Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Eça de Queirós e o Realismo

No description
by

Gonçalo Lopes

on 28 March 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Eça de Queirós e o Realismo

Eça de Queirós e o Realismo
Vida e obra de Eça de Queirós.
Linguagem e estilo de Eça de Queirós.
Características do realismo.
Eça de Queirós
Eça de Quierós e o Realismo
José Maria Eça de Queirós, nasceu na Póvoa de Varzim a 25 de novembro de 1845 e morreu em Paris a 16 de agosto de 1900.
Foi uma grande figura da literatura portuguesa no século XIX, considerado o principal representante do nosso realismo literário, foi também figura destacada no panorama cultural e político da época, fazendo parte da “Geração de 70” com Antero de Quental, Ramalho Ortigão e Oliveira Martins, entre outros, um grupo cujas raízes se formaram no convívio académico e intelectual de Coimbra.
Obras de Eça de Queirós
Ao longo da sua carreira foi publicando obras tão importantes como:
O Crime do Padre Amaro (1875);
O Primo Basílio (1878);
O Mandarim (1880);
A Relíquia (1887);
Os Maias (1888);
As Farpas (1980-1991, em colaboração com Ramalho Ortigão);
A Ilustre Casa de Ramires (1900);
A Cidade e as Serras (1901)
Linguagem e estilo de Eça de Queirós
Eça de Queirós tinha um apurado sentido crítico e a sua escrita era rica em variedade e expressividade linguística.
Adjetivo
O adjetivo na escrita de Eça de Queirós tem um papel essencial de tornar a mesma mais expressiva. É também usado de modo criativo que o torna uma classe extremamente importante na escrita queirosiana. O adjectivo é ainda usado de forma extremamente subjectiva e, por vezes, não estabelece qualquer relação direta com o substantivo que qualifica, mas procura dar a entender a relação entre esse nome e outros, despertando a imaginação.
Deste modo, Eça de Queirós consegue demonstrar a sua visão crítica sobre a sociedade do século XIX de uma forma subtil, mas, simultaneamente com grande ênfase.
O autor usa o advérbio de forma a incidire sobre o sujeito, mantendo as funções do adjetivo para que a criatividade e imaginação do leitor surja de forma espontânea. Resumindo na obra queirosiana o advérbio faz-se passar um pouco por adjetivo.

O advérbio é utilizado em:
•Adverbiação dupla e tripla;
•Advérbios irónicos;
•Advérbios metafóricos;
•Advérbios formados a partir de adjectivos.
Realismo
Realismo foi um movimento artístico e literário que surgiu nas últimas décadas do século XIX na Europa, mais especificamente na França. Entre 1850 e 1880 o movimento cultural predominou na França e estendeu-se pela Europa. Os integrantes desse movimento desprezaram a artificialidade do Neoclassicismo e do Romantismo, pois sentiam a necessidade de descrever a vida, os problemas e costumes das classes média e baixa. O movimento manifestou-se também na escultura e, principalmente, na arquitetura.
Verbo
O verbo na obra de Eça de Queirós é usado, não só para narrar, mas também para descrever o espaço bem como as personagens. Tal como as duas classes anteriores, os verbos são utilizados com um carácter impressionista.
O verbo tem uma função nomeadamente descritiva, pois de acordo com o seu estilo, Eça de Queirós, escrevia de modo a que o texto fosse bastante apelativo que apelasse à imaginação do leitor para que o mesmo conseguisse “visualizar” a narrativa.
Figuras de estilo
As figuras de estilo também eram elementos comuns na obra queirosiana.
Usos dos verbos na obra queirosiana:
•Verbos com valor hiperbólico;
•Verbos derivados de adjetivos indicadores de cor;
•Verbos no gerúndio, com valor descritivo;
•Verbos caracterizadores das ações e atitudes das personagens.
Entre as mais usadas estão:
•Aliteração - repetição de sons para exprimir sensações ou sons da realidade envolvente;
•Hipálage - consiste em atribuir uma qualidade de um nome a outro que lhe está relacionado, revelando assim a impressão do escritor face ao que descreve;
•Ironia - expressa o contrário da realidade e serve para satirizar e expor contrastes e paradoxos;
•Sinestesia - figura de estilo relacionada com o apelo aos sentidos que nos transporta para um conjunto de sensações por nos descrever determinado ambiente.
Figuras de estilo continuação
Eça de Queirós usa também neologismos, os registos de língua corrente e familiar, empréstimos (principalmente francesas e inglesas), discurso indirecto livre e os diminutivos do nome em algumas ocasiões.
Características do realismo
Veracidade: Demonstra o que ocorre na sociedade sem ocultar ou distorcer os fatos.

Contemporaneidade: Descreve a realidade, fala sobre o que está a acontecer de verdade.

Retrato fiel das personagens: Caráter, aspectos negativos da natureza Humana.

Gosto pelos detalhes: Lentidão na narrativa.

Amor: A Mulher como objeto de prazer/adultério.

QUEIRÓS, Eça; Os Maias, Matosinhos, Book.it; Outubro 2011

http://www.notapositiva.com/pt/trbestbs/portugues/11linguagestiloqueiros.htm

http://www.escolavirtual.pt/assets/conteudos/downloads/11por/11por2506prosaqueirosiana.fh11.pdf

https://pt.wikipedia.org/wiki/Realismo

http://pms2004.no.sapo.pt/real.htm
Bibliografia
Trabalho realizado por:
Sample text
Gonçalo Lopes, Nº13, 10ºA
Pedro Jacinto, Nº25, 10ºA
Eça de Queirós usa o adjectivo de diferentes maneiras como:
•Adjetivação dupla e tripla;
•Adjetivos com função caricatural e satírica;
•Adjetivos que nem sempre se encontram seguidos.
Advérbio
Full transcript