Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Primeira Reinado (e um pouco da Independência)

Primeiro Reinado (e um pouco da Independência)
by

Higor Ferreira

on 14 July 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Primeira Reinado (e um pouco da Independência)

Primeiro Reinado
____________________________
1822-1831
Período que se inicia com a
Independência do Brasil
Mas como se deu este processo?
Após Dom João voltar a Portugal,
aumentaram as pressões nas Cortes
portuguesas para que Dom Pedro
também retornasse.
Mas este fica:
"Após receber uma representação de mais de oito mil assinaturas de pessoas do Rio de Janeiro, ele decidiu, em 9 de Janeiro de 1822, permanecer na América, mantendo vivo o projeto do
Brasil
como Reino Unido a
Portugal."
Mas foi mais que isto
Uma vez que as intenções
portuguesas
eram de
colocar o
Brasil
novamente na posição de colônia, passou a crescer progressivamente junto à
elite brasileira
o desejo de dar suporte a um projeto de independência
.
Dom Pedro agiu de modo a contribuir para o avanço
processual da Independência
do Brasil
Buscou o apoio
das elites
Quaisquer ordens em terras brasileiras só poderiam ser cumpridas com o consentimento de
Dom Pedro
Convocou eleições
provinciais para compor uma Assembleia constituinte para o Brasil
Representação gráfica
de Dom Pedro I
Desfecho
Independência do BRASIL proclamada em 7 de Setembro de 1822.
Agora SIM!
Daqui a gente segue...
O que não impediu que alguns membros da população fossem contra o movimento. Havia uma parcela da população portuguesa residente no Brasil que via com maus olhos o rompimento político entre
Brasil
e
Portugal
, sendo contrário ao movimento de independência.
Fonte: História, volume único. Ronaldo Vainfas
Em função disto ocorreram revoltas em províncias localizadas mais ao
Norte/Nordeste
Grão-Pará
Maranhão
Bahia
uma reorganização das suas estrutururas administrativas, uma vez que mudou sua orientação em comparação ao que antes tinha
UM PAÍS
INDEPENDENTE
PEDE

reconhecimento da sua condição de independente
O Brasil consegue este reconhecimento diplomático por intermédio de diferentes estratégias
Envio de embaixadores aos
principais países
Oferecimento de vantagens aos países que reconhecessem a independência
Tem exemplo?
E
U
A
INGLA
TERRA
PORT
UGAL
Aceitou por crer que era importante o processo dos movimentos de independência nas Américas.
Tinha interesse econômico direto nisto.
Teve resistência ao fato do Brasil se manter num regime monárquico.
Tinha por objetivo, a despeito da independência ou não, manter seus negócios com o Brasil.
Teve receio de aceitar a independência do Brasil e trazer um problema diplomático com Portugal, parceiro econômico antigo.
SUGESTÃO
O Brasil indenizaria Portugal e cederia a Dom João VI um título, meramente honorífico, de Imperador do Brasil
TRIANGULAÇÃO DO DINHEIRO
BRA
SIL
INGLA
TERRA
PORT
UGAL
PAGA
PAGA
EMPRESTA
2 MILHÕES DE
LIBRAS ESTERLINAS
Mediante a este acerto aceita a independência do Brasil.
O fim do relacionamento colonial não extirpou do Brasil a cultura portuguesa do nosso cotidiano, uma vez que muitas práticas são claramente fruto desta longa relação colonial. O elemento mais perceptível a todos nós desta herança é a língua.
É um conjunto de normas de governo, que pode ser ou não codificada como um documento escrito, que enumera e limita os poderes e funções de uma entidade política.
constituição
Produzir uma
Contudo é preciso entender que
não havia uniformidade
entre os setores com maior protagonismo político, ou seja, não havia unanimidade sobre que aspectos este novo país deveria ter.
Havia dois "partidos", que na realidade eram correntes de pensamento, uma vez que não havia um programa partidário bem delineado
Partido
Partido
BRASILEIRO
PORTUGUÊS
Monarquia constitucional
Fortalecimento do poder do imperador
A bandeira do império:
Instituída por decreto de 18 de setembro de 1822, teria sido idealizada por José Bonifácio de Andrada e Silva e desenhada pelo francês Jean Baptiste Debret
Ver mais na página 114 de
"História, volume único" de Ronaldo Vainfas
PRODUZINDO A CONSTITUIÇÃO
a que
NÃO

DEU CERTO

a que
DEU CERTO

Constituição de 1823
Defendia a limitação do poder dos portugueses e do próprio imperador.
O imperador não poderia:
dissolver o Parlamento
exercer poder absoluto
ser governante de outro reino
comandar as forças armadas
Só podiam ser eleitores os que apresentassem certa renda.
A referência para medir a renda dos votantes era feita em alqueires. Os votantes tinham que ter renda acima de 150 alqueires de farinha de mandioca. Por isso esta constituição ficou conhecida como
"Constituição da Mandioca"
Constituição de 1824
Elaborada por um grupo de confiança do Imperador, ela apresentou elemento que o satisfaziam.
Com esta constituição foi definido que:
O Brasil teria como forma de governo uma monarquia hereditária, constitucional e representativa.
Haveria os três poderes que já eram conhecidos (Executivo, Legislativo e Judiciário) e mais um quarto poder chamado de Moderador.
O senado seria vitalício, já os deputados teriam um mandato de quatro anos.
O voto seria censitário (dependia da renda), o que beneficiava os detentores de posses.
O imperador poderia nomear e demitir ministros de estado.
Catolicismo como religião oficial do Estado; outras formas de culto, no entanto, poderiam ser praticadas em lugares privados desde que os templos não tivessem ostentação.
Foram reconhecidos como cidadãos todos aqueles que nascidos em Portugal ou em outras colônias que, residentes no Brasil, tivessem aderido à independência.
O poder moderador acabou sendo criado sob a justificativa de zelar pelo equilíbrio entre os outros poderes, no entanto poderia ser utilizado como um instrumento de expressão da vontade do imperador.
Facebookices
Charges
&
Vale ressaltar que a Independência tinha, para a maior parte dos envolvidos, um sentido político, não havendo a preocupação de elevar a condição social das camadas populares, tampouco de promover divisão de terras e a abolição da escravidão.
Este era um ponto comum às duas facções políticas daquele momento.
Representações de Jean Baptiste Debret
Jean Baptiste
DEBRET
Construindo o Império
O Brasil se manteve unido em função do interesse, conveniência e satisfação de todos?
CONSTRUINDO O IMPÉRIO
NÃO! A exemplo do que ocorreu no período Joanino, também houve movimentos de contestação e até mesmo de tentativa de separação durante o Primeiro Reinado.
A Confederação do Equador
Motivos de descontentamento no Nordeste brasileiro não faltavam. Além do
autoritarismo
de Pedro I, que
outorgou a constituição
de 1824, ainda havia certa
falta de autonomia
por parte
das províncias
, que ainda se viam muito
dependentes
dos mandos que viam
do Rio de Janeiro
, inclusive com a nomeação dos presidentes de província por parte do próprio Imperador
Pernambuco
Ri
o Grande do Norte
Pa
raíba

Cea
Governo confederado e republicano com ampla autonomia das províncias
Muitos eram republicanos, mas a crença de que a Monarquia ao menos daria autonomia provincial acalmou os ânimos. Após a outorga da carta constitucional de 1824, o clima de tensão aumentou de vez.
frei caneca
A Província Cisplatina
Este território ainda faz parte do
Brasil
?
Jean Baptiste
DEBRET
A crise do Primeiro Reinado
Aumento das tensões políticas entre
"brasileiros"
&
"portugueses"
Morte do jornalista Líbero Badaró
O observador constitucional
orientação liberal

1. (Enem 2012)

Após o retorno de uma viagem a Minas Gerais, onde Pedro I fora recebido com grande frieza, seus partidários prepararam uma série de manifestações a favor do imperador no Rio de Janeiro, armando fogueiras e luminárias na cidade. Contudo, na noite de 11 de março, tiveram início os conflitos que ficaram conhecidos como a Noite das Garrafadas, durante os quais os “brasileiros” apagavam as fogueiras “portuguesas” e atacavam as casas iluminadas, sendo respondidos com cacos de garrafas jogadas das janelas.



Os anos finais do I Reinado (1822-1831) se caracterizaram pelo aumento da tensão política. Nesse sentido, a análise dos episódios descritos em Minas Gerais e no Rio de Janeiro revela
a) estímulos ao racismo.
b) apoio ao xenofobismo.
c) críticas ao federalismo.
d) repúdio ao republicanismo.
e) questionamentos ao autoritarismo.

VAINFAS, R. (Org.). Dicionário do Brasil Imperial.
Rio de Janeiro: Objetiva, 2008 (adaptado).

Gabarito: E
2. (Enem 2010)

Eu, o Príncipe Regente, faço saber aos que o presente Alvará virem: que desejando promover e adiantar a riqueza nacional, e sendo um dos mananciais dela as manufaturas e a indústria, sou servido abolir e revogar toda e qualquer proibição que haja a este respeito no Estado do Brasil.


Alvará de liberdade para as indústrias (1º de Abril de 1808). In: Bonavides, P.; Amaral, R. Textos políticos da História do Brasil. Vol. 1. Brasília: Senado Federal, 2002 (adaptado).


O projeto industrializante de D. João, conforme expresso no alvará, não se concretizou.
Que características desse período explicam esse fato?
a) A ocupação de Portugal pelas tropas francesas e o fechamento das manufaturas portuguesas.
b) A dependência portuguesa da Inglaterra e o predomínio industrial inglês sobre suas redes de comércio.
c) A desconfiança da burguesia industrial colonial diante da chegada da família real portuguesa.
d) O confronto entre a França e a Inglaterra e a posição dúbia assumida por Portugal no comércio internacional.
e) O atraso industrial da colônia provocado pela perda de mercados para as indústrias portuguesas.

Gabarito:B
3. (Enem 2007)

Após a Independência, integramo-nos como exportadores de produtos primários à divisão internacional do trabalho, estruturada ao redor da Grã-Bretanha. O Brasil especializou-se na produção, com braço escravo importado da África, de plantas tropicais para a Europa e a América do Norte. Isso atrasou o desenvolvimento de nossa economia por pelo menos uns oitenta anos. Éramos um país essencialmente agrícola e tecnicamente atrasado por depender de produtores cativos. Não se poderia confiar a trabalhadores forçados outros instrumentos de produção que os mais toscos e baratos.
O atraso econômico forçou o Brasil a se voltar para fora. Era do exterior que vinham os bens de consumo que fundamentavam um padrão de vida "civilizado", marca que distinguia as classes cultas e "naturalmente" dominantes do povaréu primitivo e miserável. (...) E de fora vinham também os capitais que permitiam iniciar a construção de uma infraestrutura de serviços urbanos, de energia, transportes e comunicações.





Paul Singer. Evolução da economia e vinculação internacional. In: I. Sachs; J. Willheim; P. S. Pinheiro (Orgs.). Brasil: um século de transformações. São Paulo: Cia. das Letras, 2001, p. 80.
Levando-se em consideração as afirmações anteriores, relativas à estrutura econômica do Brasil por ocasião da independência política (1822), é correto afirmar que o país
a) se industrializou rapidamente devido ao desenvolvimento alcançado no período colonial.
b) extinguiu a produção colonial baseada na escravidão e fundamentou a produção no trabalho livre.
c) se tornou dependente da economia europeia por realizar tardiamente sua industrialização em relação a outros países.
d) se tornou dependente do capital estrangeiro, que foi introduzido no país sem trazer ganhos para a infraestrutura de serviços urbanos.
e) teve sua industrialização estimulada pela Grã-Bretanha, que investiu capitais em vários setores produtivos.
Gabarito: C
Dentro do Brasil
Havia o crescimento de jornais com aporte político já neste momento. Avessamente ao que acontecia antes, em que os jornais tratavam apenas de frivolidades.
Eleições:
eleitores de paróquia
eleitores de província
candidatos a deputado
candidatos ao senado
100 mil-réis
200 mil-réis
400 mil-réis
800 mil-réis

Renda proveninente de empregos, comércio, indústria e propriedade de terras.
Voto censitário masculino
Fora do Brasil
Sucessão do trono português
Problemas com Dom Miguel

Noite das garrafadas
Lembre que a constituição de 1824 centralizou o poder e concedeu ao Imperador o poder

Moderador.
OS SENTIDOS DE INDEPENDÊNCIA
O direito à
propriedade escrava
suplantou, por muito tempo no Brasil, o direito à
liberdade
.
A Confederação do Equador, ocorrida em 1824, apresentou propostas alternativas à organização do Império do Brasil, sendo porém reprimidas pelo governo de Pedro I.
Explicite o motivo central para a eclosão da Confederação do Equador e cite duas de suas propostas para a organização do poder de Estado.
Em províncias do norte, lideranças adeptas do fortalecimento dos governos provinciais rebelaram-se contra o governo de D. Pedro I e apresentaram as seguintes propostas alternativas: criação de uma confederação republicana autônoma, organização federativa, estabelecimento de três poderes de Estado e defesa da soberania nacional em detrimento da soberania monárquica.

"Meu querido filho, e meu imperador. Muito lhe agradeço a carta que me escreveu, eu mal a pude ler porque as lágrimas eram tantas que me impediam a ver; agora que me acho, apesar de tudo, um pouco mais descansado, faço esta para lhe agradecer a sua, e para certificar-lhe que enquanto vida tiver as saudades jamais se extinguirão em meu dilacerado coração.
Deixar filhos, pátria e amigos, não pode haver maior sacrifício; mas levar a honra ilibada, não pode haver maior glória. Lembre-se sempre de seu pai, ame a sua e a minha pátria, siga os conselhos que lhe derem aqueles que cuidarem na sua educação, e conte que o mundo o há de admirar, e que me hei de encher de ufania por ter um filho digno da pátria. Eu me retiro para a Europa: assim é necessário para que o Brasil sossegue, o que Deus permita, e possa para o futuro chegar àquele grau de prosperidade de que é capaz. Adeus, meu amado filho, receba a benção de seu pai que se retira saudoso e sem mais esperanças de o ver."

Carta de Despedida de D. Pedro I
para seu filho D. Pedro II
D. Pedro de Alcântara
12 de abril de 1831
Fonte: http://www.museuhistoriconacional.com.br/mh-e-330m.htm
Full transcript