Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

O texto em perspectiva - discurso

No description
by

Patrícia Sosa Mello

on 16 February 2018

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of O texto em perspectiva - discurso

Refletir sobre as condições da textualidade.
Estudar o papel das relações de significação na construção do sentido do texto.
Conhecer a análise do discurso

Texto < texere (Latim)
A palavra texto tem a mesma origem de “tecer”.
Texto > texere
O texto implica relações (laços), interligações. Os fios devem ser interligados para que o tecido não desmanche e como no tecido, os fios de sentido se entrelaçam.
Texto= deve ser construído, “tecido”.
Palavras relacionadas à construção do texto = utilizadas na tecelagem: tessitura, fio narrativo, enredo ("rede"), trama.
O texto em perspectiva
Textualidade
Conjunto de características: texto como ocorrência comunicativa e não apenas sequência de frases ou palavras.
Segundo Beaugrande e Dressler (1981 conforme Koch, 2010), os fatores da textualidade são:
Fatores
semânticos
/
formais - centrados no texto
(coerência e coesão);
Fatores
pragmáticos - centrados no leitor
(intencionalidade, aceitabilidade, situcionabilidade, informatividade e intertextualidade).

Noção de “texto” = palavras e frases não foram colocadas ao acaso; dispostas e interligadas para a construção de relações de sentido.
Texto = unidade de sentido, não apenas conjunto de frases e palavras. Texto não tem só um sentido - produz efeitos de sentido.
1. O texto tem que ser coeso – apresentar elementos gramaticais que liguem as frases, retomem aquilo já dito e façam as ideias fluirem: pronomes, conjunções, numerais, elipses, repetições, sinônimos, hiperônimos/hipônimos.
Fatores semânticos / formais da textualidade
Fatores semânticos / formais da textualidade
2. O texto tem que ser coerente: uma parte do texto não pode entrar em contradição com outras. As ideias do texto devem estar ligadas por relações lógicas como, por exemplo, causa/consequência, temporalidade, relações espaciais.
Fatores pragmáticos da textualidade
O processo de compreensão do texto obedece regras de interpretação pragmática e, portanto, a coerência do texto não se estabelece sem levar em conta a interação e as crenças, desejos, quereres, preferências, normas e valores dos interlocutores." (KOCH; TRAVAGLIA, 1989)
Fatores pragmáticos da textualidade
3. O texto deve ter uma intencionalidade – isto é, a intenção do autor do texto deve estabelecer um discurso coeso e coerente a fim de cumprir seu objetivo comunicativo.
A interação entre os interlocutores é condição de textualidade.
Fatores pragmáticos da textualidade
4. O texto deve ter elementos que o tornem aceito – está relacionado à atitude do receptor, que espera se enquadrar o texto em determinado gênero e ser coerente, inteligível e adequado à situação de comunicação .
Fatores pragmáticos da textualidade
5. O texto deve enquadrar-se em determinada situação – o que o torna adequado dentro de um contexto sociocomunicativo. "É preciso, ao construir um texto, verificar o que é adequado àquela situação específica: grau de formalidade, variedade dialetal, tratamento a ser dado ao tema etc. O lugar e o momento da comunicação, bem como as imagens recíprocas que os interlocutores fazem uns dos outros, os papéis que desempenham, seus pontos de vista, objetivo da comunicação, enfim, todos os dados situacionais vão influir tanto na produção do texto como na sua compreensão." (Koch e Travaglia, 2010, p. 85)
O que caracteriza a Textualidade
6. O texto deve ter informações adequadas e suficientes – Muita informação torna o texto repetitivo ou cansativo. Pode também deixá-lo confuso.
Pouca informação não permite que o texto seja claro ao leitor/ ouvinte.
O que caracteriza a Textualidade
7. O texto deve dialogar com outros textos (Intertextualidade). Concerne às relações entre um texto e outros anteriores a ele. Para fazer sentido, um texto deve conectar-se a outro(s).
"Todo texto é produto de criação coletiva: a voz do seu produtor se manifesta ao lado de um coro de outras vozes que já trataram do mesmo tema e com as quais se põe em acordo ou desacordo.“ (FIORIN; SAVIOLI, 2006, p.25)
O texto em perspectiva
"perspectiva“ > do latim tardio "perspectivus", deriva de dois verbos: perspecto - "olhar até o fim, examinar atentamente"; e perspicio - "olhar através, ver bem, olhar atentamente, examinar com cuidado, reconhecer claramente" (Dicionário Escolar Latino-Português, de Ernesto Faria).
A palavra "perspectiva" é rica de significações
"arte de representar os objetos sobre um plano tais como se apresentam à vista;
pintura que representa paisagens e edifícios a distância; aspecto dos objetos vistos de uma certa distância;
panorama; aparência, aspecto; ponto de vista;
Enfoque.
Intertextualidade
Palavras e Expressão
O ato de escrever passa essencialmente pela escolha do termo justo para a expressão das nossas ideias.
Cada palavra denota um sentido – o do dicionário, mas adquire novos sentidos no contexto de produção e leitura. Não se pode pensar que a escolha das palavras é um ato banal.
Relações de significação, expressividade, construção de sentido
O potencial expressivo das relações de significação - sinonímia, homonímia, paronímia, polissemia, hiperonímia/hiponímia - podem e devem ser exploradas na construção do(s) sentido(s) do texto.
Sinonímia
Um mesmo significado pode ser expresso por diversas palavras. A essas palavras ou modos de dizer dá-se o nome de sinônimos.
Não podemos ver os sinônimos como algo estritamente igual, mas como expressões equivalentes (sinonímia parcial).
De modo geral, compreende-se que um dos principais geradores de sinônimos seja a variedade do emprego da mesma “coisa”, em diferentes meios sociais. A seleção que se faz das palavras pode indicar a camada social a que se pertence, a origem geográfica etc.
“Quase” sinônimos (sinonímia parcial)
A vovó entrou no banco e disse para o
rapaz
:
- Meu
jovem
! Ontem quando eu cheguei em casa eu vi que, na minha conta, houve um engano de mais de 5000 reais.
- Lamento senhora! Não podemos fazer nada. A senhora deveria ter reclamado ontem mesmo. Agora é tarde demais. Disse o
atendente
.
- Puxa vida! Obrigada meu
filho
! Eu estava mesmo precisando de um
dinheirinho
ou mesmo de uma
renda
 
extra
pra comprar umas coisinhas. Disse a alegre vovó.
Edilson Rodrigues Silva http://recantodacronica.blogspot.com.br/2010/11/renda-extra-cronicas-pequenas-e.html
Homonímia
Há homonímia quando duas ou mais palavras diversas pela significação ou pela função apresentam a mesma pronúncia, com grafia igual ou semelhante. O contexto permitirá a compreensão adequada da palavra.
Exemplo:
cassar, significando interromper
caçar, com sentido de perseguir
Paronímia
Designa a existência de palavras semelhantes na forma, mas com diferenças no significado. Quando não estamos atentos a esses aspectos linguísticos podemos incorrer em frequentes erros de impropriedade lexicais.
Exemplos:
descrição, ato de descrever
discrição, qualidade de quem é discreto
proscrever, proibir
prescrever, aconselhar
Polissemia
A significação das palavras não é fixa. Por associações, criam-se novos significados.
Denotativo
Há o sentido mais ou menos igual para todas as pessoas que falam a mesma língua: mais “real e objetivo” de uma palavra. O sentido DENOTATIVO é mais empregado nos textos que procuram abordar os aspectos “objetivos” da realidade.
Conotativo
E há também o sentido com maior significado emocional, relacionado às escolhas pessoais, de acordo com as experiências de cada um. O sentido CONOTATIVO é mais empregado na linguagem literária e afetiva, em que predomina o aspecto subjetivo.
Antonímia
Há determinadas palavras que pertencem à mesma categoria sintática, mas que se opõem no interior de uma classe semântica, ou seja, há uma oposição contraditória nos significados.
Exemplos:
subir e descer
vida e morte
De acordo com Mattoso Câmara (2007, p. 102), a antonímia pode se estabelecer entre palavras:
de radicais diferentes, como grande e pequeno;
com a mesma raiz, com o uso de um prefixo negativo, como acontece em contente e descontente
com a mesma raiz às quais se acrescentam  prefixos de significação contrária, como é o caso de incluir  e excluir.
Hipônimos e Hiperônimos
Acaba de chegar ao Brasil um
medicamento
contra rinite. O
anti-inflamatório
em spray Nasonex diminui sintomas como nariz tampado e coriza. (Isto É, 4/11/1998).
Uma relação de significado importante para a construção de textos: se estabelece entre hiperônimos e hipônimos. Hiperônimo é uma palavra cujo significado é mais abrangente do que o de seu hipônimo.
Exemplo:
Doença é hiperônimo; gripe é hipônimo;
Rio é hiperônimo; Tietê é hipônimo;
Texto – O que é? Para Bakhtin,
é produção situada, ou seja, marcada pelo seu tempo;
é diálogo marcado pela resposta ativa do leitor;
está inserido em um contexto de valores;
tem autor, contudo, este autor não é único, ele fala pelas vozes dos outros;
está inserido em correntes de conhecimento;
tem uma forma específica que se adéqua ao contexto;
pode ser escrito, oral, visual ou verbovisual.

Origem:
Do latim discursus: dis (prefixo: divisão em partes, separação) + cursum (curso, carreira, corrida)
Etimologicamente,
discurso
traz o conceito do movimento, do percurso.
Análise da língua em movimento (dis + curso)
Não existe um “eu” individual, emissor de uma mensagem. O que existe é um sujeito social, fruto da interação entre o eu e o outro, inserido na história e o sentido não está nas palavras, mas é construído no ato da enunciação
As palavras mudam de significado de acordo com as condições em que são produzidas, de acordo com as posições assumidas pelos interlocutores.
Condições de Produção do Discurso
 Sujeito
 Memória discursiva
 Interdiscursos
 Situação
“Como nossa sociedade é constituída por relações hierarquizadas, são relações de força, sustentadas no poder desses diferentes lugares, que se fazem valer na “comunicação”. A fala do professor vale (significa) mais do que a do aluno”. (MEDEIROS E TOMASI, 2013, p. 39)
O lugar de onde se fala
“O lugar de onde falamos é constitutivo do que dizemos” (p. 38).
* professor/ * aluno/ * gestor
Formação Discursiva
 São correntes de discurso circulantes na sociedade e formam as correntes ideológicas. Todo texto pertence a uma formação discursiva.
Ex: a expressão “liberdade de expressão” dentro de uma ideologia (formação discursiva) democrática e de um regime autoritário. Essa expressão, utilizada nessas diferentes formações discursivas, gera efeitos de sentido diferentes.
A formação discursiva depende de contextos:
histórico
social
cultural
ideológico
A letra “O” e a letra “A”, colocadas cada uma para identificar as portas dos sanitários.
Como sabemos qual é o sanitário feminino e qual o masculino?
A que interpretação cultural, histórica e social recorremos para dar sentido a esse texto minúsculo? Qual a memória discursiva?
Quando alguém fala em “democracia” para muitas pessoas, cada uma entende a palavra em um sentido relacionado à sua própria condição.
Lembrando que a formação discursiva compreende os contextos social e histórico, a ideologia e as experiências e vivências dos sujeitos para aquisição/atribuição de sentidos, quais seriam as possíveis formações discursivas a respeito do conceito de “democracia” para os seguintes sujeitos:
a) Pequenos empresários
b) Operários de uma fábrica
c) Estudantes universitários
d) Político de esquerda
Pequenos empresários: pensam em maior abertura para decidir sobre seus próprios negócios ou na possibilidade de concorrer com as multinacionais em igualdade de condições.
Operários: pensam em liberdade de lutar eficazmente por melhores condições de trabalho.
Estudantes: imaginam maior participação dos alunos nas decisões e atividades escolares, e assim por diante.
E políticos? Raramente explicitam a que se referem concretamente. (...)
NOVA CANÇÃO DO EXÍLIO
(Drummond)

Um sabiá 
na palmeira, longe,
Estas aves cantam 
um outro canto.

O céu cintila
sobre flores úmidas.
Vozes na mata
E o maior amor.
CANÇÃO DO EXÍLIO
(Gonçalves Dias)


Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves, que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.
Tipos de Textos e Gêneros Textuais
Para Travaglia (2007), há vários tipos de texto, dentre eles os 4 mais utilizados: descrição, narração, dissertação e injunção. Estes textos podem ser considerados os moldes para todo tipo de texto que elaboramos.
Dentro destes moldes, trabalhamos os diferentes gêneros: aviso, comunicado, e-mail, contrato, requerimento, atestado, declaração, convocação, novela, circular, prova, manuais, receitas etc.
Ou seja, enquanto a tipologia funciona como "forma" os gêneros são o "conteúdo" da forma.
Full transcript