Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Rato e Teclado, Processador, Placa de Video

Trabalho Realizado por: André Sousa Nº2, Fernando Sousa Nº10, Rui Neto Nº26
by

Fernando Sousa

on 22 November 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Rato e Teclado, Processador, Placa de Video

Rato e Teclado Placa de Video Processador O que é um processador? Rato e Teclado, Processador, Placa de video Informações básicas de um Rato O rato funciona como um apontador sobre o ecrã do computador e disponibiliza normalmente quatro tipos de operações: movimento, clique, duplo clique e arrastar e largar.
Existem modelos com um, dois, três ou mais botões cuja funcionalidade depende do ambiente de trabalho e do programa que está a ser utilizado. Claramente, o botão esquerdo é o mais utilizado.

O rato é normalmente ligado ao computador através de uma porta serial PS2 e mais recentemente USB .
Outros dispositivos de entrada competem com o rato: touchpads (usados basicamente em Notebooks) e trackballs. É interessante notar que uma trackball pode ser vista como um rato de cabeça para baixo. Funcionamento O rato original possuía dois discos que rolavam nos eixos X e Y e tocavam directamente na superfície. O modelo mais conhecido de rato é provavelmente baseado numa esfera, que roda livremente, mas que na prática gira dois discos que ficam em seu interior. O movimento dos discos pode ser detectado tanto mecanicamente quanto por meio óptico.

Os modelos atuais são totalmente ópticos, não tendo peças móveis de modo muito simplificado. Tiram fotografias que são comparadas e que permitem deduzir o movimento que foi feito. O rato óptico não é uma invenção tão moderna quanto parece: já no início da década de 90 a Sun fornecia máquinas com um rato óptico que exigia um mousepad especial, com uma padronagem matricial. Legenda:
1. A bola, que faz girar a roldana;
2. Roldana que irá alterar a passagem de luz entre o LED e o sensor;
3. Sensor fotoeléctrico
4. Botão de clique (esquerdo);
5. LED. História Engelbart apresentou este periférico pela primeira vez em 9 de Dezembro de 1968 chamado "XY Position Indicator For A Display System". Constituía-se então em uma pequena caixa de madeira com apenas um botão. Este invento ficou sem muita utilização porque a maioria dos computadores utilizavam apenas textos sem cursores na tela.

A partir da primeira metade da década de 1980, mais precisamente em 1983, a Apple passou a utilizar o rato como dispositivo apontador em seus micros Apple Lisa e cada vez tem evoluído mais ate aos tempos de hoje. Mudanças em ordem cronológica 1.Esfera: Começou por ter uma esfera, para que pudesse transmitir com mais precisão os movimentos. 2. Trackball: Inventa-se o trackball, um rato de "cabeça para baixo". Os movimentos são conseguidos usando-se o polegar diretamente na esfera. 3.Sem fios: A opção de não ter mais um fio entre o rato e o Pc. O rato sem fio envia as informações para a base e esta se encarrega de passar para o computador as informações. 4. Ergonomia: Tanto os ratos como os trackballs passam a ter desenhos mais ergonômicos, se adaptando mais aos usuários. 5.Scroll: Roda usada para rolar a tela. 6. Óptico: A esfera desaparece e todo o conjunto mecânico que era responsável pela leitura do movimento passa a ser óptico. O sistema óptico, emite um feixe que "luz" até 2000 vezes por segundo a superfície. Através desta leitura é que é detectado o movimento. 7.Touchpad: é um dispositivo sensível ao toque, utilizado em computadores portáteis, para substituir o rato. Atualmente, os touchpad identificam vetores x e y usando a capacidade proporcionada pela pele dos dedos em sua superfície, então o microprocessador identifica o valor das cargas e sabe quais células foram pressionadas. Pointing stick Num teclado, a vara é incorporada entre o "G", "H" e "B", e os botões do rato são colocados logo abaixo da barra de espaço. Os botões do rato podem ser operados com a mão direita ou com a mão esquerda, devido à sua colocação em baixo do teclado ao longo da linha central. Mighty Mouse O Mighty mouse USB apresenta uma "bola de rolagem" ao invés de uma roda, possibilitando que os usuários rolem pela tela em todas as direções. Os botões pressionáveis nas laterais são programáveis para lançar aplicativos ou ativar recursos do sistema operacional, como o Dashboard e o Exposé. O rato em si é fácil de operar porque seus dois botões agem como se fossem apenas um e usam a mesma cobertura plástica. Portas PS/2 Placas-mãe, ratos e teclados usam esta interface para ocuparem menos espaço e liberar as conexões USB para periféricos.
Em 1997 foram definidas cores para os padrões de entrada/saída dos PCs e os conectores PS2 ganharam as cores lilás para teclado e verde para rato. Informaçoes basicas do teclado O teclado de computador é um tipo de periférico utilizado pelo usuário para a entrada manual no sistema de dados e comandos. Possui teclas representando letras, números, símbolos e outras funções, baseado no modelo de teclado das antigas máquinas de escrever.

Os teclados mais comuns são projetados para a escrita de textos e inserir comandos de sistema. Estrutura de um teclado As teclas são ligadas a um chip dentro do teclado, responsável por identificar a tecla pressionada e por enviar as informações para o PC. O meio de transporte dessas informações entre o teclado e o computador pode ser sem fio (via rede sem fio, bluetooth ou infravermelho) ou por cabo (os conectores mais comuns são PS/2 e USB, mas computadores mais antigos utilizavam padrão DIN). Teclas O número de teclas em um teclado padrão varia de 101 a 104 teclas, considerando as teclas de atalho, é comum encontrar teclados até 130 teclas. Também há variantes compactas com menos de 90 teclas, geralmente encontradas em computadores portáteis. Curiosidades-Alguns tipos de teclados diferentes Teclados Para Jogos Teclados Para Canhotos Teclados Wireless Teclados Ergonómicos Teclados Flexíveis As placas de vídeo são itens de hardware responsáveis pela criação das imagens que são exibidas na tela do computador (incluindo jogos de computador, smartphones, etc). Há tanta variedade de placas com tão distintos recursos que é essencial conhecer ao menos as principais características destes dispositivos e entender um pouco de seu funcionamento. Assim, poderei saber escolher o modelo mais adequado às suas necessidades. Características de uma GPU
A GPU surgiu para "aliviar" o processador principal do computador (CPU) da pesada tarefa de gerar imagens. Por isso, é capaz de lidar com um grande volume de cálculos matemáticos e geométricos, condição trivial para o processamento de imagens 3D (utilizadas em jogos, exames médicos computadorizados, entre outros). As GPU’s podem contar com vários recursos para a sua execução, entre eles:
- Pixel Shader: shader é um conjunto de instruções utilizado para o processamento de efeitos de renderização de imagens. Pixel Shader, portanto, é um programa que trabalha com a geração de efeitos com base em pixels. Esse recurso é amplamente utilizado em imagens 3D (de jogos, por exemplo) para gerar efeitos de iluminação, reflexo, sombreamento, etc;
- Vertex Shader: semelhante ao Pixel Shader, só que trabalha com vértices em vez de pixels. Assim sendo, Vertex Shader consiste em um programa que trabalha com estruturas formadas por vértices, lidando, portanto, como figuras geométricas. Esse recurso é utilizado para a modelagem dos objetos a serem exibidos;
- Render Output Unit (ROP): basicamente, manipula os dados armazenados na memória de vídeo para que eles se "transformem" no conjunto de pixels que formará as imagens a serem exibidas na tela. Cabe a essas unidades a aplicação de filtros, efeitos de profundidade, entre outros; A unidade central de processamento ou CPU (Central Processing Unit), também conhecido como processador, é a parte de um sistema computacional, que realiza as instruções de um programa de computador, para executar a aritmética básica, lógica, e a entradas e saída de dados. A CPU tem papel parecido ao cérebro no computador. sda 32 bits x 64 bits Tanto a Intel quanto a AMD, já colocaram no mercado os processadores que trabalham a 64 bits. Muita gente sabe que os modelos de 64 bits são melhores que os de 32 bits.
O de 64 bits é mais caro, porém é muito mais rápido e tem melhor desempenho. Isso significa que seus jogos rodarão mais rápidos, assim como programas pesados. Quando nos referimos a processadores de 16 bits, 32 bits ou 64 bits estamos a falar dos bits internos do chip - em poucas palavras, isso representa a quantidade de dados e instruções que o processador consegue trabalhar por vez. Por exemplo, com 16 bits um processador pode manipular um número de valor até 65.535. Se uma certa operação tem 100.000, ele terá que fazer a operação em duas partes. No entanto, se um chip trabalha a 32 bits, ele pode manipular números de valor até 4.294.967.296 em uma única operação. Então, qual o limite de um processador de 64 bits? Vamos à conta:
264 = 1.84467441 × 10^19
Um valor extremamente alto! Então, qual o limite de um processador de 64 bits? Vamos à conta:
2 = 1.84467441 × 10^19
Um valor extremamente alto! 64 64 Vamos conhecer os processadores AMD Intel A intel criada em 1968,começou sua grande história com a fabricação de circuitos integrados. Depois de muitos anos e a chegada dos computadores domésticos, a empresa teve a oportunidade de investir nos processadores. A partir da década de 90 todos conheceram o Pentium, nome que fez a fabricante ganhar fortunas de dinheiro.
Atualmente a série “Pentium” não ocupa mais o posto de processadores topo de linha, sendo que as CPUs Core i7 (i5 e i3 também) são o que a Intel oferece de melhor. A AMD Fundada em 1969, a companhia veio investindo em circuitos lógicos de forma igual à sua concorrente. O concorrente do Pentium era o K5, que foi inserido no mercado três anos depois do grande pioneiro da Intel. Apesar de pouca fama inicial, a AMD ganhou o público com o AMD Athlon, que ainda continua sendo fabricado e ainda é muito popular.
O processador topo de linha da AMD é o Phenom II X6 (da mesma família do Phenom II X4, X3 e X2). 64 O fator desempenho é sempre um aspeto que depende de uma série de configurações internas e das tecnologias empregadas em cada processador. Muitos sites realizam testes com as CPUs mais recentes das duas fabricantes. Os resultados variam muito, sendo que existem atividades nas quais os processadores Intel são mais rápidos e outras em que os chips da AMD alcançam um desempenho maior. Desempenho 64 Relação custo-benefício Quando falamos em processadores de alto desempenho, não temos como deixar de pensar no aspeto financeiro. Os desktops e notebooks atuais (considerando configurações de alto desempenho) estão cada vez mais caros, pois além de o preço da CPU ser consideravelmente alto.
A AMD realmente fez uma ótima jogada lançando um processador de seis núcleos mais fraco e mais barato. 64 Desde o princípio dos anos 90, tanto a AMD quanto a Intel vêm introduzindo novas tecnologias no mercado. Ambas utilizam técnicas funcionais para o processamento de dados, contudo as arquiteturas internas são completamente diferentes.
A Intel inseriu a série Core i7 no mercado para provar que as suas CPUs são melhores ao trabalhar com jogos. Com uma diversidade de modificações internas, a fabricante consegue resultados superiores e garante aos jogadores o jogo dos “sonhos”. A grande maioria dos sites comprova que os processadores Intel são um pouco melhores em jogos.
A AMD por outro lado não fica para trás e também procura investir em tecnologias. Algumas das tecnologias da AMD inclusive agora são utilizadas nos processadores Intel, tamanha é a capacidade em desenvolvimento da fabricante. 64 Tecnologias Chipsets Na corrida para criticar outro mercado, as duas fabricantes decidiram investir pesado em chipsets. Antigamente as placas-mãe utilizavam chipsets de marcas diferentes, contudo com a inserção da Intel e da AMD, ficou raro encontrar fabricantes de placas-mãe que optem por chipsets que não sejam das fabricantes de processadores. 64 Notebooks Ambas as marcas possuem processadores dedicados para notebooks. Com velocidades excelentes, temperaturas baixas e desempenhos fantásticos, as CPUs para computadores móveis mostram que são aptas para quaisquer tipos de tarefa. 64 64 64 As duas gigantes dos processadores focam seus esforços nas CPUs, porém ambas possuem áreas dedicadas ao desenvolvimento de chips gráficos. Como já citado, tanto AMD quanto Intel possui placas do tipo onboard, mas isso não significa que as empresas limitem seus esforços apenas ao setor de placas de baixo desempenho. Bom, pelo menos não é o caso da AMD. A fabricante comprou a ATI há algum tempo e agora fabrica chips gráficos tão rápidos quanto os da NVIDIA. Chips Gráficos . O número de empresas aumentou significativamente e cada vez mais consumidores decidem comprar um PC. Tudo isso fez a venda de processadores subir significativamente, fator que gerou ótimos lucros para a AMD e a Intel.
Os CPUs da Intel estão em quase todos os desktops atuais.
A verdade é uma só: a maioria dos desktops traz um processador Intel, pois são os que oferecem melhor desempenho. As empresas optam sempre por CPUs da Intel pelo fato da confiabilidade e pela procura de usuários que busca um processador da marca.
A situação mudou muito e a AMD ganhou muito espaço no seguimento desktop.
Em muitos casos a AMD oferece sim o melhor desempenho e sempre oferece a melhor relação custo-benefício. Desktops Evolução dos processadores 64 Analise dos processadores O que é GPU?
A GPU (Graphics Processing Unit - Unidade de Processamento Gráfico), também chamada de chip gráfico, é certamente o componente mais importante de uma placa de vídeo. Trata-se, em poucas palavras, de um tipo de processador responsável pela execução de cálculos e rotinas que resultam nas imagens exibidas no monitor do computador. Clock da GPU
Se você olhar a imagem do programa acima, vai perceber que entre os vários campos há um chamado "GPU Clock". E o que é isso? Ora, se a GPU é um tipo de processador, então trabalha dentro de uma determinada frequência, isto é, de um clock. De maneira geral, o clock é um sinal de sincronização. Quando os dispositivos do computador recebem o sinal de executar suas atividades, dá-se a esse acontecimento o nome de "pulso de clock". Em cada pulso, os dispositivos executam suas tarefas, param e vão para o próximo ciclo de clock. Resolução e cores
Ao comprar uma placa de vídeo, uma característica importante que geralmente é descrita nas especificações do dispositivo é a sua resolução máxima. Quando falamos deste aspecto, estamos nos referindo ao conjunto de pixels que formam linhas horizontais e verticais na tela. Vamos tomar como exemplo uma resolução de 1600x900. Esse valor indica que há 1600 pixels na horizontal e 900 pixels na vertical, como exemplifica a imagem: Por muito tempo, a combinação de informações referentes a resoluções e cores indicava o padrão utilizado pela placa de vídeo. Eis os padrões mais comuns:
MDA (Monochrome Display Adapter): padrão utilizado nos primeiros PCs, indicando que a placa era capaz de exibir 80 colunas com 25 linhas de caracteres, suportando apenas duas cores. Utilizado em uma época onde os computadores trabalhavam, essencialmente, com linhas de comando;
CGA (Color Graphics Adapter): padrão mais avançado que o MDA e, portanto, mais caro, suportando geralmente resolução de até 320x200 pixels (podendo alcançar 640x200) com até 4 cores ao mesmo tempo entre 16 disponíveis; EGA (Enhanced Graphics Adapter): padrão utilizado no então revolucionário PC AT, suportando geralmente uma resolução de 640x350 com 16 cores ao mesmo tempo dentro de 64 possíveis;
VGA (Video Graphics Adapter): padrão que se tornou amplamente conhecido com o sistema operacional Windows 95, trabalhando com resolução de 640x480 e 256 cores simultaneamente ou 800x600 com 16 cores ao mesmo tempo;
SVGA (Super VGA): tido como uma evolução do VGA, o SVGA inicialmente indicava a resolução de 800x600 pixels e, posteriormente, de 1024x768. Na verdade, a partir do SVGA, as placas de vídeo passaram a suportar resoluções ainda mais variadas e milhões de cores, portanto, é tido como o padrão atual. Aula realizada por:
André Sousa Nº2
Fernando Sousa Nº10
Rui Neto Nº26
Full transcript