Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Untitled Prezi

No description
by

Fernanda Ribeiro

on 18 February 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Untitled Prezi

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PENAMBUCO AS BASES BIOLÓGICAS DO COMPORTAMENTO ALIMENTAR Docente: Rhowena Barbosa Discentes: Fernanda Ribeiro
Janiele Costa
Jéssica Andresa
Roberta Carolline
Silava Cabral COMPORTAMENTO ALIMENTAR Comportamento alimentar é aquisição da matéria-prima essencial e de fontes de energia do meio pelo organismo, garantindo assim sua sobrevivência (AIRES, 2011). Regulação da Ingestão Alimentar BALANÇO ENERGÉTICO: INGESTÃO DE ALIMENTOS = GASTO DE ENERGIA FOME PRAZER SACIAÇÃO SACIEDADE FOME Estado fisiológico que leva um animal ou homem a procurar alimento. BRANDÃO SACIAÇÃO É O QUE LEVA A INTERROMPER UMA REFEIÇÃO. SACIAÇÃO: GRANDES REFEIÇÕES SACIEDADE O que leva a adiar uma refeição. Saciedade: frequência das refeições. (BRANDÃO, 2005). Pode ser iniciado pela necessidade de manutenção da homeostasia, na qual as informações acerca do estado nutricional que chega ao S.N.C. são provenientes do tecido adiposo, do plasma, do estômago, dos intestinos delgado e grosso, do pâncreas e do fígado SISTEMA HEDÔNICO = PRAZER Paralelo ao homeostático; Áreas envolvidas: Córtex pré-frontal
Amígdala

Pálido Ventral
Núcleo Accumbens


Sistema Límbico Freia as informações do hipotálamo sobre saciedade. Pode inibir a via anorexígena. Controle da Ingestão Alimentar Se dá a partir:

Periferia

Controle Neural
Controle Endócrino Tronco Encefálico NTS
Núcleo Parabranquial Núcleo Arqueado
NVM
NDM
HL
Centros corticais
NPV SNC: Controle Neural Sinalização neural periférica: Nervo Vago (via aferente) NTS (Eixo intestino-encéfalo) (Ramificações periféricas destes neurônios atigem os órgãos do Sistema Digestório, e as projeções centrais terminam em regiões específicas do NTS) Reflexos cefálicos, gástricos, hepáticos e intestinais, que acompanham a ingestão de alimentos. Nervo Vago CCK O duodeno libera CCK em resposta à presença de nutrientes na sua luz. Saciação! Distensão mecânica (estômago) O preenchimento gátrico excita e aumenta a frequência de disparo de fibras vagais macano- sensitivas. A quantidade de fibras excitadas depende do volume de alimento ingerido mas independe da composição deste alimento. Intestino Delgado Estímulos mecânicos e estímulos químicos oriundos dos nutrientes. Controle Endócrino Neuropeptídeos são liberados por células do tubo digestório em resposta à ingestão de nutrientes. Corrente Sanguínea SNC CCK Ghrelina GLP - peptídeo semelhante ao glucagon CVOs - órgãos circunventriculares. Peptídeos com função OREXÍGENA OU ANOREXÍGENA. NÚCLEO DO TRATO SOLITÁRIO Está envolvido com o controle do comportamento ingestivo de água e comida; Recebe informações viscerais aferentes do trato alimentar via nervo vagal; Possui alta densidade de receptores para a alfa-MSH. Núcleo Arqueado Apresenta corpos celulares responsáveis pela produção do neuropeptídeo y (NPY) Ghrelina A expressão do RNAm de NPY Ingestão de alimentos PYY LEPTINA E INSULINA A expressão do RNAm de NPY Ingestão de alimentos PYY Produzido pelas células do trato gastrintestinal, após as refeições. (Inibe a liberação de NPY) NÚCLEO ARQUEADO e AgRP. AgRP Ingestão alimentar Leptina (tecido adiposo) Insulina (Pâncreas) POMC
Neuropeptídeo, quando clivado forma o alfa-MSH; Leptina e Insulina aumenta a expressão de POMC; alfa-MSH consumo de alimentos CART é produzido pelos mesmos neurônios que expressam POMC; MC-3 e MC-4 são receptores para alfa-MSH e AgRP e estão presentes nos neurônios do NPV. Guyton, 2005 NVM Grande concentração de receptores para leptina; Preenchimento gástrico NTS (via vago) NVM HL Neurônios que expressam a orexina, relacionado com o aumento da ingestão alimentar; Aferências do HL originam-se de várias regiões corticais e/ou límbicas,tais como: córtex pré-frontal; olfatório; amígdala. núcleo accumbens; Apresenta uma densa concentração de fibras que contêm NPY, e parte dela é originada no NA; FATORES MOTIVACIONAIS FATORES SENSORIAIS VIAS ENVOLVIDAS NO COMPORTAMENTO ALIMENTAR Regulação a Curto Prazo do Comportamento Alimentar Ingestão de Alimento;
Trato Gastrintestinal -> Distenção;
Produção de CCK;
Informações chegam ao NTS;
Ativa POMC;
Redução da ingestão alimentar;
Saciedade.

glicose insulina

Estímulo dos neurônios POMC e CART;

Inibição dos neurônios NPY e AgRP;

Diminuição do CA , sensação saciedade.
INSULINA FATORES DE LONGO PRAZO Regulam os mecanismos comportamentais ligados à ingestão global de calorias pelo organismo;
Indivíduos com tendência a obesidade tem menor sensibilidade a este mecanismo de controle.
REGULAÇÃO A LONGO PRAZO Pessoas com tendência à obesidade podem apresentar uma diminuição dos receptores cerebrais para a leptina, causando uma insensibilidade à este hormônio; este fato faz com que mesmo grandes quantidades de leptina sendo liberadas pelas células adiposas não sejam suficientes para desencadear processos neurais de saciedade, fazendo com que o indivíduo coma maiores quantidades de alimento em cada refeição.

Observação Assim, temos dois fatores hormonais de saciedade:


Prosencéfalo
Full transcript