Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Conservação da Natureza e Biodiversidade

No description

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Conservação da Natureza e Biodiversidade

Conservação da Natureza e Biodiversidade
Ameças à biodiversidade
Aumento demográfico;

Sobreexploração de recursos;

Inserção indevida de espécies exóticas e invasoras fora do seu habitat natural;

Alterações Climáticas;

Poluição dos solos, água e atmosfera;

Seleção Artificial;
Pesca e caça fortiva;

Distruição massiva de habitats;

Desflorestação;

Incêndios;

Alterações climáticas.


Soluções para a perda da biodiversidade
Biodiversidade?
Segundo a IUCN:

"A diversidade biológica - ou biodiversidade - é um termo que usamos para descrever a variedade de vida na Terra. Refere-se à grande variedade de ecossistemas e organismos vivos: animais, vegetais, seus habitats e os seus genes."

A biodiversidade varia com as diferentes regiões ecológicas, sendo maior nas regiões tropicais do que nos climas temperados.

Em suma: refere-se tanto ao número das diferentes categorias biológicas como à abundância relativa dessas categorias.

A sua importância

É a base da vida na Terra. É indespensável para o equilíbrio dos ecossistemas que fornecem praticamente todos os produtos essenciais à sobrevivência.

A biodiversidade é extremamente complexa e dinâmica e está presente em todos os subsistemas do nosso planeta; biosfera, hidrosfera, geosfera e atmosfera.

Ao longo do tempo a biosfera tem sido altamente fustigada pelo Homem tornando-se cada dia mais frágil.





Causas
Ameaças Vs. Causas
Entende- se como
ameaça
qualquer ação passivel de colocar a biodiversidade em risco.

As
causas
são todos os factos que já provocaram os seus danos e prejudicaram a biodiversidade como seja a extinção de determinada espécie.
União Internacional para a Conservaçao da Natureza e dos Recursos Naturais
A IUCN tem com objetivo a reavaliação da categoria de cada espécie a cada cinco anos se possível ou pelo menos em cada dez anos.

IUCN
Lista Vermelha
Estrátegia nacional da conservação da Natureza e biodiversidade:
Conservação da Natureza
"A existência de uma estratégia nacional de conservação da Natureza e biodiversidade (ENCNB) é um instrumento fundamental para o seguimento de uma política ambiental cada vez mais importante e nuclear para a própria estrátegia de desenvolvimento sustentável."
Constituição da república portuguesa (Lei nº 11/87, de 7 de Abril)
Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas
O ICNF tem por missão propor, acompanhar e assegurar a execução das políticas de conservação da natureza e das florestas, visando a utilização sustentável, a valorização e o reconhecimento público do património natural, promovendo o desenvolvimento sustentável dos espaços florestais e dos recursos associados.

Decreto-Lei n.º 135/2012, de 29 de junho

Tendo como objetivos:

- Promover a implementação da Estratégia Nacional da Conservação da Natureza e da Biodiversidade, da Estratégia Nacional para as Florestas e do Programa de Ação Nacional de Combate à Desertificação;

- Desempenhar funções de autoridade nacional para a conservação da natureza e biodiversidade e de autoridade florestal nacional;


Áreas que contêm amostras muito significativas de elementos da biodiversidade com valor cientifico, ecológico e educativo.



Áreas Protegidas em Portugal
Parques Nacionais
Parque Nacional da Peneda do Gerês
Conselhos abrangidos: Arcos de Valdevez, Melgaço, Montalegre, Ponte da Barca e Torres de Bouro;

Serras: Amarela, Gerês,Peneda e Soajo

Criação: 8 de maio de 1971

Fauna: 226 especies de vertebrados, 65 das quais pertencem ao Livro Vermelho de Potugal; destacam- se a
Águia Real
, o
Garrano
e o
Corço
com diversos núcleos populacionais e em situação muito favorável ao aumentos das suas populações;

Flora: domínio de 4 unidades distintas: carvalhais, formações arbustivas, lameiros e vegetação repícola. Destacam- se a
Orvalhinha
uma das poucas plantas carnivoras do nosso país.


Parques Naturais
Área que se caracteriza pela integração harmoniosa da atividade humana e da natureza que representa amostras de um bioma. Esta tem por efeito possibilitar a manutenção e valorização das características de paisagens naturais.
Existem 12 parques naturais em Portugal.

Parque Natural da Arrábida
Conselhos abrangidos: Palmela, Sesimbra, Setúbal

Criação: 28 de Julho 1976

Fauna: 213 espécies de vertebrados, entre os quais destacamos a
Raposa
e a
Coruja-das-Torres
.

Flora: é o último exemplo português do matagal mediterrâneo original rico em
Carvalhos
,
Medronheiros
e
Urzes.

Reservas Naturais
Áreas destinadas à proteção de
habitats
de fauna e flora. Possibilitam a adoção de medidas que asseguram condições naturais necessárias à sobrevivência de comunidades bióticas que estão dependentes da atividade humana para a sua prepetuação. Existem 9 reservas naturais em Portugal Continental
Reserva Natural do Paul de Arzila
Conselhos: Coimbra, Condeia-a-nova e Montemor-o-Velho

Criação: 27 de Julho de 1988

Fauna: possui o maior efetivo de espécies de anatídeos invernantes do pais, entre eles o
Pato-Real
, o
Pato-Negro
e a
Marraquinha
. Nesta reserva estão, também, presentes alguns exemplares de
Ruivacos
. Esta espécie de peixe endémica de Portugal encontra-se em perigo de extinção.





Constitui um dos inventários mais detalhados do mundo sobre o estado de conservação mundial das várias espécies de plantas, animais fungos e protistas.

Obedece a critérios precisos para avaliar os riscos de extinção de milhares de espécies e subespécies de todo o mundo.

As espécies são classificadas em grupos, definidos através de determinados critérios.

 Redução acentuada do tamanho da população (no passado, presente ou futuro);

Área de distribuição e efetivo populacional reduzidos ou em declínio

População muito pequena restrita;

Critérios de classificação

Categorias da
IUCN


Morcego-de-ferradura-mediterranico

Nome científico:
Rhinolophus euryale

Distribuição: frequente no centro e norte de Portugal

Habitat: Espécie predominantemente cavernícola, tanto para criação como para hibernação

Classificação: criticamente em perigo


Lampreia-do-rio
Taxonomia:
Cephalaspidomorphi,
Petromyzontiformes
,
Petromyzontidae


Distribuição: bacias hidrográficas das Ribeiras entre Douro e Vouga, Vouga, Mondego, Lis, Ribeiras do Oeste, Tejo e Sado

Habitat: A lampreia-de-rio completa a totalidade do ciclo de vida em rios permanentes.
Em contrapartida, o carácter migrador desta espécie determina que apenas a fase larvar seja completada em água doce

Classificação: Criticamente em perigo





Narciso do Mondego

Nome científico:
Narcissus scaberulus

Distribuição: troço montante da Bacia Hidrográfica do Rio Mondego

Descrição: planta bolbosa, com duas a sete flores amarelas. O período de floração é muito curto, decorrendo de Fevereiro a Abril em função das condições climatéricas

Fatores de Ameaça: eventual expansão das florestas de produção de pinheiro-bravo (Pinus pinaster) e de eucalipto (Eucalyptus globulus), que alteram as condições de luz e de solo necessárias ao desenvolvimento da espécie.





Lagartixa-da-montanha

Nome científico:
Iberolacerta monticola

Distribuição: Planalto central da Serra da Estrela

Habitat: rios e zonas rochosas

Classificação: Vulnerável


Azevinho

Nome científico
: Ilex aquifolium

Distribuição: Norte do país

Descrição: arbusto de folha persistente, de crescimento muito lento

Fatores de Ameaça: a principal causa do seu desaparecimento deve-se à
excessiva procura para fins ornamentais durante a quadra natalícia





Sobreiro

Nome científico:
Quercus suber

Distribuição: sul do Tejo, oeste do Alentejo, bacia do Tejo e Trás-os-Montes

Descrição: árvore robusta que se adapta a condições adversas de clima e de solo,
exceto em solos calcários e muito húmidos, tolerando condições de baixa pluviosidade e de temperaturas elevadas

Fatores de ameaça: destruição do habitat; desflorestação; combustível para lume


Perda de espécies ainda desconhecidas;

Perda de biodiversidade;

Perda de ecossistemas;

Perturbações no equilíbrio das cadeias alimentares.
Consequências
Espécies em vias de extinção no mundo
Criação de parques e reservas naturais protegidas;

Controlo mais apertado ao tráfico ilegal de animais;

Sanções para a ocupação ilegal de áreas protegidas e de territorios naturais (agricultura, construção civil).
Full transcript