Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Parnasianismo e Simbolismo

No description
by

Gabriela Varela

on 1 March 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Parnasianismo e Simbolismo

Parnasianismo e Simbolismo
Principais Poetas Parnasianos
- Olavo Bilac
- Alberto de Oliveira
- Raimundo correia
O que foi o Parnasianismo?
Período literário poético
França - Brasil
Oposto do Romantismo
Características do Parnasianismo
Objetividade
Impessoalidade
Descritivismo
Culto à forma
Preciosismo vocabular
Arte pela arte
Olavo Bilac (1865-1918)

Foge da frieza parnasiana
Reflexão de existência
Temática da perfeição
Nacionalismo
Mitologia
Sensualidade


Profissão de fé
Invejo o ourives quando escrevo:
Imito o amor
Com que ele, em ouro, o alto relevo
Faz de uma flor.

Imito-o. E, pois, nem de Carrara
A pedra firo:
O alvo cristal, a pedra rara,
O ônix prefiro.

Por isso, corre, por servir-me,
Sobre o papel
A pena, como em prata firme
Corre o cinzel.

Corre; desenha, enfeita a imagem,
A idéia veste:
Cinge-lhe ao corpo a ampla roupagem
Azul-celeste.

Torce, aprimora, alteia, lima
A frase; e, enfim,
No verso de ouro engasta a rima,
Como um rubim.

Quero que a estrofe cristalina,
Dobrada ao jeito
Do ourives, saia da oficina
Sem um defeito

- Olavo Bilac
Alberto Oliveira
(1857-1937)
Rigidez formal
Precisão
Pobreza temática
Sem emoção
Descritivismo
Vaso Grego
Esta de áureos relevos, trabalhada
De divas mãos, brilhante copa*, um dia,
Já de aos deuses servir como cansada,
Vinda do Olimpo, a um novo deus servia.
Era o poeta de Teos** que a suspendia
Então, e, ora repleta ora esvazada,
A taça amiga aos dedos seus tinia,
Toda de roxas pétalas colmada***.
Depois… Mas o lavor da taça admira,
Toca-a, e do ouvido aproximando-a, às bordas
Finas hás de lhe ouvir, canora**** e doce,
Ignota voz, qual se da antiga lira
Fosse a encantada música das cordas,
Qual se essa voz de Anacreonte fosse.

- Alberto Oliveira

Raimundo Correia
(1860-1911)
Natureza
Melancolia
Pessimismo
Filosófico
Moralidade
As Pombas
Vai-se a primeira pomba despertada...
Vai-se outra mais... mais outra... enfim dezenas
De pombas vão-se dos pombais, apenas
Raia sanguínea e fresca a madrugada...

E à tarde, quando a rígida nortada
Sopra, aos pombais de novo elas, serenas,
Ruflando as asas, sacudindo as penas,
Voltam todas em bando e em revoada...

Também dos corações onde abotoam,
Os sonhos, um por um, céleres voam,
Como voam as pombas dos pombais;

No azul da adolescência as asas soltam,
Fogem... Mas aos pombais as pombas voltam,
E eles aos corações não voltam mais...
- Raimundo Correia
O que foi o Simbolismo?
Oposto do parnasianismo
Semelhante ao romantiso
Características do Simbolismo
Subjetivismo
Reação ao parnasianismo
Descritivismo
Musicalidade
Misticismo/espiritualidade
Caráter individualista
Utilização de recursos literários
Poemas irracionais (obras produzidas nas intuição)
Principais escritores Simbolistas
- Cruz e Sousa
- Alphonsus de Guimaraens
Cruz e Sousa
(1861-1898)

Sofrimento
Cor branca
Erotismo
Espiritualidade
Condição Humana


Alphonsus de Guimaraens
(1870-1921)
Explora o sentido da morte
Solidão
Religiosidade
Amor impossível
Inaptação ao mundo
Visão da Morte
Olhos voltados para mim e abertos
Os braços brancos, os nervosos braços,
Vens d'espaços estranhos, dos espaços
Infinitos, intérminos, desertos...
Do teu perfil os tímidos, incertos
Traços indefinidos, vagos traços
Deixam, da luz nos ouros e nos aços,
Outra luz de que os céus ficam cobertos.
Deixam nos céus uma outra luz mortuária,
Uma outra luz de lívidos martírios,
De agonies, de mágoa funerária...
E causas febre e horror, frio, delírios,
Ó Noiva do Sepulcro, solitária,
Branca e sinistra no clarão dos círios!

- Cruz e Sousa
Hão de chorar por ela os cinamomos
Hão de chorar por ela os cinamomos,
Murchando as flores ao tombar do dia.
Dos laranjais hão de cair os pomos,
Lembrando-se daquela que os colhia.

As estrelas dirão — "Ai! nada somos,
Pois ela se morreu silente e fria.. . "
E pondo os olhos nela como pomos,
Hão de chorar a irmã que lhes sorria.

A lua, que lhe foi mãe carinhosa,
Que a viu nascer e amar, há de envolvê-la
Entre lírios e pétalas de rosa.

Os meus sonhos de amor serão defuntos...
E os arcanjos dirão no azul ao vê-la,
Pensando em mim: — "Por que não vieram juntos?

-Alphonsus de Guimaraens
Autores e influências do Simbolismo (Poetas Malditos)
Charles Baudelaire (1821-1867)
Arthur Rimbaud (1854-1891)
Stéphane Mallarmé (1842-1898)
ITB Professora Maria Sylvia Chaluppe Mello
Gabriela da Silva Varela
nº10 - INI3AM

Professor: Leonardo Nogueira
Full transcript