Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Trabalho em Altura Oi

Altiseg
by

Marques armando

on 7 March 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Trabalho em Altura Oi

Treinamento de Segurança em Torres NR35 Regras de segurança do treinamento 5. Controle seu equipamento - não os deixe jogados no chão.

6. Aprenda a conhecer e manter seu equipamento - pontos fortes, fracos, vantagens e desvantagens de uso em diferentes situações,

7. Leia, entenda e siga as instruções fornecidas pelo fabricante.

8. Revise o cinto, certifique-se que o mesmo está bem fechado e ajustado.

9. Durante o trabalho, esta atitude de atenção deve ser redobrada pois devemos ter todos os fatores sobre controle. Regras de segurança do treinamento Técnicas e procedimentos Conceitos Normas e certificações Apresentação Regras de segurança do treinamento 1. O trabalho em altura envolve diversos riscos. O respeito incondicional às regras de segurança deve ser uma atitude constante.
2. Os instrutores estão no comando todo o tempo, entretanto, QUALQUER PARTICIPANTE pode interromper para esclarecimento, inspeção ou revisão de qualquer montagem ou procedimento.

3. Fique sempre atento - A NEGLIGÊNCIA MATA!

4. Não fume próximo das cordas ou materiais de fibras sintéticas. Eliminar o atrito de :
- Nylon com Nylon
- Nylon com as estruturas (proteger as cordas e fitas de cantos vivos.

Usar única e exclusivamente para segurança pessoal

Evitar o contato com agentes deteriorantes:
- Hidrocarbonetos (gasolina, diesel, derivados de petróleo)
- Ácidos (vinagre, água de bateria, perfumes)
- Álcalis (sapólio, sal marinho, soda) Cuidados com os materiais Cuidados Cuidados Acidente na Transnordestina Técnicas e procedimentos Linhas de vida Técnicas e procedimentos NBR 14627:2010
3.3 Linha de ancoragem rígida: elemento de conexão específico para um sistema dotado de um trava-quedas deslizante.
NOTA: Uma linha de ancoragem rígida pode ser constituída por um trilho ou por um cabo metálico e é prevista para ser fixada em uma estrutura, de forma que os movimentos laterais fiquem limitados. NBR 14626:2010
3.3 Linha de ancoragem flexível: linha de ancoragem flexível constituída de uma corda de fibras sintéticas ou cabo metálico, planejada para ser fixada em um ponto de ancoragem superior. O trabalhador com mais de 100Kg pode utilizar o cinturão paraquedista certificado pelo MTE? Conceitos O ABS deve reduzir pelo menos metade da força de impacto gerada em uma queda (fator 2) Absorvedor de energia (ABS)
NBR 14629 Conceitos Limite de segurança: 6KN

Limite do corpo: 12KN Equipamentos Avaliação dos riscos Normas e Certificações Normas e certificações O primeiro CA da Altiseg mostra que surgia uma empresa precursora no Brasil Nacionais
NR - Normas regulamentadoras - MTE
NBR – Normas criadas pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas)
CA - Certificado de Aprovação

Estrangeiras
NFPA - National Fire Protection Association (USA).
EN – Norma Européia
ISO - International Organization For Standardization
UIAA - União Internacional de Associações de Alpinistas (FRANÇA).
CE - Conformité Européenne - Comunidade Européia. Normas e certificações A Altiseg O treinamento Cuidados com os materiais Cuidados Cordas e materiais sintéticos em geral (cordas, cintos, fitas de ancoragem etc)

Identificar as cordas através de prontuário (comprimento, diâmetro, resistência etc).
Transportar os equipamentos sempre embalados.
Guardar sempre em local seco e ventilado.
Evitar pisar em cordas, cintos ou fitas.
Não fumar perto de cordas, cintos ou fitas. 18.18.1. Para trabalhos em telhados, devem ser usados dispositivos que permitam a movimentação segura dos trabalhadores, sendo obrigatória a instalação de cabo-guia de aço, para fixação do cinto de segurança tipo pára-quedista. 18.18 Serviços em telhados Técnicas e procedimentos
18.18.1.1. Os cabos-guias devem ter suas extremidades fixadas à estrutura definitiva da edificação por meio de suporte de aço inoxidável ou outro material de resistência e durabilidade equivalentes. Instalação do cabo de aço para linha de vida Técnicas e procedimentos O trabalhador com mais de 100Kg pode utilizar o cinturão paraquedista certificado pelo MTE? Conceitos São sinais e sintomas relacionados a suspensão inerte em cintos de segurança, estes podem começar já após alguns minutos de suspensão.
Sinais e sintomas: Formigamento, Amortecimento; Tonturas, Náuseas, Hipertermia, Inconsciência;
Problemas e Complicações: Represamento de volume circulatório nos membros inferiores, resultando em várias complicações como: choque circulatório, reações fisiológicas, entre outras.
Complicações na liberação deste represamento: Choque ortostático; Traumas irreversíveis; Óbito. Síndrome de Suspensão Inerte Conceitos Costuras contrastantes Equipamentos NBR 15834 NBR 15835 NBR 15834 Normas e Certificações NR 6 Equipamento de proteção individual (EPI) 6.7.1 Cabe ao empregado quanto ao EPI:

a) Utilizá-lo apenas para a finalidade que foi destinado;
b) Responsabilizar-se pela guarda e conservação;
c) Comunicar ao empregador qualquer alteração que o torne impróprio para uso;
d) Cumprir as determinações do empregador sobre o uso adequado dos equipamentos. NR35 – Trabalho em Altura Normas e certificações 35.5.3.2 O trabalhador deve permanecer conectado ao sistema de ancoragem durante todo o período de exposição ao risco de queda.

35.5.3.3 O talabarte e o dispositivo trava-quedas devem estar fixados acima do nível da cintura do trabalhador, ajustados de modo a restringir a altura de queda e assegurar que, em caso de ocorrência, minimize as chances do trabalhador colidir com estrutura inferior.

35.5.3.4 É obrigatório o uso de absorvedor de energia nas seguintes situações:
a) fator de queda for maior que 1;
b) comprimento do talabarte for maior que 0,9m. 35.5.2.3 Os EPI, acessórios e sistemas de ancoragem que apresentarem defeitos, degradação, deformações ou sofrerem impactos de queda devem ser inutilizados e descartados, exceto quando sua restauração for prevista em normas técnicas nacionais ou, na sua ausência, normas internacionais. NR35 – Trabalho em Altura Normas e certificações 35.4.2 No planejamento do trabalho devem ser adotadas, de acordo com a seguinte
hierarquia:

a) medidas para evitar o trabalho em altura, sempre que existir meio alternativo de
execução;

b) medidas que eliminem o risco de queda dos trabalhadores, na impossibilidade de
execução do trabalho de outra forma;

c) medidas que minimizem as consequências da queda, quando o risco de queda não puder
ser eliminado. 35.3.3 O empregador deve realizar treinamento periódico bienal e sempre que ocorrer quaisquer das seguintes situações:

a) mudança nos procedimentos, condições ou operações de trabalho;
b) evento que indique a necessidade de novo treinamento;
c) retorno de afastamento ao trabalho por período superior a noventa dias;
d) mudança de empresa. NR35 – Trabalho em Altura Normas e certificações

35.1.2 Considera-se trabalho em altura toda atividade executada acima de 2,00 m (dois metros) do nível inferior, onde haja risco de queda.

35.1.3 Esta norma se complementa com as normas técnicas oficiais estabelecidas pelos Órgãos competentes e, na ausência ou omissão dessas, com as normas internacionais aplicáveis. Pioneirismo em soluções contra quedas A Altiseg À 25 anos a Altiseg desenvolve soluções seguras para trabalhos em altura e locais de difícil acesso.
Já são mais de
7.000 empresas e
11.000 profissionais atendidos.

Atuamos no desenvolvimento e comércio de equipamentos, treinamentos, assessoria técnica e execução de serviços.

Objetivos Garantir a sua integridade física;
Difundir as técnicas de segurança para o trabalho em altura;
Desenvolver o lado crítico de cada um;
Conhecer os próprios limites;
Superar as suas dificuldades;
Aumentar a qualidade e a produtividade. O treinamento Higienização de cordas e materiais sintéticos Cuidados Lavador de corda (rope washer) Deve ser feita apenas com água e sabão neutro.
Pode ser usado uma escova com cerdas macias.
Secar à sombra. Uma inspeção periódica é um procedimento legal e garante a qualidade do equipamento além de aumentar a vida útil do mesmo. Sistema de gerenciamento:

REGISTRO DE MANUTENÇÃO

MÉTODOS DE ARMAZENAMENTO

REGISTRO DE USO

INSTRUÇÃO/ INFORMAÇÃO Inspeção de equipamentos Cuidados Andaimes Técnicas e procedimentos Estaiamento 9,00m 9,00m Pontos de fixação da estaca no solo Andaimes Técnicas e procedimentos São estruturas opcionais, que permitem o acesso tanto vertical como horizontal.

A NR 18.15 e NBR 6494 são as legislações no Brasil em vigor que determinam condições para os trabalhos com andaimes. Nunca utilize escadas que apresentem qualquer tipo de problema que possa oferecer risco ao trabalhador! NR 18.12 Escadas móveis (escadas de mão) Técnicas e procedimentos É a distância mínima que se deve manter entre o ponto de ancoragem e o solo, levando em conta o acionamento do ABS. ZLQ (zona livre de queda) Conceitos Força de frenagem (máximo) - 6KN
Obtido – 5,7KN Resistência dinâmica
Ensaio realizado: 28/11/2011 Absorvedor de energia (ABS)
NBR 14629 Conceitos NBR 15595 (acesso por corda) Ferramentas fundamentais em ascensão por corda.
Blocantes
Permitem o movimento somente em um sentido. Ascensores (Jumar) Equipamentos OHSAS 18001:2007 Incidente de trabalho
Um incidente onde não ocorra dano, doença ou fatalidade pode ser referenciado como um “quase-acidente”.

Acidente de trabalho
Um acidente é um incidente no qual houve dano, doenças ou fatalidade. O ambiente de trabalho deve ser tão livre de riscos e perigos quanto possível Avaliação dos riscos Qualquer tipo de indisposição (psicológica ou física) deve ser avaliada e se necessário o trabalho deve ser abortado. O profissional deve fazer exames clínicos periódicos definidos pela empresa (ASO).

O profissional deve estar psicologicamente e fisicamente disposto para executar o trabalho. Condições de saúde Avaliação dos riscos Um ou mais pontos de ancoragem das cordas de trabalho e de segurança , que permitem o acesso dos profissionais para realizar determinada tarefa NBR 15595 Sistema de ancoragem Técnicas e procedimentos Sempre proteger a corda de arestas cortantes ou abrasivas.

Usar pontos APB’s.

Usar nós adequados. Vara de manobra Técnicas e procedimentos Permite a instalação do solo. Ferramenta que auxilia na instalação de linha de vida provisória. NBR 11098 – grampo pesado NBR 7160 – grampo leve Instalação do cabo de aço Técnicas e procedimentos Nunca utilize linhas instaladas erradas ou em más condições. Sempre inspecionar a montagem do cabo antes de utilizá-lo. 35.4.1.2.1 A aptidão para trabalho em altura deve ser consignada no atestado de saúde ocupacional do trabalhador. NR35 – Trabalho em Altura Normas e certificações 35.3.8 A capacitação deve ser consignada no registro do empregado. 35.3.7.1 O certificado deve ser entregue ao trabalhador e uma cópia arquivada na
empresa. 35.3.3.1 O treinamento periódico bienal deve ter carga horária mínima de oito horas, conforme conteúdo programático definido pelo empregador. Normas e certificações Nosso primeiro CA Pioneira Data do CA: 1988
Laudo do FUNDACENTRO: 1987;
Confeccionado em NYLON;
Modelo alpinista;
Tirantes – atual talabarte em Y. Interseções em linhas de vida horizontais Técnicas e procedimentos O ABS tem a função de minimizar a força de impacto. A abertura acontece entre 200 e 600 Kgf, uma vez absorvido o impacto, a fita se manterá com a resistência estrutural acima de 1500 Kgf. Absorvedor de energia (ABS)
NBR 14629 Conceitos Quanto maior a queda;
maior a força de impacto;
e maior é o risco para o trabalhador. É a força gerada por um corpo em movimento ao encontrar um obstáculo.
Vai ser representada por um “f” no fim da unidade de massa.

EX: Um mosquetão para 25KN vai suportar 2.500 kgf.
Portanto: 1KN = 100kgf Força de impacto Conceitos Manter um histórico de uso das cordas auxilia no controle da vida útil. Prontuário de corda Equipamentos Trava-quedas Retrátil (NBR 14628) Trava-quedas para cabo de aço (NBR 14627 e NBR 14626) Trava-quedas para corda (NBR 14626) Trava-quedas (EPI) Equipamentos Pontos de ancoragem para posicionamento (conexão do talabarte de posicionamento) Pontos de ancoragem contra quedas Pontos de conexão do cinto de segurança Equipamentos www.mte.gov.br PORTARIA N.º 313,
DE 23 DE MARÇO DE 2012 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO
SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO
DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Normas e certificações Todas as nossas atitudes estão sendo avaliadas a partir de agora. Pontos considerados para a avaliação:
Teoria
Prática
Comportamento Sistema Altiseg O treinamento O equipamento que apresentar qualquer tipo de defeito, dano ou desgaste natural que o torne impróprio para utilização ou que tenha ultrapassado o seu limite de vida útil, deve ser descartado. Inspeção de equipamentos Cuidados Cuidados com os materiais Cuidados Flacidez Abrasão Sujeira Nunca desconectar os dois ganchos ao mesmo tempo! Alternando os ganchos Deslocamento com o Talabarte (Y) Técnicas e procedimentos Semi-estáticas
até 20%
em queda 4% Baixa elasticidade Alta elasticidade TRABALHO ESPORTIVAS Dinâmicas
até 80%
em queda 8% Cordas Equipamentos Dispositivo de abertura usado para conectar componentes, que habilitam o usuário a ligar ele/ela diretamente ou indiretamente com um ponto de ancoragem.


Existem várias formas e sistemas de fechamento: Mosquetões Malhas rápidas Ganchos (hook & MGO) Conectores NBR 15837 Equipamentos Somente esses dois pontos são corretos para anexar dispositivos contra quedas! Pontos de fixações contra quedas Equipamentos NBR 15836 frontal dorsal Art. 186. Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito (Código Civil Brasileiro). Fazer o deslocamento solto
Não se prender em altura
Deixar de usar ou não usar o equipamento alegando que o mesmo atrapalha ou incomoda. Vícios de trabalho em altura Avaliação dos riscos Qualquer um desses fatores pode fazer com que o profissional aborte o trabalho! Extremos de temperatura
Chuva
Raios
Ventos fortes Condições climáticas desfavoráveis para trabalho Avaliação dos riscos CONSULTE A LEGISLAÇÃO DO ESTADO, PARA OBTER INFORMAÇÕES SOBRE O FIM DOS RESÍDUOS, POR QUESTÕES AMBIENTAIS. Ação de descarte Cuidados

Cintos, fitas e talabartes, corte antes de descartar, assim como as cordas, que devem ser cortadas em pedaços pequenos que não possam ser utilizados.

EPI metálico, corte com serra, quebre, fure, inutilize.

Remova o item de seu inventário ou registro. Essa linha deve servir principalmente como limitador de movimentação, impedindo que o trabalhador ultrapasse o limite do telhado. Sistema de reenvio Técnicas e procedimentos Quando existir a necessidade de trabalho próximo das extremidades do telhado é importante criar uma segunda linha de vida. Quanto maior o ângulo, maior será a força exercida nas extremidades! Distribuição das forças Conceitos EN 1891 NR 18 ITEM 18.16
Especificação de segurança para cabos de fibra sintética poliamida poliéster 12 mm 11 mm Cordas para trabalho e linha de vida Equipamentos Deslocamentos verticais por corda
NBR 15595 Técnicas e procedimentos Trava quedas Linha de deslocamento e posicionamento Linha de vida Estribo Blocante (descensor) Corda Ascensor NBR 14628 Trava-quedas retrátil Técnicas e procedimentos Cabo de aço Fita sintética Respeitar o ângulo de 30°
(orientação do fabricante) A linha de vida somente pode ser instalada em escadas móveis se a mesma estiver devidamente presa! Escadas móveis Técnicas e procedimentos NBR 15595 (acesso por corda) EN 341 Por segurança para trabalhos em altura é recomendado apenas o uso de descensores auto-blocantes. Descensores Equipamentos O equipamento não deve ser alterado ou consertado, a menos que seja autorizado pelo fabricante. CINTO
Fitas planas de Poliéster- 43 a 46mm – 1.500kgf.

TALABARTES
Poliamida- 25mm - 1.500kgf (simples).

PARTES EM COURO OU CORDURA
Não participam da resistência dos equipamentos. Proteção contra atrito.

COSTURAS
Linha de nylon 6.6, agulha esférica.

PARTES METÁLICAS
Conectores em duralumínio ou aço Mín. 2.200 Kgf, conforme a NBR 15837. Resistência dos materiais Equipamentos Nunca anexar dispositivos contra quedas! Fixações para posicionamento Equipamentos NBR 15835 Fixação abdominal Fixações laterais Protetor solar Luvas Óculos de proteção Bota Capacete EPI’s básicos – NR6 Equipamentos Fator 2
Ancoragem abaixo do trabalhador Fator 1
Ancoragem na altura do trabalhador Fator 0
Ancoragem acima do trabalhador É uma maneira de classificar os diferentes níveis de queda levando em conta a altura da ancoragem em relação ao trabalhador. Fator de queda Conceitos Os pontos de ancoragem devem suportar uma caraga de 1500Kgf. NBR 14827
NBR 15049 Sistema para fixação de pontos de ancoragens Técnicas e procedimentos Quando a estrutura não oferece um ponto confiável para ancoragem do sistema, é possível criá-los de forma artificial. Em telhados muito íngremes é essencial a instalação de uma linha para posicionamento. Cuidado com as extremidades do telhado! Sistema de reenvio Técnicas e procedimentos Linha de reenvio Linha principal Ideal para trabalhos em telhados Permanente (cabo de aço) Provisória (corda12 mm) O deslocamento horizontal é feito com um conector direto na linha e não com trava quedas! Deslocamento em linha de vida horizontal Técnicas e procedimentos Nunca usar a linha de vida para se posicionar! Certifique-se que o trava-quedas é específico para linha de vida a ser utilizada! Linha permanente (cabo de aço 8 mm) Linha provisória (corda 12 mm) Deslocamento em linha de vida vertical Técnicas e procedimentos Perigo!
Perda de resistência. F F Eixo de trabalho Conectores NBR 15837 Equipamentos Vícios de trabalho Avaliação dos riscos Obs: Evitar que a subida em torres seja feita em condições momentâneas desfavoráveis de saúde:

Ingestão, ainda que em pequena quantidade, de bebida alcoólica;

Fadiga intensa;

Estado gripal intenso;

Tensão nervosa;

Uso de tranqüilizantes, antialérgicos e analgésicos dentro das últimas 24 horas;

Imediatamente após as refeições. Deslocamento em escada móvel Planejamento para o trabalho • Obtenha o tamanho correto da escada para o trabalho que vai ser executado;

• Verifique se o trabalho pode ser feito com segurança utilizando a escada. Se não, utilize outro tipo de estrutura como Andaimes;

• Cuidado ao trabalhar próximo a rede de energia, utilize escadas de madeira ou fibra de vidro;

Ligue para a companhia de eletricidade se precisar de ajuda no caso do trabalho for executado perto de algum cabo elétrico. ACIDENTE TERESINA – 19.11.09 OPERÁRIO morre ao cair de uma torre de 40 metros em THE

O operário Edson Bezerra, de 35 anos de idade, morreu ao cair de uma torre de telefonia celular na tarde desta quinta-feira no Centro de Teresina. Ele estava fazendo a manutenção quando teria se desequilibrado e caiu da torre, sofrendo um politraumatismo.
Edson Bezerra estava com os equipamentos de segurança, mas ninguém no local soube informar se ele estava utilizando o cinto de segurança. Um homem o viu caído no chão, sangrando e acionou uma ambulância do SAMU. Chegaram com quase meia hora de atraso.
Foi levado para o Hospital de Urgência de Teresina (HUT) e foi atendido às pressas. Não resistiu e morreu.

Fonte: Canal Verdade – 19/11/2009 Relato de acidente Avaliação dos riscos 1º - Antes de se iniciar as atividades, execute uma inspeção visual, do solo, em todo o local de trabalho, a fim de detectar:

Irregularidades nas estruturas de distribuição (postes) como fios desencapados, emendas expostas, inclinação das estruturas etc;

Irregularidades no solo que sustentará a escada, como calçadas quebradas, meio fio danificado, rampas, tipo de calçamento/pavimentação etc;

Irregularidades nas bases dos postes, como trincas, deteriorações etc;

- Proximidade de vias de trânsito muito intenso, que possam colocar em risco o executante da atividade bem como os motoristas e pedestres.

* Direito de Recusa! NR 10.14.1 Procedimento de Trabalho para Atividades de Instalação Uma vistoria antes e depois de cada utilização é importantíssimo para identificar problemas ou danos que possam vir a comprometer a segurança de sua utilização. Inspeção de equipamentos Cuidados ACIDENTE ELISEU MARTINS – 23.11.09 Fonte: Piauí Noticias – 24/11/2009 Mais um trabalhador no ramo das telecomunicações morreu após cair de uma torre de transmissão da OI, localizada entre as cidades de Eliseu Martins e Colônia do Piauí. O acidente aconteceu ontem, 23, na Estação São Luís, quando o trabalhador montava equipamentos no alto da torre e por razões ainda desconhecidas caiu de uma altura aproximada da 80 metros. Relato de acidente Avaliação dos riscos 5º - Após a escada estar corretamente instalada, deve-se atentar à sinalização da área de trabalho.
- Os cones tem a função de direcionar o tráfego no sentido desejado, sendo dispostos de forma a constituir uma linha continua

*Transito intenso! Acionar órgão de transito da região. Procedimento de Trabalho para Atividades de Instalação 4º - O posicionamento da escada sempre deve estar em sentido oposto ao tráfego de veículos, de forma que o instalador/reparador possa observar o fluxo e eventuais ocorrências de trânsito. Caso tal condição não seja possível, adote um posicionamento seguro.







Procedimento de Trabalho para Atividades de Instalação 3º - Instalação de um sistema de linha de vida provisório, criando uma ancoragem na própria escada, possibilitando ao trabalhador o deslocamento seguro. Procedimento de Trabalho para Atividades de Instalação 2º - Efetuar a correta amarração da escada, fazendo a estabilização com nós específicos para garantir a segurança do sistema de forma estrutural, onde a parte montante da escada é equalizada em sua fixação.
  Procedimento de Trabalho para Atividades de Instalação • Assente a base numa superfície segura e plana.
• Mantenha um ângulo seguro para que a escada não escorregue,
• Use estabilizadores de escadas;
• Trave a escada se não puder fixar a base;
• Quando for acessar um telhado prolongue a escada a 1mt acima do patamar para ter uma estabilidade melhor; Estabilize as Escadas • Verifique se os degraus da escada não estão frouxos, rachados ou escorregadios, e se os corrimões não estão com algum tipo de avaria como; trincas que possam comprometer a sua integridade

Verifique se as travas de segurança estão funcionando.

• Marque com uma etiqueta e remova do lugar de trabalho as
escadas que apresentarem algum tipo de defeito. Inspecione as Escadas Antes de as Usar ACIDENTE TERESINA – 19.11.09 Frente do Site PITSA 1153 Anéis metálicos que o funcionário instalava Relato de acidente Avaliação dos riscos Torre implantada já em fase de conclusão e vestígios de sangue em barra metálica ACIDENTE ELISEU MARTINS – 23.11.09 Relato de acidente Avaliação dos riscos Em caso de dúvidas sempre entre em contato com seu superior. NR35.2.2 c) interromper suas atividades exercendo o direito de recusa, sempre que constatarem evidência de riscos graves e iminentes para a sua segurança e saúde ou a de outras pessoas, comunicando imediatamente o fato a seu superior hierárquico, que diligenciará as medidas cabíveis.
Direito de recusa é um recurso de segurança que assegura ao trabalhador a interrupção de uma atividade de trabalho por considerar que ela envolve grave e iminente risco para sua segurança, saúde e/ou de outras pessoas.
Direito de recusa do trabalhador
Em vigor desde Março de 2012, a NR35 visa garantir a saúde dos trabalhadores envolvidos direta ou indiretamente com trabalho em altura. APR – Avaliação preliminar de risco

PT – Permissão de trabalho
Avaliação dos riscos
Full transcript