Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Retórica e Dialética em Aristóteles

about.me/harimbritto
by

Harim Britto

on 27 March 2017

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Retórica e Dialética em Aristóteles

Retórica e Dialética
Aristóteles
Utilidade
A
Da
Mas a retórica é útil porque a verdade e a justiça são por natureza mais fortes que os seus contrários. De sorte que, se os juízos se não fizerem como convém, a verdade e a justiça serão necessariamente vencidas pelos seus contrários, e isso é digno de censura.
Além disso, nem mesmo que tivéssemos a ciência mais exata nos seria fácil persuadir com ela certos auditórios.
É preciso ser capaz de argumentar persuasivamente sobre coisas contrárias, como também acontece nos
silogismos
; não para fazer uma e outra coisa - pois não se deve persuadir o que é imoral - mas para que nos não escape o real estado da questão e para que, sempre que alguém argumentar contra a justiça, nós próprios estejamos habilitados a refutar os seus argumentos.
A retórica é a capacidade de descobrir o que é adequado a cada caso com o fim de persuadir.
Aristóteles
As provas de persuasão fornecidas pelo discurso são de três espécies:
umas residem no
carácter moral do orador
;
outras, no modo como se
dispõe o ouvinte
;
e outras,
no próprio discurso
, pelo que este demonstra ou parece demonstrar.
Segundo Aristóteles, indica o tipo perfeito do raciocínio dedutivo, definido como "um discurso em que, postas algumas coisas, outras se seguem necessariamente"




Isso significa que o homem é mortal porque animal: a animalidade é a causa ou a razão de ser de sua mortalidade. Nesse sentido, diz-se que a noção "animal" desempenha a função de termo médio do Silogismo.


O termo médio é indispensável no S. porque representa a substância, ou a alusão à substância, e somente esta possibilita a conclusão (An.
post.. II, 11, 94 a 20). Portanto, o S. tem três termos, a saber o sujeito e o predicado da conclusão e o termo médio, mas é a função do termo médio que determina as diferentes figuras do silogismo
As características fundamentais do Silogismo:

1 - caráter mediato;
2 - necessidade.
"Todos os animais são mortais;
Todos os homens são animais;
Logo, todos os homens são mortais"
Termo médio
(...) E se alguém argumentar que o uso injusto desta faculdade da palavra pode causar graves danos, convém lembrar que o mesmo argumento se aplica a todos os bens excepto à virtude, principalmente aos mais úteis, como a força, a saúde, a riqueza e o talento militar; pois, sendo usados justamente, poderão ser muito úteis, e, sendo usados injustamente, poderão causar grande dano.
Palavras não são más
Palavras não são quentes
Palavras são iguais
Sendo diferentes
Palavras não são frias
Palavras não são boas
Os números pra os dias
E os nomes pra as pessoas
Palavra eu preciso
Preciso com urgência
Palavras que se usem
em caso de emergência
Dizer o que se sente
Cumprir uma sentença
Palavras que se diz
Se diz e não se pensa
Palavras não têm cor
Palavras não têm culpa
Palavras de amor
Pra pedir desculpas
Palavras doentias
Páginas rasgadas
Palavras não se curam
Certas ou erradas
Palavras são sombras
As sombras viram jogos
Palavras pra brincar
Brinquedos quebram logo
Palavras pra esquecer
Versos que repito
Palavras pra dizer
De novo o que foi dito
Todas as folhas em branco
Todos os livros fechados
Tudo com todas as letras
Nada de novo debaixo do sol
Palavras - Titãs
Arte de combater com palavras para se obter a vitória.
foco
em
Dialética como método da divisão; (Platão)
Dialética como lógica do provável; (Aristóteles)
Dialética como lógica; (Estóicos)
Dialética como síntese dos opostos. (Hegel)

A dialética é um jogo
erístico

Em Eutidemos, Platão dá um exemplo vivo do modo como essa arte era exercida em seu tempo:

Os interlocutores do diálogo, os irmãos Eutidemos e Dionisodoro, divertem-se em demonstrar, p. ex., que só o ignorante pode aprender, e logo depois que só o sábio aprende; que se aprende só o que não se sabe e depois que se aprende só o que
se sabe, etc.
O fundamento de semelhantes exercícios é a doutrina compartilhada pelos megáricos, sofistas e cínicos, de que
o erro não é possível porque, não se podendo dizer o que não é (que equivale a não dizer), sempre se diz o que é, logo a verdade
.
Sendo a
dialética
um
jogo
, logo, cabem estratégias, truques e toda sorte de meios para retardar o raciocínio do adversário. Contudo é importante observar
as regras, que devem ser respeitadas
!
num debate dialético, o objetivo do questionador é parecer, por todos os meios, estar fazendo uma refutação, e o objetivo do defensor é parecer não estar sendo afetado pessoalmente em nada. (VIII, 5, 159a)
Usar a Dialética
pedagógico (
gymnasía
) - promover o embate de forças visando o exercício, e não propriamente a instrução.
filosófico (
dialética
) - I. desempenhar o papel de estabelecer os primeiros princípios de cada ciência. II. dá "a capacidade de abarcar apenas com o olhar (...) as consequências de uma e outra hipótese" e "fazer a justa escolha entre ambas"
homilético (
comunicabilidade social
) - "Sua utilidade no contato com os outros é explicada pelo fato de que, depois de prepararmos o inventário das opiniões da maioria, não estaremos falando a ela a partir de pressupostos que lhe sejam estranos, mas a partir de pressupostos que lhe são próprios, sempre que a quisermos persuadir..."(I,2, 101a)
O que a retórica e a dialética tem em comum?

1 - São capazes de formular teses a favor ou contra;
2 - São universais, pois transcendem a ciência;
3 - Podem ser ensinadas mediante técnicas;
4 - São capazes de diferenciar o verdadeiro do aparente (diferentemente da sofística);
5 - Utilizam-se das indução e da dedução.
A Retórica e suas Estruturas
Hypocrisis (ação)
Heurésis (invenção)
Táxis (disposição)
Lexis (elocução)
a busca pelos argumentos e meios necessários para a vitória no debate
a forma como o argumento será estruturado
trata do estilo da redação do discurso, não se limitando à oralidade
que se dá ao proferir efetivamente o discurso
Quatro tarefas que o orador
deve
observar.

Buscar
compreender sobre o que se pretende falar
, reunindo todas as informações possíveis sobre o tema; organizá-los de forma a
criar uma linha que sirva de roteiro
para que os outros lhe acompanhem; buscar uma sistemática durante a redação de modo a
fazer do discurso algo interessante
de se acompanhar, e por fim, ensaiar a fala para
proferí-lo com segurança e perfeição
.
Heurésis
Sistema Retórico
Antes de tudo, é necessário saber de antemão sobre o que o discurso irá tratar. Isso dá as margens de segurança necessárias para delimitar o campo de pesquisa e garantir maior estabilidade ao orador.
Para cada público, um tipo de discurso
Foco: Espectadores (É o tipo mais comum)
Função: Censura ou Louvar
Tempo: Trazer as atenções para o presente, mesmo que utilize recursos passados ou vindouros.
Procedimento: Recorre-se à amplificação e à exortação, muitas vezes exagerada.
Valores: Nobre ou Vil
Tipos de discurso
Judiciário
Foco: Tribunal
Função: Atacar ou Defender
Tempo: Trata de esclarecer e qualificar e julgar ações ocorridas no passado.
Procedimento: Utiliza-se de argumentos estritamente técnicos, num encadeamento dedutivo.
Valores: Justo ou Injusto
Foco: Assembléia
Função: Aconselhar ou Desaconselhar
Tempo: Trata de discutir projetos que estão no porvir.
Procedimento: Utiliza-se uma argumentação mais ilustrativa, com exemplos, analogias e metáforas.
Valores: Útil ou Nocivo
Deliberativo

Epidíctico
Tipos de Argumento
a argumentação propriamente dita; a mecânica dialética por trás do argumento.
etos
Afetivo
Racional
O caráter que o orador tenta demonstrar perante o público e transmitir credibilidade, sensatez, sinceridade e simpatia.
patos
Argumentos capazes despertar sentimentos no público favoráveis à mensagem que está sendo passada.
logos
Tipos de provas
são provas criadas com base na habilidade do orador.
são provas reunidas antes do discurso: testemunhas, confissões, leis, contratos, etc.
Intrínsecas
Extrínsecas
— O finado era um servo de Deus... Ia à igreja todos os cultos dominicais, era muito temente ao Senhor. Ofertante e dizimista fiel.
— Era também um pai exemplar! Nunca deixava faltar nada para seus filhos.
— E, acima de tudo, um ótimo marido... Sempre cumpria com as suas obrigações, cuidava bem de sua esposa, era fiel, chegava sempre em casa na hora certa e ajudava nos afazeres domésticos.
Velório na igreja, caixão fechado, família reunida. E o pastor começa a prestar a última homenagem ao irmão falecido:
— Pastor! — interrompe a viúva — Desculpe atrapalhar, mas... Eu gostaria que abrissem o caixão! Não é possível que o senhor esteja falando do meu marido! Eu acho que trocaram o defunto no IML!!! p
Taxis
Hypocrisis
Lexis
Exórdio (Proêmio) - Tornar o auditório dócil, atento e benevolente

Narração (Diegésis) - Exposição dos fatos referentes à causa

Confirmação (Pistis ) - A junção das provas seguido de uma refutação (refutatio) que tem como finalidade destruir os argumentos dos adversários.

Digressão (Parekbasis) e Peroração (Epílogos) - A primeira tem como função distrair, relaxar (ou indignar) a platéia; já o segundo visa dar um fechamento ao discurso.
Estilo
peroração (paixão), digressão
narração, confirmação, recapitução
Exórdio, digressão
ameno = medium
nobre = grave
simples tenue
Objetivo
comover = movere
explicar = docere
agradar = delectare
Prova
patos
logos
etos
Momento do discurso
O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.
Fernando Pessoa
"Se, reproduzindo o discurso alheio, a gente o altera tanto é porque não o compreendeu."
Goethe , Johann"

"Todo o discurso deve ser construído como uma criatura viva, dotado por assim dizer do seu próprio corpo; não lhe podem faltar nem pés nem cabeça; tem de dispor de um meio e de extremidades compostas de modo tal que sejam compatíveis uns com os outros e com a obra como um todo.
Sócrates

"Faça o sermão sobre o que quiser, mas nunca por mais de 40 minutos."
Lutero , Martinho

"Que mania de se falar difícil sobre coisas fáceis."
Bomfim , Paulo

"Antes que eu discurse, tenho algo importante para dizer."
Marx , Groucho
Full transcript