel Carvalho

on 28 February 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of A Revolução e a Implantação da República e 1ª República

Grupo 1 - Carolina Fernandes Nº9 , Miguel Carvalho Nº21 e Marco Coelho Nº16 O que foi a Implatação
da República? A Implantação da República Portuguesa foi o
resultado de um golpe de estado organizado
pelo Partido Republicano Português que,
no dia 5 de outubro de 1910, a monarquia
constitucional foi abaixo e foi
implantada um regime republicano
em Portugal. A Implatação da República Os primeiros movimentos a favor da revolta
republicana começaram na madrugada de 4 de Outubro,
partindo compequenos grupos de conspiradores membros
do exército, da marinha e muitos populares. Apesar de
alguma resistência da parte dos democratas e confrontos
militares,os republicanos acabaram por vencer,
implantando assim a República. A Importância do
Parlamento A 1ª Constituição Em Agosto de 1911 foi aprovada a primeira
Constituição Republicana, a Constituição de
1911, que institui um regime democrático
parlamentar (com superioridade do poder
legislativo sobre o poder executivo:
Parlamentarismo) e o sistema de divisão
dos poderes. A 1ª República Após a proclamação da República, foi nomeado o
1º Governo Provisório, presidido pelo professor Joaquim
Teófilo Braga, para dirigir o País, enquanto não fosse
aprovada a nova Constituição e eleito o primeiro
Presidente da República.No entanto, era necessário
criar rapidamente na população a consciência da
mudança e o espírito do regime republicano.
Foram então aprovados pelo Governo Provisório os
símbolos da República Portuguesa: A Revolução e a
Implatação da
República e
a 1ª República Adoptou-se a bandeira vermelha e verde,
substituindo a azul e branca da monarquia. Ó Pátria, Ó Rei, Ó Povo,
Ama a tua Religião
Observa e guarda sempre
Divinal Constituição (Coro)
Viva, viva, viva ó Rei
Viva a Santa Religião
Vivam Lusos valorosos
A feliz Constituição
A feliz Constituição Ó com quanto desafogo
Na comum agitação
Dá vigor às almas todas
Divinal Constituição (Coro)
Viva, viva, viva ó Rei
Viva a Santa Religião
Vivam Lusos valorosos
A feliz Constituição
A feliz Constituição Venturosos nós seremos
Em perfeita união
Tendo sempre em vista todos
Divinal Constituição (Coro)
Viva, viva, viva ó Rei
Viva a Santa Religião
Vivam Lusos valorosos
A feliz Constituição
A feliz Constituição A verdade não se ofusca
O Rei não se engana, não,
Proclamemos Portugueses
Divinal Constituição Viva, viva, viva ó Rei
Viva a Santa Religião
Vivam Lusos valorosos
A feliz Constituição
A feliz Constituição O hino da monarquia Passou a ser "A Portuguesa" Às armas, às armas!
Sobre a terra, sobre o mar,
Às armas, às armas!
Pela Pátria lutar!
Contra os canhões
marchar, marchar! Herois do mar, nobre povo,
Nação valente, imortal,
Levantai hoje de novo
O esplendor de Portugal!
Entre as brumas da memoria,
Oh patria ergue-se a voz
Dos teus egrégios avós,
Que há-de guiar-te à vitória! Desfralda a invicta bandeira,
À luz viva do teu céo!
Brade a Europa à terra inteira:
Portugal não pereceu!
Beija o teu sólo jucundo
O Oceano, a rugir de amor;
E o teu braço vencedor
Deu mundos novos ao mundo! Às armas, às armas!
Sobre a terra, sobre o mar,
Às armas, às armas!
Pela patria lutar!
Contra os Bretões
marchar, marchar! Saudai o sol que desponta
Sobre um ridente porvir;
Seja o eco de uma afronta
O sinal do resurgir.
Raios dessa aurora forte
São como beijos de mãe,
Que nos guardam, nos sustêm,
Contra as injurias da sorte. Às armas, às armas!
Sobre a terra, sobre o mar,
Às armas, às armas!
Pela patria lutar!
Contra os Bretões
marchar, marchar! A moeda da Monarquia que era o real foi substituída pela a da República que era o Escudo. 1ª MUDANÇA 2ª MUDANÇA 3ª MUDANÇA A Constituição de 1911 determinava que o Parlamento
era formado pelos deputados eleitos pela população
através do sufrágio direto. O Parlamento era
o órgão de soberania mais
importante, competia-lhe
para além de fazer as leis,
eleger e demitir o Presidente
da República. O Presidente da República
só depois de tomar posse do
cargo podia nomear o seu
Governo de acordo com o
partido que tivesse maior
número de deputados no
Parlamento. Em 24 de Agosto de
1911, o Parlamento elegeu
para primeiro Presidente da
República o Dr. Manuel
de Arriaga. Principais realizações republicanas Os Governos da 1ªRepública desenvolveram
uma série de reformas económicas, sociais e
educativas com vista à consolidação do
novo regime e à melhoria das condições
de vida das populações. Laicização do Estado: Lei da Separação do Estado e da Igreja. Expulsão das Ordens Religiosas. Nacionalização dos bens da Igreja. Proibição do ensino religioso em escolas oficiais. Legalização do divórcio. Obrigatoriedade do Registo Civil. Reconhecimento dos filhos ilegítimos
(Leis da Família). Legislação Social: Direito à greve e à organização sindical. Direito à Assistência Social (proteção em
casos de doença e de velhice). Direito ao descanso semanal e a um
horário de trabalho de 8h por dia (48h
semanais). Ensino: Criação do Ministério de Instrução Pública. Escolaridade obrigatória e gratuita entre os
7 e 10 anos. Criação do ensino infantil para crianças dos 4
aos 7 anos. Fundação de mais de 5000 escolas. Fundação das Universidades de Lisboa e Porto. Desenvolvimento do ensino técnico e agrícola. As causas da queda
da 1ª República 1ª Causa - 2ª Causa - 3ª Causa - 4ª Causa - Divisão de Partido Republicano em vários partidos
rivais (Partido Democrático, Partido Evolucionista e União
Republicana). Existência de dois períodos de ditadura (Pimenta de
Castro, 1915, Sidónio Pais, 1917-18). Frequentes quedas de governos e de Presidentes da
República devido ao parlamentarismo. Entre 1910 e 1926 existiram 45 governos e
8 Presidentes. Oposição de Igreja Católica e dos monárquicos
que tentavam derrubar a República. Aumento dos impostos. Aumento da inflação. Desvalorização da moeda e dos
salários. Falta de alimentos. Diminuição do poder de compra
e o aumento da dívida pública. Greves e descontentamento dos
trabalhadores (classe média e operários). Atentados terroristas realizados por
anarquistas e bolchevistas. A agitação social: A participação na
1ª Guerra Mundial: Agravou a conjuntura política, económica e social existente. Morreram milhares de soldados
portugueses.
Trabalho realizado por: - Carolina Fernades Nº9;
- Miguel Carvalho Nº21;
- Marco Coelho Nº16. 9ºD Perante o descontentamento geral,
no dia 28 de Maio de 1926, deu-se um
golpe militar(iniciado em Braga, comandado
pelo general Gomes da Costa) que
derrubou a 1ªRepública e instaurou
uma Ditadura Militar. Golpe militar de 28
de maio de 1926 As causas da
queda da
Monarquia Crise Social: Crise Económica: Crise Política: Aumento do preço dos produtos. Aumento dos impostos. Aumento do Desemprego. Agitação social. Agravamento das condições de vida
e de trabalho, principalmente da classe
média, dos operários e dos
camponeses. Balança comercial desfavorável. Aumento da dívida pública. Diminuição dos investimentos. A família real gastava muito
dinheiro dos cofres do reino. Desvalorização da moeda. Falência de alguns bancos. 1ª Causa 2ª Causa 3ª Causa O Ultimato Inglês. Política Ditatorial do
conselheiro João Franco A instabilidade política: As dificuldades económicas:
Full transcript