Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Cuidados de enfermagem no pré, trans e pós operatório e prin

No description
by

Jessica Lim

on 16 November 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Cuidados de enfermagem no pré, trans e pós operatório e prin

A IMPORTÂNCIA DO PRÉ- OPERATÓRIO
Acadêmicas: Elisângela Lima; Jéssica Lim; Jéssica Spinola; Júlia Almeida Marianna Martins; Rosangela Fernandes; Tatiana Pinelo
Cuidados de enfermagem no pré, trans e pós operatório e principais complicações no pós operatório.
INTRODUÇÃO
Entende-se que o principal
objetivo da enfermagem
é, na medida do possível,

contribuir para proporcionar um atendimento seguro e eficiente, com resultado eficaz para a equipe e para o próprio paciente

(PINHO, 2002).
Avaliando as necessidades individuais do mesmo,

orientando-o acerca do que deseja conhecer em relação aos cuidados e eventos relacionados ao processo cirúrgico, de acordo com suas particularidades,
oferecendo-lhe informações que contemplem as ações a serem desenvolvidos pela enfermagem e demais membros da equipe (BAGGIO; TEIXEIRA; PORTELLA, 2001).
METODOLOGIA
Pesquisa bibliográfica e eletrônica, de aspecto qualitativa com base em revisão integrativa, realizada do dia 05 de outubro até o dia 16 de novembro de 2015.
ASSISTÊNCIA DO ENFERMEIRO NO PRÉ-OPERATÓRIO

O pré-operatório é o inicia

no momento em que se reconhece a necessidade da cirurgia, e termina no momento em que o paciente chega à sala de operação.
O período pré-operatório subdivide-se em:
Mediato - desde a indicação para a cirurgia até o dia anterior a ela;
Imediato - corresponde às 24 horas anteriores à cirurgia;
Quando o paciente necessita de uma cirurgia e esta é agendada, diz-se que ele se encontra no
período Peri operatório
, que compreende
as fases
:
pré-operatório mediato e imediato, transoperatório, recuperação anestésica e pós-operatório
(SOBECC, 2005).
A equipe de enfermagem é responsável pelo preparo do paciente, estabelecendo e desenvolvendo intervenções de enfermagem, de acordo com a especificidade da cirurgia;

Estes cuidados incluem
orientação, preparo físico e emocional, avaliação e encaminhamento ao centro cirúrgico,
visando à recuperação segura no pós-operatório (BLACK; MATASSARIN-JACOBS, 1996).

Em todas as etapas, o bem estar do paciente constitui o principal objetivo dos profissionais que o assistem!
ASSISTÊNCIA DO ENFERMEIRO NO PRÉ-OPERATÓRIO
É importante pois através dele, é possível realizar:

Uma avaliação global do histórico, e estado de saúde do paciente, com o fim de obter a identificação de possíveis anormalidades, que poderiam aumentar o risco operatório,ou influenciar de forma adversa na recuperação do paciente.

Assim através da anamnese e exame físico o enfermeiro passa os cuidados e orientações necessárias e específicas para o paciente.

A IMPORTÂNCIA DO PRÉ- OPERATÓRIO
PRINCIPAIS EXAMES
Hemograma completo;
Eletrocardiograma;
Raio x de tórax;
Urinocultura;
Teste de gravidez;
Ecocardiograma
Teste de função respiratória
CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO PRÉ OPERATÓRIO
MEDIATO
Os procedimentos cirúrgicos, são realizados há muitos séculos, tornando-se mais específicos e eficazes, em razão do avanço da tecnologia e aperfeiçoamento profissional.
A assistência de enfermagem também evoluiu, modificando- se para melhor, dando espaço e intensificando a segurança do paciente;
Atualmente a assistência de enfermagem, preocupa-se em realizar um cuidado integral ao seu paciente, em todos os períodos cirúrgicos, realizando sempre, a prevenção de possíveis complicações
O Enfermeiro sempre terá de vigiar sua assistência, pois ele é o principal protagonista do sucesso do pré-operatório.

Orientar quanto ao procedimento cirúrgico e se prontificar a retirar todas as possíveis dúvidas;

Oferecer uma assistência humanizada, holística e integral de maneira que forneça a segurança do paciente ;

Orientar paciente e família, estimulando a inserção dos mesmos em todos as fases do processo que puderem participar;

Orientar quanto a deambulação precoce, ensinar movimentos ativos e passivos dos MMII (adução e abdução);

Suspender medicações com anticoagulantes, antiagregantes plaquetários, hipoglicemiantes e diuréticos

Suspensão do tabagismo ou etilismo de 4 a 8 semanas;

Garantir que os exames pré-operatórios sejam realizados e anexados ao prontuário;

Preparo do intestino quando há indicação;

Avaliar SSVV, analisando alterações hemodinâmicas;

CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO PRÉ OPERATÓRIO
IMEDIATO
Instalar jejum , conforme prescrição médica;
Verificar se o consentimento livre informado está devidamente assinado;
Realizar ou encaminhar ao banho;
Realizar tricotomia no máximo 2 horas antes do procedimento com método menos agressivo, evitando abertura de porta de entrada para infecção;
Pesar paciente antes do encaminhamento ao centro cirúrgico;
Esvaziamento vesical (quando necessário, realizar introdução de cateter vesical de demora);
Realizar esvaziamento intestinal;
Incentivar apoio e presença familiar.

ASSISTÊNCIA DO ENFERMEIRO NO TRANS-OPERATÓRIO
O período
trans-operatório
, compreende:
todos os momentos da cirurgia;

Esta fase tem início quando paciente entra na unidade do CC até sua admissão na sala de RPA.

A atuação do enfermeiro nesse período, necessariamente requer conhecimento sobre os o procedimento, alterações hemodinâmicas e saber lidar com a situação;

As atividades desenvolvidas pelos enfermeiros na S.O, tem como objetivos principais:
oferecer condições funcionais e técnicas adequadas, ao paciente e toda a equipe envolvida no procedimento cirúrgico.

O enfermeiro deve avaliar todo o ato cirúrgico, detectando problemas e traçar intervenções para que não ocorra complicações no pós- operatório;
CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO TRANS-OPERATÓRIO
CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO TRANS-OPERATÓRIO

Na recepção operatória, o profissional de enfermagem deverá:

Certificar-se sobre os dados de identificação do paciente e sobre a cirurgia que será submetido;

Verificar o termo e a autorização da cirurgia, o estado geral do paciente, a presença do prontuário, de exames laboratoriais e de diagnóstico por imagem e as intervenções de enfermagem, vindas do setor de origem do paciente;

Certificar-se sobre os cuidados pré-cirúrgicos foram realizados, como a administração de medicamentos pré-anestésicos, tricotomia, jejum, suspensão de medicamentos;

Monitorar os SSVV, avaliando alterações importantes, comunicando a equipe se tiver alteração;

Propiciar momento anestésico em ambiente seguro e calmo para o paciente;
CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO TRANS-OPERATÓRIO

Certifica-se, se paciente retirou adornos, próteses, esmaltes, unhas artificiais, objetos pessoais;

Manter uma recepção calma, tranquila que traga segurança ao paciente;

Observar o comportamento emocional do paciente e tentar amenizar possíveis angústias;
CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO TRANS-OPERATÓRIO
Dentro da SO, alguns cuidados de enfermagem são de extrema relevância:

• Transferir o paciente da maca para a mesa cirúrgica com segurança para evitar queda;

• Clampear drenos, cateteres e punções para posicionamento seguro do paciente;

• Monitorizar o paciente;

• Avaliar permeabilidade de acesso venoso;

• Anexar Placa Dispersiva na pele no paciente, sempre próximo ao sítio cirúrgico e sem deixar formação de bolhas, não anexar em proeminências ósseas;

• Posicionar paciente em posição cirúrgica;

CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO TRANS-OPERATÓRIO
Auxiliar na paramentação da equipe cirúrgica; Observar e zelar pela manutenção da assepsia;

Anotar e registrar o consumo de materiais e medicamentos em impresso próprio;

Auxiliar as equipes cirúrgicas e de anestesia no que for necessário;

Identificação, registro de peças cirúrgicas, secreções;

Registrar a hora da entrada e saída da SO do paciente;
CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO TRANS-OPERATÓRIO
Os cuidados de enfermagem não se restringem somente à prestação de cuidados diretos ao paciente, mas também na supervisão da organização da SO.

Conferir material para anestesia e cirurgia, deixando-os em local de fácil acesso; Testar equipamentos;
Verificar condições de limpeza da sala;
Posicionar equipamentos móveis;
Observar segurança da sala, como posicionamento de fios e chão molhado;

É papel do enfermeiro supervisionar juntamente com o circulante e instrumentador, as condições da sala e os materiais cirúrgicos.
ADMISSÃO NA SRPA
Os objetivos da RA são

proporcionar a recuperação dos pacientes e prevenir e detectar complicações

relacionadas ao procedimento anestésico- cirúrgico.

O foco da assistência de enfermagem na SRPA, é:

Assistir o paciente até que ele tenha se recuperado dos efeitos dos anestésicos
, avaliando a volta dos sinais vitais e as suas funções motoras e sensitivas retornem aos níveis pré-operatórios
OS CUIDADOS DE ENFERMAGEM NA RA
Transferir o cliente da maca para a cama, de forma segura,
Manter leito na posição horizontal, de acordo com o tipo de cirurgia e da anestesia
Manter boa função respiratória; Monitorizar os sinais vitais;
Observar nível de consciência, estado hemodinâmico;
Verificar presença de sinais de choque (palidez, hipotensão, pulso rápido e filiforme, pele fria e úmida);
Atentar para anormalidades e complicações;
OS CUIDADOS DE ENFERMAGEM NA RA
Observar curativo, atentando para sangramentos;

Observar presença e funcionamento dos drenos, sondas e conectá-los as extensões;

Checar anotações realizadas durante o transoperatório e prescrição médica;

Administrar medicações para dor conforme prescrição médica, a fim de prevenir o estresse cirúrgico;

Manter o ambiente calmo.
O paciente recebe alta da RA, quando o valor da escala de Aldrete e Kroulik entre 8 e 10.
DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM FREQUENTES NA SRPA
Risco de lesão
Risco de infecção
Senso-percepção alterada
Risco para aspiração
Integridade tissular prejudicada
Hipotermina
Dor
Padrão respiratório ineficaz
Risco para alteração na perfusão tissular
Integridade da pele prejudicada
Débito cardíaco diminuído
Medo
ASSISTÊNCIA DO ENFERMEIRO NO PÓS-OPERATÓRIO
É o período que se
inicia a partir da saída do paciente da sala de operação para a sala de recuperação anestésica e perdura até a sua total recuperação;

O processo de enfermagem nesta fase está voltado
para o restabelecimento do equilíbrio fisiológico
, para: o alívio da dor e para prevenção de complicações;
SUBDIVISÃO DO PÓS-OPERATÓRIO
O pós-operatório subdivide –se em 3 momentos:

Recuperação anestésica:
desde a chegada do paciente na RA até sua alta para a unidade de origem.

Pós-operatório imediato:
primeiras 24 horas após a intervenção. A permanência na RA ou na UTI está aqui incorporada, assim como a recuperação em casa em pacientes de procedimento em nível ambulatorial;

Pós-operatório mediato:
inicia-se após as primeiras 24 horas que se seguem à cirurgia, e estende-se até a alta do paciente ou mesmo após seu retorno ao domicílio.
CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO PÓS- OPERATÓRIO
Transferir o paciente da maca para o leito com cuidado, observando conexões;

Observar o nível de consciência;

Avaliar drenagens e soroterapia;

Realizar movimentos dos membros superiores ou inferiores livres se possível;

Instalar Balanço Hídrico;
CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO PÓS- OPERATÓRIO
CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO PÓS- OPERATÓRIO
Avaliar permeabilidade de V.A.S;

Monitorizar paciente;

Realizar exame físico;

Avaliar características das secreções da ferida cirúrgica, do dreno, tubos e cateteres;

Avaliar integridade cutânea, observação da pele no local do uso da placa dispersiva;
PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES NO PÓS- OPERATÓRIO
Respiratórias
: hipóxia, obstrução das VAS, alteração do padrão respiratório, pneumotórax, hemotórax, broncoespasmo.
Cardiovasculares
: hipotensão arterial, hipertensão arterial sistêmica, taquicardia sinusal, bradicardia sinusal, choque hipovolêmico;
Renais
: oliguria, poliguria, anúria, infecção;
Térmicas
: hipotermia, hipertermia;
Gastrointestinais
: náuseas, vômitos, constipação intestinal, sede;
Da ferida operatória
: hemorragia, infecção e deiscência;
OBRIGADA!!!
REFERÊNCIAS
SOCIEDADE BRASILEIRA DE ENFERMEIROS DE CENTRO CIRÚRGICO. Práticas Recomendadas da SOBECC. São Paulo: SOBECC, 2005.
SCIELO. Centro de RPA: Observação, análise e comparação. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php? script=sci_arttext&pid=S0104-11691998000300015 > Acesso em: 04de outubro de 2015
LILACS. Assistência de enfermagem no período transoperatório . DISPONÍVEL EM: <http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/? IsisScript=iah/iah.xis&nextAction=lnk&base=LILACS&exprSearch=41582&indexSearch=ID&lang=p> Acesso em: 10de outubro de 2015
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Cuidados de Enfermagem realizados ao paciente cirúrgico no período pós-operatório. Disponível em: <http://www.ppgenf.ufpr.br/Disserta%C3%A7%C3%A3oBerendinaChristoforo.pdf> Acesso em: 07 de outubro de 2015
CONCURSOS PARA ENFERMAGEM. Cuidados Pré e Pós- operatório. Disponível em: <http://concursoparaenfermagem.blogspot.com.br/2010/07/cuidados-enfermagem-pre-e-pos.html> Acesso em 14 de outubro de 2015
SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA. Acesso em: <http://www.sbcb
Full transcript