Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Trabalho sobre a Embraer

No description
by

Ana Claudia

on 23 March 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Trabalho sobre a Embraer

Embraer
Este trabalho tem como objetivo apresentar a história da Embraer – Empresa Brasileira de Aeronáutica S.A.
A Embraer é uma empresa líder na fabricação de jatos comerciais de até 120 assentos e uma das maiores exportadoras brasileiras. Será descrito o histórico da empresa; seus pontos fortes e fracos; histórico e perspectivas sobre o mercado em que atua.

Introdução
ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA II
EMBRAER – LÍDER MUNDIAL NA FABRICAÇÃO DE PEQUENOS JATOS
ANA CLAUDIA

ANA PAULA

DANIELE LOPES

GABRIEL FACURY

MARLON SILVA

SILVIA DAMASCENO

Histórico da empresa

Em 19 de agosto de 1969 foi criada a Embraer – Empresa Brasileira de Aeronáutica S.A., companhia de capital misto e controle estatal. Com o apoio do Governo Brasileiro, a Empresa foi fundada com intuito transformar ciência e tecnologia em engenharia e capacidade industrial
.



A posse da primeira diretoria da Embraer demarcou o início de operação da Empresa. A construção dos prédios foi iniciada numa área ao lado do campus do então Centro Técnico de Aeronáutica (CTA), em São José dos Campos (SP).
As primeiras instalações e hangares foram erguidos junto à pista de pouso, onde hoje se localiza o aeroporto da cidade.
O segundo protótipo do Bandeirante, com fuselagem alongada, motores mais potentes e pintado com as cores da Força Aérea Brasileira (FAB).
O terceiro protótipo do Bandeirante foi posteriormente vendido à comissão Nacional de Atividades Espaciais, hoje Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), que o utilizou em missões de sensoriamento remoto. Hoje esse avião está exposto no Parque Santos Dumont, em São José dos Campos (SP). Um quarto protótipo foi produzido para ensaios estruturais
.
O Xavante foi o terceiro modelo a entrar em produção na Embraer. O jato desenvolvido pela empresa italiana Aermacchi MC 326 foi selecionado para atender às demandas da FAB, mas deveria ser montado no Brasil, inicialmente a partir de kits importados e depois com produção nacionalizada.
Outros desenvolvimentos que marcaram o início das atividades da Embraer foram o planador de alto desempenho EMB 400 Urupema e a aeronave agrícola EMB 200 Ipanema.
Atendendo à demanda por aeronaves maiores e tecnologicamente mais avançadas que os turboélices, a Embraer começou a desenvolver o EMB 145 (atualmente nomeado de ERJ 145), aeronave para 50 passageiros que seria o primeiro avião a jato produzido pela Embraer

Devido às mudanças macroeconômicas mundiais e nacionais, a Embraer enfrentou uma crise sem precedentes, que obrigou à redução significativa do quadro de empregados, entre outras providências emergenciais.
Década de 90
Década de 80
A Embraer foi privatizada e as instituições financeiras Cia Bozano Simonsen, Wasserstein e Perella adquiriram a participação majoritária da empresa, juntamente com os fundos de pensão PREVI e SISTEL. Em abril de 1996, o grupo Wasserstein e Perella decidiram encerrar sua presença na estrutura societária da Embraer e sua participação foi comprada pelo Grupo Bozano.

O CBA 123 fez seu primeiro voo, durante a Feira Internacional de Farnborough, na Inglaterra. No dia 30, a aeronave foi apresentada em cerimônia na presença do presidente do Brasil, Fernando Collor de Melo e do presidente da Argentina, Carlos Menen, além de muitas autoridades, clientes, parceiros, colaboradores e jornalistas da imprensa nacional e internacional. A aeronave, porém, tecnologicamente muito avançada, tinha custo elevado e as vendas não se confirmaram, impedindo a continuidade do programa.

Em 2000
Entre 1999 e 2000 a Embraer integrou os estudos iniciais da participação brasileira no projeto da Estação Espacial Internacional (International Space Station – ISS), por meio de um contrato com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).
O Centro de Realidade Virtual (CRV) permite a projeção de imagens tridimensionais dos aviões em tempo real, possibilitando que sejam examinados todos os detalhes de uma aeronave em fase de projeto, do conforto das cadeiras à resposta dos comandos.
O sucesso da família ERJ 145 no mercado internacional projetou ainda mais o nome da Embraer, levando a empresa a lançar ações nas bolsas de valores de São Paulo (Bovespa) e Nova York (Nyse).
A Embraer entregou o primeiro jato EMBRAER 195 à Azul Linhas Aéreas Brasileiras, que passou a ser a primeira companhia aérea a operar os E-Jets no Brasil.
Em parceria com a Boeing e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), a Embraer anunciou o financiamento de um estudo de viabilidade de combustíveis a base de cana-de-açúcar para abastecimento aviões, previsto para ser concluído em 2012.
Três empresas líderes da indústria aeronáutica mundial, Embraer, Boeing e Airbus, assinaram um acordo que visa apoiar, promover e acelerar a disponibilidade de novas fontes sustentáveis de combustível para a aviação, a partir da cooperação com governos, produtores e outros stakeholders.
A Embraer e a Telecomunicações Brasileira SA (Telebras) assinaram acordo de acionistas para constituição da Visiona Tecnologia Espacial SA, sendo a Embraer acionista majoritária. Com sede no Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP), o objetivo da empresa é atuar no Satélite Geoestacionário Brasileiro que atenderá as necessidades de comunicação via satélite do Governo Federal, incluindo o programa nacional de Banda Larga e ações estratégicas ligadas à defesa.
A milésima aeronave da família E-Jet, um jato E175, foi entregue na sede da Embraer em São José dos Campos (SP) à Republica Airlines, empresa que opera nas cores da Companhia American Eagle.
A BM&FBOVESPA anunciou a inclusão da Embraer na nona carteira do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE), juntamente com outras 39 empresas.
Petrobrás e Embraer assinaram protocolo para avaliar confiabialidade de sistemas críticos da produção de petróleo e gás.
Entre os vários pontos fortes da EMBRAER podemos destacar:
Possui um Programa de Especialização em Engenharia;

A Embraer é a quarta maior fabricante mundial de aeronaves;

Assistência técnica – presente nos cinco continentes com eficiências superiores a 99%;

Consistente plano de carreira, consideradas umas das melhores empresas para se trabalhar, com grande índice de satisfação de seus funcionários.
Os pontos fracos da EMBRAER:
Maioria de seus clientes situa-se nos Estados Unidos e na Europa e, seus fornecedores também;

Falta de credibilidade do Brasil no mundo, o que pode desfavorecer os produtos da Embraer;

Adaptação e melhorias no desenvolvimento tecnológico, aplicando políticas industriais transparentes, esforços para a estruturação de fábricas, condições comerciais equitativas. Tudo isso precisa ser feito com negociações multilaterais;

Barreiras técnicas - exigências de certificados de qualidade e medidas conforme a legislação dos países importadores.

Mercado de atuação
Embraer é hoje uma das maiores empresas aeroespaciais do mundo, posição alcançada graças à busca permanente e determinada da plena satisfação de seus clientes.

A Embraer projeta, desenvolve, fabrica e vende aeronaves e sistemas para os segmentos de Aviação Comercial, Aviação Executiva e Defesa & Segurança. Também fornece suporte e serviços de pós-vendas a clientes em todo o mundo.
Perspectivas da empresa
Com uma receita líquida de R$ 12,2 bilhões (US$ 6,1 bilhões) em 2012, passou à quarta posição mundial no setor, abaixo da principal concorrente, canadense Bombardier (que encerrou 2012 com um faturamento de US$8,6 bilhões), da Airbus e da Boeing. Essa queda para a quarta posição foi uma decisão estratégica da empresa, que optou por reduzir a atuação no mercado de aeronaves comerciais (onde há maior concorrência internacional) e ampliar seu mercado na linha executiva e defesa. Essa mudança de estratégia levou a Embraer a ser, em 2012, a empresa que mais cresceu, entre as maiores exportadoras brasileiras (17,6% em relação a 2011).
EMBRAER integra o índice DowJones de sustentabilidade 2014/2015
Pelo quinto ano consecutivo, a Embraer integra o Índice Dow Jones de Sustentabilidade (Dow Jones Sustainability Index – DJSI World 2014/2015). Com base na análise de desempenho dos pilares de sustentabilidade, o DJSI lista as empresas que se destacam por suas práticas de gestão social, ambiental e econômica.

A permanência no índice reflete o compromisso da Embraer com as boas práticas de gestão corporativa e o desenvolvimento sustentável.
Perspectivas de mercado
O mercado de aviação regional da China será responsável por 15% das entregas mundiais de jatos de 61 a 120 assentos nos próximos 20 anos. Em coletiva de imprensa realizada na China, durante a 9ª Exposição Internacional de Aviação & Aeroespacial da China, em Zhuhai, na Província de Guangdong, a Embraer divulgou suas perspectivas de longo prazo com foco neste mercado.
EMBRAER E REPUBLIC AIRWAYS HOLDINGS assinam contrato
A Embraer S.A. e a Republic Airways Holdings Inc., operadora com a maior frota de E-Jets do mundo, anunciaram um contrato firme para 50 jatos E175. O valor dos pedidos firmes, que estarão incluídos na carteira de pedidos da Embraer do terceiro trimestre de 2014, é estimado em USD 2,1 bilhões, com base nos preços de lista de 2014. As aeronaves serão operadas pela United Airlines com a marca United Express. As entregas estão programadas para começar no terceiro trimestre de 2015 se estendendo até 2017.
Curiosidade

Em dezembro de 1978, o Ministério da Aeronáutica encomendou à Embraer um novo avião de treinamento. Dentro do que havia de mais moderno nessa categoria, precisava-se que fosse uma aeronave turboélice fácil e barata de operar, mas com um padrão “de jato” para a instrução de pilotos – podendo assim inclusive substituir treinadores a jato como os Cessna T-37. A resposta de São José dos Campos veio extremamente rápida – em 16 de setembro de 1980 realizava seu primeiro vôo o protótipo do EMB-312.
A produção teve início em 1982, para atender um pedido inicial da FAB de 118 aeronaves e os primeiros exemplares da série começaram a ser entregues em setembro do ano seguinte. O novo avião atendia pelo nome de Embraer T-27 Tucano.
Talvez ninguém na Embraer suspeitasse disso em 1982, mas pela primeira vez na história a indústria brasileira gerara um “vencedor” completo – um avião que, em sua categoria, era simplesmente o melhor do mundo.

Referências Bibliograficas


www.embraer.com.br
www.args.com.br/galeria.asp
www.exame.abril.com.br





Década de 70
Década de 60
Embraer T-27 Tucano - O vencedor completo
2010 á 2014
Full transcript