Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

A FISIOLOGIA DO PARTO

No description
by

Beatriz Campos

on 4 May 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of A FISIOLOGIA DO PARTO

A Fisiologia do Trabalho de Parto
1° Estágio: Fase Latente
2° Estágio - Fase Ativa
Fase Ativa
Ela fará isso utilizando métodos naturais, como massagens, compressas, palavras de incentivo, olhares que acalmam, e sugerindo
posições.
Fase de Transição
Fase relativamente curta, que começa quando a dilatação se encontra em 7cm e se estende até a fase de expulsão, aos 10cm.
A Partolândia e a "Hora da Covardia"
No momento em que a mulher se entrega à Partolândia, é seu instinto quem assume a situação; seu ego, racional, escapa, para que esta possa tirar forças ancestrais e instintivas de dentro de si mesma para dar luz a seu bebê.
Aspectos Emocionais da Fase Latente
Sentimentos à flor da pele; conflitos emocionais emergem, fazendo com que a mulher se confronte com eles; é necessário que se incentive o "botar pra fora", seja através do choro ou quaisquer outras manifestações. Muitas vezes, mágoas e sentimentos negligenciados vem à tona durante o trabalho de parto para que esta mulher se cure e abra espaço para o seu próprio (re)nascimento.
Contrações ritmadas, dores suportáveis.
As contrações uterinas são responsáveis por empurrar a cabeça do bebê contra o colo do útero, fazendo com que este dilate.
o bebê entende, então, que está na hora!
O ideal é que neste momento a mulher descanse, para poupar energias.
É interessante que o casal se conecte neste momento com abraços, beijos e carinho. Ocitocina!
O medo e a angústia aumentam e a mulher pode se sentir fragilizada. É necessário que se ofereça segurança e acolhimento.
Contrações regulares; intervalo mais curto entre uma e outra; sensação física mais intensa.
Grande carga hormonal:


Ocitocina + Endorfinas = Trabalho de parto PRAZEROSO
Para que tudo ocorra com fluidez, a mulher precisa se sentir segura e acolhida durante o trabalho de parto. É preciso criar um ambiente íntimo e amoroso para que ela consiga relaxar e se entregar completamente à experiência.
Os hormônios também
"preparam o bebê" para
o nascimento.
A "dor" fica mais intensa,
e o papel da doula se faz
mais necessário.
A doula fará o possível para minimizar as dores e desconfortos da mulher sem o uso de anestesias.
Termina quando: dilatação: 3-4cm
Termina quando:
dilatação: 7-8cm
7 a 10cm
FENÔMENO DA PARTOLÂNDIA
Os níveis elevados de hormônios do prazer elevam a mulher a uma outra "dimensão de consciência" fazendo com que a mesma entre em uma espécie de transe.
Encontro da mulher com sua própria alma. Emerge a sua "Fêmea Interior" - instintiva.
Em alguns momentos, a racionalidade volta, trazendo o medo. A mulher pensa que não vai conseguir e quer voltar atrás; pede anestesia e outras intervenções. Isso é sinal de que o bebê está próximo. Ao sentir-se novamente segura e confiante em si mesma, a mulher entrega-se totalmente e, por fim, o nascimento acontece.
3° Estágio - Fase Expulsiva
A fase expulsiva é caracterizada pelo nascimento de fato.
O canal vaginal massageia o bebê em sua descida, o que, por sua vez, irá "esvaziá-lo" de tudo o que possui nos pulmões e estômago.
Fase Expulsiva
Todo o corpo da mulher e do bebê trabalham juntos para que o nascimento aconteça!
Parir é instintivo. A mulher deve confiar em si mesma, em seus instintos. O corpo é sábio.
A COROAÇÃO ou "círculo de fogo"
A "coroação" marca o fim da descida e é caracterizada pela aparição do topo da cabeça do bebê. Neste momento, devido às intensas sensações, a mulher tende a contrair os músculos da vagina, dificultando o processo. O ideal é que ela tente relaxar ao máximo essa área, por meio de exercícios de respiração e vocalização.
A sensação, geralmente, é de ardor. Após a cabeça, saem os ombros e o bebê "escorrega". A dor cessa imediatamente, porém a ocitocina continua sendo secretada, ocasionando na mulher um sentimento intenso de prazer e amor.
Fase Final
Ao nascer, o bebê será acolhido no corpo de sua mãe; ele começará a explorá-lo com os sentidos, dando início a outra "onda" de ocitocina endógena a invadí-lo, resultando em contrações uterinas e, consequentemente, no nascimento da placenta.


O nascimento da placenta
FIM!
Full transcript