Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

ERGONOMIA – APLICAÇÕES INDUSTRIAIS, AGRÍCOLAS, NOS SERVIÇOS

No description
by

André Daneluzzi

on 8 December 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of ERGONOMIA – APLICAÇÕES INDUSTRIAIS, AGRÍCOLAS, NOS SERVIÇOS

End
1. Introdução
4. Ergonomia na Agricultura
5. Ergonomia no setor de serviços
Setor de serviços
Comércio, saúde, educação, escritórios, bancos, lazer e prestações de serviços em geral.
Aplicação da Ergonomia
Melhoria do projeto de sistemas de informação (ergonomia da informática);
melhoria do projeto de sistemas complexos de controle;
estudos diversos sobre hospitais, bancos, supermercados etc.

ERGONOMIA – APLICAÇÕES INDUSTRIAIS, AGRÍCOLAS, NOS SERVIÇOS E NA VIDA DIÁRIA
André Daneluzzi D'Ambrósio
Angelo Kim
Douglas Soares

3. Ergonomia na Indústria
3.1
Treinamento Industrial
3.2
Automatização
3.3
Trabalho de Inspeção na Indústria
3.4
Difusão da Ergonomia na Indústria
3.5
Aplicações Setoriais
3.1 Treinamento Industrial
3.2 Automatização
3.3 Inspeção na Indústria
3.4 Difusão da ergonomia na empresa
3.5 Aplicações Setoriais
Sumário
1. Introdução
2. Ergonomia
3. Ergonomia na Indústria
4. Ergonomia na Agricultura
5. Ergonomia nos Serviços
6. Ergonomia na Vida Diária
7. Conclusão
8. Referências

Motivo
melhoria da eficiência do trabalhor
prevenção de acidentes
aumento do bem estar
Novos conceitos
foram implementados ao ambiente de trabalho
Ergonomia
Desgaste excessivo gerava estresse, acidentes, queda no rendimento, falta de estrutura do trabalho, tarefas maçantes, despeza para o empregador
Novas técnicas e formas para melhorar o ambiente de trabalho, melhor rendimento, melhoria no bem estar e mais lucro
Outras aplicações
Conceito começa a fugir da indústria
Aplicação em outras áreas
Importância da Ergonomia em vários setores
2. Ergonomia
A
ergonomia
pode ser definida de maneira geral como o
estudo da adaptação do trabalho ao homem
. O
trabalho
tem uma acepção bastante ampla, abrangendo
não apenas máquinas e equipamentos
utilizados para transformar materiais,
mas
também
toda a situação em que ocorre o relacionamento entre o homem e seu trabalho
. Isso envolve
não somente o ambiente físico, mas também os aspectos organizacionais
de como esse trabalho é programado e controlado para
produzir os resultados desejados
(IIDA I. , 1995).
O campo da Ergonomia é praticamente ilimitado
Várias aplicações: equipamentos cirúrgicos, odontológicos e hospitalares, ferramentas, eletrodomésticos, móveis, informática, transporte aéreo, rodoviário, naval, ferroviário, espacial, etc.

fase embrionária
.
NR 17
: realização de
análises ergonômicas
do trabalho >
estímulo
dentro das empresas;
As atuações dos comitês
:
recomendações
projetos de iluminação, de mobiliário e de layout
conscientização postural e ginástica laboral
transporte e movimentação de cargas
Em geral, por meio de
consultorias externas
Programas de ergonomia
Visão sistêmica e multidisciplinar (formação da equipe);
leva em consideração a
produtividade
e os
aspectos humanos
promove uma
gestão participativa
->
melhoria de resultados
e
aumento de competitividade
No mundo todo, a pesquisa em Ergonomia no setor agrícola é reduzida tanto no Brasil quanto internacionalmente, com contribuição quase insignificante pelo baixo número de estudos específicos para cada caso
Fonte: IIDA I. , 1995
Máquinas agrícolas:

fabricadas sem estudos prévios
de todo o ambiente de conforto do operador e ainda
sem considerar os deslocamentos e movimentos
exigidos pela máquina durante seu funcionamento
Fonte: Duarte, 1999 ; Campos 2000
Fonte:(FIEDLER, 1995), Murphy (1992)
Ergonomia na Agricultura - Equipamentos
Equipamentos adequados são os
melhores recursos do trabalho
e
essenciais
para um
trabalho confortável
,
mantendo a saúde e o bem-estar
, levando a um
aumento de rendimento
,
diminuição dos riscos de acidentes
e
melhor qualidade do trabalho

Fonte: FIEDLER, 1995
Agricultura na Ergonomia - Riscos
desordens no músculo esquelético;
Trabalho de campo agrícola (colhendo, capinando, irrigando, práticas culturais, etc.) permanecem como tarefas físicas exigentes, envolvendo posturas inclinadas para frente abaixando e levantando, e trabalho de mão repetitivo, podendo causar danos nas costas
Ergonomia na Agricultura - Aplicação
Crescente incidência de
desordens músculo-equeléticas
na Califórnia, EUA
Implementação do
primeiro padrão de saúde profissional
para ergonomia nos EUA
Classificação
da Agricultura como
atividade de alto risco
->
alta taxa de dano
na atividade.
Preocupação com os
fatores de risco

proporcionados pela Agricultura:
postura
do corpo se inclinando,
trabalho
de mão
altamente repetitivo
,
levantamento
manual de
cargas pesadas
Solução

educação
dos trabalhadores, e empregadores sobre os
riscos
e as
formas de prevenção
;
analisar técnicas
utilizadas em
outras atividade
s
;
estudar
novas técnicas e métodos
;
interferir
e
alertar
sobre os possíveis danos
Ergonomia na vida diária
6.1 Ergonomia nas Atividades Domésticas

6.2 Ergonomia no Ensino
6.3 Ergonomia nos Transportes
6.4 Ergonomia no Espaço Público
6.5 Ergonomia no Projeto de Edifícios
6. Ergonomia na Vida Diária
6.1
Ergonomia nas Atividades Domésticas
6.2
Ergonomia no Ensino
6.3
Ergonomia nos Transportes
6.4
Ergonomia no Espaço Público
6.5
Ergonomia no Projeto de Edifícios
Objetivo
-Aumento da produtividade
-Melhora na confiabilidade dos sistemas

Vantagens
-Substituição do trabalho manual intenso e repetitivo
-Segurança
-Manutenção das máquinas X custo do trabalhador

Desvantagens
-Monotonia das atividades
-Impacto social
Terceiro Agente em uma indústria
Papel Preventivo:
-normas e leis
Papel Remediador:
-corrigir irregularidades

Problema: Confiabilidade na inspeção

Para saúde da empresa:
Inspeção Estatal: INMETRO, ANATEL
Inspeção Social: Sindicatos, grupos sociais

Segundo (IIDA, 2003), a ergonomia no ensino pode ser dividida em seis áreas, de pesquisa:

Compatibilidade do processo educacional
: O processo educacional deve ser compatível com o objetivo instrucional, utilizando procedimentos e métodos mais adequados.
Método de Avaliação
: Métodos mais eficientes que gerem menos stress (provas mais frequentes e menos demoradas)
Equipamentos e Materiais Didáticos
:
Tecnologias como vídeos, máquinas para ar, livros didáticos, ...
Infra-estrutura e ambiente
:O projeto adequado do ambiente físico(salas de aula, biblioteca, laboratório) -> iluminação, ruídos, temperatura, ventilação, ...
Aspectos Organizacionais
:
horários, as durações das aulas e dos intervalos, a seqüência das disciplinas, os tamanhos das turmas, ...
Problema:
falta de conforto interno no veículo vivenciada pelos passageiros e operadores gerado pela roleta
restrição de espaço para o cobrador
dores corporais e lesões
prejudica a produtividade; estresse ;
restrinção da área de circulação do passageiro
Solução:
Espaço físico x espaço psicológico(pessoal)
Invasão do espaço pessoal pode causar desconforto, stress

Íntimo
(0 a 45 cm) – reservado para contatos físicos com as pessoas de maior intimidade.
Pessoal
(45 a 120cm) – para contatos amigáveis com pessoas conhecidas.
Social
(120 a 360cm) – para relacionamento profissional com colegas de trabalho e durante eventos sociais.
Público
(acima de 360cm) – distância a ser mantida dos desconhecidos.
O projeto de um edifício vai além da engenharia e da arquitetura
Planejamento ergonômico:
-Preferências, necessidades pessoais
-Planejamento Sociocultural

A difusão da ergonomia nas empresas ocorreu especialmente em decorrência
do aumento da pressão da fiscalização do trabalho;
da maior atuação dos sindicatos e do ministério público;
do aumento das lesões do sistema osteomuscular.
Ergonomia Brasileira
Surgiu da difusão da ergonomia em âmbito internacional e, desde então ocupa um relativo destaque nesse cenário.

Associação Brasileira de Ergonomia (Abergo)

Sua criação foi um fator importante para o desenvolvimento das pesquisas em ergonomia e sua difusão, pois ela passou a organizar congressos (uma forma de divulgar as pesquisas);
estabeleceu um debate crítico sobre a produção científica entre pesquisadores nacionais e internacionais.

Agricultura e Mineração
Melhoria do projeto de máquinas agrícolas e de mineração;
melhoria das tarefas de colheita, transporte e armazenagem;
estudos sobre os efeitos dos agrotóxicos.

Indústrias
Melhoria das interfaces dos sistemas homens-tarefa;
melhoria das condições ambientais de trabalho;
melhoria das condições organizacionais de trabalho;
7. Conclusão
novas ideias para preservação da saúde e
segurança do homem no ambiente de trabalho.
avanços daciência e da tecnologia, novos materiais foram criados para que não houvesse um desgaste excessivo do trabalhador ao longo da jornada de trabalho
Aplicações em várias áreas
Necessidade de reformulação de ideias em algumas áreas
Fonte: Queiroz &Maciel, 2001
Fonte: Iida, 1993
Fonte: Bem Estar Social
Fonte: Batista&Barbosa, 2010
Fonte: Iida, 2003
Fonte: Iida, 2003
Referências
Batista, I. A., & Barbosa, H. M. (2010). Catraca (roleta) não giratória. Revista dos Transportes Públicos - ANTP.

Bem Viver Consultoria Empresarial. (s.d.). Acesso em 17 de Novembro de 2014, disponível em https://www.facebook.com/BemViverConsultoriaEmpresarial

CAMPOS, M. L. (2000). A gestão participativa como uma proposta de reorganização do trabalho em um sistema de produção industrial: uma estratégia de ampliação da eficácia sob a ótica da ergonomia. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção), Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Florianópolis.

DUARTE, F. J. (1999). Comitês de ergonomia e ergonomistas internos: o rumo da ergonomia nas empresas brasileiras. Anais do IX Congresso Brasileiro de Ergonomia.

FIEDLER, N. C. (1995). Avaliação ergonômica de máquinas utilizadas na colheita de madeira. Mestrado em Ciência Florestal, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa.

IIDA, I. (1995). Ergonomia. Projeto e Produção. São Paulo: Editora Edgar Blucher Ltda.

IIDA. (2003). Ergonomia: Projeto e Produção. São Paulo: Editora Edgar Blucher Ltda.

OSHA - Occupational Safety & Health Administration. (s.d.). U.S. DEPARTMENT OF LABOR. Acesso em 14 de Novembro de 2014, disponível em http://www.osha.gov

SANTOS, A. P. (2004). Ergonomia dos Ônibus Urbanos - Estudo de Caso na Cidade de Santos. Tese de Mestrado, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.
Full transcript