Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Substantivo

No description
by

Maria Luiza Alves

on 21 September 2017

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Substantivo

Lições 24 e 25. Substantivo e Flexão de Número e Grau dos Substantivos
Assim, vejamos a formação do plural dos substantivos em nossa língua:
Grau do Substantivo
Grau é a categoria que serve para indicar, no substantivo, proporção maior ou menor em relação a um ponto de referência. Assim, além do grau normal, o substantivo admite os graus aumentativo e diminutivo.

Exemplo:
casarão > casa > casinha
Flexão de Número
O número, assim como o gênero, é uma categoria gramatical e indica se o substantivo está no singular ou no plural. De modo geral, o número é marcado pela presença da desinência
s
(para o plural), como em
alunos, planetas,
ou pela ausência da desinência
s
(para o singular), como em
aluno, planeta.
Há, entretanto, casos em que o acréscimo do
s
acarreta alterações e acomodações fonéticas. Por exemplo, se levarmos em conta essa regra, o plural de "mar" seria "mars", mas, como isso não é possível, há o acréscimo da vogal temática
e
:
mares
.
Flexão
O substantivo flexiona-se em
gênero
(masculino ou feminino) e em
número
(singular ou plural).
Plural dos substantivos compostos
O que é um substantivo?
É a classe de palavras que ‘nomeia o mundo’ (seres, coisas e ideias). Morfologicamente, assume a flexão de gênero e de número e, sintaticamente, a posição de núcleo em relação a outras palavras.
Podemos classificar um substantivo quanto a sua designação genérica ou específica (
comum/próprio
) e a sua existência (
concreto/abstrato
):

Comum:
designa seres de uma espécie de forma genérica, como
casa, felicidade, mesa, chão, aluno, país etc
.

Próprio:
designa um ser específico dentro de um conjunto, como
Pedro, Minas Gerais, França etc.

Concreto:
designa seres propriamente ditos (pessoas, objetos, lugares), independentemente de sua existência real, como
fada, saci, mesa, cadeira etc.

Abstrato:
designa qualidades, ações, ou estados. São coisas que não existem por si, existem sempre em função de alguém (só existe feiura porque alguém é feio), como
beleza, honra, sofrimento etc.
Classificação
O substantivo coletivo é um tipo de substantivo comum. Designa, no singular, um conjunto de seres da mesma espécie.
Quanto à formação, podemos classificar um substantivo em:

Simples:
formado por um único elemento, como
casa, mesa, livro etc.

Composto:
formado por mais de um elemento, como
arco-íris, aguardente, couve-flor etc.

Primitivo:
serve de base para a formação de outros substantivos, como
rosa, pedra, mar etc.

Derivado:
é formado a partir de um substantivo primitivo, como
roseiral (de rosa), pedreiro (de pedra).
Classificação
Flexão de Gênero
O gênero é uma categoria gramatical que indica se o substantivo é masculino ou feminino. O feminino, no Português, é marcado, em geral, pela desinência
a
e o masculino, pela ausência da desinência
a
.
Em nossa língua, temos os substantivos que apresentam duas formas

(substantivos biformes)
de flexão em gênero, uma para o masculino e outra para o feminino, e outros que apresentam uma única forma
(substantivos uniformes)
.
Os substantivos biformes podem ocorrer de duas formas:

a.
Mesmo radical tanto para o masculino quanto para o feminino. Dessa forma, a flexão é indicada pela desinência:

menino – menin
a
aluno – alun
a

b.
Radical diferente:

bode - cabra
cavalo – égua
genro – nora
comadre – compadre
cão – cadela
carneiro - ovelha
a.
Substantivo comum de dois gêneros –
é aquele que apresenta uma forma só para os dois gêneros, sendo que a distinção é feita por meio de artigo, pronome ou outra palavra que esteja acompanhando o substantivo:

o
dentista –
a
dentista
aquele
estudante –
aquela
estudante
um
jovem –
uma
jovem
imigrante
italiano
– imigrante
italiana
Os substantivos uniformes podem ocorrer de três formas:
b.

Substantivo sobrecomum –
é aquele que apresenta um só gênero, apesar de designar pessoas ou animais do sexo masculino ou feminino:

a criança (menino ou menina)
a testemunha (homem ou mulher)
a vítima (homem ou mulher)
o cônjuge (esposo ou esposa)
o apóstolo (homem ou mulher)
o carrasco (homem ou mulher)
c.

Substantivo epiceno –
é aquele que designa animais e que possui uma só forma tanto para o sexo masculino como para o feminino. Para distinguir, então, utilizamos as palavras
macho
e
fêmea
:

borboleta macho – borboleta fêmea
cobra macho – cobra fêmea
jacaré macho – jacaré fêmea

Há casos em que a oposição de gênero acarreta mudança de significado da palavra:

o cabeça (chefe, líder) - a cabeça (parte do corpo)
o capital (conjunto de bens) - a capital (cidade onde se localiza a sede do Poder Executivo)
o crisma (óleo usado num dos sacramentos religiosos) - a crisma (cerimônia religiosa)
o cura (sacerdote) - a cura (ato ou efeito de curar)
o língua (intérprete) - a língua (músculo do aparelho digestivo; idioma)
o moral (ânimo, brio) - a moral (conjunto de valores e regras de comportamento)
o polícia (homem que pertence à corporação policial) – a polícia (a própria corporação oficial)
Há alguns substantivos que podem suscitar dúvidas quanto ao gênero:
1.
Substantivos terminados em vogal, ditongo, ditongo nasal ãe e ditongo nasal ão, átono – Acrescenta-se a desinência
s
.

Exemplos:

cama – camas
relógio – relógios
mãe – mães
órgão – órgãos; órfão - órfãos
2.
Substantivos terminados em
ão
, tônico – Acrescenta-se o
s
de três formas:

ãos
, sem acomodação alguma. Exemplos: chão – chãos; cristão – cristãos; pagão – pagãos; cidadão – cidadãos;

ões
, com alteração de
ão
para
õe
. Exemplos: falcão – falcões; espião – espiões;

ães
, com alteração de
ão
para
ãe
. Exemplos: cão – cães; pão – pães; capitão – capitães; escrivão – escrivães.
Observação 1:
Há substantivos terminados em
ão
que admitem mais de um plural.
Exemplos:
faisão – faisões ou faisães; sultão – sultãos, sultões ou sultães.
3.
Substantivos terminados em
l

a.
Substantivos terminados em
l
, precedido de
a, e, o, u
(–al, -el, -ol, -ul) – Acrescenta-se
is
.

Exemplos:

canal – canais; metal – metais;
pastel – pastéis; anel – anéis; túnel – tuneis; corcel – corcéis;
móvel – móveis; fusível – fusíveis;
anzol – anzóis; álcool – alcoóis; sol – sóis; paiol – paióis;
paul – pauis.
Observação 2:
Os aumentativos fazem plural em
–ões
: salsichões, casarões, espertalhões etc.
Observação 1:
Com certos substantivos desse grupo, o
l
permanece e a vogal temática é
e
.

Exemplos:

cônsul – cônsules;
mal – males.

Observação 2:
Certos substantivos desse grupo admitem as duas formas de plural descritas acima.

Exemplos:

aval – avais ou avales;
mel – méis ou meles;
fel – féis ou feles.
b.
Substantivos terminados em
l
, precedido de
i
(il):

• Nas palavras oxítonas, acrescenta-se o
s
e há a queda do
l
.

Exemplos:

barril – barris;
anil – anis;
funil – funis;
esmeril – esmeris.

• Nas palavras paroxítonas, acrescenta-se o
s
e o
il
transforma-se em
eis
.

Exemplo:
fóssil – fósseis.
4.
Substantivos terminados em
m
– Acrescenta-se o
s
, alterando o
m
por
n
.

Exemplos:

homem – homens;
jovem – jovens;
álbum – álbuns;
item – itens.

Observação: totem
admite dois plurais:
totens
e
tótemes
.
5.
Substantivos terminados em
n
– Acrescenta-se o
s
.

Exemplos:
hífen – hifens; pólen – polens.

Observação 1:

Cânon
faz o plural
cânones
.

Observação 2:
O dicionário registra as seguintes formas variantes: abdome (plural abdomes) – abdômen (plural abdomens); germe (plural germes) – gérmen (plural germens); espécime (plural espécimes) – espécimen (plural espécimens).
6.
Substantivos terminados em
r, s, z
– Acrescenta-se o
s
, surgindo, assim, a vogal temática
e
.

Exemplos:

colher – colheres; pomar – pomares; assessor – assessores;
deus – deuses; obus – obuses;
giz – gizes; raiz – raízes.
7.
Substantivos terminados em
x
– Ficam invariáveis.

Exemplo:
o tórax – os tórax.
Observação
: Fica invariável a palavra não oxítona terminada em
s
.

Exemplos:
o ônibus, os ônibus; o lápis, os lápis.

Já na palavra oxítona terminada em
s
, acrescenta-se
es
.

Exemplos
: país – países; japonês – japoneses.
Há certos substantivos em que a vogal tônica
ô
(fechada) transforma-se em
ó
(aberta) na passagem para o plural. Essa alteração do timbre da vogal é chamada de
metafonia
, por isso se diz que tais plurais se fazem por metafonia.

Exemplos:

coro – coros
ovo – ovos
avô – avós
porco – porcos
osso – ossos
miolo – miolos
Plural com metafonia

Certos substantivos, na passagem para o plural, deslocam o acento tônico de uma vogal para outra.

Exemplo:
caráter (
a
tônico) – caracteres (
e
tônico)

Plural com deslocamento da sílaba tônica
Certos substantivos só ocorrem na forma plural:

férias
exéquias
costas
núpcias
víveres
pêsames
afazeres
idos
Substantivos só de forma plural
a.
Seguem a norma geral os substantivos compostos que se escrevem sem hífen:

Exemplos:
aguardentes, claraboias, lobisomens, malmequeres, pontapés, vaivens.
b.
Varia apenas o segundo elemento nos compostos de:

palavra invariável + palavra variável:
sempre-viva, sempre-vivas; abaixo-assinado, abaixo-assinados;

verbo + substantivo:
beija-flor, beija-flores; quebra-mar, quebra-mares;

grão ou grã + substantivo:
grão-duque, grão-duques; grã-cruz, grã-cruzes;

palavras repetidas:
tico-tico, tico-ticos

Também se pluralizam dessa maneira os nomes de rezas: padre-nosso, padre-nossos; ave-maria, ave-marias.
c.
Varia somente o primeiro elemento nos compostos de substantivos unidos por preposição: pé de moleque, pés de moleque; beijo-de-moça (espécie de planta), beijos-de-moça; mula sem cabeça, mulas sem cabeça.

d.
Variam ambos os elementos nos compostos de

substantivo + substantivo:
carta-bilhete, cartas-bilhetes; cirurgião-dentista, cirurgiões-dentistas;

substantivo + adjetivo:
fogo-fátuo, fogos-fátuos; amor-perfeito, amores-perfeitos;

adjetivo + substantivo:
pública-forma, públicas-formas; segunda-feira, segundas-feiras.
e.
Varia só o primeiro elemento em compostos formados por dois substantivos, em que o segundo indica tipo ou finalidade do primeiro.

Exemplos:
banana-maçã, bananas-maçã; caneta-tinteiro, canetas-tinteiro; saia-balão, saias-balão; cavalo-vapor, cavalos-vapor.

Observação:
Conforme a tradição, o plural de
guarda-marinha
é
guardas-marinha
, mas, atualmente, usa-se também
guardas-marinhas
.
f.
Variam ambos os termos ou só o segundo em compostos formados por verbos que se repetem.
Exemplos:
corre-corre, corres-corres/corre-corres; pega-pega, pegas-pegas/pega-pegas.

Observação:
Quando o segundo verbo for oposto do primeiro, fica invariável a palavra. Exemplos: os perde-ganha, os leva e traz.

g.
Não variam os compostos cujo segundo elemento já está no plural.
Exemplos:
os troca-tintas, os salta-pocinhas, os espirra-canivetes.

São invariáveis: os bota-fora, os pisa-mansinho, os bota-abaixo, os louva-a-Deus.
Formação do grau
No substantivo, o grau pode ser indicado por dois processos:

• processo sintético, em que se acrescenta à forma normal sufixos.

Exemplos:

menino + inho – menininho (diminutivo)
menino + ão – meninão (aumentativo)

• processo analítico, em que se associa à forma normal adjetivos quantificadores.

Exemplos:

menino – menino grande (aumentativo analítico)
menino – menino pequeno (diminutivo analítico)
Usamos muito o processo sintético para expressar uma carga afetiva ou pejorativa.

Exemplos:

Que provinha, ein?!
Você é uma amigona.
Plural dos diminutivos com sufixos iniciados por z
Para formar o plural de um substantivo em grau diminutivo, acrescenta-se o sufixo diminutivo plural (
zinhos, zitos
) à forma plural dos substantivos em grau normal (colheres, animais).

Exemplos:

colherzinha – colheres + zinhas = colherzinhas
animalzinho – animais + zinho = animaizinhos
coraçãozinho – corações + zinhos = coraçõezinhos

O
s
de plural fica assimilado pelo
z
.

Referências Bibliográficas
DE NICOLA, José; INFANTE, Ulisses.
Gramática contemporânea da língua portuguesa
. São Paulo: Scipicione, 1997.

LIMA, Rocha.
Gramática normativa da língua portuguesa
. 48 ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2010.

SAVIOLI, Francisco Platão.
Gramática em 44 lições:
com mais de 1700 exercícios. 10 ed. São Paulo: Ática, 1986.
Full transcript