Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Textura, ritmo e hierarquia

No description
by

Guilherme Bego

on 28 March 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Textura, ritmo e hierarquia

Ritmo
O ritmo se refere a qualquer movimento caracterizado por uma recorrência padronizada de elementos ou motivos a intervalos regulares ou irregulares em uma certa direção. O movimento pode ser o de nossos olhos, à medida que acompanhamos os elementos recorrentes em uma composição, ou de nossos corpos, à medida que avançamos através de uma sequência de espaços. Em qualquer dos casos, o ritmo incorpora a noção fundamental da repetição como um recurso para organizar formas e espaços na arquitetura.
Hierarquia
Textura
Fatores determinantes na regularidade da relação entre elementos
Definição
Definição
Textura pode ser caracterizada como malha, rede ou trama formada por elementos que, devido a sua proximidade, similaridade e quantidade, não são percebidos como figuras individuais. Tem por objetivo a formação de superfície homogênea na fachada e volume através de elementos arquitetônicos (ex. janelas) similares, numerosos e dispostos muito próximos uns dos outros, conferindo um caráter estático.
Pirâmide do Le Grand Louvre, por Ieoh Ming Pei, Paris, França.
As esquadrias com formato de losango compostas de metal e vidro criam uma textura translúcida, possibilitando ver o entorno.
Grande Arco de la Defénse, projetado por Johan Otto von Spreckelsen, Paris, França.
Módulos quadrados subdivididos em módulos quadrados menores constituem a textura.
Tipos e características
Instituto do Mundo Árabe, de Jean Nouvel, Gilbert Lezenes, Pierre Soria e Architecture Studio, Paris, França. Textura constituída por janelas quadradas que incorporam lâminas metálicas que funcionam como um diafragma de máquina fotográfica, abrindo-se e fechando-se através de mecanismo sensível a luminosidade externa.
Os ritmos podem ser:
Constantes, regulares ou uniformes (elementos repetidos de modo regular)
Irregulares (elementos repetidos com alguma alteração de suas características, como forma, tamanho, orientação ou distância)
Em crescimento ou gradação (quando a alteração acontece através do aumento ou diminuição gradual de alguma característica formal ou quando existe uma progressão ascendente ou descendente do ritmo regular.
Os ritmos também podem ser múltiplos, sobrepondo ritmos simples regulares ou irregulares.
Definição
É a acentuação de um determinado elemento em comparação com os demais, com objetivo de tornar mais importante ou enfatizar na fachada e no volume algum elemento arquitetônico (ex. porta) através de suas características formais.
A hierarquia se trata da dominação de um elemento sobre outro, assim existem elementos primários e secundários.
Tipos e características
Texturas podem ser aleatórias ou refletirem um sistema de coordenadas (ex. uma trama ortogonal). Na textura não existe a marcação de uma direção, a formação de grupos aditivos, devido à fraca percepção dos limites das partes, é uma característica das texturas. A ordem é obtida por meio da repetição de elementos alinhados e todas as partes são de importância equivalente ou similar, constituindo uma estrutura homogênea, não existe um foco de atenção.
Importância e aplicações
A textura é importante pois estabelece uma relação homogênea e regular entre elementos arquitetônicos, assim o "todo" predomina, contrariamente à ideia de figuras individuais.
Ela foi predominantemente aplicada na arquitetura a partir do movimento moderno.
Uma forma ou um espaço podem dominar uma composição arquitetônica por apresentar um tamanho significativamente diverso daquele de todos os outros elementos de composição. Normalmente tal domínio se faz visível pela simples dimensão de um elemento. Em alguns casos, um elemento pode dominar por ser significantemente menor do que os outros elementos na organização, porém situado em um contexto bem definido.
É possível tornar uma forma ou um espaço visualmente dominantes e dessa forma importantes ao se diferenciar claramente seu formato daqueles dos outros elementos da composição. Um contraste discernível de formato é crucial, seja a diferenciação baseada em uma mudança de em termos de geometria ou regularidade. Evidentemente, também se faz importante que o formato escolhido para o elemento hierarquicamente significativo seja compatível com o seu uso funcional.
Uma forma ou um espaço podem ser estrategicamente localizados para chamar atenção para si enquanto elemento mais importante de uma composição. As localidades hierarquicamente importantes para uma forma ou espaço incluem:

o remate de uma sequência linear ou organização axial
o centro de uma organização simétrica
o foco de uma organização centralizada ou radial
o deslocamento para cima, para baixo, ou no primeiro plano de uma composição

Coliseu (Anfiteatro Flaviano), Roma, Itália.
Os arcos iguais e espaçamentos iguais criam um ritmo regular na construção.
Sede da editora Mondadori, por Oscar Niemeyer, Milão, Itália.
As colunas que compõem os arcos são muito semelhantes, mas o espaço entre elas é distribuído de forma desigual, criando um ritmo irregular.
Hierarquia por Localização
Hierarquia por Formato
Hierarquia pelo Tamanho
Tipos de Hierarquia
É possível identificar claramente as subdivisões de uma composição hierárquica quando:
Cada subgrupo de formas possui um foco visual distinto, criado através de algum aspecto que caracterize dominância;
Existe um decréscimo em escala nos vários níveis da organização, seguindo alguma ordem preestabelecida.
Muitos elementos com o mesmo grau de dominância, -sem formar grupos, somados a um salto de escala desses elementos para a forma total do edifício, sem uma gradação através de elementos intermediários- tendem a gerar uma aparência monótona (grandes painéis de paredes envidraçadas caracterizadas pela textura)
Importância
A hierarquia facilita a compreensão de composições complexas, além de geralmente produizr um grau mais alto de valor estético do que estruturas que não são organizadas hierarquicamentes, que tendem a ter aparencias mais monótonas.
Um foco distinto e uma organização hierárquica geral são importantes em termos de inteligibilidade de um padrão visual, em composições com muitos elementos a hierarquia se mostra um fator poderoso de unificação; ela torna possível a combinação de elemntos em entidades maiores, simples e mais identificáveis.
Aplicações
Alguns estilos arquitetônicos como o Gótico e o Barroco, revelam uma organização hierárquica mais forte e uma maior estratificação em subgrupos, do que, por exemplo, a arquitetura neoclássica e a racionalista italiana do período inicial.
Le Petit Palais, por Girault, Paris, França.
Acesso principal enfatizado pelos grandes arcos e pela abóbada.
Christ Church College, Oxford, Inglaterra.
A torre principal flanqueada por duas torres secundárias, somadas à expressiva abertura, salientam a importância da passagem do espaço público para o pátio interno.
Importância
O ritmo produz unidade e contraste ordenado entre seus elementos constituintes. Ritmoseria uma das qualidades formais que caracteriza uma bela composição de acordo com vários autores na história da arquitetura como Vitruvius e Leon Battista Alberti.
Aplicações
Ritmo tem sido utilizado em edifícios de diferentes épocas, aplicados nos mais variados elementos arquitetônicos. Na arquitetura medieval existia repetição alternada de colunas, vãos e pilares em alguns templos. Enquanto a arquitetura renascentista era especialmente rica em ritmos, na arquitetura moderna predomina a repetição alternada de elementos estruturais como os perfis em aço e elementos de vedação como vidro.
Referências
CHING, Francis D. K. Arquitetura: forma, espaço e ordem. São Paulo: Martins Fontes, 1998. 399 p. ISBN 85-336-0874-8
Alunos
Aline Echamendi.

Guilherme Henrique Garrido Bego.

Laísa Deúngaro Pinheiro.
REIS, Antonio T. Repertorio, analise e sintese: uma introducao ao projeto arquitetonico. [Porto Alegre]: Ed. ufrgs, 2002. 231 p.
A forma mais simples de de repetição é um padrão linear de elementos redundantes. Os elementos não precisam ser perfeitamente idênticos, entretanto, para serem agrupados de uma maneira repetitiva precisam ter apenas um traço ou denominador comuns, permitindo que cada elemento seja individualmente único e, ainda assim, pertença a mesma família.
Full transcript