Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

META MODELO DE LINGUAGEM

No description
by

Daniela Bossi

on 14 October 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of META MODELO DE LINGUAGEM

PRINCÍPIO da OMISSÃO

PRINCÍPIO da DISTORÇÃO
Distorção é o processo pelo qual podemos fazer mudanças no modo pelo qual experimentamos os dados sensoriais.
A essência da distorção está na habilidade humana de atribuir significado às coisas.
A distorção faz com que tanto o significado atribuído quanto o critério pelo qual foi feita a atribuição de significado permaneçam implícitos.
Pode nos permitir lidar mais facilmente com a realidade ou nos limitar.
Todo modelo omite, generaliza e distorce.
Omitir é uma condição necessária para generalizar.
A distorção é um processo ainda mais abrangente. A atribuição de significado é a generalização de uma generalização.
Não é possível representar lidando com a coisa como ela é, mencionando todas as exceções e definindo rigorosamente todos os contextos.
Omitir, generalizar e distorcer são processos interdependentes que precisam acontecer juntos para que se tenha a representação ou um modelo.
DISTINÇÕES DO METAMODELO
GRUPO das DISTORÇÕES:
OS
: Falta o complemento nominal e/ou o predicado do verbo, de forma que a ação deste fica difusa, limitando amplamente as escolhas do sujeito. EX: Eu tenho medo. (medo do quê? de quem?)
IRO
: O sujeito ou o complemento da sentença são vagos, de forma que não se tem aquilo que o interlocutor está falando de forma específica. EX: As pessoas me irritam. (quem especificamente te irrita?). É preciso arrumar as coisas. (o que especificamente é preciso arrumar?)
OC
: Ocorre quando um braço da comparação está faltando ou, no ca dos superlativos, o conjunto de referência em que foi feita a comparação. EX: Ele é o melhor! (Melhor em quê?)
VI
: O verbo é vago e permanecemos com dúvidas sobre o sentido da frase. Todo verboo é relativamente inespecífico, mas beijar é mais específico que tocar, por exemplo. EX: Minha mãe me machuca. (Como, especificamente, sua mãe te machuca?
N
: São palavras que tem a forma de substantivo, mas que originariamente eram verbos. O resultado da nominalização é um congelamento do processo indicado pelo verbo, transformando-o em uma coisa ou em um evento. EX: Preciso de ajuda. (Como você quer ser ajudado?). Minha vida é uma grande frustação. (Como você está sendo frustrado?)
DISTINÇÕES do METAMODELO
GRUPO das GENERALIZAÇÕES:
Está relacionado com os limites do modelo do interlocutor devido às generalizações. Ao generalizar, a pessoa perde a possibilidade de obter as vantagens que teria com as possíveis exceções. Estão nesse grupo:
Quantificadores Universais (QU)
Operadores Modais (OM)
Está relacionado com as mal formações semânticas, ou seja, com as atribuições de significado a alguma coisa. Reconhecer sentenças semanticamente mal formadas ajuda a pessoa a identificar as partes distorcidas de seu modelo que empobrecem a experiência. Estão neste grupo:
Causa e Efeito (CE)
Leitura de Mente (LM)
Execução Perdida (EP)
Equivalência Complexa (EC)
Pressuposições (P)
CE
: É uma distorção lógica que pode ser enquadrada na fórmula "x causa y", e que estabelece uma relação causal entre a ação de uma pessoa e determinada resposta emocional ou estado interno de outra. Tomando a relação causal como verdadeira, a pessoa passa a acreditar que não poderia responder de outra forma, ficando sem escolhas. EX: Meu pai me frusta. (Como ele te frusta? Como é possível ele te frustar?). Fico deprimida quando meu marido chega tarde. (Como o atraso dele deprime você?)
LM
: É uma afirmação sobre o mundo interno de outra pessoa. EX: Eu sei o que você está pensando? (Como é que você sabe?). Eu sei o que é melhor para ele. (Como você sabe o que é melhor para ele?)
EP
: É um julgamento de valor, um juízo, que não inclui a sua origem nem elabora seu modo de construção. A afirmação tem a forma de generalização sobre o próprio mundo, mais do que algo reconhecido como pertencente ao modelo de mundo do interlocutor. EX: É errado criticar os outros. (Errado para quem?)
EC
: Aqui, duas sentenças são colocadas lado a lado, como se fossem equivalentes ou seja, duas experiências estão sendo colocadas como iguais em significado. Algo como "x prova y", ou " x significa y". A EC é uma LM explicada. EX: Ele não me trouxe flores. Ele não me ama. (Você já deixou de oferecer flores a alguém que ama?
P
: São elementos de linguagem ou afirmações que precisam existir para que uma sentença seja verdadeira ou faça sentido. O importante aqui é que a estrutura linguistica pressuposta é processada inconscientemente, podendo definir estados internos e comportamentos coerentes com a pressuposição. EX: Você já tem consciência do gato que está no canto da sala? (a premissa é de que há um gato no canto da sala).
META MODELO DE LINGUAGEM
Não é possível replicar a realidade.
A omissão é um recurso que nos permite resumir determinado aspecto da realidade e então lidar com o resumo.
O fato de que o modelo guarda uma relação lógica com a coisa representada imprime uma lógica de forma que seja possível recuperar a informação quando for necessário.
O problema da Omissão não está na perda da informação, mas principalmente na perda do processo segundo o qual poderíamos recuperar o material perdido.

Se caracteriza pela coleta de dados, buscando as informações que faltam no modelo da pessoa que fala com o objetivo de se chegar a uma descrição acurada e completa do conteúdo apresentado. São 5 (cinco) distinções:
Omissão Simples (OS)
Índice de Referência Omisso (IRO)
Omissão do Comparativo (OC)
Verbos Inespecíficos (VI)
Nominalizações (N)
Generalização é o processo pelo qual os elementos do modelo (mapa) de uma pessoa deixam de fazer parte da experiência original e passam a representar toda uma categoria.
Todo modelo generaliza. Não seria possível representar cada item em particular de uma realidade.
Ao desconhecer as exceções, o processo de generalização pode limitar um modelo produzindo falta de escolha diante do que não se enquadra como regra geral.
A generalização ocorre de acordo com um critério, um padrão lógico de avaliação em que a regra está baseada.
PRINCÍPIO da GENERALIZAÇÃO
DISTINÇÕES DO METAMODELO
GRUPO das OMISSÕES:
QU
: São palavras como TUDO, TODO, SEMPRE, NUNCA, NINGUÉM e QUALQUER, que expressam exagero e generalização. EX: Nunca consigo o que quero! (Alguma vez você já conseguiu algo que queria?)
OM
: São palavras e expressões que indicam falta de escolha do interlocutor, do tipo "eu tenho que", "Eu não consigo", "É necessário, eu preciso". Expressam obrigações, necessidades ou impossibilidades que estão fora do alcance de sua vontade. EX: Não posso fazer isto. (O que te impede?). Eu não posso dizer a verdade (O que aconteceria se você dissese?).
Full transcript