Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

PSICOLOGIA CLINICA

No description
by

Marta Raquel

on 19 May 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of PSICOLOGIA CLINICA

e
g
h
J
k
m
7
Psicologia Clínica
O que é a Psicologia Clínica?
Uma das principais funções do psicólogo é a realização de avaliações psicológicas; conduzindo, deste modo, à elaboração de psicodiagnósticos diferenciais, de estudos da estrutura da personalidade, da deterioração mental, bem como da compreensão do funcionamento mental global da pessoa. Estas avaliações psicológicas têm como objetivo principal despistar qualquer indício psicopatológico.
Outra das funções é o acompanhamento psicológico/psicoterapêutico, em que o psicólogo adota essencialmente uma postura de suporte e contenção, procurando criar, em conjunto com a pessoa, estratégias de intervenção psicológica para diminuir, e até extinguir o sofrimento da pessoa, de modo a restabelecer o bem-estar e o equilíbrio emocional.
Qualquer psicoterapia é, acima de tudo, um trabalho de relação entre duas pessoas.
A relação terapêutica é, portanto, uma relação de ajuda, compreensão e apoio na qual o psicólogo não realiza julgamentos, ou juízos de valor. Pelo contrário, leva a pessoa a uma abertura de seu campo de visão, para que possa perceber a sua vida sob novas perspetivas.

“Ser Psicólogo é uma imensa responsabilidade. É também uma notável dádiva pois recebemos o dom de usar a palavra, o olhar, as expressões, e até mesmo o silêncio. O dom de tirar lá de dentro o melhor que temos para cuidar, fortalecer, compreender, aliviar…”
Walmir Monteiro
O objeto de estudo da psicologia é o indivíduo. O psicólogo clínico procura encarar o seu paciente na sua totalidade, isto é, não se centrar única e exclusivamente no distúrbio concreto que transporta, mas sim procurar saber acerca da situação em que vive. Tal deve-se ao facto as pessoas serem portadoras de histórias de vida que, ao longo do tempo, as modificam.
Objeto de Estudo
Podemos então caracterizar como particularidade da psicologia clínica a relação que o paciente mantém com o seu psicólogo. Trata-se de uma interação que assenta na subjetividade, na medida em que o psicólogo é um sujeito, também ele individual e subjetivo, que tenta compreender outro sujeito, o seu paciente.
A psicologia clínica é uma área da psicologia aplicada que intervém, essencialmente, ao nível da saúde mental, mas também ao nível dos aspetos psíquicos de doenças não mentais. O seu objetivo é, através de diferentes estratégias, provocar mudanças que afetam o contexto, os comportamentos e as emoções que culminam com o bem-estar do indivíduo. Os seus métodos derivam simultaneamente da análise do diário íntimo e da abordagem científica. Trata-se do maior campo de atuação dos profissionais na área da psicologia.
Outro cuidado que o psicólogo clínico apresenta é o de encarar o seu paciente de forma singular, o que se justifica pelo facto de cada ser humano ser distinto, implicando uma abordagem exclusiva. Estas duas preocupações por parte do psicólogo são, em certa parte, complementares na medida em que o psicólogo apenas pode predispor de uma abordagem exclusiva se percecionar o seu paciente na sua totalidade.
Problemas que a justificam
Devemos sempre recorrer a um psicólogo clínico quanda há situações da nossa vida que são causadoras de desiquilibrios, pertubações, dor, desajustamentos, depressão, ansiedade, como por exemplo:
• A morte de um familiar ou amigo;
• O divórcio ou perda afetiva;
• O desemprego;
• Questões de identidade;
• Ou outras situações que involvam, o amor, a família, a vida, o prazer, o desejo e as relações com os outros.

A psicologia Clínica aborda como um ser único e singular a pessoa em sofrimento, a pessoa desajustada, a pessoa que apresente qualquer desiquilibrio ou pertubação psicológica.
Métodos e técnicas usadas
O método de eleição da psicologia clínica é o método clínico.
O seu objetivo principal é diagnosticar a causa de uma perturbação e encontrar uma solução para o seu tratamento, através do seu único instrumento próprio, a entrevista clínica, e através de uma variedade de técnicas proporcionadas pelas ciências "vizinhas", tal como a utilização do método dos testes (psicometria), das técnicas projetivas (psicanálise) e do método da observação utilizado pelos mais diversos ramos da psicologia.
A entrevista clínica procura o "encontro" do psicólogo com o indivíduo, proporcionando uma observação direta dos comportamentos do sujeito e dos seus diferentes modos de reação. Ela é formada por um conjunto de consultas (sessões), ao longo das quais se pretende realizar a história do sujeito.
A Anamnese é a história clínica de um sujeito é composta por imensos elementos, tais como: a identificação pessoal do sujeito (nome, morada, ocupação, etc.); a queixa principal (motivo da consulta); a história da doença que o leva à consulta e das doenças anteriores (mesmo que não sejam do foro psicológico, o psicólogo tem que ter conhecimento da saúde global do seu paciente); a sua história sexual e conjugal; a sua situação social e sistema de valores; e, em geral, a sua história familiar (tipo de relacionamentos, doenças comuns na família, etc.).
Para além da história do sujeito fornecida por ele próprio e pelo testemunho daqueles que com ele convivem, há também a necessidade de utilizar a introspeção (descrição das suas próprias experiências, sentimentos e conflitos) para obter as confidências espontâneas e provocadas que ajudarão na leitura e análise clínica da problemática do indivíduo.
O psicólogo clínico, ao longo das consultas, terá também de prestar atenção à descrição geral do sujeito, ou seja, à sua aparência, às suas expressões corporais e faciais, à forma como se movimenta e comunica, à sua atitude perante o psicólogo, ao seu tipo de humor e, em geral, a tudo que caracterize o indivíduo, tendo como objetivo um mais fácil e rápido diagnóstico e tratamento.
Durante as consultas poderá recorrer à técnica psicométrica. O psicólogo realiza determinados testes que provocarão no sujeito certos comportamentos e respostas, de forma a fixar ou excluir as possíveis desconfianças de diagnóstico.
Pode-se assim dizer que a psicologia clínica serve-se de um conjunto organizado de estratégias que permitem chegar a uma explicação ou, pelo menos, a hipóteses objetivas, que possam reconduzir o sujeito à sua vivência normal e adaptada.
Nesta prática clínica, o tipo de psicoterapia depende da especialização do psicólogo clínico. Este pode ser um profissional da psicanálise (ciência que assenta na interpretação do inconsciente) ou, por exemplo, ser um especialista da psicologia comportamental (que se baseia na aplicação dos princípios e técnicas de aprendizagem).
Ana Carolina Lopes nº1
Ana Cachinho nº5
Clarisse Coelho nº11
Marta Nogueira nº19
12ºA
Trabalho realizado por:
Funções e objetivos do Psicologo
Locais de Intervenção
O psicólogo clínico intervém em hospitais, centros de saúde, clínicas, estabelecimentos prisionais, escolas, instituições de assistência social, centros de reeducação e readaptação, etc.
Os psicólogos clínicos exercem também profissão liberal em consultórios.
Os testes psicológicos utilizados durante o processo, podem ser os mais variados. Desde um teste de inteligência ou de personalidade a testes de escalas de depressão ou de ansiedade. Porém, apresentam sempre a mesma estrutura de padronização (condições iguais para todos); validade (clareza na definição do que se quer avaliar); fidelidade (resultados idênticos em situações semelhantes); sensibilidade (permitir diferenciar os indivíduos).
A Psiquiatria vs Psicologia
A formação de um Psiquiatra desenvolve-se no âmbito da Medicina e por isso, um Psiquiatra é um médico. A Psiquiatria tem por objetivo tratar as doenças mentais que possuem uma causa orgânica. Utiliza exclusivamente o modelo médico, tanto no diagnóstico como no tratamento das doenças para o quais recorre a recursos da medicina (análises, técnicas de radiodiagnóstico, electroencefalogramas, etc.) assim com a terapia medicamentosa (psicofármacos).
O Psicólogo não é um médico, mas sim um profissional que finalizou o seu curso superior em Psicologia. Este opta por uma visão ancorada nos fatores vivenciais, desenvolvimentais e relacionais, enquanto os psiquiatras optam por uma visão mais biológica/bioquímica.
Full transcript