Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Hjelmslev

No description
by

Alessandra Campos

on 27 November 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Hjelmslev

Hjelmslev
Alessandra Campos
Karine Neumann

Louis Hjelmslev
03/08/1899 – 30/05/1965

Glossemática
Nasceu e faleceu em Copenhague
Estudos de Filologia Comparada
Criador da Teoria Glossemática

1931 – Fundou o Círculo Linguístico de Copenhague
1937 – Tornou-se professor titular de Linguística comparada na Universidade de Copenhague
1939 – Fundou o jornal Acta Linguística
1943 – Publicou seu livro mais conhecido “Prolegômenos a Uma Teoria da Linguagem”

Plano de expressão e Plano de conteúdo
Eixo paradigmático e Eixo sintagmático

Semiótica Denotativa, Semiótica Conotativa e Metassemiótica

Semiótica Denotativa Semiótica Conotativa e Metassemiótica
Estratificação
Imanência
Imanência e Transcendência

Imanência e Interpretação

Glossemática
Teoria semiótica fundada por Louis Hjelsmlev e seu amigo Hans Huldall;
Consiste num dispositivo teórico-metodológico desenvolvido com o objetivo de descrever as relações entre os signos ou entre os elementos dos signos;
Utiliza como objeto de estudo de sua teoria a língua (sistema) e o texto (processo);
Glossema = forma mínima da análise linguística que possui significado, variante irredutível;
Considera a língua uma forma pura e auto-suficiente;
A língua é um ente formal autônomo constituído por uma série de dependências (funções) internas entre elementos de diferentes níveis linguísticos.

Plano de Expressão e Plano de Conteúdo
A linguagem consiste em um conteúdo (significado) e uma expressão (significante), ou seja, a linguagem é sempre vista como forma (manifestada) e substância (manifestante);
Manifestações da língua: fala, escrita, código Morse, sinalizações -> o que permanece inalterada é a estrutura da língua;
Plano de expressão se desdobra em dois estratos: forma de expressão e substância de expressão;
Plano de conteúdo também se desdobra em dois estratos: forma de conteúdo e substância de conteúdo;
“A expressão só é expressão porque é expressão de um conteúdo e o conteúdo só é conteúdo porque é conteúdo de uma expressão”.
Plano de Expressão
O plano de expressão da palavra avião:

– A forma de expressão pode ser representada fonologicamente. É o recorte gráfico da impressão sonora da palavra avião, que, por sua vez, faz parte do sistema fonológico da língua.

– A substância de expressão, nesse caso, é o som, que se manifesta na pronúncia dos fonemas da palavra avião. A substância de expressão é a manifestação quantificável da linguagem.
Plano de Conteúdo
O plano de conteúdo da palavra avião:

– A forma do conteúdo é a noção de avião (jato, planador, boeing etc.), que também é transmitida pelas formas da expressão avion (francês) e airplane (inglês).

– A substância do conteúdo é o conceito, que é materializado pelo sistema linguístico. No caso de avião, a substância é o conceito de “meio de transporte aéreo”, que se organiza com sentido estável na forma do conteúdo.

Uma língua pode ser definida como uma paradigmática na qual os paradigmas manifestam-se por todos os sentidos, e um texto pode ser definido de maneira análoga como uma sintagmática cujas cadeias são manifestadas por todos os sentidos. [...] Na prática, uma língua é uma semiótica na qual todas as outras semióticas podem ser traduzidas, tanto todas as outras línguas quanto todas as estruturas semióticas concebíveis. Essa traduzibilidade resulta do fato de que as línguas, e apenas elas, são capazes de formar qualquer sentido [...]. (ibid., p. 137-138)
Eixo sintagmático (processo):
das combinações possíveis no processo (e...e) ;
Eixo paradigmático (sistema):
das seleções possíveis no sistema (ou...ou).
Ex.: O menino joga bola.

Semiótica denotativa: semiótica em que nenhum dos planos é uma semiótica, ou seja, semiótica que opera com um plano de expressão e um plano do conteúdo.

Semiótica conotativa: semiótica cujo plano de expressão é uma semiótica. “É uma semiótica que não é uma língua e cujo plano de expressão é constituído pelos planos de conteúdo e de expressão de uma semiótica denotativa” (Hjelmslev 1975: 125);
Ex.: olho-de-gato

Metassemiótica: semiótica cujo plano de conteúdo é uma semiótica. A metassemiótica é uma semiótica que trata de uma semiótica, ou seja, uma semiótica cujo plano de conteúdo é uma semiótica. A lingüística é uma metassemiótica. Metassemiótica pode ser tratada como uma semiótica por outra metassemiótica e assim sucessivamente. Desse modo, a teoria semiótica é uma metassemiótica (Hjelmslev 1975: 126).

Eixo paradigmático e Eixo sintagmático
Glossemática
Existem dois tipos de glossemas: os cenemas (fonemas) e os pleremas (morfemas), que formam a unidade maior: o texto. O estudo dessas unidades mínimas de glossemas são a Cenemática e a Pleremática;

Hjelmslev catalogou 3 tipos de funções:
1 - De determinação (subordinação): função entre uma constante e uma variável. Ex.: Maria comprou uma boneca que fala.
2 - De interdependência : função entre duas constantes. Ex.: saca-rolhas.
3 - De constelação (coordenação): função entre duas variáveis. Ex.: João canta e Beatriz dança
Plano de expressão
O plano de expressão da palavra avião:
– A forma de expressão pode ser representada
fonologicamente. É o recorte gráfico da impressão sonora da palavra avião, que, por
sua vez, faz parte do sistema fonológico da língua.
– A substância de expressão, nesse caso, é
o som, que se manifesta na pronúncia dos
fonemas da palavra avião.
A substância de
expressão é a manifestação quantificável da linguagem.
Plano de conteúdo
O plano de conteúdo da palavra avião:
– A
forma do conteúdo
é a noção de avião (jato,
planador, boeing etc.), que também é transmitida
pelas formas da expressão avion (francês)
e airplane (inglês).
– A
substância do conteúdo
é o conceito, que
é materializado pelo sistema linguístico. No
caso de avião, a substância é o conceito de
“meio de transporte aéreo”, que se organiza
com sentido estável na forma do conteúdo.
Imanência
Segundo Hjelmslev não há linguagem formal, pois a forma não se lê, mas é, a forma mesma, um modo de ler;
O sentido pode ser considerado como imanente à linguística, bem como exterior a ela.
- No interior da linguística, o sentido é uma grandeza indefinível que permite a existência de elementos distintos e de elementos traduzíveis entre as línguas.
- Quanto à concepção extrínseca do sentido, esta seria referencial; a linguística deve analisar a forma linguística sem se ocupar do sentido que emerge de seus dois planos, o plano do conteúdo e o plano da expressão.
Imanência e Transcendência
Hjelmslev defendia a abordagem da linguagem não “de fora”, mas “de dentro”: a uma lingüística biológica, psicológica, sociológica, dizia o lingüista, cabia a tentativa de uma “lingüística lingüística, ou lingüística imanente”. Usa do mesmo argumento, chamando-as de atitude “transcendental”, para caracterizar as investigações da linguagem pelo exterior.
A imanência opõe-se à transcendência em relação ao caráter sintagmático desta. O objeto de análise da teoria da linguagem de Hjelmslev é o signo linguístico, e não a sua significação.
A limitação entre imanência e transcendência seria de caráter provisório.
Imanência e Interpretação
Estratificação
Estratificação
O processo de significação no modelo de Hjelmslev seria como uma gradação dividida em dois planos: de um lado o processo parte de uma matéria semioticamente esvaziada de conteúdo, passa pela substância deste conteúdo, e chega à forma do conteúdo; do outro lado, parte da matéria semioticamente esvaziada de expressão, passa pela substância desta expressão e chega à forma da expressão.
A gradação existente entre os estratos semióticos de Hjelmslev é um ciclo que parece conduzir da matéria semioticamente amorfa, ao encadeamento circular entre substância e forma, e à relação de determinação da substância (da expressão ou do conteúdo) pela forma (da expressão ou do conteúdo).
As manifestações são o único meio possível de se comprovar a validade dos manifestados da linguagem.
A teoria da linguagem se interessa pelo texto, e seu objetivo é indicar um procedimento que permita o reconhecimento de um dado texto por meio de uma descrição não contraditória e exaustiva do mesmo (Hjelmslev, 2006, p. 19).
Full transcript