Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Fisiologia do Tato

No description
by

Daniele Acioly

on 25 August 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Fisiologia do Tato

FISIOLOGIA DO TATO
O
TATO
não se encontra em uma região específica, ele na verdade envolve praticamente todo o nosso corpo.



A
PELE
corresponde a 16% do nosso peso corporal e exerce diversas funções, como: regulação térmica, defesa orgânica, controle do fluxo sanguíneo, proteção contra diversos agentes do meio ambiente e funções sensoriais (calor, frio, pressão, dor e tato!!!).



A
DERME
é uma camada espessa de tecido conjuntivo localizado logo abaixo da
epiderme
e conectada com a face dos músculos subjacentes por uma camada de tecido conjuntivo frouxo, a
hipoderme
.
Na
DERME
existem vários receptores de estímulos, que recebem e transmitem ao cérebro a sensação de toque...
...e também as sensações térmicas!!!
E como são esses
RECEPTORES
Corpúsculos X Terminações livres

Os corpúsculos possuem uma cápsula que os envolve;

As terminações livres não têm qualquer tipo de estrutura envolvente.
Qual a função de cada corpúsculo e terminação nervosa livre !?
CORPÚSCULOS DE MEISSNER

Encapsulado, faz transdução mecanoelétrica (mecanoceptor). É de adaptação rápida, sensível à estímulos vibratórios. Localizam-se na borda da derme com a epiderme. Suas funções são a detecção de pressão vibratória e tato. Suas fibras são mielínicas. Encontram-se concentrados na polpa dos dedos, nas mamas e nos órgãos genitais.
CORPÚSCULOS DE PACINI:

Encapsulado, é um mecanoceptor. É de adaptação rápida, e sensível a estímulos vibratórios (estímulos estes mais rápidos quando em comparação com os estímulos que os Corpúsculos de Meissner detecta). Localizam-se na derme profunda. Sua função é a detecção de pressão vibratória. Suas fibras são mielínicas. Encontram-se principalmente na palma das mãos e na planta dos pés.
CORPÚSCULOS DE RUFFINI:

Também é um mecanoceptor encapsulado. É de adaptação lenta e sensível à indentação da pele e dá a percepção de calor. Devido ao fato de ser de adaptação lenta, responde ao estímulo de maneira contínua, e não apenas no início e no fim do estímulo, como fazem os de adaptação rápida. Daí sua sensibilidade à estímulos contínuos na pele. Localizam-se na derme profunda. Suas fibras são mielínicas.
DISCOS DE MERKEL:

São pequenas arborizações das extremidades de fibras receptoras sensoriais; na ponta de cada uma destas arborizações, há expansões em forma de disco, associadas à uma ou duas células epiteliais, que apresentam vesículas secretoras (com possível influência na transdução feita por estes receptores). São de adaptação lenta. Localizam-se na epiderme, e parecem envolvidos com informações de tato e pressão contínuos (transdução mecanoelétrica). Suas fibras são mielínicas.
BULBOS TERMINAIS DE KRAUSE:

São encapsulados. Atuam como receptores térmicos de frio. São formados por uma fibra nervosa cuja terminação possui forma de clava. Situam-se nas regiões limítrofes da pele com as membranas mucosas (por exemplo: ao redor dos lábios e dos genitais). Suas fibras são mielínicas.
TERMINAÇÕES NERVOSAS LIVRES:

Não são encapsuladas. São formadas por um axônio ramificado envolto por células de Schwann sendo, por sua vez, ambos envolvidos por uma membrana basal. Estão sob forma de pequenas arborizações. Localizam-se em toda a pele e em praticamente todos os tecidos do organismo. Realizam transdução mecanoelétrica, quimioelétrica e termoelétrica. São de adaptação lenta. Veiculam informações de tato grosseiro, sensibilidade à temperatura (calor), propriocepção e, principalmente, nociceptoras.


Uma característica especial dos receptores é o fato de que, após determinado período de tempo, eles se adaptam total ou parcialmente aos estímulos a que são sensíveis. Por isso, quando um estímulo sensorial é aplicado, os receptores respondem, inicialmente com uma freqüência de impulsos muito alta; com o passar do tempo, há queda progressiva da freqüência de resposta, até que , finalmente, muitos deles deixam de responder.


ADAPTAÇÃO LENTA:

Os receptores de adaptação lenta são os que, enquanto o estímulo estiver presente, continuam a transmitir impulsos para o cérebro. Por isso eles mantêm o cérebro constantemente informado sobre a situação corporal e sua relação com o meio ambiente. Esse mecanismo permite que se obtenha uma idéia do tempo de duração do estímulo.
ADAPTAÇÃO RÁPIDA:

Os receptores que se adaptam de forma rápida reagem fortemente enquanto uma mudança está, na verdade, começando a se desenvolver. Eles só são estimulados quando ocorrem alterações na potência do estímulo. Assim, no caso do corpúsculo de Paccini, uma pressão súbita aplicada sobre a pele excita esse receptor por alguns milissegundos e em seguida, essa excitação acaba, mesmo que a pressão continue. No entanto, esse receptor é capaz de transmitir novamente o sinal quando a pressão é liberada.
RESUMO

De fato, a pele participa na construção da nossa organização e integração psíquica, favorecendo uma relação dialética com o mundo. Talvez, por isso, um abraço, um aperto de mão, um tapa espalmado, um roçar de pernas, possam expressar muito mais do que simples palavras. Racionalmente, podemos usar palavras para falar de sentimentos, mesmo quando eles não são verdadeiros. Mas é a nossa pele que dirá o que realmente sentimos. Querendo ou não, pensando ou não, nossos pêlos se arrepiam, seja de raiva ou de desejo!…Podemos construir um discurso racional sobre qualquer coisa, mas é por meio do TATO que nossas verdadeiras intenções, sensações e sentimentos chegam à flor da pele…

[Angelita Scardua]
PARA REFLETIR...
FMN - BIOMEDICINA 2º SEMESTRE "A"- NOITE
FISIOLOGIA HUMANA
PROF. Jannison Ribeiro
EQUIPE: Bruno Rocha, Daniele Acioly, Herlon Ferreira, Ingridy Ruana, Lucas Rodrigues, Paula Raquel, Sidsayde Costa e Williams Lane.
Hanseníase
O QUE É!?
A hanseníase é uma doença infecciosa, de evolução crônica (muito longa) causada pelo
Mycobacterium leprae
, microorganismo que acomete principalmente a pele e os nervos das extremidades do corpo.
TRANSMISSÃO!?
A transmissão se dá de indivíduo para indivíduo, por germes eliminados por gotículas da fala e que são inalados por outras pessoas penetrando o organismo pela mucosa do nariz. Outra possibilidade é o contato direto com a pele através de feridas dos doentes. No entanto, é necessário um contato íntimo e prolongado para a contaminação, como a convivência de familiares na mesma residência. Daí a importância do exame dos familiares do doente de hanseníase.
SINTOMAS!?
O diagnóstico da hanseníase é feito em 3 etapas.
Diagnóstico cliníco.
É realizada a anamnese e avaliação dermatoneurológico.
Diagnóstico laboratorial.
Baciloscopia de pele (esfregaço intradérmico).
Diagnóstico diferencial.
Muitas dermatoses e doenças neurológicas podem se assemelhar a hanseníase, como: pitiríase versicolor, vitiligo, micoses, neuropatia diabética.
DIAGNÓSTICO
MANISFESTAÇÕES CLÍNICAS
HANSENÍASE INDETERMINADA
Apenas 1 lesão de cor mais clara e bordas indefinidas.
HANSENÍASE TUBERCULÓIDE
Lesões são poucas (ou única), com bordas bem definidas e elevadas.
HANSENÍASE DIMORFA (BODERLINE)
Número maior de lesões, de cor escura. Acometimento dos nervos mais extenso.
HANSENÍASE VIRCHOVIANA (LEPROMATOSA)
Forma mais grave. O Bacilo se multiplica muito rápido, há perca extrema de sensibilidade, levando a traumas e feridas que causam deformidades.
TRATAMENTO
A HANSENÍASE TEM CURA!!!
O tratamento específico é encontrado nos serviços públicos de saúde e é chamado de poliquimioterapia (PQT), porque utiliza a combinação de três medicamentos (rifampicina, dapsona e clofazimina). O tratamento do paciente com hanseníase é fundamental para curá-lo, fechar a fonte de infecção interrompendo a cadeia de transmissão da doença.
PREVENÇÃO
Uma importante medida de prevenção é a informação sobre os sinais e sintomas da doença, pois, quanto mais cedo for identificada, mais fácil e rápida ocorrerá a cura. Uma outra medida preventiva, é a realização do exame dermato-neurológico e aplicação da vacina BCG nas pessoas que vivem com os portadores desta doença.
Full transcript