Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Apresentação TCC Cleu

No description
by

Gercy Torres

on 12 July 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Apresentação TCC Cleu

Escola e Família:

ESTATISTICAS
INTRODUÇÃO / JUSTIFICATIVA
A temática apresentada referente: “A contribuição da família no processo educacional do aluno” emergiu a partir da primeira experiência de investigação no âmbito escolar, e a pertinência pela temática foi se reiterando ao longo dos estágios supervisionando oferecidos no período de formação no Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia.
Abordar este tema é de grande valia considerando que ambas instituições estão diretamente ligadas no que diz respeito ao desenvolvimento da criança.

OBJETIVOS
Abordar sobre a trajetória histórica do conceito de família a partir da família tradicional, da família moderna e da família pós-moderna que resultou na diversidade das atuais configurações familiares vigente nos dias de hoje;
METODOLOGIA
Pesquisa bibliográfica: Este tipo de pesquisa para Raupp; Beuren (apud Brusque, 2011, p. 9), caracteriza-se por ser o manuseio de materiais já elaborado e publicados. É o levantamento de todo o referencial já editado em relação à temática de estudo desde periódicos, monografias, dissertações, teses, livros, publicações avulsas, boletins, documentos eletrônicos, entre outros.

PERGUNTAS NORTEADORAS
Será que a família conhece a dimensão de sua importância no processo de escolarização?
Referências

Abordamos a relação de pais e professores, considerando estes parceiros no processo educacional dos alunos, identificando mecanismos que auxiliam nesta parceria que é de extrema relevância.
Encontram-se nossas considerações a cerca do trabalho realizado, procurando articular as perguntas norteadoras do estudo com as considerações fundamentas pelos autores estudados.
ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO
contribuições no processo de escolarização do aluno
Discente: Cleudilanda P. P. da Silva
Orientadora: Profª Me. Alcione M. Groff
UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE
CENTRO DE EDUCAÇÃO LETRAS E ARTES
CURSO DE PEDAGOGIA
Contextualiza e conceitua historicamente a família. Apontamos as principais mudanças que aconteceram na sociedade, caracterizando a família tradicional, a família moderna e a família pós-moderna, que resultou na atual configuração vigente nos dias de hoje.
Considerações
A participação da família na escola afeta o desenvolvimento da criança?

Crianças sofrem com a ausência dos familiares no decorrer do processo de escolarização?
Crianças que são acompanhadas nas tarefas (e demais atribuições escolares) pela família tem desempenho escolar mais eficaz?
Uma criança com um bom desempenho escolar é a consequência de uma criança assistida?
Como construir uma relação harmoniosa entre escola e família que favoreça a aprendizagem das crianças?

Geral
Analisar a relação da família com a escola, destacando quais as contribuições desta parceria na vida escolar do aluno;
Identificar quais os mecanismos utilizados na busca de se construir uma parceria harmoniosa entre a instituição família e instituição escolar.

Específicos
REFERENCIAL TEÓRICO /CAPÍTULO I: CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICA FAMILIAR
A CF/88, no seu Artigo 226, § 3º e § 4º compreende como entidade familiar a união estável entre o homem e a mulher; e também a comunidade formada por qualquer um dos pais e seus descendentes.
No dia 5 de maio de 2011 o STF, tratou de reconhecer a união homoafetiva, como entidade familiar;

E assim, dada à complexidade da tentativa de conceituar família, podemos entender família de acordo com Casto & Regattieri (2010, p. 12), como uma cadeia de indivíduos que estão ligados de forma afetiva, sanguínea (ou não), por etnia, localidade e contexto cultural e histórico.

Trajetória histórica: Família tradicional, família moderna e família pós-moderna
Família tradicional:
A família nomeada de tradicional serve acima de tudo para assegurar a transmissão de um patrimônio, os casamentos da época eram arranjados e a família era submetida a uma autoridade patriarcal.(ROUDINESCO, 2003, p. 12).
HINTZ (2001, p. 10), afirma que havia um distanciamento entre pais e filhos, e o contato entre eles era mediante rituais formais e distantes e tudo isso era pra confirmar o respeito dos filhos pela posição dos pais.

Família moderna:
De acordo com HINTZ, na era da família moderna as relações não se davam mais de forma tão autoritárias, pois “houve um maior incentivo em privilegiar mais o indivíduo, com seus valores e capacidades do que sua posição social, gênero ou idade” (2001, p. 10).
O relacionamento entre pais e filhos também passaram por algumas alterações positivas, pois, os pais passam conviver com os seus filhos, tomando a liberdade de dialogar mais, e demostrar publicamente seu afeto. E assim, os filhos eram de fato membros participativos da família (HINTIZ, 2001, p.10)
Família pós-moderna que resultou na diversidade das atuais configurações familiares vigente nos dias de hoje:

Hintz (2001), acredita que esta nova definição de família veio para descontruir totalmente todas as outras configurações de família já existentes. Neste momento a educação dos filhos não é mais delegada somente aos pais, e a os relacionamentos se dão mediante desejos e sentimentos.
Com toda essa modificação “a transmissão da autoridade vai se tornando então cada vez mais problemática à medida que divórcios, separações e recomposições conjugais aumentam” (ROUDINESCO, 2003, p. 12).
CAPÍTULO II: PAIS E PROFESSORES: PARCEIROS NO PROCESSO EDUCACIONAL
Segundo Tiba (2002), a temática que interpela à relação de pais e professores pode ser definida como algo: complexo, extenso, cansativo e por vezes desmotivador, mas para além disso, derrubando esses caracterizações lúgubres, essa discussão jamais pode ser deixada de lado, pois a existências dessa relação e do debate constante sobre ela é tão complexa quanto fundamental.

Reis (2008, p. 28) , ainda afirma que quanto melhor for a parceria entre ambas, mais positivos e significativos serão os resultados na formação. A participação dos pais na educação dos filhos deve ser constante e consciente. Vida familiar e vida escolar são simultâneas e complementares.
De acordo com Munhoz & Scatralhe (2012), os pais precisam conhecer o(a) professor(a) do seu filho(a), saber seu nome, conversar, buscar identificar qual a prática adotada por este em sala de aula. E aos professores, cabe este exercício diário também, de criar e manter essa relação saudável e verdadeira.
Resende (2008), ressalta a importância do acompanhamento familiar nos afazeres escolares, tais como a tarefa de casa. Desta forma, os pais estarão por dentro do processo de desenvolvimento do seu filho, e, para além disso, o próprio filho sentirá que há um interesse por parte dos seus pais em ajudá-lo no que ele precisa.
Oliveira (2010), afirma que o fato da família prestigiar os eventos da escola, como as datas comemorativas, faz com que a criança sinta-se apoiada e importante por quem a rodeia.
Jordão (2007), ainda destaca que é de extrema relevância que os pais participem das reuniões e também contribuam, dando conselhos, dicas para as professoras.
Considerações Finais / Resultados
Para que exista essa parceria entre família e escola é necessário que a família permita esta relação, busque e se interesse. Mas será que a família conhece a dimensão de sua importância no processo de escolarização? De acordo com pesquisas realizadas no ano de 2012, Melo (2012, p. 23), afirma que “apenas 7% da população do país acredita que a educação é também responsabilidade dos pais”, e o mais chocante é que milhões de pais brasileiros preferem terceirizar e educação, e jogá-la em cima da escola.
Nos questionamos buscando compreender se mesmo sem a família ter a dimensão de sua parcela de contribuição, podemos dizer que sua participação no processo de escolarização afeta no desenvolvimento da criança? Concluímos que Sim. E para melhor esclarecimento podemos nos apoiar nos estudos de Castro e Regattieri (2010, p. 10), que afirmam mediante realização de pesquisas no âmbito Nacional e Internacional “que a origem e os apoios familiares que vão desde as expectativas positivas até investimentos de tempo e financeiros na carreira escolar dos filhos impactam decisivamente no desempenho escolar de crianças e jovens”.
Para Leite e Gomes (2011), crianças que são acompanhadas pela família, têm boa convivência e relacionamento com os demais, além do que sabem lidar de melhor forma com regras, limites que lhe são impostos. E demonstram claramente um rendimento escolar significativos, no que diz respeito a aspectos quantitativos e qualitativamente.
Melo (2012, p. 23), busca ainda, orientar os familiares e nos afirma que “quando a família se envolve, o aproveitamento escolar é maior, e que essa participação pode acontecer incentivando a leitura e a escrita, acompanhando a lição de casa, indo às reuniões de pais e tendo interesse pela rotina”, ainda diz que os pais devem ter tempo para dedicar-se a auxiliar seus filhos nos afazeres escolares, e que a atenção dada pode ser decisiva para o seu rendimento escolar.
Dessen e Palonia (2007, p.22), admitem que “família e a escola emergem como duas instituições fundamentais para desencadear os processos evolutivos das pessoas” e são estimuladoras ou inibidoras do desenvolvimento físico, intelectual, emocional e social. E para que estas duas instituições tão fundamentais tenham uma parceria harmoniosa e produtiva, ambas devem cumprir suas atividades. E assim, “as escolas deveriam investir no fortalecimento das associações de pais e mestres, no conselho escolar, dentre outros espaços de participação” (DESSEN e PALONIA, 2007, p. 28-29)
RESUMO DAS CONSIDERAÇÕES FINAIS
O resultado da pesquisa nos mostra que alunos duplamente amparados, ora pela família, ora pela escola, têm um desenvolvimento na aprendizagem bastante significativo, desta forma, alcançando mais rapidamente sua autonomia e sabendo lidar mais facilmente com os conflitos.
Obrigada!
BELOTTI, S. H. A.; FARIA, M. A. Relação Professor/Aluno. Revista Eletrônica Saberes da Educação. v. 1, n. 1, 2010.
 
BRASIL. Constituição da Republica Federativa do Brasil. Brasília/DF: Senado Federal, 1988.
 
___. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://migre.me/fiBbX. Acesso em: 27 maio 2013.
 
______. Lei Federal nº 8069 de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente, e dá outras providências. Brasília: DOU, 1994.
 
______. Resolução n. 175 de 14 de maio de 2013. Dispõe sobre a habilitação, celebração de casamento civil, ou de conversão de união estável em casamento, entre pessoas de mesmo sexo. Brasília/DF: DOU, 2013.
 
CASTRO, J. M.; REGATTIERI, M. Interação escola-família: subsídios para práticas escolares. Brasília: UNESCO/MEC, 2009. 104 p.
 
CURY, A. J. Pais brilhantes: professores fascinantes. Rio de Janeiro: Sextante, 2003.
 
DESSEN, M. A.; POLONIA. A. C. A Família e a Escola como contextos de desenvolvimento humano. Paidéia. v. 17, n. 36, p. 21-32, 2007.
FURASTÉ, P. A. Normas e técnicas para o trabalho científico: explicitação das Normas da ABNT. 16. ed. Porto Alegre: Dáctilo Plus, 2012.
 
HINTZ. H. C. Novos tempos, novas famílias? Da modernidade à pós-modernidade. Pensando Famílias. v. 3, p. 8-19, 2001
JARDIM, A. P. Relação entre família e escola: proposta de ação no processo ensino-aprendizagem. 100f, 2006. Dissertação de Mestrado (Educação). UNOESTE. Presidente Prudente/SP: 2006.  
JESUS, S. N. Estratégias para motivar os alunos. Educação. Porto Alegre, v. 31, n. 1, p. 21-29, jan./abr. 2008.
 
KRUEGER, M. F. A relevância da afetividade na educação infantil. Instituto Catarinense de Pós-Graduação. Disponível em: http://migre.me/fiB4X. Acesso em: 25 abr. 2013.
 
LEITE, E. G.; GOMES, H. M. G. O papel da família e da escola na aprendizagem escolar: Uma análise na Escola Municipal José Teobaldo de Azevedo no Município de Limoeiro-PE. Encontro de ensino, pesquisa e extensão da Faculdade Senac. Disponível em: http://migre.me/fkyiE. Acesso em jan. 2013.
 
LORENÇATO, L. P. M.; AYRES, S. J. Afetividade no processo de adaptação escolar e cognitivo. Caderno Multidisciplinar de Pós - Graduação da UCP. Pitanga, v.1, n.1, p. 20-35, jan. 2010.
 
MAGRO, A. N. Família e escola: parceiras ou rivais no processo de formação de valores? 122 f, 2007. Dissertação de Mestrado (Educação). Universidade do Oeste de Santa Catarina, 2007.
 
MELO, A. I. M. T. Emoções no período escolar: estratégias parentais face à expressão emocional e sintomas de internalização e externalização da criança. 174f, 2005. Dissertação de Mestrado (Psicologia Clínica). Universidade do Minho, 2005.
 
MELO, I. Por que é importante os pais participarem da vida escolar dos filhos?. São Paulo, 2012. Disponível em: http://migre.me/flrm5. Acesso em: 2 jul. 2013.
 
MENEZES, J. B. A família na constituição federal de 1988: uma instituição plural e atenta aos direitos de personalidade. Novos estudos jurídicos. v. 13, n. 1, p. 119-130, jan./jun. 2008.
 
MIRANDA, E. D. S. A influência da relação professor-aluno para o processo de ensino-aprendizagem no contexto afetividade. 8º Encontro de Iniciação Científica e 8ª Amostra de Pós-Graduação. FAFIUV, 2008.

NASCIMENTO, A. P. C. A relação família-escola e a otimização do processo de aprendizagem. 30f, 2011. Trabalho de Conclusão de Curso. Rio de Janeiro: Pedagogia em Foco, Universidade Veiga de Almeida, 2011. Disponível em: http://migre.me/fiCHS. Acesso em: 15 jun. 2013.
 
OLIVEIRA, N. H. D. Recomeçar: família, filhos e desafios. São Paulo: UNESP/Cultura Acadêmica, 2009. 236 p. Disponível em: http://migre.me/fiD4w. Acesso em: 12 fev. 2013.
 
OLIVEIRA, A. P.; MENIN, M. S. S. Relação entre escola, família e educação moral: um levantamento bibliográfico. IX Anped Sul, 2008.

OLIVEIRA-SILVA, J. O aluno, a escola, o professor: relações do aprender. Revista Multidisciplinar da UNIESP/Saber acadêmico. n. 6, Dez. 2008.
OSORIO, L. C. Casais e famílias: uma visão contemporânea. Porto Alegre: Artmed, 2002.
 
PARO, V. H. Qualidade de ensino: a contribuição dos pais. São Paulo: Xamã, 2007.
 
PROBST, E. R. A evolução da mulher no mercado de trabalho. Instituto Catarinense de Pós-Graduação – ICPG. Disponível em: http://migre.me/fiDn1. Acesso em: 20 mar. 2013.
 
REIS, M. P. I. F. C. P. A relação entre pais e professores: uma construção de proximidade para uma escola de sucesso. 329f, 2008. Tese de Doutorado (Educação). Universidade de Málaga e E.S.E. João de Deus, 2008.
 
RESENDE, T. F. Dever de casa: questões em torno de um consenso. UFMG, 2008.
ROUDINESCO, E. A família em desordem. Tradução André Telles. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.
RUBERTI, G. S. Os “dias de” e outros dias: um olhar sobre o trabalho com datas comemorativas na educação infantil. 36f, 2012. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2012.
SCATRALHE, M. L. P. M; RAMOS, M. C. Família e escola na compreensão dos significados do processo escolar. Revista Psicopedagogia. v. 29, n. 88, p. 55-65, 2012.
 
SILVA, S. S. A crise da Masculinidade: Uma Crítica à Identidade de Gênero e à Literatura Masculinista. Psicologia Ciência e Profissão. v. 26, p. 118-131, 2006.

SILVEIRA, L. Em um mês, cartórios das principais capitais brasileiras realizam 231 celebrações. CNJ, 26 jun. 2013. Disponível em: http://migre.me/fiL1j. Acesso em: 30 jun. 2013.
 
SOUZA, V. L. T.; PETRONI, A. P.; BREMBERGER, M. E. F. Psicologia, educação e a sociedade contemporânea: reflexões sob a perspectiva da Psicologia sócio-histórica. Psicólogo informação. v. 11, n. 11, jan./dez. 2007.
 
TIBA, I. Quem ama, educa. São Paulo: Editora Gente. 2002.
 
UNESCO. Declaração Universal dos Direitos Humanos em 10 de dezembro de 1948. Brasília: UNESCO, 1998.
 
WEBER, L. (Org.). Família e desenvolvimento: visões multidisciplinares. Curitiba: Juruá, 2008
 
VARANI, A.; SILVA, D. C. A relação família-escola: implicações no desempenho escolar dos alunos dos anos iniciais do ensino fundamental. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos/RBEP. v. 91, n. 229, p. 511-527, set./dez. 2010.
 
VAZ, C. F. M.; LAIMER, R. T. A inserção da mulher no mercado de trabalho e o surgimento da profissão secretária. Revista Secretariado executivo em revista. v. 6, 2010.
 
VOLKER, P. A Variável Família. Linha Direta Educação por Escrito. Ano 5, n. 53, p. 6-7, ago. 2002.
 
ZAGURY, T. Limites sem trauma: construindo cidadãos. Rio de Janeiro: Record, 2000.
 
ZUANON, Á. C. A. O processo ensino – aprendizagem na perspectiva das relações entre: professor-aluno, aluno-conteúdo e aluno-aluno. Revista Ponto de Vista. Minas Gerais, v. 3. p. 13-24.
ESCOLA E FAMÍLIA:
contribuições no processo de escolarização do aluno
Full transcript