Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

AULA 2 - VISÃO E AUDIÇÃO

FINAL
by

Ana Carolina Giglio

on 20 March 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of AULA 2 - VISÃO E AUDIÇÃO

Detecção de sinais ou estímulos fracos depende:

intensidade do sinal;

estado psicológico do indivíduo [experiências, expectativas, motivaçãoes e estado de alerta]
Pessoas respondem de formas diferentes ao mesmo estímulo.
Se o limiar absoluto é o ponto a partir do qual detectamos um estímulo na METADE das vezes ........
somos capazes de detectar um estímulo ABAIXO do limiar absoluto!
Estímulo "subliminar": abaixo no nosso limiar.
Podemos ser influenciados por estímulos tão pequenos que passam despercebidos.
A percepção de um estímulo em relação ao outro depende da diferença entre limiares
[Lei de Weber]
A nossa sensibilidade pode diminuir para aqueles estímulos que não se modificam:
Piscina gelada

Relógio no pulso

Roupa no corpo
visão
Fotorreceptores da retina transformam a luz, que reflete dos objetos e entra nos nossos olhos, em impulsos elétricos que chegam ao SNC.
atravessa a pupila
é desviada pela córnea e pelo cristalino
quiasma óptico
trato óptico
tálamo
[A atenção possui papel importante na reintegração das informações processadas pelas diferentes vias e, portanto, na compreensão do estímulo como um todo]
[ou seja: a variação perceptível de um estímulo depende do estímulo de referência]
Estímulo mecânico:
ONDAS SONORAS

Qualidades Básicas das Ondas:
Frequência: taxa de vibração das ondas por unidade de tempo. Medida em CICLOS POR SEGUNDO ou HERTZ [Hz]. Corresponde basicamente à nossa percepção do TOM.

Amplitude: intensidade do som. Medida em DECIBÉIS. Corresponde à nossa percepção de ALTURA.

Complexidade: a maiorida dos sons é uma mistura de frequências. Uma mistura particular determina o TIMBRE ou a NATUREZA do som.
Para ouvirmos é preciso que as ondas sonoras sejam convertidas em sinais elétricos. Mas como?
Os sons mais altos (maior intensidade) ativam um número maior de células ciliadas.

Quando um célula ciliada perde a sua sensibilidade para sons suaves, ela pode continuar respondendo a sons de maior intensidade. Esse fato explica o motivo pelo qual alguns deficientes auditivos escutam sons mais intensos de maneira tão elevada quanto pessoas sem essa deficiência.
As próteses auditivas mais modernas amplificam mais os sons suaves.
Todos os idiomas humanos possuem uma semelhança fundamental: o cérebro possui um modelo básico para a criação da linguagem.
As áreas auditivas do cótex: papel fundamental na análise de informações relacionadas à linguagem no hemisfério esquerdo e à música no hemisfério direito.
WERNICKE: envolvido na compreensão da fala.
BROCA: estabelece relação entre os sons da fala e os programas motores necessários para produzí-los.
CÓRTEX AUDITIVO PRIMÁRIO: papel importante na compreensão da música.
LOBO TEMPAL DIREITO: analisa a prosódia .
Deficiências auditivas:
Perda auditiva condutiva: problemas no sistema mecânico que consusem as ondas sonoras para a cóclea.


Perda auditiva sensorionaural [ou surdez neural]: danos às células ciliadas da cóclea ou aos seus nervos associados.
*
1.
2.
SÍNDROME DA HEMI-NEGLIGÊNCIA
"Os dois pesquisadores pediram a Drew para olhar fixa e diretamente em frente e puseram marcadores móveis na parede, à esquerda de onde ele estava olhando. Mais uma vez, ele conseguiu apontar os marcadores, embora insistisse que realmente não os 'via'. Eles ergueram um bastão [...] em seu campo cego e pediram que desse um palpite sobre a posição do bastão. Drew não teve problema em fazê-lo, embora dissesse novamente que não conseguia vê-lo. [...]." (p.110-111, Ramachandram, V. S. Fantasmas do Cérebro)
"Às vezes ela reclama que as enfermeiras não puseram o café ou a sobremesa em sua bandeja. Quando elas replicam 'Mas senhora S., está bem aqui, à esquerda [...]. Se sua cabeça for delicadamente virada de modo que a sobremesa fique à vista na metade preservada do campo visual, ela diz: 'Ah, está aqui - não estava antes'". (p.93. Sacks, O. O homem que confundiu sua mulher com um chapéu)
Descoberto por Harry McGurk e John MacDonald em 1976, o efeito McGurk é um caso de integração multisensorial em que o estímulo auditivo é influenciado pelo estimulo visual.
Existem 2 tipos de efeito McGurk:
FUSÃO =
ESTÍMULO VISUAL
ESTÍMULO AUDITIVO
_____________________
/gi/
/bi/
_____________________
/di/
/gi/
/bi/
/bgi/
COMBINAÇÃO =
PERCEPÇÃO
Efeito McGurk
Mesmo quando o observador está ciente da ilusão, ele não consegue controlar a influência visual sobre sua percepção.
Estudos de neuroimagem funcional vêm sendo realizados nos últimos anos, e mostram que as principais regiões cerebrais ativadas durante o efeito McGurk são o córtex auditivo primário e o secundário.
exemplos:
Luz entra no olho
a imagem invertida projetada na retina
células da retina transformam a energia luminosa em elétrica
nervos ópticos
córtex visual
Limiar absoluto: É A INTENSIDADE MÍNIMA NECESSÁRIA PARA QUE UM ESTÍMULO SE TORNE DETECTÁVEL [São medidos pelo registro desta intensidade para apontarmos seu aparecimento em 50% das vezes]!
SENSAÇÃO
A percepção de um objeto depende da interação de muitos sistemas neurais.
SENSAÇÃO
Myers, D. (2006). Cap 5
20 ms
audição
A TEORIA ESPACIAL diz que as ondas de diferentes frequências vibram partes distintas da membrana basilar da cóclea, de modo que o cérebro pode distinguir os diferentes tons.

A TEORIA DA FREQUÊNCIA sugere que toda a membrana basilar vibra com a onda sonora que chega, disparando impulsos neurais para o cérebro na mesma taxa dessa onda.
Full transcript