The Internet belongs to everyone. Let’s keep it that way.

Protect Net Neutrality
Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Papel das Mulheres no Romantismo

No description
by

daniela schollmeier

on 24 March 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Papel das Mulheres no Romantismo

2ª Geração
1ª Geração
No início da segunda geração, a sensualidade já pode ser identificada nas obras, porém, continua sendo bastante reprimida. Pela primeira vez no romantismo, o poeta sugere em seus poemas que deseja sexualmente a mulher amada, mas ainda julga-se indigno de tocá-la.
Durante a segunda geração, existe também, uma forte atração pela morte, por isso, muitas vezes, a mulher à qual se refere o autor é descrita como magra, pálida e, muitas vezes, morta.
3ª Geração
Nas obras da terceira geração, o desejo sexual que o autor tem por sua amada não é apenas sugerido, mas também realizado.
Castro Alves pode ser citado como um dos principais autores dessa geração, foi ele o primeiro a retirar a moça de seu altar de virgindade e perfeição, para jogá-la, literalmente, na cama.
O assunto "mulher" no romantismo pode ser dividido em três fases ou gerações:
Durante as três gerações Românticas, nota-se que o sentimentalismo está presente de formas particulares em cada uma, podendo-se destacar que os autores possuíam uma visão de mulher como a que os trovadores possuíam, na Idade Média
Representação das Mulheres no Romantismo
Na primeira geração, que focava o amor à pátria e o nacionalismo, a mulher é descrita como uma verdadeira princesa, na qual tudo o que é retratado demonstra perfeição.
A imagem da mulher nessa geração é a de uma adolescente, virgem e extremamente pura.
Durante essa geração o homem era extremamente feliz apenas por poder pensar em sua amada.
A primeira geração pode ser caracterizada pelos romantismos indianista. Podemos citar como exemplo o romance "Iracema", em que a personagem representa a alma da terra, moça virgem e pura, heroína em sua terra.
"Iracema, virgem dos lábios de mel, que tinha cabelos mais negros que a asa da graúna e mais longos que seu talhe de palmeira. O favo da jati n ão era doce como seu sorriso; nem a baunilha recendia no bosque como seu hálito perfumado.
Mais rápida que a ema selvagem, a morena virgem corria o sertão e as matas do Ipu, onde campeava sua guerreira tribo, da nação Tabajara."
Dizia José de alencar em sua obra:
Conhecida como mal do século, a segunda geração tem como características principais o pessimismo a dor existencial o sofrimento e o isolamento. Durante essa época, a atração pela morte é expressa também em obras de arte.
O principal representante é Álvares de Azevedo, que, assim como os outros poetas de sua geração, coloca de lado o nacionalismo da prmeira geração e passa a explorar a existência do ser humano com mais profundidade, revelando uma visão trágica.
Soneto (...)
Morro, morro por ti! na minha aurora
A dor do coração, a dor mais forte,
A dor de um desengano me devora...
Sem que última esperança me conforte,
Eu - que outrora vivia! - eu sinto agora
Morte no coração, nos olhos morte!



A terceira geração romântica, representa também o momento em que os republicanos querem acabar com a monarquia e o movimento abolicionista ganha força entre os intelectuais.
O maior representante deste período foi Castro Alves, conhecido também como poeta dos escravos.
Marieta- Castro Alves

"O seio virginal, que a mão recata,
Embalde o prende a mão...cresce, flutua...
Sonha a moça ao relento...Além na rua
Preludia um violão na serenata!....
...Furtivos passos morrem no lajedo...
Resvala a escada do balcão discreta...
Matam os lábios os beijos em segredo..."
Full transcript