Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Políticas Públicas e EAD

No description
by

Vanessa Santos

on 5 July 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Políticas Públicas e EAD

a evasão e a repetência: a experiência da UFU
Estilos de aprendizagem e audiovisuais para reduzir
Esta pesquisa nasceu de um problema enfrentado por diversas universidades no Brasil, qual seja, os elevados índices de evasão e retenção.

Tal constatação fez com que a Universidade Federal de Uberlândia
(UFU), localizada no estado de Minas Gerais no Brasil, destinasse parte de seus recursos para o Projeto Prossiga.
- A EAD
Verifica-se uma lacuna no que se refere aos parâmetros de produção de materiais audiovisuais para EAD.
Problema
Nosso Projeto

Antecedente: Pesquisa realizada na UNED 2012 sob supervisão do Prof. Dr. Domingo Gallego.

Três frentes:

-> Frente Docente
-> Frente Discente
-> Frente Audiovisual
O que estamos investigando

- os estilos de aprendizagem de professores e alunos,
- estilos de ensinagem dos professores, - processo de produção de vídeos.
Seção 2: Sociedade do Século XXI
-Mudanças sociais e econômicas
- Mudanças tecnológicas
- Ciberespaço e a lógica das redes
- Sociedade da Aprendizagem
Seção 3: Educação a distância:
histórico, tecnologias e políticas
- Histórico
- Tecnologia: educacional ou instrucional?
- EAD: teorias e conceitos
- Políticas públicas e incentivo à EAD
O homem como ser inacabado
Necessidade de uma ação educativa como fator que vai contribuir para o processo de melhora constante e adequação ao contexto social no qual o homem está inserido (SACRISTÁN, 1982; FREIRE, 1987).
Educabilidade:
constante capacidade de aprendizagem

Educatividade:
capacidade de despertar as pessoas para a aprendizagem
Educação Escolar

- Princípio de democratização do acesso à educação escolarizada
- Educação extramuros
s
Mídias audiovisuais


-

dias como expressões da tecnologia
- Mí
dia como dinamizadora do processo de ensino e
apr
endizagem em sala de aula
- Mídia como potencializadora dos processos de
EAD
- Gerações (ou fases) da EAD
- Aproximação com a telepresença
Educação a distância
- Histórico no mundo e no Brasil
- Fases de desenvolvimento no Brasil
- Reconhecimento oficial da modalidade pela LDB
- Oferecimento de cursos EAD por Universidades brasileiras
Cenário atual
- O Brasil conta hoje com 227 Instituições de ensino superior credenciadas e autorizadas pelo MEC para oferecerem cursos em EAD.

- Entre 2003 e 2006 o número de cursos cresceu 571% e o número de matrículas aumentou 315%.
Diante deste cenário...
o que fazer?
Seção 5: Estilos de Aprendizagem
- Os estilos de aprendizagem representam a possibilidade de focalizar as individualidades dos Sujeitos aprendizes

- Além disso, permitem que as possibilidades de aprendizagem sejam ampliadas por meio do diagnóstico realizado com instrumento apropriado
Estilos de Aprendizagem
- Estilos de aprendizagem são as características cognitivas, afetivas e fisiológicas que servem como indicadores relativamente estáveis de como os discentes percebem, interagem e respondem em seus ambientes de aprendizagem

- Metodologia descrita por Alonso com o uso do instrumento CHAEA.
Estilo de Aprendizagem
Estilo cognitivo (estável)
+
Estratégias de aprendizagem
Estilos de Aprendizagem
Embasam-se nos estudos de Kolb (1984), para quem a aprendizagem é um processo experiencial de natureza cíclica.

Assim, cada estilo corresponde a uma fase do processo de aprendizagem
Fases do processo e estilos
fase 1: experimentação concreta / Ativo
fase 2: observação reflexiva / Reflexivo
fase 3: conceitualização abstrata / Teórico
fase 4: experimentação ativa / Pragmático
Metodologia da pesquisa
Coleta de dados por meio de questionário próprio e CHAEA (disponibilizado por link)
Abordagem
Quantitativa
Qualitativa

- Complementaridade entre as abordagens
- Três semanas de coleta = 63 sujeitos / 60 válidos
- Fatores de exclusão: questionário incompleto ou inconsistente.
- Perfil da amostra em função dos Estilos

- Possibilidade de aplicação de testes paramétricos por conta da normalidade da amostra

- Construção de uma escala de interpretação dos números obtidos em cada estilo.
Resultados prévios
- Processo de revisão de nossas metodologias de ensino

- Reuniões periódicas para avaliar o processo

- Rodas de conversa e partilha de experiências

- Produção de vídeos diversos. O primeiro (Teorias da Comunicação) está em fase de adequação às normas de acessibilidade. O próximo (Física) está em fase de roteirização.

- Mudança de postura dos alunos envolvidos no projeto
Estilo Reflexivo
- Super valorização da História contada (qualidade de roteiro)
- Necessidade de roteiros com histórias afetivas e pausadas
- Média valorização do som
- Média valorização da imagem
- Super valorização de audiovisuais que despertem para a reflexão
Super valorização de audiovisuais que sejam autoexplicativos
Estilo Teórico
- Super valorização da História contada (qualidade de roteiro)
- Necessidade de roteiros com histórias afetivas e estruturadas
- Média valorização do som
- Média valorização da imagem
- Média valorização de audiovisuais que despertem para a reflexão
- Pouca valorização de audiovisuais que sejam autoexplicativos
Estilo Pragmático
- Super valorização da História contada (qualidade de roteiro)
- Necessidade de roteiros com histórias afetivas e dinâmicas
- Super valorização do som
- Super valorização da imagem
- Média valorização de audiovisuais que despertem para a reflexão
- Média valorização de audiovisuais que sejam autoexplicativos
Considerações Finais

- Materiais audiovisuais educativos precisam ser objetivos e claramente estruturados;
- além de facilitar a aprendizagem, os audiovisuais educativos podem contribuir para o desenvolvimento dos estilos menos predominantes nos Sujeitos;
- para estes alunos, entretenimento e educação não se misturam.

- Os audiovisuais são complementares; o livro segue sendo o principal veículo para estudos e aprofundamentos.
- Evidencia-se também a necessidade de um forte componente afetivo com o qual o discente possa se identificar (seu país, sua cidade). Importa o que se vai contar e não, necessariamente, a qualidade técnica.
Vanessa Matos dos Santos
Adriana Cristina Omena dos Santos

Seção 4: Mídias audiovisuais: educação e tecnologias
- Histórico
- Mídias e educação
- As mídias na educação a distância
- Educação a distância sem distância: modelos e tecnologias
Experiência Concreta
Observação Reflexiva
Conceitualização abstrata
Experimentação ativa
Fases de aquisição da informação
Aquisição da informação
Análise da informação / documentação
Estruturar e sintetizar a informação
Fazer com a

informação se torne prática / aplicação do conhecimento
- Pesquisa realizada no primeiro semestre de 2012 na UNED em Madrid.

- População: discentes da Graduação em Educação Social - Disciplina: "Medios, tecnologías y recursos para la intervención socioeducativa" (715)

- Amostra: não-probabilística, por conveniência
-
Metodologia da pesquisa II
Metodologia da pesquisa III
Percurso metodológico
- Análise descritiva com a construção de gráficos e tabelas

- Análise inferencial (aplicação de teste estatístico para a verificação de existência de associação entre variáveis)

- Análise dos casos (sujeitos dissonantes ou discordantes)

- Análise qualitativa de conteúdo (falas dos discentes)
Análise qualitativa de conteúdo
- Metodologia descrita por Mayring (2000) e Flick (2009)

- Fases: preparação do material, definição das unidades, definição de categorias e esquema de codificação, testagem do esquema de codificação, codificação do texto, rechecagem do esquema de codificação e, finalmente, a interpretação.
Assistem aos audiovisuais pela televisão e também pela internet (preferentemente pela internet para que possam pausar o conteúdo e rever outras vezes)
Assistem aos audiovisuais pela televisão e também pela internet (preferentemente pela televisão de forma focalizada)
Assistem aos audiovisuais pela televisão e também pela internet, preferentemente pela internet
Considerações Finais II
- Mais importante que botões que brilham, apenas reagindo aos estímulos, os audiovisuais educativos ser produzidos com o objetivo inquietar e comunicar algo ao discente.
- A pesquisa mostrou também que, embora exista grande aceitação no que se refere à utilização dos recursos audiovisuais na educação, ainda existe um certo receio com relação ao uso deles sem respaldo de material impresso.
- Os audiovisuais educativos devem instigar e desafiar o aluno. Pensar em propostas que priorizem os estilos pode indicar caminhos rumo a um contexto de EAD mais personalizado.
Para refletir...
De acordo com o Instituto de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), a evasão no ensino superior brasileiro chega a 21%, ou seja, mais de um quarto dos alunos que se matriculam no ensino superior, não o finalizam (INEP, 2014).

No caso da UFU, os elevados índices de retenção podem estar relacionados com a repetência em determinadas disciplinas.
No caso mais específico do curso de Jornalismo da UFU, o maior índice de retenção pode ser verificado na disciplina de Teorias da Comunicação I.

Possíveis causas:

- incompreensão a respeito dos estilos de aprendizagem predominantes dos alunos
- localização da disciplina no curso
- didática

Muchas Gracias


Vanessa Matos dos Santos
vanessamatos@ufu.br

Adriana Cristina Omena dos Santos
omena@faced.ufu.br
Full transcript