Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Sonhos de Civilização

No description
by

on 14 March 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Sonhos de Civilização

Sonhos de Civilização
•Nome Completo : Desiderius Erasmus Roterodamus
•Nascimento: 27 de outubro de 1466, em Rotterdam.
•Falecimento: 12 de Julho de 1536, em Basileia.
• Filosofia Humanista;
•Espiritualismo cristão, Espírito tolerante e Amor ao conhecimento.
•Retorno à simplicidade perdida na Igreja;
• Livre-arbítrio.
•Obra: O elogio da loucura, de 1509.

Erasmo de Rotterdam
Etnocentrismo

O Etnocentrismo consiste em um preconceito que cada sociedade desenvolve a partir da comparação de sua própria cultura com as demais. Ele nos permite refletir se a maneira de ser de determinada cultura é certa em suas características ou errada tornando-se uma verdadeira aberração. Por exemplo, enquanto alguns animais como escorpiões e cães não fazem parte da cultura alimentar do brasileiro, em alguns países asiáticos estes animais são preparados como alimentos, sendo vendidos na rua da mesma forma como estamos habituados aqui a comer um pastel ou pipocas. Assim, o que aqui é exótico, lá não necessariamente o é.
Geralmente o etnocentrismo se apoia em outra noção também muito poderosa, que é o esteriótipo.
Apresentando Norbert Elias
Quais são os sonhos da sociedade?
Sociólogo alemão, Norbert Elias nasceu em 1897, na então cidade alemã de Breslau (atual Wroclaw, Polónia), e veio a falecer em 1990, nos Países Baixos, onde passou a fase final da sua vida. Com formação de base nas áreas da medicina, filosofia, psicologia e sociologia, lecionou na Universidade de Heidelberg (1924-29) e na Universidade de Frankfurt (1939-33). A ascensão do nazismo forçou-o a abandonar a Alemanha em 1933, tendo-se estabelecido na Grã-Bretanha após uma passagem por Paris. Só voltou a lecionar após o fim da Segunda Guerra Mundial, quando aceitou os convites da Universidade de Leicester (1954-62), da Universidade do Ghana (1962-64) e do Zentrum für Interdisziplinare Forschung em Bielefeld, na Alemanha.
As obras de Elias destacaram-se por tratar da relação entre poder, comportamento, emoção, abarcando conhecimento sociológico, psicológico, antropológico e histórico. O reconhecimento tardio veio apenas na década de 70 com a publicação de A sociedade de corte e a tradução de O Processo civilizador para o inglês. Tendo ainda outros livros como, Os alemães, Os estabelecidos e os outsiders, Mozart: sociologia de um gênio, A peregrinação de Watteau à Ilha do Amor, O processo civilizador (2 vols.), Sobre o tempo, A sociedade dos indivíduos e A solidão dos moribundos.
Pode-se definir estereótipo como sendo generalizações, ou pressupostos, que as pessoas fazem sobre as características ou comportamentos de grupos sociais específicos ou tipos de indivíduos. O estereótipo é geralmente imposto, segundo as características externas, tais como a aparência (cabelos, olhos, pele), roupas, condição financeira, comportamentos, cultura, sexualidade, sendo estas classificações nem sempre positivas que podem muitas vezes causar certos impactos negativos nas pessoas.
Sociedades Reveladas

Para Elias, o conceito de civilização expressa uma cadeia de lentas transformações dos padrões sociais de auto-regulação. Trata-se, essencialmente, de um processo de longa duração – o processo civilizador – que caminha “rumo a uma direção muito específica”, não de forma linear e evolutiva, mais de modo contínuo, com impulsos e contra-impulsos alternados.
É fato que, colocando maneiras mais abrangentes e inclusivas, oque ele nos passa é que sua metodologia nos convida a pensar e repensar o processo inclusão em uma sociedade colocando-se, crítico quanto a pensar sobre um tema que passa o comportamento civilizado.
Compreendendo que a visão das sociedades humanas somente pode ser entendida por meio de processos de longa duração de desenvolvimento e mudança só podendo ser compreendida por seus semelhantes, como parte das relações sociais e não como algo mecânico e isento de crítica relacionando-se instintivamente com o meio em que está inserido.

Norbert Elias faz uma "releitura" da obra "Da civilidade em crianças" de Erasmo Rotterdam. Onde percebemos um duplo interesse sociólogo na obra de Erasmo: o presente indesejado e o futuro desejado, sobre a sociedade tradicional e a nova sociedade a ser construída sobre novas bases de relacionamento.

Erasmo atribui valores negativos ao comportamento próprio de uma sociedade que não é mais desejada e ao mesmo tempo aponta para outro tipo de sociedade, considerada mais desenvolvida, como maneira própria de pensar, de se apresentar diante das outras, de se auto-olhar.

Nos países onde era presente essa "nova sociedade" desenvolveu-se uma ideia de civilização que obrigou homens e mulheres a mudar sua conduta no dia a dia. Que é a origem de um dos conceitos mais importantes da antropologia: o etnocentrismo; onde julgamos tudo a partir do que temos como conceito.
Estereótipo
Para Elias, apesar da formação da sociedade pelos seres humanos que se interagem intencionalmente, o que vem de fora, o modelo social, reflexo da combinação das ações humanas é mais involuntário. O fato de manter um Estado nacional moderno e suas instituições democráticas levou a nação a produzir o fermento ideológico que construiu sua tradição e colocou-a como um fato, que sempre existiu e que existirá gerando um reflexo de uma etapa conclusiva do desenvolvimento humano e social.
Em razão desse conceito, ainda questiona essas sociedades e sua forma organizativa ficaram subjugados a esta concepção de estado, onde os conflitos contrapõem os ideais nacionais de forma simplista liberais e conservadores.
Full transcript