Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

ACESSIBILIDADE DIGITAL

No description
by

Alexandre Moreira

on 31 July 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of ACESSIBILIDADE DIGITAL

COMUINICAÇÃO ACESSÍVEL
Acessibilidade Digital
Contribuir para uma comunicação acessível é democratizar o acesso a informação, além disso, o Decreto
Lei 5296 de 2 de dezembro de 2004
, a Lei de Acessibilidade determina que TODO SITE de instituições públicas devem promover em seus websites o projeto de acessibilidade digital conforme determina as diretrizes da
W3CAG
.

Promover acessibilidade significa romper com barreiras:
- Físicas;
- Comunicativas;
- Pedadógicas;
- Comportamentais;
O que é?
- Programa USP Legal - PRCEU/USP - 2013-
QUEM SOMOS
O
Programa USP Legal
tem suas origens na Comissão Permanente para assuntos relativos às pessoas portadoras de deficiência vinculadas à
Universidade de São Paulo
, criado pela Portaria GR nº 3304, de 1º de outubro de 2001.

Em 08 de setembro de 2011, o Programa USP Legal teve sua nova constituição estabelecida pela Resolução 5971, que definiu suas competências bem como sua composição. Os integrantes da Comissão Executiva (CE) foram nomeados em portarias subsequentes da PRCEU, conforme o Anexo I deste documento. A Comissão Executiva foi instalada em cerimônia no dia 17 de maio de 2012.

O Programa USP Legal é um dos programas do
Núcleo dos Direitos
da
PRCEU
, coordenado pelo Pró-Reitor Adjunto de Extensão, Prof. Dr. José Ricardo de Carvalho Mesquita Ayres

A W3CAG...
Oferece diversas diretrizes em âmbito internacional como forma a orientar a programação de páginas web acessíveis. Atualmente, a versão mais atual de suas diretriezes é a
Web Content Accessibility Guidelines (WCAG) 2.0
.
GT - Comunicação Acessível
A missão do GT-2 do Programa USP Legal, deliberada em reunião da Comissão Executiva é: “Criar na Universidade de São Paulo, uma cultura de comunicação sem barreiras, implementando na USP as políticas públicas de acessibilidade comunicativa.”.


Estratégias
1. Criar e consolidar diretrizes para a produção de comunicação acessível.
2. Orientar a produção de laudos e relatórios de avaliação de sites vinculados ou não à Universidade de São Paulo.
3. Gerir processos de treinamento e capacitação junto aos envolvidos de forma a propagar a produção de conhecimento obtido durante as ações do Programa USP Legal quanto à comunicação acessível, atuando como forma de Extensão.


MAS... COMO FAZER?
Acessibilidade na web
Tem por objetivo levar a informação ao maior número de usuário possíveis. Facilitando sempre o ACESSO e a COMPREENSÃO do conteúdo presente no site/página.
... ela é feita,
a partir de tecnologias assistivas. A premissa para pensar em acessibilidade no ambiente digital é entender as demandas específicas de cada usuário que navega por sua página. Somente então será possível pensar em projetos que supram essas demandas.
Mas antes disso...
É preciso ter em mente que apenas as tecnologias "externas" ao site estejam adaptadas às necessidades do usuário. É imprescindível que a PÁGINA WEB seja desenvolvida/programada de forma a funcionar em sincrônia a estes equipamentos.
Acessibilidade web
ela é feita,
O QUE FAZER?
Propiciar
AUMENTO DE FONTE
para, principalmente usuários com
baixa visão
;
Oferecer mudança
CONTRASTE
para usuários com
daltonismo
;
Estruturar as páginas web de maneira que o usuário possa navegar por ele através do
Leitor de Tela
.


Para começar...
É importante saber também...
Que muitos usuários podem ter dificuldades motoras, por isso a navegação deve ser pensada sempre a partir do
TECLADO
.
ACESSIBILIDADE É PENSAR NO MELHOR ACESSO PARA TODOS!
4 PRINCIPIOS

Perceptivel
Operável
Compreensível
Robusto╝
E não somente imagens...
Gráficos, tabelas, formulários, etc. PRECISAM ser descrito em texto para a navegação através do leitor de tela. Cada tipo de comunicação não-textual exige um tipo específico de equivalência em texto.

Gráficos e tabelas devem ser precidos de uma descrição longa através do atributo

LONGDESC

como no exemplo


Essa descrição deve ser linkada ao lado da imagem/gráfico/tabela através, por exemplo de uma palavra "descrição".

Ex:
No gráfico ao lado a letra D é um link para a descrição longa que
diz: "Vendas de outubro mostram Maria liderando com 400 unidades,
Michel em seguida com 389 e Cris é a terceira com 350 unidades"
<imgsrc="chart.gif" alt="a complexchart" longdesc="chartdesc.html"/>
TORNAR IMAGENS ACESSÍVEIS
Imagens acessíveis permitem a navegação plena para quem
faz uso de um
leitor de tela
por exemplo. Ou mesmo facilita
o acesso de quem possui
conexões lentas
com a rede.

O procedimento é bem simples: basta oferecer um
equivalente textual
descrevendo aquilo que a imagem mostra e o que ela quer dizer no
determinado contexto em que está inserida.
OUTRAS DESCRIÇÕES
Páginas que pedem entrada de informação do usuário devem ser programados com o atributo
label
.

Em um campo de entradade texto:
<label for="firstname">First name:</label>
<input type="text" name="firstname" id="firstname"/>

Em um campo checkbox:
<input type="checkbox" id="markuplang"name="computerskills“>
<labelfor="markuplang">HTML</label>
Utilizar o elemento o atributo “
title
” para identificar controles de formulários quando o elemento “
label
” não puder ser utilizado
Exemplo: Campos de texto para números de telefone
<fieldset>
<legend>Phone number</legend>
<input id="areaCode" title="Area Code"type="text" size="3" value="" >
<input id="exchange“ title="First three digits of phone number"type="text“ value="" >
<input id="lastDigits“ title="Last four digits of phone number"type="text“ value="" > </fieldset>
OUTRAS TÉCNICAS
CAPTCHA
Em páginas que é solicitado o uso de CAPTCHA deve-se oferecer o equivalente textual e em áudio sobre o objetivo que deve ser cumprido. Para isso, basta identificar o elemento não textual como um teste CAPTCHA
Exemplo
O texto alternativo do CAPTCHA diz:
“Digite as palavras da imagem”
E ENTÃO...
Certificar-se que a página web contenha
outro CAPTCHA
servindo o mesmo propósito, usando uma modalidade diferente.
O objetivo desta técnica reduzir as situações em que um usuário com deficiência não consiga completar um CAPTCHA.
Com mais de uma modalidade de CAPTCHA, é mais provável que o usuário seja capaz de completar uma das tarefas com sucesso
.
Conteúdo Audiovisual
Em conteúdos de carater audiovisual é necessário fornecer o suporte em outras linguagens, de forma que deficientes visuais e auditivos possam receber as informações necessárias da mesma maneira.


Legenda em open ou closed caption
Transcrição em texto
Atributos Necessários
Utilizar marcação “
table
” para apresentar informações em tabelas;
Utilizar elemento “
caption
” para associar tabelas de dados;
Utilizar o atributo
summary
do elemento
table
para dar uma visão geral da tabela de dados.

Full transcript