Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Guerra do Contestado

No description
by

Ju Macedo

on 9 June 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Guerra do Contestado

Contestado
1912 - 1916
As Causas: Brazil Railway & Lumber
As Lideranças
O Exército
Memórias
Graciliano Alves dos Santos e esposa - Curitibanos
João Maria de Paula - Matos Costa.
João Melo e Eugênia - Rio das Antas
Raulino Correia dos Santos - Lebon Regis
Adeodato preso em Florianópolis, setembro de 1916
Fotos Memoriais:
Universidade Federal de São Paulo - BS
Profa. Dra. Ana Maria Ramos Estevão
FSPEB
Membros: Ana Lucia; Josefa; Jucilene
MACHADO, Paulo Pinheiro. Lideranças do Contestado: a formação e a atuação das chefias caboclas. Campinas: UNICAMP, 2004 - pg 382 a 391
Batalha
Tempo da Guerra: 46 meses (out/1912 a ago/1916)
Marco Inicial da Guerra do Contestado - Batalha do Irani (conflito armado)
Morte de Jose Maria, apesar dos cablocos derrotarem as tropas
Morte do Coronel João Gualberto, que comandava as tropas
Resistência / Luta por direito
Crença que Jose Maria "voltaria" com um "exército encantado"
Auge da Guerra: Março-abril de 1915, em Santa Maria, na Serra do Espigão
A partir 1906 a área do Contestado passou por transformações
Brazil Railway - Ferrovia São Paulo-Rio Grande
Interesses Políticos - Governo Federal e Estadual
Aspectos Institucionais - Questão dos Limites
Desapropriação de uma faixa de aprox. 30km de largura
Madeireira Lumber & Colonization Company
Percival Farquhar
Causa e Efeitos - Desemprego logo após o fim da obra
Liderança Religiosa - Messianismo
Igreja Católica
Deodato Manuel Ramos
"As Virgens"
Cenário Pré- Contestado
Os Personagens
Homens Livres - Caboclos - Jagunços
Pequenos Fazendeiros
Viviam da exploração dos recursos naturais erva-mate e madeira
Imigrantes
Considerações Finais
Primeira vez que um avião é usado como instrumento de Guerra no Brasil (que se tem conhecimento)
Acidente com capitão Ricardo Kirk
Tornou-se patrono da aviação do Exército Brasileiro.
Musica:
O Trenzinho do Caipira, HEITOR VILLA LOBOS
REPÚBLICA VELHA (1889 – 1930)
REPÚBLICA DA ESPADA
(Consolidação da Nova Ordem)
REPÚBLICA DAS OLIGARQUIAS
(Instauração do Poder Civil)
Marechal Deodoro
Marechal Floriano
Prudente de Morais
O Brasil das Oligarquias (1894 – 1930): ricos e poderosos proprietários rurais
Início:
Prudente de Morais
Término:
1930, Getúlio Vargas ao Poder

1. MARECHAL DEODORO DA FONSECA

. Dívida Externa
. Crise Política: Rui Barbosa e o Encilhamento


A liberdade não é um luxo dos tempos de bonança: é o maior elemento da estabilidade
” (Rui Barbosa)
1ª Constituição: 1891 (influência norte americana: Estados Unidos do Brazil)
Executivo, Legislativo e Judiciário (extinção do Poder Moderador)
. a escolha do Presidente da República e dos membros do poder Legislativo por meio do sufrágio direto universal masculino (os cidadãos com direitos plenos poderiam votar em seus representantes, sem necessidade de comprovar a renda); não podiam votar: analfabetos, menores de 21 anos, mulheres, monges regulares, praças das Forças Armadas e mendigos
. a Igreja separada do Estado

Marechal de Ferro –vice de Deodoro da Fonseca:
. perfil populista acabou preocupando as elites do país
. organizar um grande movimento de oposição.
ARGUMENTO: desrespeito a Constituição ao assumir o país como vice sem eleições diretas – o que de fato ocorreu.

O Brasil das Oligarquias (1894 – 1930): ricos e poderosos proprietários rurais
Início: Prudente de Morais
Término: 1930, Getúlio Vargas ao Poder

1913 - novo ataque (tropas federais e estaduais que, derrotadas, deixaram para trás armas e munição)
Destruíram estações ferroviárias, queimaram a madeireira da Lumber
Designado general Carlos Frederico de Mesquita para comandar a ação contra os "rebeldes"
Frederico de Mesquita, tentou acordo, sem exito
Coronelismo
. Grandes Proprietários rurais
. Influência política regional

Política do café-com-leite:
. alternância na presidência da República de políticos paulistas e mineiros.

Fraudes eleitorais:
. Voto aberto
. Manipulação política

José Maria, o Monge
Nome verdadeiro: Miguel Lucena
Realizava curas e pregava uma religião, misto de catolicismo e crendices sertanejas
Marechal Fernando Setembrino de Carvalho 1861 - 1947
Utilizou técnicas e estratégias "inovadoras" para a Guerra
Livro "Memórias - Dados para a História do Brasil"
Referências:
MACHADO, Paulo Pinheiro. Lideranças do Contestado: a formação e a atuação das chefias caboclas. Campinas: UNICAMP, 2004
contestadoaguerradesconhecida.blogspot.com.br
www.ahimtb.org.br/revcontestado
cpdoc.fgv.br/contestado

Nomeado General Setembrino de Carvalho (setembro de 1914)
1914 inicia o ataque final
Prisão de Deodato, último líder - Agosto de 1916
5 mil à 8 mil Contestadores - Mortos, feridos e desaparecidos
800 à 1.000 Legalistas, Militares e Civis - Mortos, feridos e desertores
A LINHA DO TREM. SANTA CATARINA - 11.12.2011 - FOTO: CELSO JÚNIOR
“EU VIVIA BEM QUANDO TINHA MEU PAI”, DIZ ALTINO BUENO DA SILVA. O SENHOR DE 108 ANOS PERDEU O PAI, MANUEL, NO CONFLITO. SANTA CATARINA, 11/12/2011. FOTO: CELSO JÚNIOR/AE
11/12/2011. FOTO: CELSO JÚNIOR
A POBREZA DAS FAMÍLIAS CABOCLAS É CAMUFLADA PELOS BONS ÍNDICES DE DESENVOLVIMENTO HUMANOS REGISTRADOS NO MUNICÍPIO. SANTA CATARINA, 11/12/2011. FOTO: CELSO JÚNIOR
SANTA CECÍLIA, OUTRA CIDADE DO CONTESTADO, A SITUAÇÃO AINDA É PIOR. COM 15 MIL HABITANTES, O MUNICÍPIO RECEBEU NESTE ANO R$ 878 MIL. O GOVERNO FEDERAL GASTOU R$ 55 POR CADA MORADOR DA CIDADE. ESSE VALOR REPRESENTA QUASE TRÊS VEZES MENOS QUE O INVESTIDO EM OUTROS MUNICÍPIO DO CONTESTADO, COMO CALMON E LEBON RÉGIS – CIDADES QUE TAMBÉM RECEBERAM MENOS, EM PROPORÇÃO, QUE FLORIANÓPOLIS. SANTA CATARINA, 11/12/2011. FOTO: CELSO JÚNIOR
Full transcript