Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

"Lidando com a validade, fidedignidade e a ética na pesquisa

No description
by

Liziani Mello Wesz

on 21 July 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of "Lidando com a validade, fidedignidade e a ética na pesquisa

Sharan B Merriam
Ética
Validade Interna
"Lidando com a validade, fidedignidade e a ética na pesquisa estudo de caso"
MERRIAM, S. B. Case Study: Research in education - A qualitative approach
Fidedignidade
Validade Externa
É professora de educação de adultos, da Universidade da Geórgia.

Seu foco foi pesquisar e escrever sobre a educação de adultos e os fundamentos da educação de adultos.

Atualmente é parte do corpo docente em Educação de Adultos na Universidade da Geórgia em Athens , onde suas responsabilidades incluem cursos de pós-graduação de ensino na educação de adultos e métodos de pesquisa qualitativa, e supervisão de pesquisa estudante de graduação.

Seu doutorado é em educação de adultos pela Universidade de Rutgers.
CONHECIMENTO
Toda pesquisa
preocupa-se
em
produzir
Que tem valor ou serventia. Valioso. Sadio, são. Legítimo, legal. (
Aurélio
)
Válido
Digno de fé; merecedor de crédito. (
Aurélio
)
Fidedígno

Estudo
de Caso
Guba e Lincoln (1981, p. 115) salientam que para discutir a questão, o estudo deve ser
internamente válido.

Preocupa-se o grau em que os achados de um estudo podem ser aplicados a outras situações.
QUÃO GENERALIZÁVEIS PODEM SER OS DADOS DE UMA PESQUISA?
“Ao invés de tornar generalização a consideração governando nossa pesquisa, sugiro que revertamos nossas prioridades [...] Quando damos peso apropriado às condições locais, qualquer generalização é uma hipótese de trabalho, não uma conclusão”.(Cronbach, 1975,P.124-125)

Cronbach (1975) propõe hipóteses de trabalho para substituir a noção de generalização em pesquisa em ciência social.

“A BUSCA NÃO É DE UNIVERSAIS ABSTRATOS, ALCANÇADOS PELAS GENERALIZAÇÕES ESTATÍSTICAS DE UMA AMOSTRA PARA UMA POPULAÇÃO”.

Para Erickson (1986),

a produção de conhecimento generalizável é um objetivo inapropriado à pesquisa interpretativa. Ao atender o particular, universais concretos serão descobertos.

Um modo de ver validade externa como particularmente adequado à pesquisa Estudo de Caso é pensar em termos do leitor ou usuário do estudo.

É o leitor que tem de perguntar o que há neste estudo que eu posso aplicar a minha própria situação e o que claramente não se aplica? (Walter, 1980, p.34)

DEPENDENDO DA NOÇÃO DE VALIDADE EXTERNA QUE SE TENHA O PESQUISADOR DO ESTUDO DE CASO PODE MELHORAR A POTENCIALIDADE DE GENERALIZAÇÃO DE SEUS ACHADOS.

Proporcionando uma descrição rica e densa “de modo que qualquer um interessado na possibilidade de transferir tenha uma base de informação apropriada para julgamento” (Lincoln e Guba, 1985, p.124-125).

Estabelecendo a categoria típica ou modal do caso – isto é descrevendo quão típico é o programa, evento ou indivíduo comparando com outros da mesma classe, de modo que os usuários possam fazer comparações com suas próprias situações (Goetz e LeCompte, 1985).

Problemas do pesquisador tornam-se envolvidos em questões, eventos ou situações sob estudo
Problemas oriundos da competição entre diferentes grupos de interesse pelo acesso e controle sobre os dados
Problemas referentes à publicação, tais como a necessidade de preservar o anonimato dos sujeitos
Problemas surgindo de a audiência ser incapaz de distinguir entre dados e a interpretação do pesquisador
Problemas sobre confidencialidade dos dados
Trata-se da questão de como os resultados encontrados correspondem à realidade
Os achados capturam o quê há na realidade?
Estão os investigadores observando ou medindo o que pensam que estão medindo?
Ratcliffe (1983) oferece uma perspectiva interessante para avaliar validade em todo tipo de pesquisa. Nessa parte do texto ele se refere a pesquisa qualitativa, etnográfica e experimental.
Validade, então, deve ser avaliada em termos da experiência do investigador interpretar ao invés da própria realidade (que nunca pode ser apreendida).
Ratcliffe conclui que não há meio universal de garantir validade, há somente "noções de validade" (p. 158).
Um dos pressupostos subjacentes à pesquisa qualitativa é o de que a realidade é multidimensional, holística, em constante mudança; não é um fenômeno objetivo, único e fixo esperando ser descoberto, observado e medido.
Então, o que está sendo observado em pesquisa qualitativa e como se avalia a validade daquelas observações?
Realidade, de acordo com Lincoln e Guba (1985), é um conjunto múltiplo de construções mentais, feitas por seres humanos, suas construções estão em suas mentes e elas são, em geral, acessíveis aos seres humanos que as fazem" (p. 295).
Na pesquisa qualitativa é importante compreender as perspectivas daqueles envolvidos no fenômeno de interesse, para descobrir a complexidade do comportamento humano num quadro de referência contextual e apresentar uma interpretação holística do que que está ocorrendo.
Na pesquisa etnográfica Goetz e LeCompte (1984, p. 221) discutem quatro fatores que dão suporte a essa pretensão de alta validade interna:
A prática comum do etnógrafo de viver entre os participantes e coletar dados por longos períodos;
Entrevistas dos informantes, uma principal fonte de dados etnográficos;
Observação participante, a segunda fonte chave de dados do etnógrafo;
Finalmente,
análise etnográfica.
De acordo com a experiência de pesquisa, bem como literatura sobre pesquisa qualitativa, há seis estratégias básicas que o investigador pode usar para assegurar validade interna:
Triangulação

O cheque dos membros

Observação de longo prazo no local da pesquisa ou observações repetidas do mesmo fenômeno;
Exame dos pares
Modos participativos de pesquisa

6.
Viéses do pesquisador
- esclarecer os pressupostos, a visão de mundo e as orientações teóricas do pesquisador no início do estudo.
Refere-se ao grau em que os resultados podem ser replicados;
Em um delineamento de pesquisa baseia-se no pressuposto de que há uma realidade única que, se estudada repetidamente dará os mesmos resultados. Este é um conceito central da pesquisa experimental tradicional que focaliza a descoberta de relações causais entre variáveis.
são inextricavelmente ligadas na conduta de pesquisa
Fidedignidade
Validade
Os resultados serão considerados mais válidos se repetidas observações do mesmo estudo ou replicações do estudo inteiro produzirem os mesmos resultados;
Lincoln e Guba (1985, p. 288) sugerem pensar em "dependabilidade" ou "consistência" dos resultados obtidos dos dados - que eles são consistentes e dependáveis (confiáveis);
Há várias técnicas que o investigador pode usar para assegurar que seus resultados, sejam confiáveis:
A posição do investigador
Triangulação
Trilha do autor
Essencialmente, pesquisadores devem apresentar seus métodos, como tais detalhes "que outros pesquisadores possam usar o relatório original como um manual operacional para replicar o estudo" (Goetz e LeCompte, 1984, p. 216).
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE RONDONÓPOLIS
INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO

Disciplina: Metodologia da Pesquisa

Professora: Eglen Silvia Pipi Rodrigues
Alunos: Cayron Henrique Fraga
Claudia Aparecida do Nascimento
Giseli de Almeida Alves Oliveira
Liziani Mello Wesz
De maneira
Ética
Cinco razões

para fazer pesquisa interpretativa em educação refletem uma perpectiva crucial ao avaliar a
validade
e
fidedignidade
de
Estudo de Caso Qualitativo
Estudo de Caso Qualitativo
é um tipo particular de pesquisa com características e usos próprios.

( Erickson "pesquisa interpretativa")
Para tornar o familiar estranho e interessante novamente - vida diária é tão familiar que pode ser invisível.
Alcançar compreensão específica através de documentação de detalhes concretos da prática.
Engajar-se na compreensão comparativa de diferentes contextos sociais - considerar as relações entre o contexto e o ambiente social mais amplo auxilia clarificar o que está acontecendo no próprio contexto local.
Engajar em compreeensão comparativa além das circunstâncias imediatas do contexto social.
Considerar os significados locais que acontecimentos têm para as pessoas nele envolvidas - similaridades superfíciais em comportamentos são algumas vezes confusas em pesquisa educacional.
Usar investigadores múltiplos, fontes múltiplas de dados ou múltiplos métodos para confirmar constatações emergentes;
Levar de volta os dados e interpretações às pessoas de quem foram derivados e perguntar a elas se os resultados são plausíveis;
Pedindo ao colegas que comentem os achados à medida que emergem;
Envolver participantes em todas as fases da pesquisa;
Para um campo, tal como a educação, aprender a respeito de si e conduzir seu negócio de ensinar crianças e adultos, pesquisas de todos os tipos são regularmente empreendidas.
Para ter algum efeito na teoria ou na prática da educação, esses estudos devem ser:

acreditáveis;

confiáveis;

necessitam apresentar "insights" e;

conclusões que soem como verdadeiros aos leitores, educadores e outros pesquisadores.
Kemmis (1983) explica como o
Estudo de Caso
pode ser esclarecedor e ativador:
Se
Estudo de Caso
, algumas vezes, oferece esclarecimentos, faz isso devido ao fato que na vida social e na ciência social, trabalhamos muito no escuro....Nossos entendimentos científicos da vida social têm muito frequentemente, fragmentado em pedaços "manejáveis" que nos escondem o contexto envolvendo fenômenos sociais, sua coerência dinâmica, seus efeitos reflexivos e sua verdadeira significância que está em ação ao invés do discurso teórico. Estudo de Caso, por ser naturalístico, é especialmente bem colocado para fazer um assalto nessa fagmentação e nos obstáculos associados à nossa compreensão.
..."Insights" autênticos alcançados através do Estudo de Caso têm a capacidade de trabalhar reflexivamente para mudar a situação estudada. As possibilidades de ação criadas pelo Estudo de Caso baseiamse na própria situação, não impostas de fora (p. 108-109).
• Pesquisa e questões éticas
• Código de Nuremberg estabelecido como resultado dos Tribunais Militares de Nuremberg, em 1945
• Estudo de caso e os dilemas éticos
• Walker (1980), lista cinco problemas específicos que investigadores de Estudo de Caso encontraram ao conduzir pesquisa:
• Entrevista em profundidade e observação
• O uso dos documentos para pesquisa
Hipótese de trabalho
(Cronbach 1975)
Universais concretos
(Herickson 1986)
Generalização naturalística
(Stake 1978)
Potêncialidades para generalizar do usuário ou leitor
(Wilson 1979 e Walker 1980)
Reconceitualizações
da potencialidade para generalizar a serem discutidas
aqui incluem
Propõe substituir a noção de generalização em pesquisa em ciência social.
Um observador coletando dados em uma situação particular está apto a avaliar aquele contexto.
Sua tarefa é compreender e interpretar qualquer efeito novo ou série de eventos.
Ao atender o particular, universais concretos serão descobertos.
Pessoas observam os padrões que explicam sua própria existência. "Conhecimento cuidadoso e pleno do particular".
A capacidade de generalizar é em última análise relacionada ao que o leitor está tentando aprender do
ESTUDO DE CASO
.
A natureza aplicada da invetigação educacional torna, assim, imperativo que pesquisadores e outros sejam capazes de confiar nos resultados da pesquisa, sentirem-se confiantes de que o estudo é
válido
e
fidedigno
.

É difícil, entretanto avaliar a
validade
e
fidedignidade
de um estudo sem examinar seus componentes.
É dificil falar sobre validade ou fidedignidade de um experimento como um todo, mas pode-se falar a respeito de validade e fidedignidade da instrumentação, da adequação das técnicas de análise de dados, do grau de relação entre as conclusões extraídas e os dados sobre os quais elas possivelmente se baseiam, etc.É justamente deste modo que se pode discutir os processos e procedimentos subjacentes ao Estudo de Caso -forma as entrevistas construídas com fidedignidade e validade; foi o conteúdo dos documentos propriamente analisado; as conclusões do Estudo de Caso baseiam-se nos dados? O Estudo de Caso não é, no que diz respeito ao rigor demonstrativo, nem um pouquinho diferente de qualquer outra técnica (GUBA e LINCOLN, 1981, p.378)

Qualitativo
Full transcript