Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

3. CAPÍTULO 2 - A FILOSOFIA NASCEU DO ESPANTO (p. 18 – 21)

No description
by

Roger Soares

on 18 February 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of 3. CAPÍTULO 2 - A FILOSOFIA NASCEU DO ESPANTO (p. 18 – 21)

CAPÍTULO 2 - A FILOSOFIA NASCEU DO ESPANTO (p. 18 – 21)
A ORGIEM DA PALAVRA FILOSOFIA
Filosofia deriva da junção dos termos philos (amor) e sophia (sabedoria). Assim, etimologicamente Filosofia significa amor à sabedoria. Esta designação é atribuída a Pitágoras (séc. VI a. C.), chamando-se a si mesmo filósofo. Este amor pela sabedoria não significa que o filósofo deve querer deter toda a sabedoria, mas antes adoptar uma atitude de procura incessante da mesma. É amigo, amante, da sabedoria, aquele que nunca pára de a procurar. Assim, o filósofo distingue-se do sábio, uma vez que este tem como objectivo a posse da sabedoria e da verdade, enquanto que aquele tem como objectivo uma "perseguição" constante e eterna das mesmas.
Conclusão
O Espanto Na filosofia
Admirar os princípios formativos das coisas... refletir o que a dor é,o que o prazer é, e a morte, e a fome... ( Marcus Aurelius, Meditações, XII/8).

E porquê o espanto? Porque é este sentimento de admiração, que o Homem experimenta ao confrontar-se com as coisas e os acontecimentos, que determina o aparecimento de interrogações. Do espanto nasce a interrogação, característica essencial da atitude filosófica. Possuidor de espírito critico, o filosofo é assaltado pela dúvida, pois sabe que o habitual e o que pensa conhecer, pode não ser mais do que uma ilusão. É por isso que o que a muitos de nós parece óbvio continua a ser problemático para o filósofo, continua a espantá-lo e a dar origem a questões que se renovam constantemente.
Por que os astros se movimentam?
O que é o ser?
Quem é o homem?
Qual o sentido da vida?
"... Sinto-me nascido a cada momento para a eterna novidade do mundo..." (Fernando Pessoa).
Perguntas importantes
Por que devo ser justo?
É possível provar a existência ou a inexistência de Deus?
Os homens são todos iguais?
Damos mais importância à aparência ou à realidade?
Preferias viver num filme bom ou numa má realidade?
Ser livre é ter tudo o que queremos?
Seria bom viver para sempre?
Somos mais importantes que um inseto?
As coisas poderiam ter sido diferentes do que são?
O Universo é perfeito?
Quem é o filósofo?
O filósofo não é dono da verdade,nem detém todo conhecimento do mundo.
Ele é apenas uma pessoa que é amiga do saber (Pitágoras).
ARISTÓTELES E O ESPANTO
Se a Terra tem 4,5 bilhões de anos, por que o poeta pergunta pela eterna novidade do mundo?
O filósofo é um perito na arte de espantar-se, quando se depara com algo novo, é movido por um sentimento de admiração profunda.
Full transcript