Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

PALÁCIO ITAMARATY

No description
by

Marcela Padilha

on 25 June 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of PALÁCIO ITAMARATY

PALÁCIO ITAMARATY
ROBERTO BURLE MARX
Seu primeiro projeto paisagístico foi o jardim de uma casa desenhada pelos arquitetos Lucio Costa e Gregory Warchavchik, em 1932, aos 23 anos.
O palácio foi inaugurado oficialmente em 20 de abril de 1970 pelo presidente Emílio Médici


Atualmente, três edifícios compõem o complexo do Ministério: o Palácio, o Anexo I e o Anexo II, conhecido popularmente como "Bolo de Noiva".
JARDIM AQUÁTICO
JARDIM INTERNO
JARDIM TERRAÇO
PROJETO PAISAGÍSTICO: PALÁCIO ITAMARATY


O clima seco foi o partido adotado pelo paisagista que inseriu o elemento água como base para seu projeto.


Assim o projeto se divide em: Jardim aquático, jardim interno e jardim terraço.
JARDIM INTERNO
JARDIM
TERRAÇO
JARDIM
AQUÁTICO
Victoria Cruziana
Poison Bulb
Crinum Asisticum

Chapéu-de-couro
Echinodorus macrophyllus
Calatéia-pena-de-pavão
Maranta Makoyana
Capim-dos-pampas
Cortaderia selloana Aschers
Aguapé-da-meia-noite
Nymphaea Redgeana
Drósera
Reussia Rotumdifolia
Sesbania Exasperata
Trapoeraba-roxa
Setcreasea purpurea
Lírio-da-paz
Spathiphyllum
Friedrichsthalii
Banana-d'água
Typhonodorum lindleyanum
Está situado no pavimento térreo e está aberto para o exterior. O jardim ultrapassa em partes o segunto pavimento graças a um vão entre a laje que permite o crescimento da vegetação e sua verticalidade.

Com vegetação característica de uma selva úmida as plantas epífitas percorrem colunas metálicas.

O jardim possui um espelho d'agua e é coberto um sua maior parte por pedras.
Agave-dragão
Agave Attenuata
Hibisco-tropical
Hibiscus rosa-sinensis
Guaimbê
Philodendron Selloun
Bela-emília
Plumbagocapensis
Ave-do-paraíso
Strelitzia Reginae
Lambari-roxo
Zebrina Purpusii
Crinum
Crinum powellii
Situado no pavimento superior.

A ilhas se elevam sobre o pavimento e está ocupada por um calmente, pedras e plantas xerófitas, com duas escultura, uma delas sendo de Maria Martins.

Um pergolado na cobertura enriquece a iluminação e faz um jogo de cores na vegetação.
Punhal-malaio
Xanthosoma Lindenii
Chapéu-de-panamá
Carludovica Palmata
Dracena Vermelha
Cordilyne Terminalis
Renda Portuguesa
Davalia fjeensis
Barba-de-serpente
Ophiopogon Jaburan
Grama-preta
Ophiopogon japonicus
Planta Aluminio
Pilea Cadierei
Samambaia
Polypodium
Nascido em São Paulo, no dia 04 de agosto de 1909.

Era o quarto filho de Cecília Burle de origem portuguesa e de Wilhelm Marx de origem alemã.

Durante toda sua infância Burle Marx viveu em uma ampla casa na Avenida Paulista, e desde pequeno teve contato com diversas plantas que cultivava em seu jardim, assim ele aprendeu a preparar canteiros e a observar a magia da germinação das sementes em seu quintal.
Aos 19 anos, vai para a Alemanha. E entra em contato com as vanguardas artísticas, e ficou fascinado com a vegetação brasileira em uma estufa do Jardim Botânico de Berlim - Dahlem.
De volta ao Rio inscreve-se na escola de Belas-artes e inicia sua carreira como pintor.
Também foi um , escultor, tapeceiro, ceramista e designer de joias.

Mesmo sem educação formal em arquitetura paisagística, o aprendizado de Burle Marx na pintura influenciou a criação de seus jardins. Marx se autodefinia como um artista de jardins.
Conhecido por sua preocupação ambiental e com a preservação da flora brasileira, Roberto inovou ao usar plantas nativas do Brasil em suas criações e isso se tornou sua característica marcante.
O palácio do Itamaraty é a sede do Ministério das Relações Exteriores (MRE).

Este é o órgão político da Administração direta cuja missão institucional é auxiliar o Presidente da República na formulação da política exterior do Brasil, assegurar sua execução, manter relações diplomáticas com governos de Estados estrangeiros, organismos e organizações internacionais e promover os interesses do Estado e da sociedade brasileiros no exterior.
O Palácio Itamaraty, também conhecido como Palácio dos Arcos ,esta localizado em Brasília. Projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer, com cálculo estrutural do engenheiro Joaquim Cardoso.
O palácio possui o maior hall sem colunas do mundo, com área de
2800 metros quadrados.
O acervo de arte do Itamaraty é constituído de obras dos mais renomados artistas brasileiros, com pinturas, esculturas, tapeçarias e adornos refinados de várias época, contendo painéis de artistas como Athos Bulcão, Rubem Valentim, Sérgio Camargo, Maria Martins e afrescos de Alfredo Volpi.
‘’Palácio dos Arcos" foi o primeiro nome dado ao edifício, devido aos arcos da fachada. No entanto, a tradição do nome "Itamaraty" prevalece, oriunda do nome da antiga sede do ministério no Rio de Janeiro.
O Palácio é rodeado por água entre os arcos e a vegetação, inserida em pequenas ilhas geométricas além das plantas aquáticas.
O acesso acesso é feito por rampas que servem de pontes e ao redor do lago

Os buritis no limite da edificação marca a vegetação do cerrado.
O palácios é ladeado por focos de iluminação, junto aos arcos e em meio ao espeçho d'agua.

Localização: Brasília, DF
Data do Projeto: 1965
Superfície do jardim externo: 16.000 m²
Arquitetura: Oscar nyemeyer
1994
“Na verdade, conceber jardins é, muito amiúde, “realizar” microclimas e harmonizá-los, segundo a ideia de que, nessas associações vegetais, as plantas vão por si mesmas situando-se uma ao lado das outras numa relação de quase necessidade.”
(Burle Marx)
Meteoro - Escultura de Bruno Giorgi
“...NÃO NOS ESQUECEMOS DE QUE A PAISAGEM TAMBÉM SE DEFINE POR UMA EXIGÊNCIA ESTÉTICA, QUE NÃO
É NEM LUXO NEM DESPERDÍCIO, MAS UMA NECESSIDADE ABSOLUTA PARA A VIDA HUMANA...”
(Burle Marx)

Referências Bibliográfica

Arte & paisagem: (confrência escolhidas) / Roberto Burle Marx; José Tabacow, organização e comentários. - 2. ed. rev. e ampl. - São Paulo: Studio Nobel, 2004.

LEENHARD, Jacques. Nos Jardins de Burle Marx. 1. ed. - São Pailo: Editora Perspectiva, 2005.

MONTERO, Marta Íris. Burle Marx: el paisaje lírico. México: Editora GG, 2001.

ROSSETTI, Eduardo Pierrotti. A arquitetura do Palácio Itamaraty (1959-1970). Palácio do Itamaraty: questões de história, projeto e documentação
(1959-70) .I Seminário Latino-Americano de Arquitetura e Documentação. p 1-30. 2008

http://www.panoramio.com. - Acesso em 20-06-2014.

http://www.brasil.gov.br/governo/2010/03/palacio-itamaraty - Acesso em 20-06-2014

http://www.itamaraty.gov.br/o-ministerio/conheca-o-ministerio/view - Acesso em 20-06-2014.
- Pedras
- Vegetação tropical
- Espelho D'agua
- Iluminação artificial e zenital
- Escultura

Este fatores aliados conferem aos jardim, certo distanciamento do espectador, garante sobriedade ao ambiente justamente por sua finalidade, mas também embelezam o mesmo de forma bastante familiar a nós visto a escolha da vegetação, comum no Brasil.

As plantas parecem ter sido retiradas do meio de uma florestas para serem colocadas em um palácio, e quando vemos as esculturas orgânicas sentimos a harmonia com que conversam entre si, como se a vegetação guardasse o que fosse precioso e aquecesse a vastidão do palácio de mármore.

Por fora, o espelho D'Água faz a edificação flutuar sobre a terra e afirma a proteção de um palácio bem como garante sua extensão em seu reflexos.
Retratos em carvão
feitos quando tinha
10 anos de idade
Burle fez mais de 2.000 projetos, conquistou inúmeras honrarias, tendo como a mais emocionante, a Heliconia Burle Marxii e a Begonia Burle Marxii, homenagem ao nome das plantas que descobriu.
Heliconia Burle Marxii
Begonia Burle Marxii
Full transcript