Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

No description
by

Vany Dp Cortez

on 16 December 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE
CENTRO DE TECNOLOGIA
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO

Considerações Iniciais
Trabalhos Selecionados
titulo Autor Fonte Ano

AVALIAÇÃO DA ILUMINAÇÃO NATURAL DE SALAS DE AULA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - RS

Resumo

As salas de aula são os ambientes de maior permanência de estudantes em escolas e universidades, nelas se desenvolvem atividades de escrita e leitura que são essenciais para o aprendizado. Logo devem possuir condições de conforto visual adequadas. Segundo Klüsener (2009) que determinou a eficiência energética de um dos edifícios da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), os sistemas de iluminação são de baixa eficiência energética, que poderia ser aumentada com ações simples. A UFSM possui 273.151 m2 de área construída. Partindo-se do pressuposto que os outros edifícios possuam um desempenho similar ao estudado por Klüsener (2009), percebe-se a importância da adequação dos sistemas de iluminação para redução do consumo de energia. Este artigo tem como objetivo apresentar resultados da avaliação de oito salas de aula da UFSM no que diz respeito aos níveis de iluminância disponíveis para iluminação natural comparando parâmetros considerados relevantes para a iluminação natural, ou seja, presença de obstruções externas e orientação solar. O método adotado baseia-se em medições in loco com uso de luxímetro digital da Instrutherm, modelo LDR225, localizados em seis pontos do recinto em avaliação. As salas foram avaliadas aos pares, com medições simultâneas, adotando-se um parâmetro para análise. Como resultados têm-se o uso indiscriminado de películas fumê, o uso de proteções solares desnecessárias ou inadequadas se considerado entorno da edificação, a importância de cores de obstruções externas para a otimização da captação de luz natural e sua influência na distribuição de iluminânicas e o comportamento de salas voltadas a sul.

Apreciação crítica e contribuições para o trabalho
Observa-se que no estudo a distribuição dos dispositivos de medição nos ambientes, deveriam seguir as recomendações da NBR 15.215-4 (ABNT, 2005b), que recomenda que o número de pontos de medição seja calculado em função da área do ambiente e do tamanho das aberturas, chegando a cerca de 16 pontos de medição para as salas de aula estudadas, porem no trabalho foram utilizados apenas 6. As medições foram realizadas em período de aula, entre maio e setembro de 2012, não seguindo, portanto, as recomendações da NBR 15.215
Como contribuição para o trabalho a ser desenvolvido o estudo mostra detalhadamente como é feito as medições in-loco e deixa um conjunto de recomendações projetuais a serem considerados com relação a iluminação natural.

Discente: Vany Patick Cortez Moreno
Docente: Françoise Dominique Valéry

Outubro , 2013


Levantamento eventos científicos

ARTIGO 01
Título
AVALIAÇÃO DA ILUMINAÇÃO NATURAL DE SALAS DE AULA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - RS
Autores
Raquel B. Mansilha; Marina Simon; Taís T. Finamor; Giane de C. Grigoletti.
Palavras-chave
iluminação natural, salas de aula, avaliação.
Ano
2013
Evento
XXII ENCAC Encontro nacional de Conforto no Ambiente Construido (anual, Nacional)
VIII ELACAC Encontro Latinoamericano de Conforto no Ambiente Contruido (anual, Nacional)
Acesso
http://www.encac2013.unb.br/

Referência
MANSILHA, Raquel; SIMON, Mariana; FINAMOR, Tais. Avaliação da iluminação natural de salas de aula da Universidade Federal de Santa Maria -RS. In: XII ENCAC , 2013, Brasília.

Referências de interesse



ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR15215: Iluminação natural: parte 2: procedimentos para o cálculo para estimativa da disponibilidade de iluminação natural. Rio de Janeiro, 2005a.
_____. NBR15215: Iluminação natural: parte 4: verificação experimental das condições de iluminação interna de edificações. Método de medição. Rio de Janeiro, 2005b.
_____ . NBR5413: Iluminância de interiores. Rio de Janeiro, 1992.
CORREIA, Andreia Gurgel Umbelino. Avaliação pós-ocupação da iluminação natural das salas de setores de aula teóricas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal. 2008.
FANTINATO, D. G.; FELICIO, G. F. C.; MAGRO, G. G. M. Análise do aproveitamento da iluminação natural em salas de aula da Unicamp. Revista Ciências do Ambiente On-Line, volume 4, número 2. 2008.
KLÜSENER, Cibele. Aplicação do Regulamento para Etiquetagem do Nível de Eficiência Energética de Edifícios: o caso do Centro de Tecnologia da UFSM. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil). Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria, 2009.
KREMER, A. A influência de elementos de obstrução solar no nível e na distribuição interna de iluminação natural: estudo de caso em protótipo escolar de Florianópolis. 2002. 194 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil)- Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002.
LAMBERTS, R.; GOULART, S., CARLO, J., WESTPHAL, F., PONTES, R. A. Regulamentação de etiquetagem voluntária de nível de eficiência energética de edifícios comerciais e públicos. In: 9. 5. Encontro Nacional e Latino Americano de Conforto no Ambiente Construído. Ouro Preto. 2007. Anais... Associação Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído. P. 1019-1028.
MASCARÓ, Lúcia. Iluminação natural nos edifícios. Porto Alegre. Programa de Pós-Graduação em Arquitetura. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Apostila da Disciplina Habitabilidade nas Edificações. 1980.
ARTIGO 02
Título
ARQUITETURA ESCOLAR: AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE ILUMINÂNCIA E SIMULAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO IDEAL EM ESCOLAS PÚBLICAS DE ÁLVARES MACHADO - SP
Autores
Victor Martins de Aguiar; Carolina Lotufo Bueno-Bartholomei.
Palavras-chave
iluminação, ambiente escolar, conforto lumínico.
Ano
2013
Evento
XXII ENCAC Encontro nacional de Conforto no Ambiente Construido (anual, Nacional)
VIII ELACAC Encontro Latinoamericano de Conforto no Ambiente Contruido (anual, Nacional)
Acesso
http://www.encac2013.unb.br/

Referência
AGUIAR , Vitor Martins; BARTHOLOMEII, Lotufo Bueno. ARQUITETURA ESCOLAR: AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE ILUMINÂNCIA E SIMULAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO IDEAL EM ESCOLAS PÚBLICAS DE ÁLVARES MACHADO - SP. In: XII ENCAC , 2013, Brasília.

AVALIAÇÃO DA ILUMINAÇÃO NATURAL DE SALAS DE AULA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - RS

AVALIAÇÃO DA ILUMINAÇÃO NATURAL DE SALAS DE AULA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - RS

ARQUITETURA ESCOLAR: AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE ILUMINÂNCIA E SIMULAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO IDEAL EM ESCOLAS PÚBLICAS DE ÁLVARES MACHADO - SP
Resumo

A estratégia correta para o uso da iluminação natural requer uma análise detalhada da função de cada ambiente, se atentando aos aspectos quantitativos e qualitativos para o seu melhor aproveitamento. Este trabalho verificou em Álvares Machado, município vizinho a Presidente Prudente, capital da região conhecida como Oeste Paulista no Estado de São Paulo, se os níveis de iluminância natural e artificial de duas edificações escolares públicas, com faixas etárias diferentes, atendiam o recomendado pela NBR 5413 (1992): Iluminância de interiores. Posteriormente buscamos, a partir de simulações, destacar à importância de estudos preliminares, durante a implantação, para garantir os níveis ideais. Como existe uma relação direta entre a produtividade e às características do ambiente é fundamental, que o ambiente proporcione condições saudáveis e garanta à espontaneidade nas atividades. Assim, os níveis insatisfatórios coletados, sobretudo na condição de iluminação natural demonstram, em alguns casos, que não houve estratégias com o propósito de minimizar a incidência da radiação nas elevações, existindo à necessidade de readequações
.

Apreciação crítica e contribuições para o trabalho

O artigo se trata-se de uma material de grande importância para a compreensão dos conceitos relacionados ao meu estudo, iluminação natural e trazendo boas referências bibliográficas para a compreensao do tema. Outra contribuição seria a apresentação do método de predição da iluminação natural em ambientes.

ARQUITETURA ESCOLAR: AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE ILUMINÂNCIA E SIMULAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO IDEAL EM ESCOLAS PÚBLICAS DE ÁLVARES MACHADO - SP
Referências de interesse

ABNT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 5413: Iluminância de Interiores. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 1992. 13p.
_____. NBR 15220-3: Desempenho térmico de edificações - Parte 3: Zoneamento bioclimático brasileiro e diretrizes construtivas para habitações unifamiliares de interesse social. Rio de Janeiro, 2003. 23p.
_____. NBR 15215-4: Iluminação natural: Parte 4: Verificação experimental das condições de iluminação interna de edificações - Método de medição. Rio de Janeiro, 2005. 16p.
EGAN, M. D.; OLGYAY, V. Architectural lighting. New York: Mcgraw-Hill, 2002. 219p.
GEMELLI, C. B. Avaliação de conforto térmico, acústico e lumínico de edificação escolar com estratégias sustentáveis e bioclimáticas: o caso da Escola Municipal de Ensino Fundamental Frei Pacífico. 175 f. Tese (Mestrado em Engenharia Civil) – Escola de Engenharia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.
GRAÇA, V. A. C; KOWALTOWSKI, D. C. C. K; PETRECHE, J. R. D. An evolution method for school building design at the preliminar phase with optimisation of aspects of environmental for the school system of the State São Paulo in Brazil. Building and Enviroment, USA, v.42, p. 984–999. 2007.
KOWALTOWSKI, D. C. C. C.; MIKAMI, S. A.; PINA, G.; LABAKI, L. C.; RUSCHEL, R. C.; STELAMARIS, B. F. F.; BERTOLLI, R.; BORGES, F. F. O conforto no ambiente escolar: elementos para intervenções de melhoria. In: ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 9., 2002, Foz do Iguaçu. Anais... Florianópolis: ENTAC, 2002, p. 173-182. CD-ROM
KOWALTOWSKI, D. C. C. K. Arquitetura escolar: o projeto do ambiente de ensino. São Paulo: Oficina de Textos, 2011. 272p.
KRÜGER, E.; ADRIAZOLA, M.; TAKEDA, N. Avaliação do desempenho térmico em escolas emergenciais da Região de Curitiba. In: ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 10., 2004, São Paulo. Anais... São Paulo: ANTAC, 2004, p. 1-14. CD-ROM.
PEREIRA, D. C. L. Modelos físicos reduzidos: uma ferramenta para avaliação da iluminação natural. 245 f. Tese (Mestrado em Arquitetura) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.
ROSIM, C. A. Comportamento de prateleira de luz em modelo físico sob céu real na cidade de Campinas – SP. 163 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Faculdade de Engenharia Civil e Arquitetura, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.
SCARAZZATO, P. S. DLN: Software preditivo da disponibilidade de luz natural em planos horizontais e verticais externos às edificações. In: ENCONTRO NACIONAL DE MODELOS DE SIMULAÇÃO DE AMBIENTES, 5. 1995, São Paulo. Anais ... São Paulo: FAUUSP, p. 269-273. CD-ROM
ARQUITETURA ESCOLAR: AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE ILUMINÂNCIA E SIMULAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO IDEAL EM ESCOLAS PÚBLICAS DE ÁLVARES MACHADO - SP
ARTIGO 03
Título
ANÁLISE COMPARATIVA DAS ILUMINÂNCIAS ENTRE UM SISTEMA INTEGRADO DE TUBO DE LUZ SOLAR + JANELA E UMA JANELA EM UM AMBIENTE DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL
Autores
Gandhi Escajadillo Toledo; Alexandre Vieira Pelegrini.
Palavras-chave
Duto de sol, iluminância, simulação computacional.
Ano
2013
Evento
XXII ENCAC Encontro nacional de Conforto no Ambiente Construido (anual, Nacional)
VIII ELACAC Encontro Latinoamericano de Conforto no Ambiente Contruido (anual, Nacional)
Acesso
http://www.encac2013.unb.br/

Referência
TOLEDO, Gandhi Escajadillo; PELEGRINI, Alexandre Vieira. ANÁLISE COMPARATIVA DAS ILUMINÂNCIAS ENTRE UM SISTEMA INTEGRADO DE TUBO DE LUZ SOLAR + JANELA E UMA JANELA EM UM AMBIENTE DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL. In: XII ENCAC , 2013, Brasília.

Resumo
O uso de dutos de sol pode aumentar os níveis de iluminâncias nas edificações, contribuindo para a redução da energia gasta na iluminação artificial durante o dia. Este artigo tem como objetivo comparar as iluminâncias geradas por um sistema de duto de luz solar integrado com uma simples janela e as iluminâncias geradas por sistema composto por somente uma simples janela. A análise foi realizada através da simulação computacional no software Troplux. Ambos os sistemas foram simulados em um mesmo ambiente interno e sob os mesmos parâmetros de incidência solar e condições de céu. A simulação foi conduzida tendo como referência as coordenadas geográficas da cidade de Curitiba/PR, bem como as variações das quatro estações do ano. Ambos os sistemas foram analisados considerando três tipos de condição de céu: coberto, parcialmente coberto e claro. Os resultados indicam que o duto de luz solar pode prover um aumento de até 40% na distribuição das iluminâncias dentro do ambiente simulado. Argumenta-se que o duto de luz solar complementa a iluminação natural no ambiente construído. Um protótipo físico do duto de luz solar simulado neste trabalho está em desenvolvimento, devendo ser posteriormente instalado e testado na Universidade Federal do Paraná (UFPR), na cidade de Curitiba/PR.
ANÁLISE COMPARATIVA DAS ILUMINÂNCIAS ENTRE UM SISTEMA INTEGRADO DE TUBO DE LUZ SOLAR + JANELA E UMA JANELA EM UM AMBIENTE DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

Apreciação crítica e contribuições para o trabalho
O artigo se trata-se de uma material de grande importância para a compreensão dos conceitos relacionados ao meu estudo, iluminação natural e trazendo boas referências bibliográficas para a compreensao do tema. Outra contribuição seria a apresentação do método de predição da iluminação natural em ambientes.

ANÁLISE COMPARATIVA DAS ILUMINÂNCIAS ENTRE UM SISTEMA INTEGRADO DE TUBO DE LUZ SOLAR + JANELA E UMA JANELA EM UM AMBIENTE DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL
Referências de interesse:
AL-MARWAEE, M; CARTER, D. Tubular Guidance Systems for Daylight: Achieved and Predicted Installation Performances. Applied Energy, v. 83, n. 7, p. 744-788.Jul. 2006.
CABÚS, Ricardo C. TropLux: um sotaque tropical na simulação da luz natural em edificações. In: IV Encontro Latino-Americano e VIII Encontro Nacional Sobre Conforto no Ambiente Construído, Maceió, 2005, Anais...Maceió, ENCAC-ELAC 2005.
CIE-Commission Internationale deI’Eclairage: Spatial Distribution of Daylight – CIE Standard General Sky. CIE S 011/E:2003, ISO 15469:2003(E), Viena, 2003.
DEMÉTRIO, S. A. Avaliação Teórica e Experimental do Desempenho de Duto de Luz, na Cidade de São Carlos – SP. Dissertação (Mestrado em Construção Civil). Programa de Pós-Graduação em Construção Civil, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2005.
IEA - INTERNACIONAL ENERGY AGENCY. Daylight in Buildings. A Source Book on Daylighting Systems and Components. Washington, USA, 2000.
KIM, G.; KIM J. Overview and New Developments in Optical Daylighting Systems for Building a Healthy Indoor Environment. Building and Environment, v. 45, n. 2, p. 256–269, Feb. 2010.
LI, D. H. W; TSANG, E. K. W; CHEUNG, K. L; TAM, C. O. An Analysis of Light-pipe System via Full-scale Measurements. Applied Energy, v. 87, n.1, p. 799–805, Mar. 2010.
MOHELNIKOVA, J. Tubular Light Guide Evaluation. Building and Environment. v. 44, n. 10, p. 2193–2200, Oct. 2009.
PARONCINI, M.; CALCAGNI, B.; CORVARO, F. Monitoring of a light-pipe system.Solar Energy, v. 81, n. 9, p. 1180–1186, Set. 2007.
SOTO S. F. J. Avaliação do Desempenho Luminoso de Duto de Luz: Estudo da Implementação em Ambientes Padrões de Habitações Populares em Três Latitudes. Dissertação (Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado). Programa de Pós- Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2010.


ANÁLISE COMPARATIVA DAS ILUMINÂNCIAS ENTRE UM SISTEMA INTEGRADO DE TUBO DE LUZ SOLAR + JANELA E UMA JANELA EM UM AMBIENTE DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL
ARTIGO 04
Título
Análise da iluminação natural em salas de aula da Universidade federal do Piauí.
Autores
Danniela Christine F. D. Lima; Ana Lúcia R. C. da Silveira.
Palavras-chave
Iluminação natural, Salas de aula, Conforto luminoso.
Ano
2013
Evento
XXII ENCAC Encontro nacional de Conforto no Ambiente Construido (anual, Nacional)
VIII ELACAC Encontro Latinoamericano de Conforto no Ambiente Contruido (anual, Nacional)
Acesso
http://www.encac2013.unb.br/

Referência
LIMA, Danniela Chistine F.D. ; SILVEIRA, Ana Lúcia R. C. Análise da iluminação natural em salas de aula da Universidade federal do Piauí. In: XII ENCAC , 2013, Brasília.

Resumo
O ambiente físico escolar e suas características de ordem arquitetônicas são determinantes no aprendizado dos estudantes, concomitantemente a outros fatores, de ordem pedagógica, cultural, histórica e social. As questões relacionadas ao conforto luminoso em uma cidade de clima tropical como é Teresina em que a abóbada celeste é muito luminosa, exige uma maior preocupação com o tamanho e a orientação das aberturas, pois se forem superdimensionadas podem causar ofuscamento e desconforto térmico. Esse trabalho tem como objetivo analisar a iluminação natural em salas de aula da Universidade Federal do Piauí, e avaliar os tipos de aberturas, materiais de revestimento assim como as características do entorno que possam influenciar a qualidade da iluminação natural. A importância desse estudo é quanto ao melhor aproveitamento da luz natural e a consequente economia de energia elétrica, sem comprometer o conforto térmico. Para tanto foram realizadas medições das iluminâncias em uma amostra das salas de aula da Universidade, para verificar se atendem às exigências da norma NBR 5413. Os resultados encontrados apontam que na maioria das salas é inviável o uso somente com a iluminação natural, por motivos diversos como a opção por proteção contra os ganhos térmicos e visando a possibilidade de uso de projeções multimídia durante as aulas. Mas a qualidade da iluminação natural pode ser facilmente melhorada em muitos casos com simples intervenções como retirada de obstáculos fixos externos às aberturas.




Apreciação crítica e contribuições para o trabalho
O artigo se trata-se de uma material de grande importância para a compreensão dos conceitos relacionados ao meu estudo, iluminação natural e trazendo boas referências bibliográficas para a compreensao do tema. Outra contribuição seria a apresentação do método de predição da iluminação natural em ambientes.
Referências de interesse:

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR-5413: Iluminância de interiores. Rio de Janeiro, 1992.
________ NBR 5382 - Verificação de iluminância de interiores. Rio de janeiro, 1985.

________ NBR-15215-4: Iluminação natural – parte4; verificação experimental das condições de iluminação internas de edificações Rio de Janeiro, 2005.
HOPKINSON, R. G., PETHERBRIDGE, P., LONGMORE, J. Iluminação natural. Lisboa: Fundação Caloustre Gulbenkian, 1975. 2ªed.
KOWALTOWSKI, D. C. C. K. Arquitetura escolar e o projeto do ambiente de ensino. São Paulo: Oficina de textos, 2011.
LAMBERTS, R. ; DUTRA, L.; PEREIRA, F. O. R., Eficiência Energética na Arquitetura. PW Editores. São Paulo, 1997.
ORNSTEIN, S.; ROMÉRO, M. Avaliação pós-ocupação do ambiente construído. São Paulo: Studio Nobel: Editora da Universidade de São Paulo, 1992.
ROMERO, M. A., ORNSTEIN, S. W. Avaliação Pós-Ocupação - Métodos e Técnicas Aplicados à Habitação Social. Porto Alegre: ANTAC , 2003. Coleção Habitare.
SCARAZATTO, P. S. Conceito de dia típico de projeto aplicado à iluminação natural: dados referenciais para localidades brasileiras. Tese de doutorado. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Universidade de São Paulo. São Paulo, 1995.




Análise da iluminação natural em salas de aula da Universidade federal do Piauí.
Análise da iluminação natural em salas de aula da Universidade federal do Piauí.
Análise da iluminação natural em salas de aula da Universidade federal do Piauí.
ARTIGO 05
Título
O AMBIENTE ESCOLAR E O CONFORTO LUMÍNICO: AVALIAÇÃO EM ESCOLAS PÚBLICAS DE PRESIDENTE PRUDENTE - SP
Autores
Yasmin Santos Gomes Fervença; Carolina Lotufo Bueno Bartholomei.
Palavras-chave
conforto lumínico, escolas, avaliação pós-ocupação
.
Ano
2013
Evento
XXII ENCAC Encontro nacional de Conforto no Ambiente Construido (anual, Nacional)
VIII ELACAC Encontro Latinoamericano de Conforto no Ambiente Contruido (anual, Nacional)
Acesso
http://www.encac2013.unb.br/

Referência
FERVENÇA , Yasmin Santos Gomes; BARTHOLOMEI Carolina Lotufo Bueno (2)O AMBIENTE ESCOLAR E O CONFORTO LUMÍNICO: AVALIAÇÃO EM
ESCOLAS PÚBLICAS DE PRESIDENTE PRUDENTE - SP In: XII ENCAC , 2013, Brasília.

O AMBIENTE ESCOLAR E O CONFORTO LUMÍNICO: AVALIAÇÃO EM ESCOLAS PÚBLICAS DE PRESIDENTE PRUDENTE - SP
Resumo
Considerando a importância da instituição escolar na formação do indivíduo, assim como de um iluminamento adequado dos ambientes, este trabalho objetivou a avaliação das condições de conforto lumínico em escolas públicas de Presidente Prudente, – maior município da região oeste do Estado de São Paulo. Foram selecionadas duas instituições, uma do Ciclo I do Ens. Fundamental e outra do Ciclo II do Ens.
Fundamental e Ens. Médio. Deu-se continuidade, no ano de 2012, ao projeto já desenvolvido em outras duas escolas em 2011, do qual os métodos e objetivos foram reproduzidos. A avaliação desses espaços se faz importante já que é imprescindível a estes que a condição de conforto posta em análise esteja adequada não
só a alunos e professores, como aos demais funcionários. Compreende ainda a busca por semelhanças e distinções nos efeitos da iluminação em alunos com faixas etárias distintas, em edificações com características construtivas diversas. Consiste em uma avaliação pós-ocupação que abrangeu a caracterização
das edificações quanto a sua estrutura, envoltória e entorno; coleta de dados por intermédio de medições de
iluminação natural e artificial, e aplicação de questionários. A análise realizada a partir dos dados coletados
permitiu verificar o iluminamento do ambiente quanto aos níveis normatizados e a sensibilidade e satisfação
do usuário quanto à iluminação. Apresentou como resultado, que nenhuma das escolas encontra-se com condições adequadas ao conforto lumínico, e pode-se concluir que a ausência ou inadequação do planejamento na concepção do projeto arquitetônico são considerados fatores determinantes na garantia ou
promoção de condições ambientais adequadas ao desenvolvimento das atividades propostas àquele ambiente.



O AMBIENTE ESCOLAR E O CONFORTO LUMÍNICO: AVALIAÇÃO EM ESCOLAS PÚBLICAS DE PRESIDENTE PRUDENTE - SP
O AMBIENTE ESCOLAR E O CONFORTO LUMÍNICO: AVALIAÇÃO EM ESCOLAS PÚBLICAS DE PRESIDENTE PRUDENTE - SP

Apreciação crítica e contribuições para o trabalho
O artigo se trata-se de uma material de grande importância para a compreensão dos conceitos relacionados ao meu estudo, iluminação natural e trazendo boas referências bibliográficas para a compreensao do tema. Outra contribuição seria a apresentação do método de predição da iluminação natural em ambientes.


ARTIGO 06
Título
A INFLUÊNCIA DAS DIMENSÕES DE ABERTURAS NA DISTRIBUIÇÃO DA LUZ NATURAL EM UM DORMITÓRIO COM BASE NOS PARÂMETROS DO (RTQ-R): ESTUDO REALIZADO NA CIDADE DE MACEIÓ/AL
Autores
Daniela Torres; Thamires Adelino.
Palavras-chave
Iluminação Natural, Área das aberturas, Simulação Computacional, TropLux.
Ano
2013
Evento
XXII ENCAC Encontro nacional de Conforto no Ambiente Construido (anual, Nacional)
VIII ELACAC Encontro Latinoamericano de Conforto no Ambiente Contruido (anual, Nacional)
Acesso
http://www.encac2013.unb.br/

Referência
TORRES, Daniela , ADELINO Thamires, A INFLUÊNCIA DAS DIMENSÕES DE ABERTURAS NA DISTRIBUIÇÃO DA LUZ NATURAL EM UM DORMITÓRIO COM BASE NOS PARÂMETROS DO (RTQ-R): ESTUDO REALIZADO NA CIDADE DE MACEIÓ/AL In: XII ENCAC , 2013, Brasília
.

A INFLUÊNCIA DAS DIMENSÕES DE ABERTURAS NA DISTRIBUIÇÃO DA LUZ NATURAL EM UM DORMITÓRIO COM BASE NOS PARÂMETROS DO (RTQ-R): ESTUDO REALIZADO NA CIDADE DE MACEIÓ/AL
Resumo
As janelas são elementos de vedações arquitetônicas, que proporcionam abertura para o exterior trazendo ventilação e insolação para os ambientes internos. Quando bem dimensionadas, especificadas e orientadas contribuem para uma maior eficiência energética e conforto ambiental. O Brasil é um país com uma grande disponibilidade de luz natural, especialmente na região nordeste, onde amplas janelas proporcionam níveis mais altos de iluminação natural, entretanto nem sempre muita luz é desejável no ambiente. Desse modo, é importante que o estudo das aberturas seja levado em conta desde a fase inicial do projeto, tendo em vista uma otimização da iluminação natural. Dentro deste contexto, este trabalho tem o objetivo de analisar a influência das dimensões das aberturas na distribuição da luz natural necessária para um dormitório com base nos parâmetros do Regulamento Técnico da Qualidade para o Nível de Eficiência Energética de Edificações Residenciais (RTQ-R), para iluminação natural, em ambientes de permanência prolongada, que considera que a soma das áreas de aberturas para iluminação natural deve corresponder a no mínimo 1/8 da área do piso. Considerando a localização do objeto de estudo na cidade de Maceió-AL, foram propostos 3 diferentes arranjos de abertura, para um mesmo ambiente, todos com uma área de 1/8 do piso, para avaliar a distribuição e quantidade de iluminância através de simulação computacional utilizando o software TropLux. Os resultados obtidos com a simulação dos 3 modelos de aberturas identificaram altos valores de iluminância, muito além do exigido para um dormitório de acordo com a NBR 5413, tanto em relação a orientação norte, quanto a orientação sul. No período de verão, os maiores níveis de iluminância em todos os modelos de aberturas foram na orientação sul; e no período de inverno, a orientação norte apresentou os maiores índices. Dessa forma, podemos ter diferentes resultado para um mesmo ambiente, com áreas de aberturas iguais, entretanto com arranjos de aberturas distintos. A área mínima da abertura recomendada pelo regulamento não é capaz de definir sozinha um bom desempenho luminoso do ambiente, no entanto o uso de estratégias passivas poderiam auxiliar na obtenção de um desempenho luminoso favorável no ambiente.


A INFLUÊNCIA DAS DIMENSÕES DE ABERTURAS NA DISTRIBUIÇÃO DA LUZ NATURAL EM UM DORMITÓRIO COM BASE NOS PARÂMETROS DO (RTQ-R): ESTUDO REALIZADO NA CIDADE DE MACEIÓ/AL

Apreciação crítica e contribuições para o trabalho
O artigo se trata-se de uma material de grande importância para a compreensão dos conceitos relacionados ao meu estudo, iluminação natural e trazendo boas referências bibliográficas para a compreensao do tema. Outra contribuição seria a apresentação do método de predição da iluminação natural em ambientes.

A INFLUÊNCIA DAS DIMENSÕES DE ABERTURAS NA DISTRIBUIÇÃO DA LUZ NATURAL EM UM DORMITÓRIO COM BASE NOS PARÂMETROS DO (RTQ-R): ESTUDO REALIZADO NA CIDADE DE MACEIÓ/AL
ALUCCI, M. P apud AMORIM, Cláudia Naves David; ALBUQUERQUE, Milena Sampaio Cintra de. Iluminação natural: indicações de profundidade-limite de ambientes para iluminação natural no Regulamento Técnico da Qualidade do Nível de Eficiência Energética de Edifícios Residenciais – RTQ-R. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 12, n. 2, p. 37-57, abr./jun. 2012.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 5413: Iluminância de interiores. Rio de Janeiro, 1992.
CABÚS, Ricardo C. TropLux: um sotaque tropical na simulação da luz natural em edificações. IV Encontro Latino-Americano e VIII Encontro Nacional Sobre Conforto no Ambiente Construído, Maceió, 2005a, ENCAC-ELACAC 2005.
CABÚS, Ricardo C. Validação do programa TropLux. IV Encontro Latino-Americano e VIII Encontro Nacional Sobre Conforto no Ambiente Construído, Maceió, 2005b, ENCAC-ELACAC 2005.
CABUS, Ricardo. Troplux 5 – Guia do usuário. Instituto Lummeiro, Maceió, 2011.
7
CORBELLA, O. ; YANNAS, S. Em busca de uma Arquitetura Sustentável para os Trópicos. Rio de Janeiro: Revan, 2003.
DEUTSCHES INSTITUT FÜR NORMUNG. DIN 5034: Tageslicht in Innenräumen. Berlin, 1997.
DEUTSCHES apud AMORIM, Cláudia Naves David; ALBUQUERQUE, Milena Sampaio Cintra de. Iluminação natural: indicações de profundidade-limite de ambientes para iluminação natural no Regulamento Técnico da Qualidade do Nível de Eficiência Energética de Edifícios Residenciais – RTQ-R. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 12, n. 2, p. 37-57, abr./jun. 2012.
DIAS, Amanda Fontes Aragão. Análise do uso da luz natural em salas de aula: estudo de caso em Aracaju-SE. Universidade Federal De Alagoas, Dissertação de Mestrado, Maceió, 2011
INMETRO. Portaria n° 18, de 16 de janeiro de 2012. Regulamento Técnico da Qualidade – RTQ para o Nível de Eficiência Energética de Edificações Residenciais (RTQ-R). Rio de Janeiro, 2012.
BIERMAN, A.; KLEIN, T. R.; REA, M. S. The Daysimeter: a device for measuring optical radiation as a stimulus for the human circadian system. Measurement Science and Technology, v.16, p.2292-2299, 2005.
BIESKE, K.; VANDAHL, C.; SCHIERZ, C. Projekt „Licht und Gesundheit“ - Feldstudie in Industriebetrieben. Abschlussbereicht, TU Ilmenau, 2011.
BMEDICAL. Actigraphy. Austrália: BMedical, [200-]. Disponível em: <http://www.bmedical.com.au/shop/fatigue-heat-stress/actigraphy.htm> Acesso em dez, 2012.
BOYCE, P. R. Human factors in lighting. 2ª ed. Londres: Taylor & Francis, 2003.
. Lemmings, light, and health. Leukos, v.2, n.3, p.175-184, 2006.
BRAINARD, G. C.; HANIFIN, J. P.; GREESON, J. M.; BYRNE, B.; GLICKMAN, G.; GERNER, E.; ROLLAG, M. D. Action spectrum for melatonin regulation in humans: evidence for a novel circadian photoreceptor. The Journal of Neuroscience, v.21, n.16, p. 6405–6412, 2001.
BRAINARD, G. C.; PROVENCIO, I. Photoreception for the neurobehavioral effects of light in humans. In: CIE 2006 - Light and Health: Non-Visual Effects. Proceedings. Ottawa: CIE, 2006, p.6-21.
CAJOCHEN, C.; ZEITZER, J.; CZEISLER, C.; DIJK, D. Dose-response relationship for light intensity and ocular and electroencephalographic correlates of human alertness. Behavioural Brain Research, v.115, n.1, p.75-83, 2000.
Commision Internationale de LÉclairage (CIE). Light and Health: Non-Visual Effects. Vienna: CIE, 2004.
. Light and Health: Non-Visual Effects. Ottawa: CIE, 2006.
FIGUEIRO, M. G. Lessons from the Daysimeter: can circadian disruption in individuals with alzheimer’s disease be measured? Neurodegenerative Disease Management, v.2, n.6, p.553-556, 2012.
FIGUEIRO, M. G.; BIERMAN, A.; HIGGINS, P.; HORNICK, T.; REA, M. S. The Dimesimeter: a user-friendly circadian light meter. Lighting Research Center, 2010. Disponível em: <http://www.lrc.rpi.edu/programs/lightHealth/pdf/mHealth_DimesimeterPoster.pdf> Acesso em mar, 2013.
FIGUEIRO, M. G.; HAMMER, R.; BIERMAN, A.; REA, M. S. Comparisons of three practical field devices used to measure personal light exposures and activity levels. Lighting Research & Technology, v.0, p.1-14, 2012.
FIGUEIRO, M. G.; PLITNICK, B. Light and productivity. Examining how light impacts teenagers' sleeping habits. Architectural Lighting, 2010. Disponível em: <http://www.archlighting.com/research/light-and-productivity_1.aspx> Acesso em mar, 2013.
ARTIGO 07
Título
ILUMINAÇÃO AO NÍVEL DOS OLHOS E SAÚDE HUMANA. ESTADO DA ARTE
Autores
Maíra Vieira Dias (1); Paulo Sergio Scarazzato (2); Edson Moschim (3)
Palavras-chave
iluminação, saúde, sistema visual, dispositivos de medição.
Ano
2013
Evento
XXII ENCAC Encontro nacional de Conforto no Ambiente Construido (anual, Nacional)
VIII ELACAC Encontro Latinoamericano de Conforto no Ambiente Contruido (anual, Nacional)
Acesso
http://www.encac2013.unb.br/

Referência
DIAS, Maíra Vieira; SCARAZZATO,Paulo Sergio, ILUMINAÇÃO AO NÍVEL DOS OLHOS E SAÚDE HUMANA. ESTADO DA ARTE. In: XII ENCAC , 2013, Brasília.

ILUMINAÇÃO AO NÍVEL DOS OLHOS E SAÚDE HUMANA. ESTADO DA ARTE
RESUMO
Embora a luz e suas influências venham sendo estudadas há muito tempo, são recentes as pesquisas que abordam seu impacto na saúde. Na década de 80, a comprovação científica da ligação entre doenças depressivas e a privação à luz deixou clara a existência de outros efeitos não visuais da luz. Grande salto foi dado pela CIE que em 2004 e 2006, promoveu simpósios com divulgação do extenso trabalho até então realizado para compreender como a luz interfere no metabolismo humano e em sua psique. Mesmo as pesquisas demonstrando o impacto da luz na saúde, ainda há muito a aprender, principalmente sobre seus efeitos no sistema visual. Maiores índices de iluminância nos olhos podem aumentar a atividade, o estado de alerta e o bem-estar. Entretanto, pesquisas demonstram que apenas a iluminância vertical próxima ao olho vem sendo medida, enquanto o campo de visão e o movimento da cabeça são ignorados. Este trabalho traz o estado da arte referente a dispositivos de medição utilizados atualmente para avaliar como a luz influencia a saúde humana. Seu objetivo é suscitar a promoção de discussões e reflexões em uma área de investigação ainda muito pouco explorada nos meios técnico e acadêmico brasileiros.
ILUMINAÇÃO AO NÍVEL DOS OLHOS E SAÚDE HUMANA. ESTADO DA ARTE

Apreciação crítica e contribuições para o trabalho
De caráter assumidamente panorâmico, o estudo tangencia – conforme explicitado no texto – vários temas recorrentes nos estudos sobre a arquitetura moderna brasileira: situação existente; similitudes e afastamentos entre produções locais e padrões hegemônicos; contribuições individuais ou acréscimos locais; recepção fora dos principais centros.
Dentre as informações relevantes para a pesquisa, destaca-se a constatação de que “a arquitetura moderna encontrou receptividade quase instantânea em virtualmente todas as áreas da cidade”, além da definição de 03 etapas de seu desenvolvimento.
Na primeira, define 03 “conjuntos de acontecimentos” importantes para introdução do modernismo no RN, entre ao quais figura a atuação de profissionais engenheiros e práticos que “buscavam imprimir uma marca inovadora em suas construções”. Milton Dantas de Medeiros está entre os “inovadores da casa”. Além disso, compila informações sobre a produção de arquitetos “de fora” e dos primeiros “nativos”, evidenciando possíveis trânsitos de ideias. Traz, ainda, um registro do chamado “modernismo vernáculo”, que “clama por uma sistematização taxonômica”.

ILUMINAÇÃO AO NÍVEL DOS OLHOS E SAÚDE HUMANA. ESTADO DA ARTE
AVALIAÇÃO DA ILUMINAÇÃO NATURAL DE SALAS DE AULA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - RS
Raquel B. Mansilha; Marina Simon;
Taís T. Finamor; Giane de C. Grigoletti.
XXII ENCAC
2013
1
ARQUITETURA ESCOLAR: AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE ILUMINÂNCIA E SIMULAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO IDEAL EM ESCOLAS PÚBLICAS DE ÁLVARES MACHADO - SP
Victor Martins de Aguiar;
Carolina Lotufo Bueno-Bartholomei.
XXII ENCAC
2013
ANÁLISE COMPARATIVA DAS ILUMINÂNCIAS ENTRE UM SISTEMA INTEGRADO DE TUBO DE LUZ SOLAR + JANELA E UMA JANELA EM UM AMBIENTE DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL
Gandhi Escajadillo Toledo;
Alexandre Vieira Pelegrini.
XXII ENCAC
2013
Análise da iluminação natural em salas de aula da Universidade federal do Piauí.
Danniela Christine F. D. Lima;
Ana Lúcia R. C. da Silveira.
XXII ENCAC
2013
2
3
4
O AMBIENTE ESCOLAR E O CONFORTO LUMÍNICO: AVALIAÇÃO EM ESCOLAS PÚBLICAS DE PRESIDENTE PRUDENTE - SP
5
6
Yasmin Santos Gomes Fervença;
Carolina Lotufo Bueno Bartholomei.
XXII ENCAC
2013
2013
XXII ENCAC
A INFLUÊNCIA DAS DIMENSÕES DE ABERTURAS NA DISTRIBUIÇÃO DA LUZ NATURAL EM UM DORMITÓRIO COM BASE NOS PARÂMETROS DO (RTQ-R): ESTUDO REALIZADO NA CIDADE DE MACEIÓ/AL
Daniela Torres;
Thamires Adelino.
XXII ENCAC
2013
6
ILUMINAÇÃO AO NÍVEL DOS OLHOS E SAÚDE HUMANA. ESTADO DA ARTE
Maíra Vieira Dias;
Paulo Sergio Scarazzato;
Edson Moschi.
Seminário de Dissertação I
MÓDULO 02 – Anais de eventos e artigos de revistas

Referências de interesse:

ABNT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 5413: Iluminância de interiores. Rio de Janeiro, 1992.
_____. NBR 5382: Verificação de iluminância de interiores. Rio de Janeiro, 1985.
BERNARDI, Núbia. Avaliação da interferência comportamental do usuário para a melhoria do conforto ambiental em
espaços escolares: estudo de caso em Campinas – SP. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Engenharia Civil,
UNICAMP, Campinas, 2001.
CORBELLA, Oscar Daniel; YANNAS, Simos. Em busca de uma arquitetura sustentável para os trópicos. Rio de Janeiro:
Revan, 2003.
COUTINHO FILHO, E. F.; SILVA, Edlaine Correia Sinézio da; SILVA, L. B.; COUTINHO, A. S. Avaliação do conforto
ambiental em uma escola municipal de João Pessoa. João Pessoa, 2007.
FARIAS, Patrícia Marins. Condições do ambiente de trabalho do professor: avaliação em uma escola municipal de Salvador –
Bahia. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Medicina, UFBA, Salvador, 2009.
GEMELLI, Carolina Silveira Barlem. Avaliação de conforto térmico, acústico e lumínico de edificação escolar com estratégias
sustentáveis e bioclimáticas: o caso da Escola Municipal de Ensino Fundamental Frei Pacífico. Dissertação de
Mestrado, Escola de Engenharia, UFRGS, Porto Alegre, 2009.
HIRAO, Hélio; RIBEIRO, Eliana Nunes; MARQUES, Cristiana A. Pasquini F. Arquitetura Escolar Moderna Paulista: o projeto
de João Clodomiro de Abreu para Presidente Prudente – SP, apropriação sócioespacial, uso e preservação. Disponível
em: <http://pt.scribd.com/doc/58648340/Arquitetura-Escolar-Moderna-Paulista>. Acesso em: 28 de julho de 2012.
KOWALTOWSKI, Doris C. C. K. Arquitetura escolar: o projeto do ambiente de ensino. São Paulo: Oficina de Textos, 2011.
LIMA, Mariana Regina Coimbra de. Percepção Visual Aplicada à Arquitetura e à Iluminação. 1. ed., Rio de Janeiro: Ciência
Moderna, 2010.
MARTAU, B.T. A luz além da visão: iluminação e sua relação com a saúde e bem-estar de funcionárias de lojas de rua e
shopping centers em Porto Alegre. Tese de Doutorado, Faculdade de Engenharia Civil, UNICAMP, Campinas, 2009.
SOUZA, Ellen Priscila Nunes de. Qualidade da iluminação: influências e impactos na saúde do ser humano. Juiz de Fora, 2012. In:
ENTAC 2012 – XIV Encontro Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído. Anais... Juiz de Fora, 2012, CD-ROM.

Full transcript