Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Copy of Radiologic Technologist

A Radiologist is a doctor who interprets medical images of patients and diagnoses them.
by

Juliana Almeida Coelho

on 11 October 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Copy of Radiologic Technologist

COMPETÊNCIAS DE ENFERMEIROS (AS) E TÉCNICOS (AS) EM ENFERMAGEM PARA ATUAÇÃO EM TECNOLOGIAS RADIOLÓGICAS
Juliana Almeida Coelho de Melo

Orientadora: Dra. Francine Lima Gelbcke
ENFERMAGEM RADIOLÓGICA
INTRODUÇÃO
Interesse pela temática - atuação profissional: Tecnóloga em Radiologia e docência.

Necessidade de estabelecer as competências necessárias aos profissionais de Enfermagem que atuam nas unidades de radiologia, hemodinâmica, centro cirúrgico e medicina nuclear, as quais requerem equipamentos de diagnóstico por imagem (TURRINI, 2010).
PROBLEMA DE PESQUISA

De que maneira os/as Enfermeiros/as e Técnicos de Enfermagem adquirem as competências para atuação no processo de trabalho envolvendo as tecnologias radiológicas?
OBJETIVO GERAL

Analisar o processo de construção de competências por enfermeiros/as e técnicos/as em Enfermagem para atuar no processo de trabalho envolvendo as tecnologias radiológicas.
REVISÃO DE LITERATURA

Formação dos profissionais de Enfermagem no Brasil.
Processo de trabalho em saúde e Enfermagem e as tecnologias radiológicas.
Radiação ionizante e proteção radiológica.
REFERENCIAL TEÓRICO

Nessa pesquisa, utiliza-se o conceito de competências formulado por Perrenoud (2009, p. 23) que as considera como “aquisições e aprendizados construídos e não como virtualidade da espécie”. Para ele, a competência é construída com a prática, momento em que se multiplicam as situações apreendidas.

As competências podem fornecer meios para se apreender a realidade, além de responder a uma demanda social dirigida para a adaptação ao mercado e às mudanças no mundo do trabalho (PERRENOUD, 2009).

Saber-fazer remete a um estado prático, sem necessariamente estar ligado a um conhecimento teórico ou procedimental. “Saber fazer é uma competência, porém uma competência pode ser mais complexa, aberta e flexível do que um saber fazer” (PERRENOUD, 2009, p. 27).
WHEN WORKING AS A RADIOLOGIC TECHNOLOGIST, YOU WILL FULFILL A NUMBER OF TASKS INCLUDING:
RESULTADOS
Processo de trabalho na Enfermagem Radiológica: a invisibilidade da radiação ionizante.

Saberes e Competências da Enfermagem Radiológica.
FINALIDADE: asistência aos pacientes que realizam algum tipo de procedimento envolvendo as tecnologias radiológicas. Essa prestação de cuidados pode assumir diferentes arranjos quando relacionada ao setor de atuação.
OBJETO DE TRABALHO: paciente/pessoa que recebe os cuidados de Enfemagem. Cabe à Enfermagem radiológica assistir os processos investigativos que auxiliem na "mudança" desse objeto.
Embora o objeto de trabalho seja o mesmo nos setores pesquisados, as atividades realizadas diferenciam-se entre si, principalmente pela tecnologia radiológica utilizada.

INSTRUMENTOS DE TRABALHO: além dos instrumentos típicos utilizados na prestação do cuidado, na enfermagem radiológica os equipamentos radiológicos também são considerados instrumentos nesse processo de trabalho.

DESGASTES REVELADOS
DIMENSÕES DO PROCESSO DE TRABALHO NA ENFERMAGEM RADIOLÓGICA
CONSIDERAÇÕES FINAIS MANUSCRITO 1
RESULTADOS
CONSIDERAÇÕES FINAIS - MANUSCRITO 2
Nesse estudo, considera-se como competência um conjunto de conhecimentos, conceitos e procedimentos que permitem identificar uma situação-problema e resolvê-la por meio de uma ação eficiente. Dessa forma, deve-se pensar em competência como a mobilização de diferentes recursos afetivos e cognitivos para enfrentar situações do cotidiano do trabalho (DOLZ; OLLAGNIER, 2004; PERRENOUD 2000).
Observou-se uma cultura de medo nos trabalhadores expostos à radiação - invisibilidade desse instrumento - estratégia de enfrentamento.
Conflito ético entre a necessidade de exposição à radiação em situações inseguras X autonomia profissional.
Currículo (formal/informal) não é o meio formador de competências na enfermagem radiológica.
Necessidade de estudos mais aprofundados sobre os desgastes de outras profissões que também estão expostas à radiação ionizante.
Limitação do estudo - a prática dos trabalhadores não foi observada.
Having a GED
Completing a Medical Imaging Technology program
AGRADECIMENTOS!
THE OUTLOOK AND EMPLOYMENT OF THIS OCCUPATION SHOWS:
Over the years, the demand for this job will grow extremely high.

Major employers include hospitals, doctor's offices and medical laboratories.

50% of all radiologic technologists will work in hospitals.
SO: WHY WOULD I BE ANY GOOD AT THIS JOB?
I have a very good eye for detail

I am exact and thorough in my work

I am very intuitive, which will help me change my behaviour to relate to patients

I have many of the abilities and skills needed to be a Radiologic Technologist

Organização
Introdução
Problema de Pesquisa
Objetivos
Justificativa
Revisão de Literatura
Sustentação Teórica
Metodologia
Resultados
Considerações Finais
Referências
Agradecimentos

A maioria dos cursos de Enfermagem não cotempla, em sua grade curricular conhecimentos mais profundos sobre radiologia, porém para o bom funcionamento dos serviços de angiografia e hemodinamica, os profissionais de enfermagem necessita de conhecimentos básicos sobre essa especialidade.

VIEIRA, Luiz Carlos et al, 2009.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Identificar o conhecimento que enfermeiros/as e técnicos/as de Enfermagem possuem sobre o uso das tecnologias radiológicas e radioterapêuticas, assim como a atitude deles frente ao cuidado dos pacientes que necessitam utilizar essas tecnologias.
Determinar como ocorre a construção das competências necessárias para atuação dos/as enfermeiros/as e técnicos/as de enfermagem com as tecnologias radiológicas.
Analisar as dimensões do processo de trabalho dos profissionais de Enfermagem que atuam com as tecnologias radiológicas.


Tardif (2005) conceitua o termo como o saber de alguém para desenvolver ações que cumpram com um objetivo qualquer. Sendo assim, os saberes da equipe de enfermagem se compõem de um conjunto de saberes provenientes das mais diversificadas fontes, sendo esses saberes disciplinares, curriculares, profissionais e experienciais.
METODOLOGIA
Descrição do setores, tecnologias utilizadas e trabalhadores.
Centro Cirúrgico
3 salas de cirurgias em funcionamento.
110 cirurgias por mês.
40 profissionais de Enfermagem distribuídos nas 3 categorias.
11 profissionais fizeram parte desse estudo.
Tecnologia utilizada: Arco em C ou Arco cirúrgico -> fluoroscopia.
RADIOLOGIA
Setor mais heterogênio.
Tecnologias:
1 sala de exames contrastados.
1 sala de tomografia computadorizada.
1 sala de ultrassonografia.
2 salas para exames de raios x convencional.
1 sala de mamografia.
Possui 4 profissionais de Enfermagem e apenas 2 participaram da pesquisa.
HEMODINÂMICA
30 procedimentos por mês.
4 profissionais fixos e 5 profissionais que realizam plantões e/ou coberturas.
Foram entrevistados 7 profissionais.
Realiza procedimentos diagnósticos e terapêuticos.
Tecnologia -> Fluoroscopia
Dois Manuscritos:
Objetivo: analisar as dimensões do processo de trabalho dos profissionais de Enfermagem que atuam com as tecnologias radiológicas.

Entrevistas semi-estruturadas.
Duas categorias de análise:
*Processo de trabalho na Enfermagem radiológica.
* Dimensões do processo de trabalho na Enfermagem radiológica.
"Daí a minha função na sala também, além de ajudar a anestesia, é preparar o paciente pra cirurgia. Botar os eletrodos, botar o oxímetro, aparelho de pressão, afastar a perna, vê se ele tá bem acomodado, se ele tá quentinho, e ajudar a instrumentadora em alguns materiais que ela necessita" (T4).
[...] "a gente tem as mesmas atividades de setores, de setor de internação, numa escala menor, né?" (E1)
Invisibilidade da Radiação Ionizante
[...] "o funcionário que venha pra cá, qual é o nosso requisito, tem que ter instrumentação cirúrgica, porque uma endoprótese tem que instrumentar, uma angio tem que instrumentar" [...] (E2).

"É o médico quem faz. Quem manuseia o negócio ali é o médico, não é a gente não" (E3).

"O que a gente acha conhecimento específico da radiologia, porque assim, a gente não entra no mérito tá, eu faço questão disso tá, eu não entro no mérito de olhar um raio X" (E1).
"se o trabalho é algo externo ao trabalhador, passa a não fazer parte da sua natureza [...] alienando-se" (LEOPARDI, GELBCKE, RAMOS, 2001, p.35)
Invisibilidade -> Desgastes no trabalhador
"Teve uma vez que nós começamos 3 horas da tarde e saí daqui duas e meia da manhã. Aí no outro dia tu tá que não consegue quase andar porque é avental de chumbo, colar cervical... aí a gente faz nesses momentos assim, a gente sai, fica meia hora fora, senta, retorna, pra não ficar.. Mas, assim, no dia seguinte nós estamos assim, toda a parte articular doendo pra caramba" (E2).
"Mas é o peso do avental de chumbo, o colete que é uma coisa muito desgastante e até porque os nossos trabalhadores já estão com uma idade mais avançada e a gente sente muito quando precisa utilizar. Tudo é pesado. Chega no final da cirurgia tu quer... Eu já não sou pequena então, carregar mais dez quilos, eu não sei quanto pesa aquilo, mas deve ser rodando isso. Então é muito cansativo. Tem gente, inclusive, que sai com dor nas costas no outro dia, de tão pesado que é" (T8).
Quanto às atitutes de proteção, não utilizam mecanismos como o tempo e a distância e relacionam o uso do dosímetro como meio de proteção radiológica.
Desgastes por Déficit na Força de Trabalho
"A gente não tem enfermagem suficiente de manhã, nós somos em 3, que ficam uma no contrastado, uma no ultrassom e uma na tomografia. À tarde, a gente só tem o Joãozinho6 que fica na tomografia" (E1).

"Nós temos, hoje, uma enfermeira de manhã e uma enfermeira à tarde. Então tu imaginas a gente tá sempre contando em três pra poder dar conta disso. Então, durante todo o procedimento a gente tem contato com essa radiação. [...] Então, precisa de uma equipe de manhã, uma à tarde e uma até dez, onze horas da noite" (E2).
Essas falam apontam que o dimensionamento correto da equipe de enfermagem é um fator de relevância para que a segurança e a qualidade de assistência aos pacientes sejam garantidas, principalmente na enfermagem radiológica (COREN, 2010).
O cuidado perpassa por ações de orientação, acolhimento, assistência direta ao paciente no momento e após a realização do procedimento.
"A gente vai na unidade, faz a visita pré, acompanha durante o procedimento, e após, ele já sai com uma evolução e com plano de cuidados pós a intervenção. Uma das funções nossas é identificar o tempo de exposição à radiação que o paciente fica exposto, o paciente que ultrapassa os 20 minutos ele já tem que ser encaminhado para o ambulatório da dermatologia, onde ele vai ser acompanhado pela dermatologia, tá" (E2).
As ações englobam dimensionamento e organização da força de trabalho, organização da dinâmica do setor, provimento e aquisição de materiais e medicamentos, entre outras atividades.
Olha, geralmente assim, qual é a função do enfermeiro hoje aqui na hemodinâmica? É o controle dos materiais, até porque nós temos materiais de alto custo. A gente faz essa parte da lavagem desses materiais, o gerenciamento da equipe, de prover funcionários em quantidade específica pra determinado procedimento. Trocas, isso e aquilo (E2).
Essa dimensão relaciona-se com a educação permanente e em saúde, visa aumentar a qualidade e segurança da assistência por meio da orientação do paciente e atualização da força de trabalho.
"Então só o que a gente vê na sala é isso daí... É tão automático, caberia a mim perguntar? Ele já deveria vir com essa informação? E às vezes o paciente fala: não, eu tenho alergia a tal coisa. Mas o senhor não falou isso, por que o senhor não falou? Ah, ninguém perguntou" (T9).
O uso da radiação ionizante nos setores de radiologia, hemodinâmica e centro cirúrgico é visto como um instrumento de trabalho externo ao processo de trabalho da enfermagem.
A invisibilidade da radiação ionizante pode estar relacionada com os desgastes externados pelos trabalhadores. Acredita-se que o conhecimento fragilizado sobre o assunto implica em práticas incorretas de proteção.
Conhecimentos específicos sobre a radiação ionizante, tecnologias radiológicas e meios de proteção são primordiais para proporcionar uma assistência segura e de qualidade.
As dimensões do processo de trabalho na enfermagem radiológica relacionam-se entre si, ocorrendo muitas vezes de forma simultânea a prestação da assistência, confirmando a complexidade dessa práxis da Enfermagem.
OBJETIVOS: identificar o conhecimento que enfermeiros (as) e técnicos (as) de Enfermagem possuem sobre o uso das tecnologias radiológicas e analisar como ocorre a construção das competências necessárias para atuação desses profissionais com as tecnologias radiológicas.
Entrevistas semi-estruturadas.
Análise documental.
O fazer da Enfermagem e as competências profissionais
Duas principais áreas de atuação: *diagnóstico por imagem
*radiologia intervencionista.
SABER-FAZER: aquisição de competências para atuação na Enfermagem Radiológica
No campo do trabalho, as competências definem os saberes e experiências necessárias para agir de forma eficaz em função das exigências do próprio trabalho.
O fazer da Enfermagem e as competências profissionais
SABER-FAZER: aquisição de competências para atuação em Enfermagem radiológica.
Observou-se que as competências para atuar na enfermagem radiológica vão além de conhecimentos e habilidades técnicas inerentes ao próprio trabalho da enfermagem. Na Enfermagem radiológica, fundem-se as habilidades específicas de centro cirúrgico, cuidados pós-anestésicos, cuidados intensivos, cuidados ambulatoriais, o agir na urgência e emergência, cuidados na proteção de si e do paciente, além dos conhecimentos sobre a radiação ionizante.
Resolução nº 211/1198 COFEN traça as competências, mas não incentiva a especialização.
"Eles questionam: ah, por que o setor da radiologia faz 24 horas e nós aqui temos contato com o arco em C continuamos fazendo as 30 horas? Eles têm muito medo do que possa acontecer no futuro, ah fulano teve isso, mas não foi comprovado que foi pela radiação. Eles ficam preocupados [...]". (E5)
"A gente ainda fica em dúvidas, até que ponto a radiação não pega, não ultrapassa na gente, né, mas a gente sempre tem dúvidas. É uma situação de insegurança porque ninguém sabe se aqueles nossos coletes são eficazes, não sei se estão rachados. Então a gente não sabe até que ponto a gente tá sem essa proteção, né?" (T7)
"Nos dois contrastes, ele é super perigoso, né? E então assim, até como forma de tu estares fazendo uma triagem correta, né? O que cada exame faz? [...] Por exemplo, o técnico em radiologia, ele trabalha quatro horas diárias. A enfermagem não tem nenhuma legalização". (E6)
competências apreendidas de forma fragilizada e fragmentada.
temática pouco abordada no processo de formação profissional (20/4).
Analisando as falas dos participantes sob a ótica de Tardif (2005), percebe-se que os profissionais entrevistados fazem uso dos seus saberes profissionais e experienciais para atuar na Enfermagem radiológica.
Acredita-se que os saberes experienciais surgem como núcleo vital do saber da Enfermagem radiológica, nos ambientes pesquisados. A prática pode ser vista como um processo de aprendizagem em que os profissionais de enfermagem ressignificam sua formação e a adaptam à sua profissão, “provocando assim um efeito de retomada crítica dos saberes adquiridos fora da prática profissional” (TARDIF, 2005, p.53).
"Savoir-faire"
Saber-fazer é uma competência (PERRENOUD, 2009), porém a competência para atuar na enfermagem radiológica é mais complexa e necessita tanto da mobilização de saberes, habilidades e atitudes relacionadas à física das radiações, efeitos da exposição à radiação ionizante, proteção radiológica, meios de contraste, como também do domínio das diferentes tecnologias radiológicas presentes nos serviços de saúde.
Essa pesquisa evidenciou que, embora nos últimos quatro anos tenham sido realizadas ações de capacitação nessa área de conhecimento, os profissionais apontaram para a inexistência dessas ações nos setores pesquisados, alegando não terem recebido nenhum treinamento para trabalhar em setores que envolvam as tecnologias radiológicas.
É necessário refletir sobre essas ações.
Resgatando o que preceitua a Portaria 453 (AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA, 1998), que estabelece as diretrizes de proteção radiológica, o hospital pesquisado não cumpre o disposto no item 3.38, que orienta a implementação de um programa de treinamento anual com toda a equipe multiprofissional exposta à radiação ionizante. Esse programa deve abordar temas como operação dos equipamentos, uso das vestimentas de proteção radiológica, procedimentos para minimização de doses, uso de dosímetros, entre outros assuntos.
As competências da Enfermagem radiológica são mobilizadas em sua maioria, com a observação de profissionais mais experientes e com a resignificação, em cada prática, do saber coletivo.

Educação permanente como estratégia.

Atuação na enfermagemr radiológica necessita de normatizações, esclarecimentos e até mesmo, revisão da legislação em vigor.

Durante o processo de formação, propiciar vivências que aproximem os discentes a essa área do conhecimento.
CONSIDERAÇÕES FINAIS - DISSERTAÇÃO
REFERÊNCIAS
“É necessário pegar o texto da mesma forma como se pega uma flauta, para acordar o artista que dorme em nós, ou como quem pega uma pipa, fazendo voar os pensamentos. É sempre assim com a Arte e o brinquedo, o prazer só vem quando o corpo se põe a dançar”.
Rubem Alves
Nesse cenário, surgem novos desafios para a formação profissional em saúde, decorrentes de uma aceleração das modificações no mundo do trabalho e, por consequência, transformações no mundo acadêmico – no que se refere às exigências de capacitação e atualização – e nos processos formativos desenvolvidos (DELORS et al., 2000; VASCONCELLOS, 2006; HADDAD et al., 2008).
Ricaldoni et al. (2006, p.840) referem que “no âmbito da educação e da saúde, a acumulação do conhecimento, traduzido em tecnologias[...] tem influenciado a organização do trabalho, exigindo que os profissionais adquiram novas” competências e habilidades para lidar com estas tecnologias e, neste caso, as tecnologias radiológicas
Justificativa
Embora reconheça que as habilidades e competências têm sido adquiridas, de alguma forma, durante a formação dos profissionais de Enfermagem, Flôr (2010, p. 162) afirma que “diante de tantas possibilidades de atuação da enfermagem, a formação em enfermagem é muito abrangente, deixando de lado áreas em que a Enfermagem tem sido cada vez mais solicitada, como é o caso dos serviços de radiologia e diagnóstico por imagem”.
Calegaro (2007) chama a atenção para a existência de poucas pesquisas sobre a exposição ocupacional à radiação ionizante dos profissionais de Enfermagem e garante que a orientação adequada desses profissionais seria suficiente para sua proteção radiológica.
Essa pesquisa se diferencia das demais por não analisar apenas o processo de trabalho, e sim por analisar o trabalho dos profissionais da Enfermagem radiológica sob a ótica das competências e da formação, a fim de compreender como esse processo acontece no cotidiano do trabalho e de que maneira essas competências podem interferir nessa práxis.
Justificativa
Desgaste pode ser entendido como perda da capacidade potencial e/ou efetiva corporal e psíquica” (LAURELL, 1989, p.110).

Para Flôr (2010, p. 51), “desgaste corresponde às alterações negativas como consequência da ação das cargas sobre o corpo humano”.
Full transcript