Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Apresentação Drogas

No description
by

Flávia Silva

on 5 November 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Apresentação Drogas

Drogas,

e Dependência

A Utilização das Drogas
A iniciação do sujeito no “universo das drogas” se dá, principalmente, desde sua juventude.

 Curiosidade, prazer.

 As drogas como fuga da realidade.

 Num contexto geral, devido a fatores subjetivos e culturais.


**Cada cultura determina quais tipos de droga são legais ou ilegais.
“... o narcotráfico organizou-se de forma mais eficiente, expandindo a oferta de produtos; pelo outro, cresceu a demanda de psicotrópicos por uma parcela cada vez maior da população” (BUCHER, 1996).
Uso de Drogas, um problema social?
Caracteriza-se como um problema social pelo prejuízo econômico decorrente do consumo abusivo das drogas.

 Ao se tratar de um problema social, o Estado se usa de uma política (Políticas Públicas) específica para poder combater esse prejuízo.
A visão que as políticas públicas fornecem dos usuários de drogas se colocam de duas formas:

1)CRIMINOSO;
2)DOENTE;
Atuação Conjunta do Psiquiatra e do Psicólogo no Atendimento a Pacientes dependentes
Trajetória dos profissionais no mercado hospitalar;
Resistência ao Tratamento
A importância do vínculo entre terapeuta e paciente.

Facilidades no tratamento.
“A droga é um elemento significativo na vida do usuário, substituindo uma falta em seu viver.”


Como trabalhar com a reincidência?
Abandono ao tratamento e a reincidência
A participação da família no tratamento
A dependência causa um deterioramento no grupo familiar, que deve ser trabalhado pelo terapeuta, para que o paciente sinta que não está sozinho na sua recuperação, que tem com quem dividir os seus problemas, e assim seja recolocado na sociedade com um apoio essencial.
Entrevistas
Classificação e conceitos
O termo deriva do holandês “Droog” (Folha seca).

É qualquer substância química capaz de causar alteração fisiológica ou de comportamento.
MACONHA

Da planta Cannabis Sativa, a maconha tem como princípio ativo o THC.
Ela age diretamente no sistema nervoso central causando confusões e perdas de memória, confusão de tempo-espaço.
Prejudica também a produção hormonal além de causar problemas semelhantes ao cigarro ao sistema respiratório.
Muitos dizem que a erva é pura. Mas, o que se sabe é que é misturada a esterco, além de outras drogas como o crack.
COCAÍNA

Extraída da planta Coca num processo que envolve a mistura querosene, gasolina entre outros solventes altamente tóxicos. Sabe-se que à mistura também acrescentam pó de mármore, cal e vidro macerado.
Além do alto risco de ataques cardíacos e desencadear patologias como ansiedade, alucinações e delírios, causa necroses nas vias em que é feito o uso: venosa ou aspirada.
CRACK

Conhecido como "pedra da morte" pode causar a dependência até na primeira vez em que é usado.
Feito apenas com o que sobra do refino da cocaína, concentra toxinas altamente tóxicas.
Prejudica o convívio familiar, social entre outros aspectos da vida do indivíduo dependente.
Ecstasy

É comercializado normalmente em forma de comprimidos.
Os traficantes utilizam a "estratégia" das cores.
Causam perturbação da atividade cerebral e falsa sensação de prazer. O indivíduo que faz o uso da droga corre riscos de contrair doenças sexualmente transmissíveis, além de, após passados os efeitos da droga, destaca-se a profunda depressão, podendo permanecer os efeitos auditivos e sonoros, além de psicopatologias como a esquizofrenia.
* Todos os tipos de drogas tem forte potencial a causar dependência, mesmo aquelas que são chamadas "naturais".

* O consumo de substâncias químicas podem causar danos irreversíveis ao organismo humano, inclusive desencadear ou potencializar doenças psiquiátricas.
A., 21 anos, masculino.

Iniciou o uso de drogas aos 16 anos.
Fazia uso de Cabral, maconha, anabolizantes e álcool - apenas destilados e cigarros.
Diz que por seu pai ser alcoolista e beber cerveja não gostava da bebida, mas que estava indo pelo caminho da dependência, sem perceber.

Era chefe de uma gangue de aproximadamente 100 pessoas.
Era agressivo e roubava frequentemente.
Nunca foi preso por "sorte", mas teve colegas que foram.

Começou a usar as drogas para manter a fama de "malzão" no meio dos colegas.

Quando decidiu parar, deixou tudo de uma vez só e teve muito apoio da mãe e da irmã.
Há dois anos não usa.O pai ainda é alcoolista.
B., 21 anos, masculino.

Iniciou o uso aos 16 anos.
Usava maconha, cocaína, heroína e o ayahuasca - mais conhecido como chá de Santo Daime.
Usou cocaína por 6 meses pois tocava em banda e seu efeito trazia mais segurança e atitude para subir ao palco e participar das festas depois dos shows.
A heroína usou durante 3 semanas. Começou por depressão e problemas espirituais e parou por ter quase morrido.
Pelos problemas espirituais que não ficaram "bem resolvidos" experimentou o ayahuasca e parou por ser pior que as duas drogas juntas.
Hoje, usa a Cannabis Sativa - Maconha, para fins espirituais. Segundo ele, que trabalha com a energia do corpo, abertura de portões e manipulação da energia, a droga abre as portas da percepção e ajuda seu cérebro a organizar as idéias.
Não compra de traficantes, mas é uma droga hidropônica com mais "qualidade".
A cocaína foi fácil deixar, decidiu num dia e já não precisava mais da droga. Parou por medo.
A heroína, por ser muito forte, conseguiu também rapidamente por passar muito mal.
O mais difícil foi o Ayahuasca, que tem efeito durante aproximadamente 3 meses e, continua, dessa forma, trazendo sensações de paz de espírito e de caridade.E, para que isso não passe, volta a utilizar.
Para parar, precisou organizar as idéias e, com a ajuda do irmão, que é o único da família que oferece apoio e abertura para o diálogo, nesse sentido, entendeu que os sentimentos do chá poderiam vir sem seu uso.
Nunca foi preso, mas já vendeu R$5 de maconha para um amigo, que usou como presa e nem cobrou.
C., 23 anos, masculino.

Usou apenas algumas vezes, por influências femininas. Não por status, mas declara que tinha interesses sexuais e, como as meninas gostavam de usar antes da relação sexual, usava, pois "na hora ficava tudo mais louco".
Não chegou a ser viciado e se afastou das companhias, não vendeu e nem comprou, mas declara um tanto de "sorte".
É interessante ressaltar que a maioria dos frequentadores dos grupos de AA ou NA são homens.
Declaram que usavam para esquecer problemas do trabalho ou de casa. Outros achavam a vida muito monótona e por isso experimentavam para ver se melhoravam o "ritmo" usando drogas e álcool.
Fim
LSD

Consiste num microponto de Ácido Lisérgico, tendo efeitos semelhantes com o Ecstasy mas o que poucas pessoas sabem é sobre o efeito FLASHBACK!
Contatos:

Psic. Ana Paula Baranuik
(41) 8883-1653
anapbaranuik@hotmail.com

Psic. Flávia Affonso
(41) 9844-6678
flah.silva@gmail.com
Full transcript