Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Microeconomia

No description
by

Thiago Moraes

on 6 April 2017

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Microeconomia

Microeconomia
Lei da oferta e da demanda
2. A OFERTA AJUSTA-SE À DEMANDA:

ALTERANDO A TABELA DE PREÇOS.

ALTERANDO A PRODUÇÃO.

Lei da oferta e da demanda
3. A PRODUÇÃO EXIGE TEMPO.

A CURTO PRAZO NÃO HÁ EQUILÍBRIO, A QUANTIDADE PRODUZIDA É DIFERENTE DA QUANTIDADE VENDIDA.

4. O EQUILÍBRIO É UM ESTADO IMAGINÁRIO DE LONGO PRAZO.

Lei da oferta e da demanda
5. O PREÇO E A PRODUÇÃO RESULTAM:

a) DA INTERAÇÃO ENTRE PRODUTORES E CONSUMIDORES, NUM CERTO AMBIENTE SOCIAL E COM PODERES POLÍTICOS DIFERENCIADOS,

b) DOS NÍVEIS DAS VARIÁVEIS EXÓGENAS: NATUREZA, EXTERIOR E POLÍTICA ECONÔMICA.

Lei da oferta e da demanda
1. A DEMANDA ACONTECE PRIMEIRO.
A DEMANDA É UM FATO
EXTERNO
,
FORA DE CONTROLE DA EMPRESA.
A EMPRESA PODE
ESTIMULAR
A DEMANDA.
A EMPRESA NÃO PODE
DETERMINAR
A DEMANDA.
A EMPRESA
ACEITA
A DEMANDA QUE EXISTE.

Composição da demanda no Brasil %
Pirâmide Maslow
Tipos de produtos e serviços demandados
Lei da oferta
e
da demanda
A OFERTA AJUSTA-SE À DEMANDA:

A ECONOMIA É PUXADA PELA DEMANDA
.

Here are
some extra assets :
Prof. Dr. Thiago Perez Bernardes de Moraes
Principal referencia: LIMA, Gerson. Economia, dinheiro e poder político.
Príncipios da Lei da Oferta e da Demanda
*A DEMANDA ACONTECE PRIMEIRO.

*A OFERTA AJUSTA-SE À DEMANDA.

*A PRODUÇÃO EXIGE TEMPO.

*O EQUILÍBRIO É UMA CONSTRUÇÃO TEÓRICA.

O MERCADO DETERMINA PREÇO E PRODUÇÃO.

Quem demanda ?
A Empresa
O Governo
O Exportador
O Consumidor
Curva de demanda

É UMA RELAÇÃO ENTRE DUAS GRANDEZAS:

O PREÇO E A QUANTIDADE

DE UM PRODUTO OU SERVIÇO.

(NÃO É SÓ A QUANTIDADE COMPRADA)

COMO A RENDA É SEMPRE A
MESMA
,
SE O PREÇO
SOBE
AS COMPRAS
CAEM
.
PORTANTO,
A DEMANDA É UMA RELAÇÃO
NEGATIVA

ENTRE O
PREÇO
E A
QUANTIDADE
.

O que pode mudar a demanda ?
AS VARIÁVEIS EXÓGENAS:

A RENDA DO CONSUMIDOR

O GOVERNO

A CONCORRÊNCIA

O MARKETING

OS COMPLEMENTOS

OS HÁBITOS

Fatores exógenos que afetam a demanda
Elasticidades da demanda


O PREÇO


A RENDA



A CONCORRÊNCIA



A
ELASTICIDADE
DA
DEMANDA
DO PRODUTO DE UMA EMPRESA EM PARTICULAR É
INVERSAMENTE
PROPORCIONAL AO
TAMANHO
DA EMPRESA NO MERCADO.

As duas faces da oferta
PRINCÍPIO 1:
A DEMANDA ACONTECE PRIMEIRO.

PRINCÍPIO 2:
A OFERTA AJUSTA-SE À DEMANDA,

MUDANDO O QUE A EMPRESA PODE MUDAR:
O
PREÇO
DE VENDA E A
PRODUÇÃO
.

Os dois lados da oferta
1. O MARKETING:

O
PREÇO
PEDIDO PELO
PRODUTOR
,
QUE DEPENDE DO
CUSTO
DE PRODUÇÃO, DA
DEMANDA
E
CONCORRÊNCIA

2. A PRODUÇÃO:

A DECISÃO DE QUANTO
PRODUZIR
,
QUE DEPENDE DO
LUCRO
, DA
DEMANDA
E DA
CONCORRÊNCIA


As duas faces da oferta
1. O
ESTOQUE
INDICA A POSIÇÃO DA DEMANDA DE MERCADO E O EFEITO DA CONCORRÊNCIA.

2. O CUSTO DE
PRODUÇÃO
, QUE DETERMINA O
LUCRO.
1. O PREÇO SOBE COM A DEMANDA
2. A PRODUÇÃO AUMENTA COM A DEMANDA.
PORTANTO,
A OFERTA É UMA RELAÇÃO
POSITIVA

ENTRE O
PREÇO
E A
QUANTIDADE
.

O que pode
aumentar
a oferta ?
SÓ A REDUÇÃO DO CUSTO DE PRODUÇÃO:

A.
DENTRO DA FÁBRICA
:
REDUZIR SALÁRIO DO TRABALHADOR
INVESTIR EM TECNOLOGIA

B.
FORA DA FÁBRICA:
CORTAR IMPOSTOS
REDUZIR A TAXA DE JUROS
REDUZIR OS FRETES
AUMENTAR A EDUCAÇÃO
MELHORAR A SAÚDE DO TRABALHADOR

O que
pode
mudar a inclinação da
curva
da
oferta
?
PRINCIPAL FATOR DA EMPRESA:

DISPONIBILIDADE DE CAPITAL

PRINCIPAL FATOR DO PRODUTO:

PERECIBILIDADE DO PRODUTO

PRINCIPAL FATOR DAS PESSOAS:

CONCORRÊNCIA

Capitais
em Pierre
Bourdieu
Capital

Econômico
Capital
Cultural

-
- Institucionalizado -
- Incorporado -
- Objetivo -
Capital
Social
Capital

Simbólico
É A
MEDIDA
DA
REAÇÃO
DO
CONSUMIDOR
PERANTE
VARIAÇÕES
NOS FATORES DETERMINANTES DE SUAS
COMPRAS
:
(I) Roberta Muramatsu e Ana Maria Bianchi (2006) em notas criticas à escolha racional expõem que essa teoria postula que, qualquer que seja a escolha do individuo, não importando no caso o processo psicológico que a tenha desencadeado e que a mantém em curso, está supostamente é fruto da preferência racional do agente, e nesse diapasão se pode afirmar que ela é consistente baseada sempre no denominador comum da utilidade.
(II) "Todo e qualquer humano" quando deparado com a necessidade de tomar uma decisão, frente a uma ampla gama de opções, sempre consegue realizar uma escolha.

Teoria da Escolha Racional
(III) A posteriori, nessas situações, ele consegue vislumbrar todas as opções possíveis, não obstante ele consegue estratificar, classificar em uma sequência de preferências onde cada uma das opções pode ser indiferente, preferencial ou inferior uma em relação à outra (sempre é claro,
visando maximizar o ganho e diminuir o ônus)
.

(IV) Nessa teoria, ele sempre escolhe a sua preferida, aquela melhor posicionada em seu ranking de preferencias, alias, como a escolha demonstra a preferência, ele sempre escolhe a mesma opção e não muda (Downs, A. ,1957, 1967).

(V) As preferências são inelásticas.

O principal argumento da teoria da escolha racional é que as ações humanas são balizadas, sobretudo pela maximização de utilidade autointeressada, nesse caso, o individuo seria perfeitamente capaz de ordenar suas preferências e escolheria aquela na qual seria possível diminuir os custos e sempre maximizar os ganhos, como já mencionado no texto.

Entretanto, mesmo que assim fosse, as pessoas são passiveis a erros, experimentações, bem como estágios de confusões, logo não seria possível dizer que as escolhas e o suposto ordenamento mental seja sempre do tipo ótimo (Sen, A., 1987, 1990), não obstante essa noção de racionalidade baseada apenas no auto-interesse faz parecer normal o egoísmo universal e faz parecer um absurdo qualquer ação que não leve em conta a maximização de utilidade.
A teoria da
escolha racional
segundo Pimentel falha em dois pontos:

Primeiro
por não admitir padrões de conduta alternativos que deem explicação a padrões desviantes da maximização, que na teoria são tidos como comportamentos irracionais, nesse aspecto, haveria também de se levar em conta a liberdade do individuo, e sua capacidade de estabelecer objetivos próprios e também sua relação como pessoa, que nem sempre esta atrelado a aquisição de mais utilidades.

Em
segundo
lugar, a teoria não leva em conta os aspectos éticos de cada situação, que influenciam o comportamento das pessoas muitas vezes a praticar decisões contra preferências, que no atual estado da ate da teoria é tipo como uma mera inconsistência (Pimentel, 2007, p.43).
Full transcript