Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Do domínio Filipino à Restauração da Independência

História de Portugal I-- O Trabalho de Grupo
by

isabela liu

on 2 January 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Do domínio Filipino à Restauração da Independência

História de Portugal I Tema III--Do Domínio Filipino à
Restauração da Independência
1580 -- 1640 Logo que seguida apresentaram-se pretendentes ao trono, os principais netos do rei D. Manuel I. Sandra e Isabela 1. D. Sebastião -- O desastre de Alcácer-Quibir. Um sonhador/desejado Tema I. Rei D.sebastião -- Culpado Foi rei de Portugal entre 1578 -- 1580, ano da sua morte. Cardeal D. Henrique I. índice o dominacao de Filipine índice A sua ambição deu o início da perdição de Portugal Portugal estava sem rei. D.sebastião não tinha filhos nem irmãos. Não havia herdeiros diretos para a coroa portuguesa. Não adotava as recomendações dos conselheiros. Tinha a ideia muito forte de conquistar o Norte da África. Foi à África e morreu em 1578 na batalha de Alcácer- Quibir. A morte de D.sebastião -- a origem da crise política O tio-avô de D. Sebastião recebeu a coroa. Já era velho e doente, não podia ter descendentes. Tema 2 2. A divisão da sociedade portuguesa face à eminente União dinástica -- os interesses em jogo. A divisão da sociedade portuguesa Diferentes candidatos representaram os interesses de diferentes classes. Filipe II de Espanha -- o apoio da nobreza e da burquesia. Nobreza -- Garantir a defesa dos domínios nas colónias. Burguesia(comerciantes) -- Participar no comércio dominado pelo Império Espanhol para conseguir mais lucros. D. António, Prior do Crato -- o apoio do povo e da baixa burguesia Tentou resistir às tropas de Filipe II que invadiram Portugal. D. Catarina de Bragança -- algum apoio dos vários grupos sociais. Era mulher, a candidata com menos hipóteses. Vencedor -- Filipe II de Espanha. Em 1581, foi aclamado rei, com o título de Filipe I de Portugal. 3. A governação Filipina e a reação portuguesa face à dominação castelhana. Tema 3 Filipe I de Portugal, em Abril de 1581, nas Cortes de Tomar, jura manter no reino: Uma Monarquia Dual -- um rei para dois reinos. No início de domínio filipino, Portugal ainda beneficiou da administração espanhola. Todavia, a partir do reinado de Filipe II de Portugal, começou a desrespeitar ao juramento de Filipe I : Descontentamento de Portugal Principais fatores do descontentamento português As tropas e as embarcações portuguesas foram envolvidas nas guerras europeias da Espanha( contra a Holanda, a França e a Inglaterra ). Foram criados novos impostos para custear essas guerras. A Holanda e a França ocuparam alguns territórios coloniais portugueses, especialmente no Brasil e em Angola. O desenvolvimento da Holanda, França e Inglaterra. O declínio do Império Espanhol. Portugal perdeu a proteção da Espanha e entrou outra vez em crise. Nobreza Burguesia Devido à concorrência de Holandeses, ingleses e franceses, os lucros comerciais diminuiram. Povo O governo de Filipe II e Filipe III levou Portugal à ruína das finanças, do comércio, da agricultura e da marinha. Era obrigada a participar na guerra sem qualquer recompensa. Não podiam obter lucros satisfeitos Perderam a paciência perante o agravamento dos impostos. Nobreza Burguesia Povo A restauração da independência começou. Tema 4 Todas as situações referidas fizeram aparecer em Portugal um clima generalizado de revolta. A nobreza começou a conspirar e a preparar uma revolta. Apareceram muitos motins em Portugal. Mesa dos conspiradores Revolta do Manuelinho Entre os vários motins e revoltas, a mais conhecida foi a Revolta do Manuelinho, que apareceu em Évora no dia 21 de Agosto de 1637. Chamava-se Revolta do Manuelinho, porque aqueles que conspiravam contra os castelhanos assinavam os panfletos com o nome de um doido conhecido – Manuelinho. Com esta estratégia, podia ocultar as suas identidades reais. "Senhor, vosso Portugal de vossos pais estimado hoje,
em miséria fatal, está pobre e lastimoso; e o governo rigoroso que tanto o tem perseguido, lhe nega, sendo ofendido, o alívio de ser queixoso."
-- Manuelinho O plano da restauração. Um grupo de 40 conjurados planeou, em segredo, uma revolução marcada para 1 de Dezembro de 1640. Estes convidaram D. João, Duque de Bragança, Trineto de D. Manuel I, para rei. D. João No dia 1 de Dezembro de 1640. Alguns nobres invadiram de surpresa o Palácio Real / Paço da Ribeira. Mataram o secretário de Estado, D.Miguel de Vasconcelos. Prenderam a duquesa de Mântua, que era a representante do rei da Espanha em Portugal. Aclamação de D.João --- rei de Portugal No dia 15 de Dezembro de 1640, D.João, duque de Bragança, foi aclamado rei D.João IV de Portugal. D.João IV --- Restaurador Terminou a dinastia Filipina e começou a 4ª Dinastia de Portugal --- Dinastia de Bragança. Depois de 60 anos de domínio espanhol, foi restaurada a independência em Portugal. A guerra da Restauração. A Espanha O rei D. João IV liderou o exército para defender a soberania de Portugal, conseguindo expulsar as invasões dos espanhóis. Ganhou vitórias em importantes batalhas, como as Linhas de Elvas, Ameixial e Montes Claros. Finalmente, depois de 60 anos de domínio espanhol, foi restaurada a independência em Portugal. Agora já não há desculpa para não saber o que se comemora no feriado nacional dia 1 de Dezembro. obrigada! Do sonho de unidade peninsular à política de casamentos Desde 1143 (Independência de Portugal), as relações entre os vários reinos ibéricos foram sempre marcadas por aproximações e conflitos. Com excepção de Portugal, todos os reinos ibéricos acabaram dominados pelo Reino de Castela em 1492. As tentações hegemónicas de Castela Conflitos e Batalhas entre Portugal e Espanha Casamentos Reais 11 infantas de Portugal foram rainhas de Castela/ Espanha A perdição dos privilégios -- os seus cargos foram oucupados pelos espanhóis. Levantamentos em Portugal na década de 1620 e 1630. Dia 1 de Dezembro -- aproximava-se o Natal e muita gente partiu para Espanha. Em Lisboa, só ficaram a Duquesa de Mântua e o seu secretário de Estado Miguel de Vasconcelos. A aclamação do rei só com 15 dias, porquê? Na Espanha, o rei Filipe IV enfrentava muitas dificuldades: Guerras externas: com Holanda, França e Inglaterra. Guerras interna: a mais violenta -- a revolta da Catalunha (1640). O aumento do descontentamento da população espanhola. 4. O processo da Restauração da independência de 1640 e o reinado de D. João IV. 4.1 Motins em Portugal -- Revolta de Manuelino 4.2 O plano da Restauração 4.3 Ações no dia 1 de Dezembro de 1640 4.4 Aclamação de D.João IV -- Rei de Portugal 4.5 A guerra da Restauração Vitória Portuguesa Conclusão Este trabalho ajuda-nos a adquirir uma compreensão detalhada sobre o processo da Restauração da Independência. Temos uma noção mais profunda sobre a nação portuguesa. Os portugueses são admiráveis, corajosos e independentes. Era uma exceção quando todos os reinos ibéricos acabaram dominados pelo Reino de Castela. Nunca obedecem ao seu vizinho poderoso— Espanha. A história evidentemente mostrou que as relações entre os dois reinos: aproximação e conflitos. Bibliografia: http://pt.wikipedia.org/wiki/Restaura%C3%A7%C3%A3o_da_Independ%C3%AAncia http://www.slideshare.net/guest6298af/o-dominio-filipino http://board.bitefight.com.pt/board282-bitefight-jornal-o-dentadas/board285-edi%C3%A7%C3%B5es-antigas/board324-4-%C2%AA-edi%C3%A7%C3%A3o/board326-cultura-e-lazer/41926-a-restaura%C3%A7%C3%A3o-da-independ%C3%AAncia-portuguesa/ http://manueldesousa.blogs.sapo.pt/tag/troika http://www.eb23-cmdt-conceicao-silva.rcts.pt/sev/hgp/10.2.htm Após a sua morte, quem herdou o trono? Na política Ele manteve a autonomia administrativa de Portugal. Não tirou o privilégio do clero e da nobreza, sobretudo as suas terras e o dinheiro. Na economia Portugal ainda tinha direito de cunhar a moeda própria. Além disso, comprometeu-se a abrir as fronteiras entre os dois países para o comércio. Na cultura Filipe II respeitou todos os usos, costumes e liberdades dos portugueses.
Full transcript