Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Centro de material e Esterilização

No description
by

Adriana Oliveira

on 23 August 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Centro de material e Esterilização

Centro de Material e Esterilização (CME)
Conceitos
Unidade responsável pela limpeza e processamento de artigos e instrumentais médico-hospitalares;
Onde é realizado o controle, o preparo, a esterilização, o armazenamento e a distribuição dos materiais hospitalares.
Produtos para saúde
Artigos médico-hospitalares, equipamento, aparelho, material, artigo ou sistema de uso ou aplicação médica, odontológica ou laboratorial;

Destinado à prevenção, diagnóstico, tratamento, reabilitação ou anticoncepção

Processamento
Processo aplicado em artigos, exceto os de uso único, para permitir sua reutilização segura.

Controle de Qualidade
Conclusão
Garantia da qualidade assistêncial - Segurança do paciente;
Nova resolução - maior visibilidade do tema.

Profª Adriana Oliveira de Paula
Enfermeira
Doutoranda EE/UFMG
adrianaopaula@gmail.com

Classificação
Fluxo
Área suja
Área Limpa
Área estéril
Barreiras físicas entre as áreas suja e limpa
Legislações
RDC 50/ 2002 e RDC 307/2002: Planta física

RDC 15 de março de 2012: dispõe sobre requisitos de boas práticas para o processamento de produtos para saúde e dá outras providências.

Planta Física
RDC 50/ 2002 e RDC 307/2002:

CME deve existir quando houver:

Centros cirúrgico, obstétrico e/ou ambulatorial, e Hemodinâmica;
Emergência de alta complexidade e urgência.

A unidade pode se localizar fora do EAS.

Localização
Classificções
Simples e complexos
Descartáveis e reutilizáveis
Classificação de Spauding (1960)
Etapas
Reesterilização
Esterilização de artigos já processados, mas não utilizados, em razão de eventos ocorridos dentro do prazo de validade do produto ou do próprio reprocessamento (SOBECC, 2007).
Limpeza, Desinfecção e Esterilização
É imprescindível o uso correto dos Equipamentos de Proteção Individual para o desenvolvimento das técnicas de limpeza e desinfecção:
Aventais impermeáveis,
Luvas anti-derrapantes de cano longo,
Óculos de proteção,
Máscaras.
Gorro.

Desinfecção
Esterilização
Embalagens
Acondicionamento, distribuição e transporte
Físico
Verificar tempo, pressão e temperatura durante todo o ciclo de esterilização;

Leitura manual ou através de impressoras acopladas ao esterilizador.

Mecânico
Relacionado ao equipamento de esterilização;
Registros de manutenção preventiva e corretiva realizadas;
Registros de problemas observados durante a prática diária;
Registro da validação do processo realizado periodicamente.

Químico
Por meio de indicadores e integradores químicos;

Indicadores: tiras de papel impregnadas com tintas termocrômicas;

Mudam de cor quando expostas aos parâmetros de esterilização.

Biológico
Possibilitam uma monitorização eficaz para assegurar que o produto irá apresentar um desempenho padronizado (padrão-ouro);

É o único meio de assegurar que o conjunto de todas as condições de esterilização está adequada;

Preparação padronizada de esporos bacterianos autocontidos, com suspensões de 106 esporos por unidade de papel filtro.

Recomendação: diariamente.
Limpeza
Etapa mais importante do processamento, ligada a qualidade final do processo.

Consiste no processo de remoção da sujidade visível aderida nas superfícies, fendas, serrilhas, articulações e lumens de instrumentos, dispositivos e equipamentos, utilizando detergente e ação mecânica.

Quanto mais cedo iniciar a limpeza dos artigos, mais rápida, eficiente e menos custosa ela será;

Limpeza Manual
Limpeza Automatizada
Falhas do processo (limpeza ou secagem)
Falha na esterilização:
Matéria orgânica atua como fator de proteção para os microrganismos, impedindo o contato com o agente esterilizante.
Reações tóxicas;
Reações pirogênicas

Desvantagens
Risco ocupacional;
Contato constante com umidade, produtos químicos e aerossóis;
Contraste térmico;
Maior consumo de tempo.

Soluções
Reduzem a tensão superficial da água (tensoativos);
Produtos não devem ser abrasivos ou corrosivos;
Não afetar a integridade do produto;
Não liberar partículas;
Atóxico, estável;
Ação instantânea;
Solúveis em água;
Alta penetração;
Biodegradável;
Remoção com enxágüe simples;
Baixo custo.

Secagem
Pode ser feita com panos limpos, ar comprimido (frio) ou secadoras.
Não usar produtos químicos ou ar quente.
Processo aplicado a um artigo ou superfície visando a eliminação de microrganismos, exceto esporos.


Desinfecção Química
Deve se restringir a artigos termossensíveis;
Características do desinfetante ideal:
Largo espectro de ação
Ação rápida
Estável
Solúvel
Fácil de utilizar
Baixo nível de odor
Econômico
Monitorável
Compatível com detergentes
Atóxico
Inócuo ao meio ambiente
Processo que utiliza agentes químicos ou físicos para destruir todas as formas de vida microbiana e aplica-se especificamente para objetos inanimados.
Calor Úmido
Vapor saturado sob pressão - Autoclaves

Método ideal para PPS termorresistentes
Calor Seco
Estufas

DESUSO

RDC 15 - proíbe
Físicos
Plasma Peróxido de Higrogênio
Vapor de Formaldeído a Baixa Temperaruta
Óxido de Etileno
Tipos
Físico-químico gasoso
Glutaraldeído
Vantagens
Ácido Peracético
Rápida ação microbicida;
Pode ser manual ou automatizada;
Não produz produtos nocivos;
Mantém ação na presença de matéria orgânica;
Atua mesmo em baixa temperatura.
Líquidos
Autoclaves
O vapor saturado sob pressão é o processo de esterilização que maior segurança oferece no meio hospitalar, destruindo todas as formas de vida em temperaturas entre 121°C a 134°C.
Forma mais efetiva para esterilização:
Consegue penetrar em objetos porosos e permite assegurar a secagem após o processo.

Vantagens
Barato
Eficaz
Rápido
Atóxico
Microbicida
Esporicida
Fácil aquecimento
Penetração em tecidos
Desvantagens
Corrosão e degradação dos materiais;
Não compatível com todos os materiais utilizados no meio hospitalar;
Dificuldade de extração do ar da câmara do esterilizador;
Sobreaquecimento do vapor d'água, diminuindo as características de agente esterilizante.

Observações
A carga não deve ultrapassar 80% da capacidade da câmara interna;

Os pacotes não devem ser movidos de 30 a 60 minutos após a esterilização, devendo ser mantidos dentro da autoclave ou em ambiente sem corrente de ar.
Escalas de Temperaturas dos Métodos de Esterilização
Vapor – 121 a 134°C
Formaldeído – 60 a 80°C
Óxido de Etileno – 55 a 65 °C
Ácido Peracético – 35 a 55°C
Peróxido de Hidrogênio/ Plasma de Peróxido de Hidrogênio – 45 a 50°C

Vantagens
Materiais termossensíveis;
Ciclos curtos;
Não é necessário a retirada do gás – curto intervalo entre as utilizações do material;
Ecologicamente correto (liberação de H20 e O2)
Desvantagens
Restrição do tamanho do lumen;
Não compatível com alguns materiais;
Necessita embalagem especial (TYVEK).
Incompatibilidade
Celulose (papel, madeira e tecido) – absorvem o peróxido de hidrogênio;
Pó, líquido e espuma;
Material com fundo cego;
Material sujo ou molhado.

Vantagens
Baixa temperatura;
Boa compatibilidade aos materiais;
Baixo custo por ciclo;
Grande capacidade da câmara interna;
Boa penetração no lúmen.
Desvantagens
Cuidados com segurança no ambiente de trabalho;
Monitoramento caro e necessário;
Longo período de aeração, levando a um longo período de retorno do material ao uso.
Vantagens
Bactericida, tuberculocida, fungicida, virucida e esporucida;
Rapidez;
Baixo custo;
Compatível com materiais termossensíveis.
Desvantagens
Odor irritante em concentrações mínimas;
Potencial carcinogênico do principio ativo.
Serviços de saúde que realizam procedimentos cirúrgicos e diagnósticos por videoscopias com penetração de pele, mucosas adjacentes, tecidos sub-epiteliais e sistema vascular, cirurgias abdominais e pélvicas convencionais, cirurgias plásticas com o auxílio de ópticas, mamoplastias e procedimentos de lipoaspiração;

Fica suspensa a esterilização química por imersão, utilizando agentes esterilizantes líquidos, para o instrumental cirúrgico e produtos para saúde;
RDC 8 de 27 de fevereiro de 2009
Alquilação de radicais, altera o DNA, o RNA e a síntese proteica.
Desvantagens
Estabilidade;
Compatível com vários tipos de artigos (metal, borracha, plástico);
Necessita de ativação (pH ácido – pH neutro);
Tempo de vida da solução limitado;
Mycobacterium massilliensis – Resistente;
Produto tóxico;
Difícil remoção.

Desnaturação de proteínas, ruptura de parede celular e oxidação de proteínas
Vantagens
Desvantagens
Poder corrosivo em cobre, latão, aço comum e ferro galvanizado.

Características das embalagens
Ser apropriadas ao método de esterilização;
Ser apropriadas ao item que será esterilizado;
Ser permeáveis ao ar e agente esterilizante;
Permitir sua remoção;
Barreira efetiva contra microrganismos;
Permitir identificação do conteúdo;
Não furar ou rasgar facilmente quando submetida ao manuseio;
Não oferecer dificuldade à abertura do pacote;
Proteger o conteúdo;
Ser atóxico e inodoro;
Ser flexível, com massa e gramatura uniformes;
Ter uma favorável relação custo-benefício;
Possuir registro na ANVISA.


TIPOS DE EMBALAGENS
Tecido de Algodão
Recomendações:
Lavar antes do primeiro uso;
Lavar após cada uso (restaurar teor de umidade das fibras);
Estabelecer número máximo de reprocessamentos;
Realizar testes freqüentes de permeabilidade da água.


Papel Crepado
Papel Grau Cirúrgico
Permeável ao agente esterilizante e impermeável aos microrganismos;
Resistência a tração e perfuração;
Observar presença de furos;
Deve permitir abertura sem rasgar;
Necessita selagem tripla.
Tyvec
Suporta altas temperaturas;
Alta resistência a tração e perfuração;
Durabilidade longa;
Excelente barreira microbiana;
Não contém celulose.
Não- tecido SMS
Formado por camadas de véus de fibras ou filamentos;
Alta eficiência a tração, rasgos e perfurações;
Repelente a líquidos;
Alta permeablididade aos agente esterilizante;
Excelente barreira contra microrganismos.;
Maleabilidade.
Compatibilidade
Compatível apenas com o processo de esterilização pelo vapor saturado sob pressão;


Não indicado para Óxido de Etileno e Formaldeído por reter grande quantidade de umidade e resíduos do agente esterilizante.

Compatibilidade
Vapor Saturado sob Pressão
Óxido de Etileno
Vapor de baixa temperatura e formaldeído.

Compatibilidade
Autoclave
ETO
Vapor de Baixa temperatura e formaldeído

Compatibilidade
Autoclave
ETO
Plasma Peróxido de Hidrogênio (Sterrad)

Alto Custo!!!
Compatibilidade
Autoclave
ETO
Plasma Peróxido de Hidrogênio (Sterrad)
Vapor de Baixa temperatura e formaldeído

Caixa metálicas
Indicadas para estufas – desuso;
Somente podem ser utilizadas em autoclaves se perfuradas.
Sistema de Contêiner Rígido
Caixa de metal ou plástico termorresistentes ou recipientes de alumínio;
Acondicionam instrumentais cirúrgicos;
Economiza espaço no armazenamento;
Econômico na esterilização;
Indicadas para autoclaves.
Devem garantir a manutenção da esterilidade do conteúdo, bem como a sua transferência sob técnica asséptica;
Deve permanecer íntegra e ser pouco manuseado para evitar que os pacotes rasguem ou solte o lacre.

Os artigos devem ser inspecionados quanto à:
Limpeza;
Funcionalidade;
Integralidade.
Identificação
Deve ser capaz de se manter legível e afixado nas embalagens durante a esterilização, transporte, armazenamento e distribuição até o momento do uso.

Deve conter:
Nome do produto;
Número do lote;
Data da esterilização;
Data de validade;
Método de esterilização;
Identificação do responsável pelo preparo.
Objetivo:
Preservar a esterilidade dos artigos.

Acondicionamento
Acesso à área:
Restrito às pessoas escaladas para o serviço;
Permitir atendimento das unidades consumidoras;
Deve existir uma pia próxima a entrada dessa área;
Uso de uniforme ou avental privativo.
Ambiente
Limpo, arejado e seco;
Fechado, com sistema de renovação do ar;
Climatizado:
Temperatura entre 18 e 22°C
Umidade relativa entre 35 a 70%.

Material
Não colocá-lo em superfície fria (pedra ou aço inoxidável), utilizar cestos ou recipientes vazados até que esfriem;
Deve ser estocado em armários fechados com prateleiras;
Prateleiras identificadas de modo a facilitar a retirada do material;
Deve ser estocado de acordo com a data de vencimento da esterilização para facilitar a distribuição e não ficar material vencido no estoque;
Estocar separadamente dos não estéreis para reduzir o nível de contaminantes externos.
Distribuição
Deverá ser realizada em horários padronizados



Organizar dinâmica do trabalho na área e favorecer funcionário no desenvolvimento das atividades.
Transporte
Embalagem rígida, lisa e fechada hermeticamente;

O material estéril deve ser transportado em carros fechados e exclusivos;

Caso não seja possível, deve ser transportado em embalagens plásticas.

Classe 1
Tiras impregnadas com tinta termo-química que muda de coloração quando exposto a temperatura.

Fita teste ou zebrada;
Deve ser fixado junto à identificação do artigo.

Classe 2
Teste de BOWIE & DICK - testa a eficácia do sistema de vácuo da autoclave pré-vácuo. Uso diário no 1º ciclo, sem carga, a 134°C por 3,5 a 4 min sem secagem.
Folha deve ser colocada no centro do pacote, no ponto mais frio da autoclave, com a câmara vazia.
Classe 3
Controla um único parâmetro: a temperatura pré-estabelecida.
Classe 4
Indicador multiparamétrico: controla a temperatura e o tempo necessários para o processo.
Classe 5
Integrador: controla temperatura, tempo e qualidade do vapor.
Classe 6
Indicadores de simulação: Integrador mais preciso por oferecer margem de segurança maior. Reage quando 95% do ciclo é concluído.

Autoclaves

1ª Esterilização do dia

Condutas em relação à falha no processo de esterilização
Teste Bowie-Dick com mudança não uniforme:
Repetir o teste;
Caso mantenha alteração; interromper utilização do equipamento;
Convocar serviço de manutenção.

Resultado positivo do indicador biológico:
Interromper utilização da autoclave;
Informar o Serviço de Controle de Infecção Hospitalar;
Convocar o serviço de manutenção;
Todos os artigos processados devem retornar a CME.

Diferenciação de termos
Classificação das áreas hospitalares
LIMPEZA
Concorrente
Diariamente e consiste na limpeza do piso, remoção de poeira do mobiliário, limpeza completa do sanitário, reposição de material de higiene e recolhimento do lixo, repetido conforme a necessidade.

Terminal
Realizado periodicamente, de acordo com a área de risco do hospital, e consiste na limpeza de paredes, pisos, tetos, janelas, portas e sanitários.


Pré-limpeza;
Recepção;
Limpeza;
Secagem;
Preparo
Desinfecção;
Esterilização;
Controle da qualidade (uso de indicadores químicos, biológicos e físicos);
Acondicionamento;
Distribuição;
Transporte.
Composto por 100% de celulose tratada;
Vantagens:
Barreira efetiva contra a penetração de microrganismos;
Flexível;
Porosidade controlada;
Resistente a ruptura;
Hidro-repelente;
Antiestático (não favorece acúmulo de poeira);
Biodegradável;
Atóxico e não irritante;
Reciclável.
Full transcript