Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Filosofia Helenistica e Periodo Greco-Romano

No description
by

Marco Antonio Bearzi

on 22 September 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Filosofia Helenistica e Periodo Greco-Romano

Filosofia Helenística e Período Greco-Romano
Introdução
Com a conquista da Grécia pelos macedônios (322 a.C.), teve inicio ao chamado PERÍODO HELENÍSTICO. E com a expansão militar do império macedônio efetuada por Alexandre o Grande, este período caracterizou-se por um processo de interação entre a Cultura Grega Clássica e a Cultura dos Povos Orientais conquistados.
No campo filosófico as escolas platônicas (Academia) e aristotélica (Liceu), dirigidas pelos discípulos de Platão e Aristóteles, os valores gregos começaram a mesclar-se com as mais diversas tradições culturais já existentes.
Introdução
E assim foram formuladas diversas condutas filosóficas em busca da Paz de Espirito (Ataraxia), entre elas:

*Epicurismo: O Prazer

*Estoicismo: O Dever

*Cinismo: O Simples

*Pirronismo: A Suspensão do Juízo
Epicurismo: O Prazer
Epicurismo é o sistema filosófico ensinado por Epicuro de Samos (341-271 a.C.).
Dava-se o devido valor e atenção ao PRAZER, como exemplo: Sexo, bebidas, amizades e etc. Mas sempre de forma moderada, onde que a razão irá ajudar a reconhecer e julgar esses prazeres que podemos vivenciar, e que podem ser negativos se não vividos de uma forma moderada.
O Epicurismo propõe a busca pelos prazeres do dia-a-dia como uma fonte de alimentação da nossa alma, da nossa paz de espirito, ou ATARAXIA, mas também sem exagero e sem abuso.

Estoicismo: O Dever
O principal fundador é o Zenão de Cício (336-263 a.C.).
A felicidade esta no DEVER. No estoicismo defendem a realidade racional, a felicidade se alcança entendendo qual é o curso da natureza e do universo, um fluir da existência da natureza e do universo, e só estará feliz quando se estiver coerente com essa natureza. Saber enfrentar as leis da natureza e assim ser feliz.
Devemos aceitar tudo aquilo que nao da para modificar, e modificar tudo aquilo que podemos e conseguirmos modificar.
Cinismo: O Simples
O principal pensador do Cinismo é Diógenes de Sínope (413-327 a.C.).
Cinismo significa, aqueles que vivem como os cães, comem o que acham, dormem onde querem, vivem na simplicidade.
Tendo a fuga dos conceitos criados pelo homem, a fuga da sociedade, pode trazer a paz de espirito, ou seja, viver com as coisas simples da vida, sem qualquer propriedade ou conforto. A felicidade está nas mínimas coisas.

Pirronismo: A Suspensão do Juízo
O fundador dessa ideia é o Pirro de Élida (365-275 a.C.).
O Cetismo Pirronico, acredita-se que sempre pra uma ideia existe uma razão oposta tao válida quanto, e isso pode tirar a sua paz de espírito. Se ficar de um lado da ideia, você esta sendo contra o outro lado, automaticamente vice-versa. Então para não ficar se preocupando em qual ideia acreditar, eles suspendiam o juízo e assim alcançando a paz de espírito.
Busca pela verdade > conflito entre teorias > equivalência das teorias > suspensão do juízo > paz de espírito.
Período Greco-Romano
O Egito greco-romano (332 a.C.-395 d.C.) compreende o período em que o Egito viveu sob domínio greco-macedônico e, posteriormente, romano. Nesta época em que as culturas grega e romana foram introduzidas no Egito, juntamente com a população que lá se estabeleceu, verificamos uma relação religiosa complexa entre as diversas esferas culturais envolvidas.
Enquanto a religião tradicional permaneceu nos meios oficiais dos templos, na chôra egípcia (o Egito excetuando-se a cidade de Alexandria) a cultura popular expressa, de maneira mais nítida, a relação sincrética entre os elementos religiosos egípcios e greco-romanos. Esta comunicação tem como objetivo discutir alguns aspectos do culto de Ísis no Egito greco-romano, tendo como fonte de estudo as estatuetas de terracota que representam a deusa, as quais constituem um dos meios de expressão desta religiosidade popular.
FIM
Full transcript