Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

"O ser humano é um ser biologicamente social"

No description
by

Carolina Branco

on 12 November 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of "O ser humano é um ser biologicamente social"

Ser Biologicamente social Todo o ser humano é um ser biologicamente social, Importância do meio social;
Construção na história pessoal;
Capacidade de auto-organização. Meio Social História pessoal Auto-organização Capacidade que o ser humano tem a partir das suas experiências de se construir e agir no mundo, atribuindo-lhes um certo significado e organizando-as. Cada ser humano age no seu ambiente de forma a se reconhecer e ao seu mundo Fatores estes que permitem a criação e a manutenção de uma história pessoal Todo o processo de socialização, sobretudo a família (grupo primário), assume um papel muito importante, pela qualidade das relações existentes. São as experiências que nos marcam: a forma e a intensidade como vivemos, os sentimentos que nos surgem, fazendo de nós seres únicos, distintos de todos os outros. Individualização Identidade Individual: inserção numa cultura/sociedade;
Identidade específica: identificação do próprio ser humano
Identidade pessoal: história de vida de cada um. Isabel, a menina do galinheiro Maria Isabel Quaresma dos Santos;
6 de Julho de 1970;
Tábua, Coimbra;
8 anos num galinheiro; Características físicas •Cabeça demasiado pequena para a idade;
•Face com semelhanças flagrantes com os galináceos (perfil, posição labial, dentição formada como se fosse um bico);
•Posição dos braços muito idêntica às asas das galinhas;
•Subdesenvolvimento ósseo;
•Olhos grandes (rasgados no sentido descendente);
•Grande debilidade;
•Calos nas palmas das mãos.
•Uma catarata no olho direito, certamente originada por uma picada de galinha. Características psicológicas Atitudes extremamente agressivas, destruindo tudo o que tivesse ao seu alcance;
O seu comportamento mais usual era mexer os braços como se fossem asas de galinha e guinchar;
Comia os seus próprios cabelos;
Defecava em qualquer parte e ingeria as próprias fezes. Importância do meio social Os casos conhecidos de crianças selvagens revelam que:
a aquisição de comportamentos e de capacidades próprias do ser humano só se verifica se as crianças viverem em sociedades humanas;
o contacto social nos primeiros anos de vida é decisivo para a aprendizagem das diferentes competências humanas. Auto-organização Não é fácil reconhecer a maneira de viver destas crianças. A forma que reagem perante o mundo é completamente diferente, e estranha aos nossos olhos. Estas crianças são humanas, mas nunca podemos comparar a nossa vida com a delas, perceber como se sentem, pensam e agem. É como se vivessem num mundo diferente do nosso. O ser humano é um ser dependente do próximo, depende do contacto físico e sociocultural. Isabel teve alguns progressos, desde a sua entrada na sociedade, contudo estes foram muito lentos. Muito tempo depois é que conseguiu sentir-se à vontade com algumas pessoas. Esta apresentava índices de velhice muito acentuados. Tinha problemas de coluna, não se conseguindo equilibrar muito bem, no entanto aprendeu a andar sozinha. Ela conseguiu aprender a:
- descascar laranjas e bananas;
- abrir algumas portas;
- manipular a televisão;
- pegar num lápis e a riscar. Nunca conseguiu recuperar totalmente do dano que lhe tinha sido feito. Isabel age conforme o contexto em que foi inserida, nunca conseguindo apresentar a tal coerência entre ela e o seu novo mundo, continuava a agir consuante o seu "mundo" de nascença. Isabel não tem história pessoal. Ela viveu no meio dos animais e as suas relações eram com estes, por isso, aprendeu a sobreviver da mesma forma que eles. Comia o que a mãe dava de comer às galinhas. Isabel ficou privada de todas as experiências normais, ou seja, não conseguiu construir uma história pessoal comum desde o seu nascimento, mas sim apenas a partir do momento em que foi retirada do galinheiro. História Pessoal Vivências e experiências que temos ao relacionarmoos e criarmos laços com outras pessoas. Ser prematuro
Programa genético aberto Trabalho realizado por:
Carolina Branco nº3 12ºC
Carolina Simioni nº5 12ºC
Diogo Cancela nº7 12ºC
Francisco Lopes nº10 12ºC
Full transcript