Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Teorias da Administração

Aula 07/05 - 1° Sem. RH / UNITAU 2015
by

Osvaldo Campos

on 18 June 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Teorias da Administração

TEORIAS
Teorias da Administração


- Clássica
- Científica
- Burocrática


- Comportamental
- Neoclássica
- Sistemas
- Estruturalismo
- Contigencial
Teoria Clássica da
Administração
1. Divisão do Trabalho
2. Autoridade e Responsabilidade
3. Unidade de Comando
4. Unidade de Direção
5. Disciplina
6. Prevalência dos Interesses Gerais
7. Remuneração
8. Centralização
9. Hierarquia (cadeia escalar)
10. Ordem
11. Equidade
12. Estabilidade dos Funcionários
13. Iniciativa
14. Espírito de Corpo
A teoria clássica foi elaborada pelo engenheiro de minas Henry Fayol.
Ele foi responsável pela obra básica, Princípios Gerais da Administração, que aborda tópicos como as características dos administradores, a importância de seu treinamento, suas funções básicas e os princípios básicos da administração.
Princípios Básicos :
Com isso, um exemplo que pode ser usado para melhor expressar essa teoria é a função do gerente de banco.
Como podemos ver, todos os princípios básicos se aplicam ao trabalho exercido pelo gerente de banco.

Além disso, o gerente de banco exerce funções essenciais para cumprir o seu papel de gerente.

Essas funções foram apresentadas por Fayol para melhor promover o processo administrativo.
Essas funções são:

- Planejar
- Comandar
- Organizar
- Controlar
- Cordenar
Tendo em base o que faz um gerente de banco, podemos
concluir que a principal
característica da teoria
clássica é???
CRÍTICAS
No entanto, devido as responsabilidades que o gerente exerce, algumas considerações negativas podem surgir.

Com o passar do tempo, o gerente pode elevar de forma negativa a importância da sua autoridade e acabar de maneira confusa com uma obsessão pelo comando.

Com isso, o uso inadequado da autoridade pode contribuir para a manipulação dos trabalhadores, fazendo deles (subordinados)
uma classe de explorados e injustiçados pelo abuso do poder.
GERENCIAMENTO
Agora que já sabemos um pouco da teoria clássica, vamos para a próxima teoria...

Teoria Científica!!!
Para essa teoria, o modelo de comparação será o McDonalds.
Teoria Científica
Para simplificar extremamente a teoria
científica, vamos assistir alguns vídeos...
Ou seja, o que é preciso para entender essa teoria???
Como já observamos nos vídeos, a teoria científica pode ser resumida assim:

-
Tempo-padrão
(principal característica)

- Especialização

- Plano de incentivo salarial (remuneração = produtividade)

- Trabalho em conjunto

- Gerentes planejam, operários executam

- Divisão de trabalho

- Supervisão

- Ênfase na eficiência
Críticas
Enfoque mecanicista do ser humano.
Homo economicus.
Superespecialização do operário.

e principalmente...

EXPLORAÇÃO DOS EMPREGADOS!!!
Agora é hora de Weber...
Ele é o precursor da próxima teoria a ser revisada.

O modelo burocrático segue preceitos rígidos e disciplinadores para o desempenho eficaz do indivíduo e da organização.

Tendo como princípios básicos a ética protestante, a teoria burocrática enfatiza a vida dedicada ao trabalho duro, à poupança e ao ascetismo (finalidade de alcançar a perfeição moral e espiritual).


Um exemplo notório de como funciona a Burocracia...
Segundo o nosso entendimento, de alguma forma, depreciativo.
Um forte adepto dessa teoria é o nosso...
Um modesto exemplo que pode representar a teoria das Relações Humanas, é o funcionamento de um time de futebol.

Os propósitos da abordagem de Relações Humanas,
se adaptam claramente aos principais conceitos que um time de futebol precisa.
Como precursor da teoria, Mayo evidenciou o processo de motivação dos indivíduos para o atingimento das metas organizacionais.
Integração e comportamento sociais
Participação nas decisões
Homem social
Conteúdo do trabalho
Diante de várias motivações, como suplemento salarial dado ao jogador que ultrapassou a média de produção, ou até mesmo reconhecimento moral de um novo 'craque', são exemplos positivos do paradigma administrativo das relações humanas.
No entanto, algumas críticas devem ser consideradas nessa utópica teoria da perfeição social dentro de uma organização...
Teoria Relações Humanas
Pressupostos que precisaram da
aprovação dos administradores:
O sucesso de um time depende da colaboração de vários aspectos que englobam a equipe. Aspectos sociológicos, psicológicos e emocionais
são cruciais para que o resultado final seja satisfatório.

Ou seja, um time , não depende somente da técnica dos seus jogadores, mas também de um equilíbrio social dentro do grupo.

A participação dos jogadores nas decisões durante uma partida é fundamental... Afetando diretamente o resultado final de um jogo.
O reconhecimento é uma necessidade e realidade, quando o dever é executado com sucesso.

A maior motivação de um jogador de futebol é o fato de realizar tarefas que divergem de um trabalho monótono e repetitivo, sendo assim, incentivando o trabalhador (jogador) a se interessar pela produtividade e qualidade do que desenvolve.
- Negação de conflito entre empresa e trabalhadores
- Restrição de variáveis e da amostra
- Concepção utópica do trabalhador
- Ênfase excessiva nos grupos informais
- Espionagem disfarçada
- Ausência de novos critérios de gestão
Por isso, quando os resultados são satisfatórios o ambiente de trabalho fica assim...
Já a Teoria Comportamental surgiu como evolução
de uma dissidência da escola de Relações Humanas.
Como princípio, a Teoria Comportamental defendia a
valorização do trabalhador em qualquer empreendimento
baseado na cooperação.
Os trabalhos que mais contribuiram para a eclosão do 'Behaviorismo' foram os de Bernard, Simon e McGregor.
Os aspectos mais notáveis do Behaviorismo são:
Processo decisório
Liderança
Autoridade e consentimento
Homem administrativo
Conflito de objetivos
Continuando com a Teoria Neoclássica, o

ECLETISMO

e os

OBJETIVOS

são as características mais evidentes dessa teoria.

Portanto, como exemplo, uma empresa aérea pode ser relacionada dentro desses parâmetros ecléticos e objetivistas que a teoria neoclássica apresenta.
Embora uma empresa aérea apresente ênfase nos objetivos e nos resultados, outras áreas são igualmente importantes
para que a empresa alcance o alvo desejado.
Essas áreas são:

- Ênfase na prática da administração
- Ênfase nos princípios gerais de administração
- Ecletismo de um modo geral
(para melhor absorver conteúdos de outras
áreas administrativas que obtiveram sucesso)
Outro ponto importante a ser
destacado na teoria neoclássica,
que se aplica diretamente a
qualquer empresa aérea, é a
relevância de ser
EFICIENTE
E

EFICAZ
.
Devido à inadequação do modelo de relações
humanas, Douglas McGregor centrou seus
estudos na relação entre o sucesso da
organização e sua capacidade de prever e
controlar o comportamento humano.

Ele ilustrou duas teorias contranstantes
que descrevem o comportamento
humano, conhecidas como
teorias X e Y.
Princípios básicos de uma organização,
segundo a teoria neoclássica.

Divisão do trabalho
Especialização
Hierarquia
Amplitude administrativa
- Relações Humanas
- Ciclo Motivacional + Liderança
TEORIA BUROCRÁTICA
A Teoria das
Relações Humanas
Dentre os autores que agregaram referencial teórico à abordagem humanista no sentido das relações sociais e psicológicas podem ser citados:

Mary Parker Follet (1868-1933), George Elton Mayo (1880-1949),
Kurt Lewin (1890-1947), Hebert Alexander Simon (1945),
Abraham H. Maslow (1908-1970), Frederick Herzberg (1959)
e Douglas M. McGregor (1960).

A abordagem humanista da teoria organizacional contrariou vários postulados da abordagem clássica de Fayol e da Administração Científica de Taylor.
A ênfase na estrutura e nas tarefas foi substituída pela ênfase nas pessoas. A natureza do ser humano como ‘’homo social’’ substituiu a concepção de ‘’homo economicus’’ , ou seja, as pessoas são motivadas e incentivadas por estímulos financeiros.
Tudo começou quando o cientista social Elton Mayo (1880-1949) como professor e diretor de pesquisas da Escola de Administração de Empresas de Harvard, deu início a pesquisa na fábrica “Western Eletric Company” na cidade de Hawthorne pesquisa essa na qual escreveu três livros sobre, o que o tornou amplamente conhecido como o fundador da teoria das relações humanas.

Mayo licenciou-se na Universidade de Adelaide, estudou Medicina em Londres e Edimburgo.

Ensinou Filosofia Mental e Moral em Queensland.

A Teoria e a pesquisa
Foi na fábrica da “Western Eletric Company” a partir do ano de 1927
que foi permitido assimilar assim os princípios básicos da abordagem humanista.

O comportamento tradicional é visto sob a ótica de um objetivo social positivo.
A felicidade individual, o crescimento e a saúde da sociedade dependem da existência de um sentido de ‘’função social’’ do indivíduo.

Para Mayo, o conflito é uma chaga social e a cooperação é o bem-estar social, exceto as formas de cooperação apoiadas por meios políticos; como as negociações coletivas, que na verdade não são cooperações.

Quando cada indivíduo possui o senso de função social e responsabilidade, a sociedade torna-se um organismo social sadio,

A cooperação, quando é assegurada, integra os objetivos individuais aos
coletivos.

Os administradores industriais devem organizar essa cooperação,
pois os operários apenas cooperam quando aceitam
os objetivos da administração.

1ª Fase da experiência
Na primeira fase da experiência, pretendia-se verificar o efeito sobre o rendimento dos operários.


Para isso, tomou-se dois grupos em salas diferentes, que faziam o mesmo trabalho, em condições idênticas sendo, um grupo experimental ou de referência, que trabalhava sob a luz variável e o outro grupo, o de controle, que trabalhava sob a mesma iluminação o tempo todo.

Para a surpresa dos pesquisadores, não foi encontrada uma relação entre as duas variáveis (iluminação e rendimento dos operários), mas sim a existência de outras variáveis como o fator psicológico.

2ª Fase da Experiência
A segunda fase da experiência iniciou com seis moças de nível médio constituindo o grupo experimental ou de referência.

Separadas do restante do departamento apenas por divisórias de madeira. A pesquisa foi dividida em 12 períodos experimentais, onde foram observadas as variações de rendimentos decorrentes das inovações a que eram submetidas.

As moças participantes da experiência eram informadas das inovações a que seriam submetidas (aumento de salário, intervalos de descanso de diversas durações, redução de jornada de trabalho, etc.), bem como dos objetivos da pesquisa e dos resultados alcançados.

As conclusões que os pesquisadores chegaram foram que:
O grupo trabalhava com maior liberdade e menos ansiedade.

Havia um ambiente amistoso e sem pressões.
Não havia temor ao supervisor.
Houve um desenvolvimento social do grupo experimental.
O grupo desenvolveu liderança e objetivos comuns.


3ª Fase da experiência
Na terceira fase a empresa iniciou o programa de entrevistas,
no setor de inspeção, seguindo-se no de operações e mais tarde nos demais setores de fábrica.

Através do programa de entrevistas pretendia obter maiores conhecimentos sobre as atitudes e sentimentos dos trabalhadores, bem como receber sugestões que pudessem ser aproveitados.

Devido à boa aceitação do programa, foi criada a Divisão de Pesquisas Industriais para absorver e ampliar o programa de pesquisa. 

Nesta etapa, em que os trabalhadores foram entrevistados, revelou-se a existência de uma organização informal dos mesmos, com vistas
a se protegerem do que julgavam ameaças da Administração
ao seu bem-estar.

4ª Fase da experiência

Os pesquisadores notaram que os operários, após atingirem uma produção que julgavam ser a ideal, reduziam o ritmo de trabalho, informavam a sua produção de forma a deixar o excesso de um dia para compensar a falta em outro, em caso de excesso solicitavam pagamento.


Basicamente o que os pesquisadores observaram, foi uma solidariedade grupal e uma uniformidade de sentimentos os operários.


Esta experiência foi suspensa em 1932, devido à crise de 1929, porém a quarta fase permitiu o estudo das Relações Humanas entre a organização formal de fábrica e a organização informal dos operários.

Conclusões da experiência
O nível de produção é determinado pela integração social
e não pela capacidade física dos operários.

O comportamento dos trabalhadores está condicionado às normas
padrões sociais.

A empresa passou a ser vista como um conjunto de grupos sociais informais, cuja estrutura nem sempre coincide com a organização formal.

A existência de grupos sociais que se mantém em constante interação social dentro da empresa.

Os elementos emocionais e mesmo irracionais passam a merecer
uma maior atenção.


Pontos de vista de Mayo

O trabalho é uma atividade grupal.

O operário reage como um membro de um grupo social.

A organização desintegra grupos primários (família),
mas forma uma unidade social.

O conflito é o germe da destruição.

A formação de uma elite capaz de compreender e de comunicar, dotada de chefes democráticos e simpáticos.

Críticas à Teoria das Relações Humanas
Oposição cerrada à Teoria Clássica;
Inadequada visualização dos problemas das relações industriais;
Concepção ingênua e romântica do operário;
Limitação do campo experimental;
Parcialidade das conclusões;
Ênfase nos grupos informais;
Enfoque manipulativo das relações humanas.
G
o
o
g
l
e
Full transcript