Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Império Carolíngio

Formação do Império Carolíngio e o Renascimento Cultural da Europa Ocidental
by

Kelly Cristina Araujo

on 12 August 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Império Carolíngio

Coroamento de Carlos, o Calvo
BNF, Manuscrits, latin 1141, f. 2 v°
Carlos, o Calvo, entre dois dignatários eclesiásticos, é coroado rei pela mão de deus, que impôe, assim, sua soberania sobre os homens.


Tendo conseguido apoio da Igreja de Roma, seu poder é marcado pela realização da unidade quase total do Ocidente Cristão no reinado de Carlos Magno, Imperador Sagrado do Ocidente no ano 800, e pelas grandes reformas levadas a cabo por Pepino, o Breve, seguidas e amplificadas por Carlos Magno nos domínios religiosos, admistrativos, legislativos e educativos. Essa verdadeira restauração do Estado se apoiou nos letrados e bem instruídos cristãos, conselheiros do imperador. Nomeados para assumirem postos-chave, eles serão os artesãos daquilo que será chamado «Renascimento Carolíngeo», desejado por Carlos Magno e expandido sob o reinado de seu filho Luís, o Piedoso.
Os sucessores dos Merovíngios
Os Carolíngios, dinastia fundada pela família dos Pepinos, reinaram sobre a Europa Ocidental desde 750 até o fim do século X.
Os sucessores de Carlos Magno não conseguiram conservar o império naquilo que diz respeito aos seus limites territoriais, sua unidade e sua integridade.
Seguindo a tradição franca, Carlos Magno tinha previsto a partilha de seu império entre seus três filhos. Mas dois deles morrem prematuramente, e aquele que sobrevive, Luís, o Piedoso, é consagrado Imperador, em Reims, em 816, pelo papa Etienne IV.
Sua preocupação principal era a manutenção das fronteiras do Império, que estava ameaçado pelos Normandos, chegados à costa em cerca do ano 800 e que invadiam as terras.
Tendo associado ao trono o seu filho mais velho, Lotário, ele acaba por ser confrontado, depois de se casar de novo e do nascimento de Carlos, o Calvo, ao crescimento das ambições e às intrigas dos filhos.
Deposto por seus três filhos em outubro de 833, restabelecido por Luís e Carlos em março de 834, ele morre no início de 840 sem ter resolvido o problema de sua sucessão.
O tratado de Verdun (843) divide o Império entre os netos de Carlos Magno e coloca fim ao grande sonho de unidade.
"Quando Carlos Magno morreu, o mundo ocidental era inteiramente cristão. Esta foi a missão, foi o mérito do imperador de ter, forçando sempre para mais longe os limites do império, dilatando a cristiandade".
(Laurent Theis. L'Heritage des Charles)
Após a morte de Clóvis, em 511, os mordomos, ou prefeitos do palácio – que tinham funções semelhantes a de um primeiro-ministro atual –, estabeleceram-se como os funcionários encarregados da distribuição de cargos, funções, terras e outros bens e riquezas.
Com o passar dos anos, grande parte do poder dos reis francos passou a ser exercido pelos mordomos do palácio. No início do século VIII, o mordomo Carlos Martel conseguiu centralizar o poder em suas mãos, firmou-se como o mais influente mordomo, aproximou-se muito da igreja de Roma e garantiu que seu filho, Pepino, o Breve, fosse coroado rei em 751, fundando a dinastia carolíngia.
Os maiores problemas enfrentados pelo reino franco:
- A imensidão territorial do Império contrastava com uma administração de tipo rudimentar: Carlos Magno deslocava-se pelos seus domínios com toda a sua comitiva;
- o Império estava dividido em cerca de duzentos condados, cada um governado por um proprietário de terra, uma espécie de sócio do imperador;
- Contra a tendência descentralizadora do império, eram estabelecidas relações de vinculação e subordinação ao poder central, no plano simbólico, através do juramento de fidelidade feito por todos os homens livres ao imperador;
Estes mecanismos visavam preencher uma lacuna grave: a incapacidade de recolher impostos, que tinha como consequências a impossibilidade de manter uma burocracia eficiente e um exército permanente.
Exercícios

1. Indique e descreva uma particularidade do domínio carolíngeo.
2. Explique o que foi o Renascimento Carolíngeo.
3.Relacione o estabelecimento e generalização da relação de vassalagem e o prejuízo do poder imperial.
4. Indique as consequências das invasões ocorridas na Europa ocidental no século IX para o Império Carolíngeo.
5. Indique a principal consequência do Tratado de Verdun para a manutenção do Império Carolíngeo.
Os reis passam a ter o direito sagrado ao trono, ou seja, eram eleitos por Deus para governar e, por isso, não podiam ser contestados.
Para estabelecer o seu poder, os imperadores se apoiaram no Papado e estabeleceram relações estreitas com a Igreja de Roma. Os monastérios são governados por seus parentes e conselheiros e transformam-se nas principais instituições administrativas dos territórios.
É a religião que servirá de base para a unificação das populações heterogêneas que vivem nos territórios conquistados; também se lançam à correção da Bíblia, até então «corrompida pela incompetência dos editores», e se dedicam à adoção de um ritual litúrgico uniforme com base naquele que era realizado durante o fim do Império Romano.
Bíblia do período de Carolíngio.
O que podemos observar e quais dados podemos extrair desta imagem?
a) Descreva as 3 sequências
b) Identifique o elemento mais importante, aquele que se repete nas 3 sequências.
c) Identifique qual evento está retratado no conjunto de imagens.
d) Justifique a sua escolha.
A adoção de uma escrita comum para todo o território carolíngeo, chamada «minúscula carolíngea», é muito importante para o ensino da leitura, escrita e do cálculo para o clero e, para os laicos, contribui para elevar o nível de instrução e para fundir os povos do Império.
Santo Agostinho. "Da doutrina cristã". 796-810
Sempre reforçando o poder real e colocando em ordem as instituições do reino, Carlos Magno e seus sucessores se comprometem com a restauração da cultura – chamada de Renascimento Carolíngeo –, que havia séculos estava abandonada devido às guerras constantes, e se lançam à redescoberta das heranças científicas, literárias e artísticas da Antiguidade.
Prudêncio. Poesias. Do latim, copiado no século IX.
Este movimento literário, religioso e artístico marcou a história do livro e das ideias por séculos. Ele permitiu a conservação da herança literária da Antiguidade Clássica latina e a renovação da tradição bíblica e dos estudos teológicos.
CARACTERIZAÇÃO DO PODER CAROLÍNGIO
- Terras e camponeses eram indispensáveis para a vida desses guerreiros;
- Quanto maior a capacidade militar, maior a capacidade de conquista e, consequentemente, de terras e domínios;
- A guerra passou a ser uma forma regular de atividade econômica, sendo a terra o bem mais valioso nessa sociedade;
- Os grandes guerreiros passaram a ser reconhecidos como nobres.
A razão dessa fraqueza administrativa estava no estabelecimento definitivo de vínculos entre a doação de terra e a prestação de serviço militar: o nobre que recebia a doação prestava um juramento de fidelidade ao imperador e, em troca, recebia o benefício, uma concessão de terras, tornando-se vassalo do imperador.
Pepino, o Breve
Os sucessores de Clóvis foram chamados "reis indolentes" por não terem expandido as fronteiras do reino e, consequentemente, a fé cristã.
Clóvis, primeiro rei dos francos
Full transcript